Top Banner

Click here to load reader

Nilton rodriguesjr 2

May 27, 2015

ReportDownload

Documents

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIROINSTITUTO DE FILOSOFIA E CINCIAS SOCIAISPROGRAMA DE PS-GRADUAO EM SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIADISSERTAO DE MESTRADO O QUE FAZ A VELHA GUARDA, VELHA GUARDA? NILTON RODRIGUES JUNIORORIENTADORA: YVONNE MAGGIE RIO DE JANEIRO2008

2. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIROINSTITUTO DE FILOSOFIA E CINCIAS SOCIAISPROGRAMA DE PS-GRADUAO EM SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIAO QUE FAZ A VELHA GUARDA, VELHA GUARDA?NILTON RODRIGUES JUNIORDissertao apresentada ao Programa de PsGraduao em Sociologia e Antropologia,Instituto de Filosofia e Cincias Sociais,Universidade Federal do Rio de Janeiro comorequisito parcial para a obteno do ttulo deMestre em Antropologia CulturalOrientadora: Yvonne Maggie RIO DE JANEIRO 14 de Fevereiro de 20083 3. FOLHA DE APROVAOO QUE FAZ A VELHA GUARDA, VELHA GUARDA?NILTON RODRIGUES JUNIOR Dissertao apresentada ao Programa de Ps Graduao em Sociologia e Antropologia,Instituto de Filosofia e Cincias Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro comorequisito parcial para a obteno do ttulo de Mestre em Sociologia, com concentrao emAntropologia CulturalBANCA EXAMINADORA______________________________________________________________________PROFA. YVONNE MAGGIE PRESIDENTE_____________________________________________________________________PROFA. MARIA LAURA VIVEIROS DE CASTRO. CAVALCANTI (PPGSA-IFCS-UFRJ)______________________________________________________________________PROF. JEAN-FRANOIS VRAN (UNIVERSIDADE LILLE III)SUPLENTES:PROF. PETER HENRI FRY (PPGSA-IFCS-UFRJ)PROFA. MNICA GRIN (PPHIS-IFCS-UFRJ) 4 4. FICHA CATALOGRFICAJUNIOR RODRIGUES, NiltonO que faz a velha guarda, Velha Guarda? /Nilton RodriguesJuniorRio de Janeiro, PPGSA/IFCS/UFRJ, 2008xii, 124 p., il.Dissertao de Mestrado Programa de Ps Graduao emSociologia e Antropologia, Instituto de Filosofia e CinciasSociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro1. Samba. 2. Cultura Popular. 3. Escola de Samba Portela. 4.Maggie, Yvonne. 5 5. Dedicatria amizadeJairo Santiago e Flvio Leal paixoIlka Amaral paternidadeDavi Amaral Rodrigues6 6. AgradecimentosDa escrita de uma tese, apesar de um ato solitrio, participam muitas pessoas queacabam se tornando marcas que no so apagadas e que nos permitem expandir nossacapacidade criativa de colocar em palavras aquilo que, inexplicavelmente, experimentamosno drama da vida cotidiana.No quero deixar todos essas pessoas no anonimato, pois me move um sentimentode gratido e de reconhecimento pela presena amiga, dialogal e instigante delas nestaDissertao que sei que de pura responsabilidade minha.Mais que um agradecimento, tenho uma divida para com Yvonne Maggie, minhaorientadora, que desde minhas primeiras inquietaes antropolgicas, antes mesmo de serseu aluno no mestrado, vem me incentivando. Com ela aprendi a ser antroplogo, ainquietar-me diante da vida e das explicaes consensuais e a no submeter minhainterpretao aos ditames da obviedade. A ela mais do que meu obrigado, minhacumplicidade.Durante o ano de 2006 cursei os seminrios no Programa de Ps Graduao emSociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde o climafecundo e criativo tem no corpo docente seu maior rendimento, aos meus professores meuagradecimento: Luiz Antonio Machado, Marco Antonio Gonalves, Mirian Goldenberg,Maria Laura Cavalcanti, Michel Misse, Elsj Lagrou, Bila Sorj, Peter Fry e Jean-FranoisVran com eles aprendi muito mais que Sociologia ou Antropologia, aprendi o exerccio dopensar.Minha turma de mestrado tem demonstrado vitalidade e as cumplicidadesnecessrias para enfrentar os desafios acadmicos: Andra Nascimento, BernardoCurvelano, Carolina Grillo, Catharina Eppecht, Edlson Pereira, Heloisa Hel Helena, JooReis, Leonardo Campoy, Luciana Almeida, Maria Cristina, Marina Cordeiro, Olivia vonder Weid, Paula Menezes, Sabrina Galeno, Suzana Mattos, Thais Danton, ThaisNascimento e Tiago Carminati.Prof. Fred Ges, do curso de Cincia da Literatura, da UFRJ, pelos debates em salade aula e pelas sugestes que deu na minha banca de qualificao e que muito meajudaram.7 7. Um agradecimento especial a Maria Laura Cavalcanti e Jean-Franois Vran porterem se disponibilizados a percorrem comigo esse ritual de passagem da defesa de minhaDissertao. Roberto Augusto DaMatta que atravs de seus trabalhos acabou por me oferecer otitulo dessa Dissertao. Marquinhos de Oswaldo Cruz que me levou a conhecer a Velha Guarda da Portelae, constantemente, nos brinda com o som de sua bela msica. Enelram Any Rodrigues que imprimiu e formatou meus originais. Claudia Vianna e Denise Alves, secretarias do PPGSA, que sabem misturarcompetncia com alegria. Cristina Fernandes que agentou, como ningum, minhas malices e meus pedidosde socorro. s bolsistas de iniciao cientifica do projeto de pesquisa de Yvonne Maggie,especialmente, Ludmila Freitas e Giselle Lage, hoje minhas colegas de ps-graduao e aMarcelo Ramos pela ajuda inestimvel. A todos vocs meu obrigado. 8 8. Epgrafe preciso por em questo, novamente, essas snteses acabadas, esses grupamentos que, namaioria das vezes, so aceitos antes de qualquer exame, esses laos cuja validade reconhecida desde o incio; preciso desalojar essas formas e essas foras obscuras pelasquais se tem o hbito de interligar os discursos dos homens; preciso expuls-las dasombra onde reinam [...] preciso tambm que nos inquietemos diante de certos recortes ouagrupamentos que j nos so familiares.(M. Foucault, Arqueologia do Saber)9 9. ResumoO que faz a velha guarda, Velha Guarda?Nilton Rodrigues JuniorOrientadora: Yvonne MaggieResumo da Dissertao de Mestrado submetida ao Programa de Ps Graduao emSociologia e Antropologia, Instituto de Filosofia e Cincias Sociais da UniversidadeFederal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessrios obteno do titulo deMestre em Antropologia.Essa Dissertao um estudo antropolgico sobre um conjunto musical de uma Escola deSamba: a Velha Guarda Show da Portela. E tem como objetivo responder a seguintequesto: o que faz a velha guarda, Velha Guarda? A Velha Guarda Show da Portela foifundada em 1970 por iniciativa do musico Paulinho da Viola e agrupa homens e mulherespara representarem a Escola de Samba Portela. No meu trabalho de campo alm dasentrevistas com integrantes do grupo e das observaes participantes, li jornais e revistas dadcada de 1970, na tentativa de responder a questo por mim formulada. Todo esse materialde campo e da elaborao da histria de vida de seis integrantes do grupo levou-me acompreender um paradoxo fundamental na lgica de organizao do grupo que oparadoxo da autenticidade versus sucesso. Esse paradoxo aliado a um drama vivido naPortela na dcada de 1970 entre dois projetos, dos compositores e da diretoria, que tinhamentendimentos diferenciados a cerca do papel da Escola no cenrio do samba carioca, melevaram a entender melhor a fundao e formao das fronteiras da Velha Guarda Show daPortela.Palavras-chave: Escola de Samba Portela; Autenticidade; Sucesso; Velha Guarda da PortelaRio de Janeiro 14 de Fevereiro de 2008 10 10. AbstractO que faz a velha guarda, Velha Guarda?Nilton Rodrigues JuniorOrientadora: Yvonne MaggieAbstract da Dissertao de Mestrado submetida ao Programa de Ps Graduao emSociologia e Antropologia, Instituto de Filosofia e Cincias Sociais da UniversidadeFederal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessrios obteno do titulo deMestre em Antropologia.This dissertation is an anthropological study of a samba schools musical group: The OldGuard Show of Portela. Its objective is to answer the following question: what makes theold guard the Old Guard? A Velha Guarda Show da Portela was founded on the initiative ofPaulinho da Viola. It brings together men and women who, collectively represent thePortela Samb School in public presentations. The present work is based on participant-observation field work, interviews with band members and archival research into mediasources from the 1970s. Fieldwork and the construction of life histories for six members ofthe group has allowed me to comprehend a paradox which lies at the formation of the OldGuard and which pits authenticity against success. This paradox must be understood in thecontext of Portela in the 1970s, when a struggle took place between two projects - onepushed by the schools directorate and the other by its composers - which saw the schoolsrole in Rios samba scene in completely different lights. Exploring and explaining thisparadox has allowed me to better understand the foundation and formation of the VelhaGuarda Show da Portela.Kew-words: Portela Samb School; authenticity; success; The Old Guard Show of PortelaRio de Janeiro 14 de Fevereiro de 200811 11. SumrioDedicatriaAgradecimentosEpigrafeResumoAbstractSumrioIntroduo Comeando do comeo ..........................................................................................13 O trabalho de campo e as fontes ............................................................................. 18 Entre a autenticidade e o sucesso ........................................................................... 19 Plano dos captulos ................................................................................................. 21Captulo 1Estamos velhos, mas ainda no morremos ..................................................................22 O bairro Oswaldo Cruz ........................................................................................... 23 O Grmio Recreativo Escola de Samba Portela, a Portela .....................................27 A Velha Guarda Show da Portela ...........................................................................30Captulo 2Situando cercanias ......................................................................................................... 43 Os novos paradigmas desfilantes das Escolas de Samba: a disputa entre visual e samba no p ........................................................................................................... 45Captulo 3

Welcome message from author
This document is posted to help you gain knowledge. Please leave a comment to let me know what you think about it! Share it to your friends and learn new things together.