Top Banner

Click here to load reader

Um outro olhar sobre Stáline - Ludo Martens

Mar 09, 2016

ReportDownload

Documents

"Requer coragem intelectual desafiar o maciço e tenaz preconceito que cerca a imagem de Stalin, indissoluvelmente associada, para a grande maioria de nossos contemporâneos, mais ainda do que ao exercício ditatorial do poder político soviético, ao uso crescente de métodos policiais de controle e aniquilamento dos oponentes."

  • Para a Histria do Socialismo www.hist-socialismo.net

    Original francs em http://www.communisme-

    bolchevisme.net/download/Ludo_Martens_Un_autre_regard_sur_Staline.pdf

    Traduo portuguesa de CN, ltima reviso 29.05.2009

    _____________________________

    Um Outro Olhar Sobre

    Stline

    Ludo Martens

    Traduo portuguesa do original em francs, Editions EPO, Anvers (Berchem), Blgica 1994

  • 2

    ndice Nota do Tradutor.. 3

    Citaes . . 4

    Prefcio . ....... 5

    Introduo: A actualidade de Stline .... 6

    Captulo I. O jovem Stline forja as suas armas .... 13

    Captulo II. A construo do socialismo num s pas ......... 29

    Captulo III. A industrializao socialista ...... 34

    Captulo IV. A colectivizao

    - Do restabelecimento da produo ao confronto social .... 41 - A primeira vaga da colectivizao ... 46 - A linha organizativa da colectivizao ..... 50 - A orientao poltica da colectivizao .... 53 - A deskulaquizao ..... 56 - A vertigem do sucesso... 61 - O impulso da agricultura socialista. 66 - O genocdio da colectivizao... 70

    Captulo V. A colectivizao e o holocausto ucraniano ..... 73

    Captulo VI. A luta contra o burocratismo... 86 Captulo VII. A grande depurao ...92

    - Como se colocou o problema dos inimigos de classe?.. 94 - A luta contra o oportunismo no Partido ........98 - Os processos e a luta contra o revisionismo e a infiltrao inimiga.....101 - O processo do centro trotskista-zinovievista ..... 102 - O processo de Pitakov e dos trotskistas ... 107 - O processo do grupo social-democrata bukharinista ..... 113 - O processo de Tukhatchvski e a conspirao anticomunista no exrcito .... 129 - A depurao de 1937-1938 . 141 - A rectificao . 145 - A burguesia ocidental e a depurao ... 147

    Captulo VIII. O papel de Trtski na vspera da II Guerra Mundial ..... 148

    Captulo IX. Stline e a guerra antifascista - O pacto germano-sovitico .... 157 - Stline preparou mal a guerra antifascista? ........ 161 - O dia do ataque alemo ...... 164 - Stline face guerra de extermnio dos nazis ..... 171 - Stline, a sua personalidade e sua capacidade militar ....... 175

    Captulo X. De Stline a Khruchov ...... 184

    - Os Estados Unidos ocupam o lugar da Alemanha nazi ..... 185 - Stline contra o oportunismo ..... 194 - O golpe de Estado de Khruchov ....... 202

    ndice de nomes ...... 208

  • Nota do tradutor

    A primeira edio de Um Outro Olhar sobre Stline, de Ludo Martens, foi publicada na Blgica, em 1994, menos de trs anos aps a dissoluo da URSS e em pleno rescaldo da derrota do socialismo neste pas e em todo o Leste europeu.

    Num momento em que a onda de choque provocada pela tremenda regresso histrica no s flagelava os povos dos antigos pases socialistas, confrontados com a implantao selvtica do capitalismo, como abalava os fundamentos ideolgicos de todo o movimento comunista mundial, semeando a descrena, a desorientao, a diviso e o derrotismo, Ludo Martens, secretrio-geral do Partido do Trabalho da Blgica (funes que exerceu at 2007), escreveu esta obra singular, que, decorridos 15 anos, permance uma raridade no conjunto da historiografia Ocidental sobre as primeiras dcadas da construo do socialismo na URSS.

    Solidamente assente em fontes credveis, grande parte das quais produzidas por autores burgueses e no comunistas ao longo do sculo XX, recorrendo s recentes investigaes permitidas pela abertura dos arquivos soviticos no final dos anos 80, de que se destacam os nmeros das chamadas vtimas das represses stalinistas apurados pelos historiador V.N Zemskov, Ludo Martens desmonta as principais mentiras forjadas e incutidas na conscincia de geraes pelos inimigos do Pas dos Sovietes, aos quais se juntou, a partir de 1956, o falsificador Khruchov com o seu tristemente clebre relatrio secreto.

    Contributo de inestimvel valor para todos aqueles que consideram o estudo e reexame da histria da URSS indispensveis afirmao dos ideais comunistas e da construo do socialismo com nica alternativa real ao capitalismo, Um Outro Olhar sobre Stline, permaneceu at hoje praticamente desconhecido no nosso Pas devido falta de uma edio portuguesa.

    A presente traduo visa colmatar essa lacuna e insere-se no trabalho de divulgao do site Para a Histria do Socialismo Documentos, cujo objectivo contribuir para o estabelecimento da verdade histrica sobre a epopeia dos povos da Unio Sovitica desbravando os caminhos do socialismo e do comunismo para toda a humanidade.

    Nesta traduo seguimos a edio original em francs, na verso electrnica realizada por Vincent Gouysse, (disponvel no site www.communisme-bolchevisme.net), mas procurmos evitar segundas tradues nas citaes de V.I. Lnine, adoptando o texto das Obras Escolhidas em trs e seis tomos das Edies Avante!. Na ausncia de verso portuguesa, e sempre que nos foi possvel localizar os textos, optmos por traduzir directamente do original russo, caso sobretudo das citaes de I.V. Stline (Obras, em 18 tomos, sob direco de R.I. Kossolapov, 19972006, disponveis em http://grachev62.narod.ru/stalin/index.htm) e dos excertos do Relatrio de Khruchov sobre o Culto da Personalidade no XX Congresso do PCUS, publicado em Izvstia TsK KPSS, N. 3, Maro de 1989.

    De modo a facilitar a identificao das dezenas de personalidades referidas neste livro, acrescentmos breves notas biogrficas em rodap, que se encontram ordenadas num ndice de nomes no final do livro. Como fontes utilizmos o Dicionrio Enciclopdico Sovitico, a Grande Enciclopdia Sovitica, (disponvel em http://slovari.yandex.ru/dict/bse), e ainda o site russo www.hronos.info.

    Por ltimo, assinale-se que procurmos respeitar a ortografia portuguesa na transliterao fontica dos nomes russos do cirlico para o alfabeto latino, o que explica a existncia de grafias divergentes nas referncias bibliogrficas, consoante se trate de fontes em ingls, francs ou alemo, cujos padres de transliterao so naturalmente diferentes do portugus.

    A todos os camaradas e amigos que colaboraram directa ou indirectamente na realizao desta

    edio aqui ficam os nossos sinceros agradecimentos.

    CN, 03 de Junho 2009

    3

  • Fui um anti-stalinista convicto desde a idade de 17 anos. A ideia de um

    atentado contra Stline invadia os meus pensamentos e sentimentos. Estudmos as possibilidades tcnicas de um atentado. E passmos sua preparao prtica.

    Se me tivessem condenado morte em 1939, essa deciso teria sido justa. Eu concebera o plano de matar Stline e isso era um crime, no?

    Quando Stline ainda estava vivo, eu via as coisas de outro modo, mas agora que posso s

    obrevoar este sculo, digo: Stline foi a maior personalidade do nosso sculo, o maior gnio poltico. Adoptar uma atitude cientfica a respeito de algum diferente de manifestar uma atitude pessoal.

    Aleksndr Zinviev, 19931

    Na minha opinio, h duas espadas: uma Lnine e a outra, Stline. A espada que Stline, os russos lanaram-na agora por terra. Gomulka e alguns hngaros apanharam-na para atacar a Unio Sovitica,

    para combater aquilo que chamado de stalinismo. Os imperialistas servem-se tambm desta espada para assassinar os povos; Dulles, por exemplo, tem-na brandido. Esta arma no est emprestada, foi deitada fora.

    Ns, Chineses, no a rejeitmos. Quanto espada que Lnine, no foi ela tambm rejeitada de algum modo

    pelos dirigentes soviticos? A meu ver isso aconteceu em muito larga medida. A Revoluo de Outubro permanece vlida? Poder ainda servir de exemplo

    aos diferentes pases? O relatrio de Khruchov diz que possvel chegar ao poder pela via parlamentar; isso significa que os outros pases j no teriam necessidade de seguir o exemplo da Revoluo de Outubro. Uma vez franqueada esta porta, o leninismo est praticamente rejeitado.

    Mao Ts Tung, 15 de Novembro de 19562

    Durante muitos anos, mesmo entre pessoas de esquerda, havia um certo constrangimento em falar de Stline, como se isso demonstrasse uma desactualizao cultural e poltica lastimvel.

    Jamais me conformei com isso. Sempre manifestei o meu apreo pelo grande heri de Stalingrado, a figura mxima da luta contra o nazismo.

    Um dia, os que se recusavam a discutir Staline vo perceber como estavam enganados, iludidos pela campanha odiosa movida contra ele pelas foras mais reaccionrias, como este livro de Ludo Martens to bem demonstra.

    scar Niemeyer3

    1Alexandre Zinoviev, Les confessions d'um homme en trop. Ed. Olivier Orban, 1990, pp.104, 120, Interview Humo,

    25 Fevereiro de 1993, pp. 48-49. 2Mao Zedong, Oeuvres choisies, tome V, Ed. en Langues trangres, Beijing, 1977, p. 369. 3Texto de scar Niemeyer includo na edio brasileira, Revan, 2003. (Nota do Tradutor)

    4

  • Prefcio

    Que um clebre dissidente sovitico a viver na Alemanha reunificada, um homem que na sua juventude cultivou o anti-stalinismo a ponto de preparar um atentado terrorista contra Stline, que encheu livros para dizer tudo quanto de pior pensava sobre a poltica stalinista, que um tal homem se tenha visto obrigado na sua velhice a render homenagem a Stline, eis algo que faz pensar.

    Muitos homens que se proclamam comunistas no deram provas de tanta coragem. De facto, no fcil erguer uma voz fraca contra o furaco da propaganda anti-stalinista. Alm disso, um grande nmero de comunistas sente-se muito pouco vontade nesse terreno. Tudo o que os inimigos do comunismo afirmaram durante 35 anos, Khruchov confirmou-o em 1956. Desde ento, a unanimidade na condenao de Stline, que vai dos nazis aos trotskistas e do tandem Kissinger-Brzezinski ao duo Khruchov-Gorbatchov, parece impor-se como prova da verdade. Defender a obra histrica de Stline e do Partido bolchevique tornou-se uma coisa impensvel, monstru