Top Banner
Cenas Urbanas e manhã, um condomínio como outro qualquer. A paz das vilas, residentes trocando produtos, fofocas e vivências, além da inocência de um futebol de rua e de degustações nos diversos bares ao redor. Existe, inclusive, uma asso- ciação de moradores. Escurece. Reflete-se então o mais antigo reduto de pros- tituição e ainda um dos mais emblemáticos do país, a Vila Mimosa. Surge a clientela: homens de terno, homens de chinelos, mulheres com amigas e sem amigas; até mesmo uma garotada que se junta apenas para tomar cerveja. Os becos tornam-se ainda mais densos, com um “quê” de proibição. Meninas, mulheres e até senhoras arriscam-se nas vilas, em busca de um trocado. Muitas ainda com o sonho de uma vida melhor. Um condomínio chamado Vila Mimosa Sexo, comércio e preconceito FABÍOLA LEONI, LUIS PAULO FRAGA, RAFAEL NAGIB E VICTOR BARROCO As irmãs Mônica e Cristina: “somos confundidas com prostitutas”. VICTOR BARROCO
4

Um condomínio chamado Vila Mimosa - Portal PUC-Rio Digitalpuc-riodigital.com.puc-rio.br/media/11 - um condominio chamado vila... · A história dela com o lugar começou há cerca

Jan 25, 2019

Download

Documents

doanbao
Welcome message from author
This document is posted to help you gain knowledge. Please leave a comment to let me know what you think about it! Share it to your friends and learn new things together.
Transcript

Cenas Urbanas

e manh, um condomnio como outro qualquer. A paz das vilas, residentes trocando produtos, fofocas e vivncias, alm da inocncia de um futebol de rua e de degustaes nos diversos bares ao redor. Existe, inclusive, uma asso-ciao de moradores. Escurece. Reflete-se ento o mais antigo reduto de pros-

tituio e ainda um dos mais emblemticos do pas, a Vila Mimosa. Surge a clientela: homens de terno, homens de chinelos, mulheres com amigas e sem amigas; at mesmo uma garotada que se junta apenas para tomar cerveja. Os becos tornam-se ainda mais densos, com um qu de proibio. Meninas, mulheres e at senhoras arriscam-se nas vilas, em busca de um trocado. Muitas ainda com o sonho de uma vida melhor.

Um condomnio chamado Vila Mimosa

Sexo, comrcio e preconceito

FABolA leoni, luis PAulo FrAgA, rAFAel nAgiB e viCtor BArroCo

As irms Mnica e Cristina: somos confundidas com prostitutas.

victoR baRRoco

Janeiro/Junho 2007

Apesar do trabalho com as profissionais do sexo funcionar 24 horas por dia, a noite definiu o estere-tipo do local. A Vila Mimosa formada por quatro galpes com diversos prostbulos travestidos de bares ou boates que, alm de sexo, vendem bebidas bara-tas. Os quartos so sujos e bem pequenos. As mulhe-res que ali trabalham tm entre 18 e 50 anos, sem carteira assinada. O preo varia e pode-se encontrar garotas que cobram apenas R$ 20,00 por perodo de 20 minutos. Durante todo o tempo, elas rondam as ruas e becos. Algumas trabalham somente durante o horrio comercial, porque so casadas.

Cerca de 1.500 garotas trabalham no local de dia e de noite. H ainda na regio uma capela, oficinas

mecnicas, a garagem de uma empresa de nibus, um posto de sade e prdios residenciais.

Presidente da AMOCAVIM (Associao de Mora-dores do Condomnio e Amigos da Vila Mimosa) h 11 anos, Dona Graa, que preferiu no dizer o nome completo, tem 53 anos, desconfia de muita gente e proprietria de um dos 70 bares existentes no lo-cal. A histria dela com o lugar comeou h cerca de 30 anos, quando a Vila ainda era onde hoje fica a sede da Prefeitura, no Estcio local popularmente conhecido como Piranho, por ter antes abrigado as profissionais da Vila Mimosa.

Ela conta que a Vila tem alguns projetos em anda-mento com o Ministrio da Cultura, como o Dama das Camlias, que consiste em aulas de portugus e matemtica para as meninas que l trabalham. Outro a construo de uma sede da FAETEC (Fun-dao de Apoio Escola Tcnica do Estado do Rio de Janeiro). Dona Graa diz que o local legalizado e conta com ata e estatuto h mais de 10 anos.

Salto alto, ps calejados, um cigarro na mo e uma marca roxa na perna esquerda. Suzana (os nomes fo-ram trocados para preservar a privacidade dos entre-vistados) mostra-se satisfeita e objetiva ao trafegar

entre os visitantes do local. Morando com colegas de trabalho, a jovem de 21 anos veio do Esprito Santo. A vida aqui dura, mas no tem mes-mo outro jeito. Uns dias, a coisa t boa. Voc j entende quem vem procurando. Tem dias que tudo ruim. No sou muito feliz, mas pra mim

t bom, suspira.J Vernica, 29 anos, virou chefe de um grupo

de meninas, alm de tambm ser prostituta. Ela convidou a equipe de reprteres para conhecer o bar do qual proprietria. O local tem dois andares, com quatro ou cinco quartos apertados e abafados. Ao en-trar, a chefe grita: Tranquem a porta que a reporta-gem est subindo. Meninas tomavam banho juntas na hora. Aqui um lugar de passagem. Sonho em fazer faculdade de Direito. O mais difcil para mim agentar o preconceito da famlia, desabafa Verni-ca. Prostituta a profisso mais antiga do mundo e ns no temos nenhum direito trabalhista. Isso tira-ria a gente da clandestinidade e ajudaria a diminuir o preconceito, conclui.

Danilo Moura, de 25 anos, conta que j foi ao local com amigos apenas para conhecer. Chegando l, sentamos em um barzinho e comeamos a beber. L-gico que l pelas tantas voc acaba mexendo com as prostitutas, mas s de zoao mesmo. Elas andam de

A perda da inocncia por um trocado, esta a histria de muitas mulheres na Vila Mimosa.

Cenas Urbanas

calcinha por todos os lugares. O lugar freqentado por pessoas de todas as classes sociais, todas as ida-des. Voc v de tudo, literalmente tudo. Voc v que aquilo o fundo do poo da sociedade, tem um clima pesado demais, horrvel, diz o jovem.

A presidente da AMOCAVIM, afirma que os fre-qentadores tambm vm de lugares distantes, fora do municpio do Rio. Apesar do grande nmero de pessoas nos fins de semana, Graa reclama que o co-mrcio por ali anda em baixa. Aqui um comrcio tambm, n? Vendem de tudo: bebida, roupa e no s a prostituio. Tem muita menina que vende ar-tesanato, que faz outras coisas. Mas a situao est ruim para todo mundo, analisa.

Ela relata ainda que a relao com os moradores da regio tranqila, embora, no passado, no te-nha sido muito amigvel.

O pessoal dali j est acostumado. Antigamen-

te eles achavam um absurdo. Hoje eles abriram comrcio para ganhar dinheiro, porque a Vila Mi-mosa foi para ali, n? Aquilo ali era morto antes da Vila, diz Graa.

A baiana Mnica Sampaio, de 30 anos, doms-tica e mora nas proximidades da Vila Mimosa com a irm. Ela veio morar no Rio h seis anos. O lugar onde vive um grande galpo dividido em outras cinco casas, onde moram outras famlias. A doms-tica diz que no sabia da existncia da Vila. Conta que a primeira vez em que tomou conhecimento da fama do local estava com a cunhada a caminho da casa de uma amiga.

Para chegar l, a gente teve que passar pela Vila. Quando ia andando, eu via as mulheres peladas na frente da rua. A, eu me perguntei o que era aquilo. Nem sabia o que era zona quando cheguei. L na Bahia isso tem outro nome..., observa.

Rua Sotero dos Reis, endereo da Vila Mimosa

victoR baRRoco

Janeiro/Junho 2007

Mnica j est acostumada com o lugar. O maior problema, segundo a domstica, quando ela e a irm so confundidas com prostitutas. Um dia eu estava indo para a igreja quando veio um senhor de moto. Ele passou por mim, depois voltou perguntou o preo. Eu disse que estava indo para a igreja e ele pediu desculpas e foi embora, lembra a irm de M-nica, Cristina.

Outro problema enfrentado a violncia. Mnica revela que toda semana de duas a trs pessoas eram assassinadas por causa de confuses iniciadas dentro dos prostbulos. Houve mortes na rua e at dentro de carro. J mataram tambm luz do dia, por vol-ta das 15h. Mas isso parou, porque agora a associa-o de moradores estipulou uma multa para quem mata, conta. Quando a gente est no nibus e fala que vai descer na Praa da Bandeira, todo mundo j malda logo. Pensa que l de dentro e no que se trata uma pessoa direita, que no tem condio de morar em outro lugar. Se eu pudesse, mudava, diz a moa.

Renato Soares, 24 anos, j foi ao local fazer uma reportagem para a faculdade. Ele foi xingado e qua-se agredido quando chegou Vila Mimosa com uma filmadora. O local como se fosse um mundo par-ticular. Quando algum chega com alguma cmera fotogrfica ou filmadora, eles ficam com medo, no sabem o que vai acontecer, analisa.

O lugar freqentado por pessoas de todas as classes

sociais, todas as idades. Voc v de tudo, literalmente tudo

Aqui um comrcio tambm, n? Vendem de tudo: bebida,

roupa e no s a prostituio

Mnica j est acostumada com o lugar. O maior problema, segundo a domstica, quando

ela e a irm so confundidas com prostitutas

Localizado na Rua Sotero dos Reis, na Praa da Bandeira, Zona Norte da cidade, a Vila Mimosa o reduto de prostituio mais antigo do pas. Sua origem vem do Primeiro Imprio. Os portugueses teriam importado para o bairro do Estcio, no Centro, polonesas e francesas a fim de atender s necessidades sexuais da Corte.Com a libertao dos escravos e a falta de empregos, no entanto, o lugar foi mudando seu perfil. Deixou de saciar os instintos mais primitivos da nobreza para suprir os desejos ocultos do povo trabalhador. Especula-se que, na

Um breve histrico

poca, o lugar abrigava cerca de oito mil prostitutas e ocupava em torno de dez ruas.A Vila comeou a diminuir quando o prefeito Pereira Passos iniciou seu projeto de modernizao da cidade, no incio do sculo passado. A partir da, uma srie de outros acontecimentos foram colaborando para que a Vila mudasse definitivamente de lugar: as transformaes sanitrias promovidas por Oswaldo Cruz e a construo do Metr, do teleporto e da sede do Governo municipal. No toa que os dois prdios da Prefeitura ali construdos foram

apelidados carinhosamente de piranho e cafeto. Entre as personalidades conhecidas que transitavam por l esto o pintor Di Cavalcanti e o msico Cartola.A transferncia da Vila foi obtida mediante uma indenizao dada pela Prefeitura no valor de aproximadamente 300 mil reais. No entanto, h quem diga que o dinheiro foi roubado pela antiga presidente da associao de moradores. Apesar do desvio, cafetinas e prostitutas conseguiram arrecadar 100 mil reais e compraram o galpo na Praa da Bandeira, onde permanecem at hoje.