Top Banner
96

Revista Fique Leve

Apr 07, 2016

Download

Documents

 
Welcome message from author
This document is posted to help you gain knowledge. Please leave a comment to let me know what you think about it! Share it to your friends and learn new things together.
Transcript
  • 1 Fonte: http://g1.globo.com/brasil/noticia/2012/11/brasileiro-nasce-com-esperanca-de-vida-de-74-anos-e-29-dias-diz-ibge.html2 Fonte: http://longevity3.stanford.edu/

    Elas acreditam que, caso tenham tido bisavs e avs que viveram muitos anos, a tendncia que tambm vivam. verdade que um dos fatores que contribuem para a longevidade seja a gentica. No entanto, este no o nico fator e nem o principal. De acordo com a Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, 53% da nossa longevidade depende de nosso estilo de vida, 20% depende do ambiente em que vivemos, 17% depende de fatores genticos e 10%, de outras doenas no relacionadas.2 Perceba que o fator mais preponderante para o aumento da expectativa de vida no diz respeito s situaes incontro-lveis, mas maneira como cuidamos da nossa prpria sade. Por isso, cada pessoa responsvel pela sua qualidade de vida e manuteno dela. Agora, como possvel termos longevidade? Alguns fa-tores devem ser considerados. sobre isso que trataremos a seguir.

  • 3 Fonte: http://saude.terra.com.br/bem-estar/pessoas-felizes-vivem-mais-diz-estudo,0f883f04c2f27310VgnCLD100000bbcceb0aRCRD.html4 Fonte: http://www.minhavida.com.br/bem-estar/materias/13833-trabalho-voluntario-traz-vida-longa-a-quem-pratica5 Fonte: http://redeadventista.com.br/saude/2011/12/01/longevidade-adventista-fantastico/6 Fonte: http://saude.terra.com.br/bem-estar/site-lista-10-lugares-onde-as-pessoas-vivem-mais,ded98c3d10f27310VgnCLD100000bbcceb0aRCRD.html77 Fontes: http://ngm.nationalgeographic.com/ngm/0511/feature1/; http://www.lef.org/magazine/mag2006/jan2006_awsi_01.htm; "American Journal of Clinical Nutrition"; Vegetarianism, dietary fiber, and mortality; M.L. Burr and P.M. Sweetnam; 1982; "American Journal of Epidemiology"; Association between reported diet and all-cause mortality: 21-year follow-up on 27530 Seventh-Day Adventists; R.H. Kahn, et al.; 1984; "BratislavskeLekarskeListy"; Vegetarian diets, chronic disease and longevity; E. Ginter; 2008; National Cancer Institute: Antioxidants and Cancer Prevention: Fact Sheet; "American Journal of Clinical Nutrition"; Health aspects of vegetarian diets; J.T. Dwyer; September 1988; American Heart Prevention: Fact Sheet; "American Journal of Clinical Nutrition"; Health aspects of vegetarian diets; J.T. Dwyer; September 1988; American Heart Association: Cardiovascular Disease Statistics.8 Fonte: http://portaldoenvelhecimento.org.br/noticias/longevidade/trabalhar-contribui-para-a-longevidade-afirma-estudo.html; http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/07/120702_segredos_vida_longa_mv.shtml9 Fontes: http://www.comportamentoesaude.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1218:longevidade-sono-irregular-e-capaz-de-afetar-as-funcoes-psiquicas&catid=113:longevidade&Itemid=518; -http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/914313-numero-de-horas-dormidas-pode-envelhecer-precocemente-o-cerebro.shtml; http://saude.ig.com.br/minhasaude/2012-07-30/dormir-pouco-pode-envelhecer-o-cerebro.html10 Fonte: H. Koenig, Impact of Religion on Health, 2005. www.sma.org/presentations/2005; H. Koenig, M.D. Dept. of Psychiatry and Medicine, Duke University Medical Center - Religion, Spirituality, and Medicine: Research Findings and Implications for Clinical Practice. Southern Medical Journal, vol.97, Number 12, Dec 2004.

    na Amrica do Norte. A pesquisa cita o exemplo da adventista Marge Jetton que, ao completar 100 anos, renovou sua carteira de motorista por mais meia dcada. Ela declara que a sua f a mantm viva. Ela e outros adventistas do stimo dia que evitam lanches rpidos e cafenacafena , diz o estudo, vivem de quatro a dez anos mais que o californiano tpico. Precisamos de algum para nos guiar nesta vida, e precisamos de esperana, diz Marge reportagem da National Geographic. A entrevistada tem f e esperana, e pesquisadores admitem que essesesses so os ingredientes importantes da receita para um vida extensa e feliz.

    Os adventistas so orientados a no consumir alimentos gordurosos, bebidas com cafena e condimentos e temperos considerados estimulantes. O que motiva os membros a no fumar, no con-sumir lcool e evitar alimentos que a Bblia considera impuros, tais como a carne de porco,porco, a qualidade de vida. Alm disso, os adventistas do importncia aos exerc-cios fsicos, vida em comunidade, aos trabalhos voluntrios, e ao contato com a terra atravs da jardinagem, sendo incenti-vados a ter suas prprias hortas, sem agrotxicos, beneficiando a sade fsica e mental.

    Os segredos da vida longa, afirma que uma existncia longa e saudvel no acontece por acaso. No ms de novem-bro de 2008, outro artigo da referida re-vista, intitulado A cincia da longevidade: como viver muito e bem, tenta revelar a fonte da juventude dos membros da Igreja Adventista do Stimo Dia.

    A Newsweek, outra respeitada revista in-ternacional, publicou em abril de 2011, o resumo de uma importante pesquisa cientfica sobre longevidade. Com o ttulo Como viver para sempre, a reportagem afirma: Extrado da cincia, aqui est o que o leva a prolongar seus dias. Relacio-nando 16 princpios responsveis pela longevidade, a publicao recomenda, em segundo lugar: Seja um adventista do stimo dia. O primeiro princpio exige ser do sexo feminino. A revista chama a aten-o para o que a cincia descobriu e que pode ser fator de vida longa e saudvel: Ser um adventista simples. Viver com sade e prolongar os dias de vida algo que todos podem experimentar. Voc tambm pode viver at 10 anos a mais que a estimativa, e com qualidade.

    Em Loma Linda, Califrnia, foi estudado um grupo de adventistas que permane-cem entre os campees da longevidade

  • INTRODUO

    aval dos Institutos Nacionais de Sade dos Estados Unidos, que financiaram um estudo com 34 mil adventistas entre 1976 e 1988. Sabe por que os adventistas se preocupam tanto com a sade? Porque este, na verdade, o sonho de Deus para ns. Ele nos criou e deseja que tenhamos umauma vida plena, tanto em quantidade como em qualidade. O estilo de vida saudvel e o uso dos oito remdios naturais (gua, ar puro, exerccios, luz solar, descanso, temper-ana, nutrio e confiana em Deus) so resultados de uma vida ligada Fonte. Os adventistas vivem esse princpio, reco-nhecendo que o corpo a morada de Deus e por isso devem zelar por ele. A es-colha de um estilo de vida saudvel no tem como objetivo apenas viver mais, mas honrar ao nosso Criador, que nos deu de presente o corpo, a vida e os recursos para que possamos mant-la com sade. QuerQuer viver melhor e de forma mais feliz? Ento, venha descobrir atravs destes es-tudos o segredo para uma vida mais leve!

  • CUIDADOS COM A ALIMENTAO

    Embora o uso da carne tenha sido permitido por uma questo de necessidade naquele momento, percebido um grande declnio da longevidade das pessoas que viveram aps o Dilvio. A mdia de idade das pessoas que viveram antes do Dilvio era de 900 anos. Hoje, a expectativa mdia dede vida do brasileiro, segundo o IBGE, de 72 anos. Veja o grfico a abaixo:

    A Bblia diz que a alimentao original dada pelo Criador aos seres humanos consistia em frutas, vegetais, gros e nozes. Somente aps o Dilvio, Deus permitiu o uso de alimento crneo, por causa da destruio global da vegetao. Contudo, Deus aprovou apenas o uso dos animaisanimais saudveis para o consumo, os quais chamou limpos (Levtico 11).

  • CUIDADOS COM A ALIMENTAO

  • CUIDADOS COM A ALIMENTAO

  • CUIDADOS COM A ALIMENTAO

    1 Fonte adaptada: http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/1037278-saiba-quais-sao-as-gorduras-alimentares-e-como-devem-ser-consumidas.shtml

  • CUIDADOS COM A ALIMENTAO

    2 Fonte: http://www.portalnatural.com.br/dietas-e-receitas/nutricao/consumir-carne-vermelha-todo-dia-aumenta-risco-de-morte-diz-estudo3 Fonte: http://180graus.com/geral/frango-e-principal-fonte-de-intoxicacao-alimentar-diz-relatorio-212039.html

    Universidade da Califrnia, em San Fran-cisco. "Consumir menos carne vermelha pode ajudar a reduzir a mortalidade devido a essas doenas e reduzindo, assim, os custos com sade, complementa.

    O consumo de carne branca e peixes tambm deve ser evitado, devido grande quantidade de toxinas presente nestes animais. De acordo com o Centro de Controle e Preveno de Doenas dos Estados Unidos, o frango a principal fonte de intoxicao alimentar.3 No frango tambmtambm encontra-se a salmonela, uma bactria que provoca dores abdominais, diarreia, febre e nuseas. Portanto, a substituio destes alimentos por outras fontes de protena deve ser considerada, juntamente com a orientao de um mdico e de um nutricionista.

  • EXERCCIO FSICO - UMA PRTICA SAUDVEL

    1 Fonte: Livro GodsHealing Way, Mary Ann McNeilus, M.D., FourthPrinting, 1998.2 Fonte: http://www.jb.com.br/pais/noticias/2012/02/29/80-dos-brasileiros-sao-sedentarios-diz-ibge/

  • EXERCCIO FSICO - UMA PRTICA SAUDVEL

    3 Fonte: http://saude.abril.com.br/emagrece-brasil/blogs/noticias-do-emagrece/sedentarismo-riscos.shtml4 Fonte: http://www.exercitandosaude.com.br/index.php?conteudo=select_peroque2&id=135 Fonte: Revista Fatos Incrveis Sobre Sade. www.fatosincriveisbrasil.com6 Fonte: Livro GodsHealing Way, Mary Ann McNeilus, M.D., FourthPrinting, 1998.7 Fonte: Revista Fatos Incrveis Sobre Sade. www.fatosincriveisbrasil.com

  • EXERCCIO FSICO - UMA PRTICA SAUDVEL

    8 Fonte: Livro GodsHealing Way, Mary Ann McNeilus, M.D., FourthPrinting, 1998. 9 Fonte: http://oglobo.globo.com/saude/exercicios-fisicos-regulares-melhoram-raciocinio-memoria-335604810 Fonte: http://blogs.estadao.com.br/ciencia-diaria/exercicios-fisicos-aumentam-capacidade-de-concentracao/11 Fonte: http://saude.terra.com.br/interna/0,,OI4287353-EI1497,00-Exercicios+fisicos+podem+reduzir+ansiedade+em+alguns+doentes.html12 Fonte: http://noticias.r7.com/saude/exercicios-fisicos-curam-a-depressao-diz-oms-13122012

  • EXERCCIO FSICO - UMA PRTICA SAUDVEL

    13 Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude/exercicio-fisico-pode-substituir-segunda-medicacao-em-pacientes-com-depressao14 Fonte: http://maisequilibrio.terra.com.br/atividade-fisica-para-terceira-idade-3-1-2-165.html15 Fonte: http://www.minhavida.com.br/fitness/materias/5234-exercicios-fisicos-na-terceira-idade

  • EXERCCIO FSICO - UMA PRTICA SAUDVEL

    16 Fonte: http://guiadobebe.uol.com.br/exercicios-durante-a-gravidez/17 Fonte: http://noticias.r7.com/saude/noticias/veja-quais-os-exercicios-fisicos-sao-indicados-durante-a-gestacao-20100509.html18 Fonte: http://maisequilibrio.terra.com.br/osteoporose-e-exercicio-fisico-5-1-4-256.html19 Fonte: http://www.cremesp.org.br/?siteAcao=BuscaCanalCidadao&nota=120

  • EXERCCIO FSICO - UMA PRTICA SAUDVEL

    21 Fonte:http://saude.ig.com.br/bemestar/exercicio+fisico+na+dose+certa+e+arma+poderosa+contra+osteoporose/n1237727835605.html22 Fonte: http://www.anad.org.br/institucional/Exercicios_Fisicos.asp

    dos diabticos, juntamente com a alimenta-o correta e o uso de medicamentos. A atividade fsica regular capaz de melhorar os nveis de glicose, as funes cardacas e respiratrias, manter a fora muscular dodiabtico e reduzir de forma significativa a mortalidade por causa da doena.

    No entanto, qualquer atividade fsica feita por um diabtico deve ser orientada pelo mdico endocrinologista a fim de evitar episdios de hipoglicemia ou hiperglicemia, dependendo do momento e do tipo de exerccio, e dos medicamentos que esto sendo utilizados.22

  • GUA - POR QUE PRECISAMOS DELA?

    1 Fonte: http://www.portalnatural.com.br/vida-saudavel/saude-e-bem-estar/os-8-remedios-naturais/Page-2

  • GUA - POR QUE PRECISAMOS DELA?

    2 Fonte: Livro Gods Healing Way, Mary Ann McNeilus, M.D., Fourth Printing, 1998.3 Fonte: http://www.portalnatural.com.br/vida-saudavel/saude-e-bem-estar/os-8-remedios-naturais/Page-2http://veja.abril.com.br/200405/p_069.html4 Fonte: http://veja.abril.com.br/200405/p_069.html

  • GUA - POR QUE PRECISAMOS DELA?

  • GUA - POR QUE PRECISAMOS DELA?

    5 Fonte: http://www.acessa.com/viver/arquivo/nutricao/2005/03/29-agua/6 Fonte: http://drauziovarella.com.br/doencas-e-sintomas/desidratacao/7 Fonte: http://drauziovarella.com.br/doencas-e-sintomas/desidratacao/8 Fonte: http://saude.terra.com.br/interna/0,,OI4443091-EI1497,00-Falta+de+agua+pode+encolher+cerebro.html

  • GUA - POR QUE PRECISAMOS DELA?

    9 Fonte: http://www.jornalpequeno.com.br/2010/7/5/desidratacao-em-idoso-pode-levar-a-confusao-mental-123361.htm10 Fonte: Livro Gods Healing Way, Mary Ann McNeilus, M.D., Fourth Printing, 1998.11 Fonte: Livro Gods Healing Way, Mary Ann McNeilus, M.D.

    da pele. Banhos regulares ajudam a limpar a pele da poeira e outras substn-cias no saudveis expelidas pela transpi-rao. Alm disso, um banho morno dirio melhora a circulao sangunea, aumenta a flexibilidade muscular, fortalece o siste-ma imunolgico contra gripes e outras doenas, ajuda os rgos digestivos, re-vigora a mente (acalma os nervos e ativa a circulao cerebral) e relaxa o corpo.10 A gua fria pode ajudar a reduzir a febre e a gua quente pode aquecer um corpo com hipotermia, alm de aumentar a cir-culao sangunea. Um banho morno fre-quentemente ajuda pessoas que sofrem de insnia a sentirem mais sono noite. Terminar o banho com uma ducha rpida de gua fria protege o corpo contra in-feces por fechar os poros em vez de deix-los abertos com o efeito da gua quente. O banho frio tambm serve de ajuda para pessoas que se sentem muito sonolentas ou deprimidas e desanimadas, revigorando as atividades cerebrais.11 Aproprie-se dos benefcios internos e ex-ternos da gua para a sua sade.

  • BENEFCIOS DA LUZ SOLAR

    A luz essencial vida to essencial que Deus providenciou o sol como fonte costante para sustentar a vida na Terra. As plantas, os animais e o ser humano necessi-tam deste recurso natural para existirem. Embora saibamos dos seus benefcios, muitas pessoas tm medo da exposio luz solarsolar devido ao excesso de informaes negativas a respeito dela. Desta forma, perdem de usufruir os benefcios da luz do sol.

    Mas, o que a luz tem de to bom? Quem nunca ouviu a av ou a me falar algo como: Este menino precisa pegar sol! Elas com certeza conheciam os benefcios da luz solar, no mesmo? A verdade que todos ns precisamos da luz do sol, pois ela est relacionada com nossa sade fsica, mental e e espiritual. Sem ela no teramos energia

  • BENEFCIOS DA LUZ SOLAR

    1 Fonte: http://drauziovarella.com.br/wiki-saude/vitamina-d-na-prevencao-de-doencas-cronicas/2 Fonte: Gods Healing Way, Mary Ann McNeilus, M.D., Fourth Printing, 1998 e http://www.portalnatural.com.br/vida-saudavel/saude-e-bem-estar/luz-solar-uma-aliada-da-sua-saude3 Fonte: http://neuronios-saudemental.blogspot.com.br/2009/12/transtorno-afetivo-sazonal-tad.html

  • 4 Fonte: http://idademaior.sapo.pt/bem-estar/boa-vida/esta-triste-apanhe-sol/5 Fonte: http://neuronios-saudemental.blogspot.com.br/2009/12/transtorno-afetivo-sazonal-tad.html

    BENEFCIOS DA LUZ SOLAR

  • BENEFCIOS DA LUZ SOLAR

    6 Fonte: http://www.minhavida.com.br/alimentacao/materias/11500-vitamina-d-da-mais-agilidade-mental-para-os-idosos7 Fonte: http://portaldocoracao.uol.com.br/saude-mental/falta-de-luz-solar-afeta-a-memoria-de-pessoas-depressivas-aponta-estudo

    que tinham nveis deficientes ou insuficien-tes da vitamina, apresentando maior capaci-dade de raciocnio e de percepo.6 A Universidade do Alabama e a NASA tambm estudaram a relao entre a ex-posio luz do sol e funes cognitivas como memria, concentrao e orienta-o temporal.

    Os pesquisadores verificaram que prin-cipalmente pessoas com depresso que no se expunham muito ao sol tinham uma probabilidade maior de desenvolver prejuzos cognitivos como dficit da memria. Isto acontece porque a luz solar afeta o fluxo de sangue no crebro que est relacionado com as funes cognitivas.relacionado com as funes cognitivas.7

  • BENEFCIOS DA LUZ SOLAR

    8 Fonte: http://www.portalnatural.com.br/vida-saudavel/saude-e-bem-estar/luz-solar-uma-aliada-da-sua-saude9 Fonte: http://www.blogvalesaude.com.br/danos-da-luz-artificial-a-pele/10 Fonte: http://saude.abril.com.br/11 Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/860258-luz-artificial-pode-afetar-qualidade-do-sono-pressao-sanguinea-e-diabetes.shtml

    envelhecimento da pele e o surgimento de manchas. Apesar de os danos serem menores em comparao aos danos causados pela radiao solar, os efeitos da radiao da luz artificial podem ser irreversveis em longo prazo. Por isso, importante o uso de protetor solar em ambientesambientes fechados que contenham luz artificial para a proteo devida da pele.9

    Alm disso, a exposio luz eltrica antes de dormir pode afetar os nveis de melatonina, que um hormnio responsvel pela regularizao do sono. A exposio contnua luz artificial noite no permite que o corpo relaxe porque interpreta que ainda dia.10 Um estudo da Escola de Me-dicinadicina de Harvard verificou que a exposio luz do quarto nas horas anteriores ao sono reduz em mais de 50% os nveis de melato-nina, prejudicando, assim, a qualidade do sono. O aumento da presso arterial e o au-mento do risco de diabetes tambm foram relacionados com a longa exposio luz artificial.11

    Por isso, ao chegar sua casa noite, procure manter baixo o nvel de luminosi-dade. Evite ficar at tarde na internet ou dormir com a televiso ligada. Seu sono ser melhor!

  • COMO SER TEMPERANTE?

  • 1 Fonte: livro Depression, theway out, Dr. Neil Nedley, p. 177.2 Fonte: Mente, Carter e Personalidade II, p. 656, E. G. White.3 Fonte: http://vidaeestilo.terra.com.br/homem/vida-a-dois/vicio-em-sexo-conheca-os-sintomas-e-confira-os-tratamentos,5f088f96e4237310VgnCLD100000bbcceb0aRCRD.html

    COMO SER TEMPERANTE?

  • 4 Fonte: http://revistaepoca.globo.com/vida/noticia/2012/02/eu-sou-viciado-em-sexo.html

    COMO SER TEMPERANTE?

  • COMO SER TEMPERANTE?

    5 Fonte: MELGOSA, J. Mente Positiva. 1.ed. Casa Publicadora Brasileira. Tatu: 2010, p. 99.6 Fonte: http://vip.abril.com.br/edicoes/285/energeticos-afinal-qual-dose-boa-550771/

    de cafena por dia (acima de duas ou trs x-caras de caf coado), a pessoa desenvolve um quadro de intoxicao que abrange uma srie de sintomas fsicos e emocionais como: agitao, nervosismo, insnia, problemas di-gestivos, tenso muscular, taquicardia, agita-o psicomotora e dificuldade para pensar e falar.5

    Assim como o caf e bebidas que contm cafena, o consumo de energticos tambm deve ser abandonado. Para se ter ideia da quantidade de cafena presente em bebidas energticas, 200 ml de caf coado (1 copo cheio) tem aproximadamente 80 a 100 mg de cafena, o mesmo que 240 ml de Red Bull (bebida(bebida energtica). A Cocaine (nova bebida energtica) contm 280 mg de cafena em 240 ml da bebida. O uso de apenas duas latas de energtico suficiente para provocar ansiedade, agitao, insnia, tremores, nuseas, diarreia, fortes dores de cabea e palpitaes cardacas.6

    Ento, se voc quiser preservar a sua sade fsica e emocional, elimine do seu regime alimentar as bebidas que contenham cafena.

  • RESPIRE!

    o corpo tambm. Esse recurso maravilhoso composto por diversos gases: nitrognio, oxignio, gs carbnico e o restante de hi-drognio e gases nobres. Quando respira-mos, o ar distribudo para todo o orga-nismo atravs da circulao sangunea com a ajuda dos glbulos vermelhos e participa de todas as reaes que envolvem a gli-cose, principal fonte de energia do nosso corpo. Sem ele, nosso corpo no funciona-ria porque no teria energia para suas diver-sas atividades.

    O ar puro tem relao direta com a nossa sade fsica e mental. Ele revigora, alimenta e desintoxica todas as clulas e rgos do corpo humano. Os benefcios do ar so muitos: refresca e fortalece o corpo, melhora nossa capacidade de concentrao, raciocnio e memria, melhora o sono, di-minuiminui a ansiedade, o cansao e o estresse, estimula o apetite, auxilia a digesto, d

  • RESPIRE!

    1 e 2 Fonte: Livro GodsHealing Way, Mary Ann McNeilus, M.D., FourthPrinting, 1998.3 Fonte: http://saude.ig.com.br/minhasaude/poluicao+eleva+risco+de+infarto+apendicite+e+ate+infertilidade/n1237971409800.html4 Fonte: http://www.inca.gov.br/atualidades/ano11_1/pulmao.html

  • RESPIRE!

    5 Fonte: http://www.saudeintegral.com/artigos/respirar-e-viver.html

  • RESPIRE!

    6 Fonte: http://style.greenvana.com/2011/ar-dentro-de-casa-pode-ser-mais-poluido-do-que-na-rua/7 Fonte: livro GodsHealing Way, Mary Ann McNeilus, M.D., FourthPrinting, 1998; http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI62307-17334,00.html, http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/saude/conteudo_400723.shtml e http://www.saudeintegral.com/artigos/respirar-e-viver.html8 8 Fonte: Galvo, C E. Alergias respiratrias e poluio ambiental. In: Associao Brasileira de Asmticos. Disponvel em: www.sbasp.org.br/jornaldet.asp?id=32. Acesso em: 10 jun. 2011.9 Fonte: http://drauziovarella.com.br/wiki-saude/doencas-da-poluicao/

    As alergias respiratrias so uma maneira de o corpo se defender contra agresses externas causadas por produtos qumicos, bactrias e vrus contidos no ar: o nariz entope para impedir que elementos nocivos entrem no organismo, produzida a coriza com a finalidade de lavar e expelir substnciassubstncias estranhas como bactrias e vrus, e o espirro um mecanismo utilizado pelo corpo para remover tais substncias automaticamente. Se a agresso forte, surge a tosse tambm como tentativa de defesa, e o fechamento da garganta pode acontecer a fim de impedir a penetrao dos germes e substncias poluentes.germes e substncias poluentes.9

    O ar puro previne as alergias respiratrias e as inflamaes das vias respiratrias j que possui baixa concentrao de poluentes e de substncias txicas. No entanto, por serem doenas multifatoriais, importante que outros aspectos sejam avaliados para um tratamento devido.

  • RESPIRE!

    10 Fonte: http://www.inca.gov.br/tabagismo/frameset.asp?item=dadosnum&link=mundo.htm11 Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude/em-2012-37-dos-casos-de-cancer-estarao-relacionados-ao-tabagismo12 Fonte: http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/1497213 Fonte: http://www.inca.gov.br/tabagismo/frameset.asp?item=passivo&link=tabagismo.htm

    dentro das pastilhas para matar baratas).

    O fumo est associado a 90% dos casos de cncer de pulmo. No ano de 2012, segundo o Instituto Nacional do Cncer (INCA), a estimativa era que 37% dos casos de cncer no Brasil estivessem relacionados ao tabagismo.11

    Algumas pessoas acreditam que o fato de fumarem com moderao seja uma garantia de que no desenvolvero o cncer. No entanto, as estatsticas mostram que o risco de morte por cncer de pulmo aumenta em quatro vezes quelas pessoas que fumam de uma a nove unidades por dia, em relao aoao no-fumante. Alm disso, quanto mais cedo uma pessoa comea a fumar, maior prejuzo causar sua sade, porque a ao danosa do cigarro prolongada e cumulativa.12 E o fumante passivo, est livre dos efeitos nocivos da fumaa? A resposta no. Em mdio e longo prazo o fumante passivopassivo pode sofrer a reduo de sua capacidade respiratria, um risco 30% maior de cncer de pulmo e 24% maior de infarto, comparados aos no fumantes que no se expem fumaa frequente.13

  • SEU CORPO PRECISA DE DESCANSO

  • 1 Fonte: http://www.minhavida.com.br/bem-estar/galerias/14895-oito-beneficios-que-o-sono-traz-para-a-sua-saude2 Fonte: http://www.psicologiananet.com.br/transtornos-do-sono-a-influencia-do-sono-no-sistema-imunologico/1060/3 Fonte: http://saude.abril.com.br/edicoes/0306/medicina/conteudo_410162.shtml4 Fonte: http://www.psicologiananet.com.br/transtornos-do-sono-a-influencia-do-sono-no-sistema-imunologico/1060/5 Fonte: http://www.minhavida.com.br/bem-estar/galerias/14895-oito-beneficios-que-o-sono-traz-para-a-sua-saude/2#conteudoTxt6 Fonte: http://www.minhavida.com.br/bem-estar/galerias/14895-oito-beneficios-que-o-sono-traz-para-a-sua-saude/8#conteudoTxtconteudoTxt7 Fonte: Instituto George de Sade Internacional.8 Fonte: Instituto Nacional de Sade Mental.9 Fonte: livro Depression The Way Out. Neil Nedley, M.D., Nedley Publishing,2001, p. 85.

    SEU CORPO PRECISA DE DESCANSO

  • SEU CORPO PRECISA DE DESCANSO

    10 Fonte: livro Depression The Way Out. Neil Nedley, M.D., Nedley Publishing,2001, p. 85.11 Fonte: http://cotidiano.ufsc.br/index.php?option=com_content&view=article&id=862%3Asono-e-qualidade-de-vida&Itemid=5812 Fonte: http://saude.terra.com.br/bem-estar/conheca-os-pros-e-contras-do-cochilo,90d83f04c2f27310VgnCLD100000bbcceb0aRCRD.html13 Fonte: http://ciencia.hsw.uol.com.br/questao531.htm14 Fonte: http://saude.terra.com.br/nutricao/chocolate-pode-atrapalhar-a-saude-do-sono,c0080a9aa2f27310VgnCLD100000bbcceb0aRCRD.html0aRCRD.html

  • 15 Fonte: http://www.einstein.br/einstein-saude/nutricao/Paginas/o-que-comer-antes-de-dormir.aspx16 Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/01/130123_sono_alcool_fn.shtml17 Fonte: : http://sonocomsaude.wordpress.com/2012/05/31/dia-mundial-sem-tabaco-como-a-nicotina-prejudica-o-sono/ e http://www.drpereira.com.br/tabagismo.htm18 Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/vida-digital/computadores-videogame-e-tv-prejudicam-o-sono-aponta-estudo19 Fonte: http://www.institutodosono.com.br/ver_artigo.asp?id=8420 20 Fonte: http://www.portalnatural.com.br/vida-saudavel/saude-e-bem-estar/os-8-remedios-naturais/Page-521 Fonte: http://saude.abril.com.br/edicoes/0300/corpo/conteudo_288828.shtml22 Fonte: http://www.portalnatural.com.br/vida-saudavel/saude-e-bem-estar/os-8-remedios-naturais/Page-523 Fonte: http://www.efetividade.net/2007/10/23/como-dormir-melhor-sem-esforco-10-dicas-para-o-sono/24 e 25 Fonte: http://www.portalnatural.com.br/vida-saudavel/saude-e-bem-estar/os-8-remedios-naturais/Page-526 Fonte: http://drauziovarella.com.br/corpo-humano/insonia/

    SEU CORPO PRECISA DE DESCANSO

  • 27 Fonte: http://saude.hsw.uol.com.br/causas-da-insonia6.htm28 Fonte: http://www.sabado.org/biorritmo-e-o-setimo-dia/

    SEU CORPO PRECISA DE DESCANSO

  • CONFIE EM DEUS!

    presente em situaes de desamparo e vulnerabilidade, visando o restabelecimento do corpo diante das doenas. Afinal, queremos viver com sade!

    Observe estes exemplos. Estudos mdicos conseguiram eliminar verrugas pintando-as com um corante brilhante que no possua efeito algum, embora os pacientes imagina-ssemssem que o tal corante fosse um remdio. Em outro estudo feito com asmticos, pesquisa-dores descobriram que podiam causar dilata-o das vias respiratrias deles apenas di-zendo que estavam inalando um poderoso dilatador, mesmo quando no estavam. Alm disso, estas pesquisas mostra-ram de forma clara que, quando pacientes fazem uso de uma substncia acreditando que ela ir cur-los (placebo), os sintomas, na maioria das vezes, so amenizados ou de-saparecem completamente.

    Vimos at agora quantos recursos maravilhosos Deus deixou para que tivssemos uma boa sade. Neste estudo, vamos compartilhar outro ingrediente que indispensvel para o equilbrio do nosso corpo: a confiana em Deus. Voc sabia que a crena religiosa influencia na preveno e restauraorestaurao de doenas? Sabia que a orao, a meditao e a f em Deus auxiliam no processo da cura fsica?

    Talvez voc seja uma pessoa que no possua hbitos religiosos e no costuma sentar nos bancos de uma igreja. Ou, quem sabe, desacredita no Deus pessoal revelado pela Bblia. Mas numa coisa voc ir concor-dar conosco: a crena em algo ou em algum influencia no tratamento contra doenas.doenas. Pode ser a crena num determi-nado remdio, hospital ou at em algum mdico, no importa, a f sempre estar

  • CONFIE EM DEUS!

    1 Fonte: H. Koenig, Impact of Religion on Health, 2005. www.sma.org/presentations/2005; H. Koenig, M.D. Dept. of Psychiatry and Medicine, Duke University Medical Center - Religion, Spirituality, and Medicine: Research Findings and Implications for Clinical Practice. Southern Medical Journal, vol.97, Number 12, Dec 2004.

  • CONFIE EM DEUS!

    2 Fonte: http://newsweek.washingtonpost.com/onfaith/faithandhealing/2009/04/the_power_of_prayer_part_i--scientific_studies.html3 Fonte: http://www2.uol.com.br/vyaestelar/mente_fe.htm4 Fonte: http://www.portalnatural.com.br/saude-mental/saude-mental/a-conexao-entre-religiao-e-saude

    desses pacientes recebia orao, enquanto o grupo restante no recebia. Nenhum dos pacientes sabia a respeito da pesquisa e as pessoas que oravam tambm no sabiam por quem estavam orando. A ideia era que a pesquisa no sofresse nenhuma interfern-cia ou sugesto por parte dos envolvidos. OsOs resultados foram os seguintes: os pacientes que receberam orao passaram a usar cinco vezes menos antibiticos (porque no tinham mais esta necessidade), tiveram trs vezes menos ocorrncia de edema agudo dos pulmes, tiveram menos necessidade de intubao do que outros pacientes e o nmero de mortes neste grupogrupo foi reduzido.2 Que coisa fantstica, no?

    Outra pesquisa realizada na Universidade de Duke, nos Estados Unidos, comprovou que a prtica religiosa, a orao e a f esto diretamente ligadas ao fortalecimento do nosso sistema imunolgico, prevenindo doenas e ajudando a combat-las. Neste estudo, os pesquisadores concluram que, quandoquando uma pessoa medita sobre Deus e ora, h redues de nveis de cortisol no sangue (que aumentado em situaes de estresse) e maior equilbrio da presso arte-rial (que tambm costuma aumentar em situaes de estresse), chegando a diminuir em 40% o risco de estas pessoas desenvol- verem hipertenso arterial (presso alta). Alm disso, foi comprovado cientificamente que o nvel da dopamina (neurotransmissor responsvel pela sensao de bem-estar) aumenta quando uma pessoa ora.3

    Observe esses outros dois estudos: Bruce Rabin, da Universidade de Pittsburgh, mostrou que crenas e atividades religiosas podem influenciar o sistema nervoso simptico, melhorando e aumentando seu funcionamento, ajudando, assim, a diminuir o estresse e melhorar a sociabilidade.4

  • CONFIE EM DEUS!

    5 Fonte: http://saude.abril.com.br/edicoes/0320/bem_estar/conteudo_533899.shtml?pag=16 Fonte: Como Deus muda seu crebro7 Fonte: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI64993-15224,00-A+FE+QUE+FAZ+BEM+A+SAUDE.html

  • CONFIE EM DEUS!

    8 Fonte: http://amigosdeoracao.wordpress.com/2012/10/17/especialista-conclui-que-fe-influencia-longevidade/9 Fonte: Psicologia da Sade.10 Fonte:http://emedix.uol.com.br/not/not2000/00jun04psi-apa-aos-religiao.php

    tendncia de serem estimulados a cuidarem da prpria sade de acordo com orientaes e mandamentos bblicos. At mesmo pessoas que se tornam religio-sas depois de algum tempo de vida, quando j so adultas ou at mesmo idosas, recebem benefcios desta escolha, princi-palmente nos mbitos psicolgico e social: a vida ganha um novo sentido, novas ami-zades so formadas, e o desenvolvimento da esperana produz um aumento da quali-dade da sade e, portanto, colaboram para a longevidade.

    A prtica da f tambm contribui para o aumento da expectativa de vida. Segundo uma reviso de 42 estudos que examinaram 125.826 pessoas, publicada na revista cientfica Health Psychology,9 a ida regular igreja est relacionada a um maior perodo de vida. De acordo com os estudos, alm de frequentarfrequentar uma igreja, ser membro de uma organizao religiosa, participar de ativi-dades relacionadas igreja e a frequncia de oraes tambm contribuem para a longevidade.10

  • 3 Fonte: http://www.psicosite.com.br/tra/hum/depressao.htm4 Fonte: Nedley, N. Como Sair da Depresso. Preveno, tratamento e cura. Casa Publicadora Brasileira, Tatu: 2009, p. 40.5 Biederman J., et al. Patterns of psychopathology and dysfunction in high-risk children of parents with panic disorder and major depression. Am J Psychiatry 158, 2001, p. 49-57.6 Fonte: Nedley, N. Como Sair da Depresso. Preveno, tratamento e cura. Casa Publicadora Brasileira, Tatu: 2009, p. 53-58.

    DEPRESSO - H SOLUO?

  • DEPRESSO - H SOLUO?

    8 Fonte: Fava, Maurizio. Folate, vitamin B12, and homocysteine in major depressive disorder. AM J Psychiatry 154 (1997), p. 426-428.9 Fonte: Penninx BW, Guralnik JM, et al. Vitamin B12 deficiency and depression in physically disabled older women: epidemiologic evidence from the Womens Health and Aging Study. AM J Psychiatry 157 (2000), p. 715-721.10 Fonte: Nedley, N. Como Sair da Depresso. Preveno, tratamento e cura. Casa Publicadora Brasileira, Tatu: 2009, p. 82.11 Fonte: Nedley, N. Como Sair da Depresso. Preveno, tratamento e cura. Casa Publicadora Brasileira, Tatu: 2009, p. 82.12 12 Fonte: Hawton, K; Salvovskis, P.M.; Kirk, J. & Clark, D. M. Terapia Cognitivo-Comportamental para Problemas Psiquitricos: Um guia prtico. Martins Fontes. So Paulo, 1997, p. 311-331.

  • DEPRESSO - H SOLUO?

    13 Fonte: Hawton, K; Salvovskis, P.M.; Kirk, J. & Clark, D. M. Terapia Cognitivo-Comportamental para Problemas Psiquitricos: Um guia prtico. Martins Fontes. So Paulo, 1997, p. 304 e 305.14 Fonte: Fonte: Hawton, K; Salvovskis, P.M.; Kirk, J. & Clark, D. M. Terapia Cognitivo-Comportamental para Problemas Psiquitricos: Um guia prtico. Martins Fontes. So Paulo, 1997, p. 304 e 305.15 Fonte: http://revistavivasaude.uol.com.br/saude-nutricao/105/artigo243860-1.asp16 Fonte: Nedley, N. Como Sair da Depresso. Preveno, tratamento e cura. Casa Publicadora Brasileira, Tatu: 2009, p. 100.

  • DEPRESSO - H SOLUO?

  • ANSIEDADE - COMO CONTROLAR?

    1 Fonte: Fonte: http://www.amban.org.br/content/textos-educativos Programa de Ansiedade do Hospital das Clnicas da Faculdade de Medicina da Universidade de So Paulo.2 Fonte: CASTILLO, A. R. GL; RECONDO, R.; ASBAHR, F. R. & MANFRO, G. G. Transtornos de ansiedade. Revista Brasileira de Psiquiatria 2000; 22 (Supl II): 20-3

    desconhecida. Nosso corpo responde a ela com algumas sensaes fsicas como: taquicardia (acelerao dos batimentos cardacos), sudorese, sensao de bolo na garganta, tenso muscular, aperto no peito e falta de ar.1 Uma pessoa que sente uma ansiedade normal tambm apresenta sintomassintomas fsicos e emocionais, mas no fica paralisada diante de uma situao potencialmente ameaadora. No entanto, algumas pessoas possuem uma reao exagerada, excessiva e despro-porcional de ansiedade frente a situaes que no exigiriam tanto sofrimento. Esta a chamada ansiedade patolgica, que um sentimento vago, desagradvel e constante de medo e apreenso, que surge por causa dede uma sensao de perigo iminente, como se algo ruim fosse acontecer.2 Este tipo de ansiedade traz prejuzos vida social, aos

    Quando o despertador toca, a corrida comea: higiene pessoal, desjejum, levar os filhos para a escola, correria no trabalho, almoo, buscar os filhos na escola, voltar para o trabalho, academia, jantar, brincar com os filhos e finalmente descanso. O que sobra? Apenas o cansao. Diante de umauma agenda lotada como essa, cheia de compromissos urgentes, mesmo que agradveis, alimentamos constantemente um parasita que tem consumido nossas energias vitais: a ansiedade. Quem nunca sentiu ansiedade? Acho que ningum, no mesmo?

    Numa poca em que tudo instantneo e pra ontem, deveramos repensar na forma como temos lidado com a ansiedade. Mas o que ela afinal? Bem, a ansiedade um sinal que nos prepara para o que poder acontecer diante de uma situao que ainda

  • ANSIEDADE - COMO CONTROLAR?

    3 Fonte: DSM-IV, Manual Diagnstico e Estatstico de Transtornos Mentais, 4 edio, American Psychiatric Association, Artmed, 2003.

  • ANSIEDADE - COMO CONTROLAR?

    4 Fonte: CTC Veda.

  • ANSIEDADE - COMO CONTROLAR?

  • ANSIEDADE - COMO CONTROLAR?

    4 Fonte: CTC Veda.

  • ANSIEDADE - COMO CONTROLAR?

    5 Fonte: RANG, B. (Org.), Psicoterapia Comportamental e Cognitiva de Transtornos Psiquitricos. Editorial Psy II, 1998.6 Fonte: http://www2.uol.com.br/vyaestelar/mente_fe.htm e H. Koenig, Impact of Religion on Health, 2005. www.sma.org/presentations/2005; H. Koenig, M.D. Dept. of Psychiatry and Medicine, Duke University Medical Center - Religion, Spirituality, and Medicine: Research Findings and Implications for Clinical Practice. Southern Medical Journal, vol.97, Number 12, Dec 2004.

  • LIDANDO COM O LUTO

    Inevitavelmente, a morte faz parte da nossa vida, no mesmo? Todos ns, pelo fato de sermos pecadores, passaremos pela triste experincia de sepultarmos nossos queridos. A realidade da morte chegar para todos ns, querendo ou no. Ser que possvel nos prepararmos para essesesses momentos de separao? Como agir diante de uma tragdia causada pela morte?

    A morte de algum prximo uma das dores emocionais mais fortes que uma pessoa pode sentir. Quando perdemos algum muito importante para ns, nossa resposta o sofrimento. Toda perda di. No fcil nos desfazermos de uma realidade que no volta mais. O sofrimento nestasnestas ocasies , ento, algo natural e at mesmo saudvel, porque a forma de expressarmos aquilo que estamos sentindo.

    O luto a resposta natural de sofrimento diante de uma grande perda. O tempo do

  • LIDANDO COM O LUTO

    1 Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/newyorktimes/ny1210200916.htm2 Fonte: http://portalnatural.com.br/saude-mental/saude-da-mente/luto-psicologico-ou-depressao/3 Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?id=553355&tit=Psiquiatras-fazem-alerta-para-riscos-do-luto-prolongado

  • LIDANDO COM O LUTO

  • LIDANDO COM O LUTO

  • LIDANDO COM O LUTO

  • OBESIDADE E TRANSTORNOS ALIMENTARES

    1 Fonte: http://www.jb.com.br/ciencia-e-tecnologia/noticias/2013/03/19/doencas-relacionadas-a-obesidade-custam-r-488-milhoes-por-ano-ao-sus/2 Fonte: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/noticia/9905/162/doencas-associadas-a-obesidade-custam-meio-bilhao-de-reais.html e http://www.integralsistemadesaude.com.br/causaseconsequenciasdaobesidade.php

  • OBESIDADE E TRANSTORNOS ALIMENTARES

    3 Fonte: http://www.endocrino.org.br/tratamento-da-obesidade/

  • OBESIDADE E TRANSTORNOS ALIMENTARES

    4 Fonte: American PsychiatricAssociation, DSM-IV-TR, Manual Diagnstico e Estatstico de Transtornos Mentais. 4.ed. Artmed Editora, p. 555.

  • OBESIDADE E TRANSTORNOS ALIMENTARES

    5 Fonte: American PsychiatricAssociation, DSM-IV-TR, Manual Diagnstico e Estatstico de Transtornos Mentais. 4.ed. Artmed Editora, p. 560-564.

    geral, vrias vezes ao dia), o uso de laxantes, diurticos ou inibidores do apetite, e prtica de exerccios fsicos de forma exagerada.

    Ao contrrio da pessoa anortica que nega o seu problema, a pessoa bulmica sente vergonha de sua condio e tenta se controlar. Ela reconhece o absurdo do seu comportamento, mas no consegue conter a ingesto excessiva de alimentos e pode no ser bem sucedida nesta tentativa de obterobter melhora sem buscar uma ajuda mdica, psicolgica e nutricional. A pessoa com bulimia normalmente no obesa porque usa artifcios para no engordar. Geralmente desenvolvem entre dois ou trs episdios bulmicos por semana. A bulimia diagnosticada quando a pessoa apresenta estesestes sintomas por trs meses consecutivos.5

  • OBESIDADE E TRANSTORNOS ALIMENTARES

    6 Fonte: RANG, B. (Org.), Psicoterapia Comportamental e Cognitiva de Transtornos Psiquitricos. Editorial Psy II. 2 tiragem, Campinas: 1998, p. 187.7 Fonte: Fonte: Fonte: RANG, B. (Org.), Psicoterapia Comportamental e Cognitiva de Transtornos Psiquitricos. Editorial Psy II. 2 tiragem, Campinas: 1998, p. 188.8 Fonte: http://www.ambulim.org.br/transtornos_tipos.php

    fisicamente, sem conseguirem mais se ali-mentar. Mas, diferentemente dos bulmicos, elas no apresentam comportamentos com-pensatrios para este exagero como in-duo do vmito, uso de laxantes e diurti-cos, exerccios fsicos em excesso e outros. Por isso, geralmente desenvolvem uma obesidade de moderada a grave.7 Os comedores compulsivos tambm sentem vergonha deste comportamento e, por isso, tambm tendem a esconder os ataques alimentares procurando manter um controle alimentar nas refeies com outras pessoas ou em pblico.

    Esse quadro est relacionado, tambm, com doenas psiquitricas como a de-presso e transtornos de ansiedade. Por isso, deve ser tratado por um profissional psiclogo atravs da psicoterapia, por um mdico clnico e endocrinologista com o ob-jetivo de avaliar a prpria sade, e receber acompanhamento de um profissional nutri-cionista para elaborao de dieta.

  • LIDANDO COM VCIOS E VICIADOS

    O vcio (do latim vitium, que significa falha ou defeito) um hbito repetitivo que destri ou causa prejuzo ao viciado e aos que convivem com ele. A princpio, ele proporciona algum tipo de prazer, mas, com o tempo, tem como consequncia dor, angstia, vergonha e solidosolido ao indivduo. Ao contrrio das virtudes (que so hbitos positivos ou qualidades morais), os vcios tendem a desmoralizar e aprisionar as pessoas que com eles compactuam. O ser humano no foi criado para viver escravizado e sim para ser livre ao dar glrias ao Seu Criador.

    Muitas vidas tm sido destrudas por conta de vcios causados pelo uso de substncias como lcool, drogas e fumo, alm de jogos, compulso por sexo, comida, exerccios fsicos, e vrios outros comportamentos que podem trazer prazer momentneo, mas

  • LIDANDO COM VCIOS E VICIADOS

    1 Fonte: http://www.inca.gov.br/tabagismo/frameset.asp?item=jovem&link=namira.htm2 Fonte: livro Gods Healing Way , Mary Ann McNeilus, M.D., Fourth Printing, 1998.3 Fonte: livro Gods Healing Way , Mary Ann McNeilus, M.D., Fourth Printing, 1998.

  • LIDANDO COM VCIOS E VICIADOS

    4 Fonte: WHO Press release, 28Maro2007, http://www.iarc.fr/ENG/Press_Releases/pr175a.htm5 Fonte: http://www.portalnatural.com.br/vida-saudavel/saude-e-bem-estar/alcool-beba-com-moderacao-ou-evite-o

  • LIDANDO COM VCIOS E VICIADOS

    6 Fonte: http://www.portalnatural.com.br/vida-saudavel/saude-e-bem-estar/beba-com-moderacao-e-danifique-menos-seu-cerebro7 Fonte: http://gnt.globo.com/bem-estar/noticias/Vinho-sem-alcool-tem-mais-beneficios-para-o-coracao-do-que-versao-classica.shtml8 Fonte: http://www.portalnatural.com.br/saude-mental/doencas-mentais-e-tratamentos/dependencia-quimica-que-droga/#axzz2OjwbrMai

  • LIDANDO COM VCIOS E VICIADOS

  • PREVENIR MELHOR

    1 Fonte: http://www.saredrogarias.com.br/noticia/inca-anuncia-520-mil-novos-casos-de-cancer-em-2012-20132 Fonte: http://www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=22 (INCA/MS, 2002. Preveno e Controle de Cncer. Revista Brasileira de Cancerologia, 2002, 48(3):317-332; INCA/MS, 2002. Programa nacional de Controle do Cncer da Prstata: documento de consenso; INCA/MS, 2003. Consenso para o Controle do Cncer de Mama)3 Fonte: http://outraleitura.com.br/web/artigo.php?artigo=299:Voce_tem_medo_do_cancer?

  • PREVENIR MELHOR

    4 Fonte: Ann. Int. Med., 1993; 118; 793-803.5 Fonte: Am. J. Public Health, 1984, 74:820-803.6 Fonte: Ann. Int. Med., maro de 1984; 100:405-416.

  • PREVENIR MELHOR

  • PREVENIR MELHOR

    7 Fonte: http://jovemadventistadosetimodia.wordpress.com/2013/02/15/12-dicas-para-resistir-a-tentacao/; http://www.amazing facts.org/news-and-features/inside-report/articletype/articleview/articleid/400/12-tips-for-resisting-temptation.aspx

  • PREVENIR MELHOR

  • LIDANDO COM VCIOS E VICIADOS

    SERHUMANO

    ESPRITO

    CORPOMENT

    E

  • SADE E SALVAO

  • SADE E SALVAO

  • MEU CORPO - UM SANTURIO

    no Buto. Ele impressiona pelo fato deestar no alto de uma montanha, beira de um precipcio de 3.000 metros de altura. A arquitetura e a tranquilidade do local impressionam os visitantes.

    A Bblia diz que o nosso corpo um templo no qual o prprio Deus deseja habitar. Isso nos sugere que o corpo deve ser um lugar limpo, puro e sagrado (ou seja, separado para fins santos), afinal, ele ser o ponto de encontro permanente entre o Esprito Santo e ns. Que privilgio servir dede moradia para o prprio Deus! Durante toda a histria, percebemos que Deus sempre quis habitar no meio do Seu povo:

    - No Jardim do den, o Senhor visitava Ado e Eva diariamente e mantinha um relacionamento face a face com eles (Gnesis 3:8).

    E xistem muitos templos magnficos e imponentes no mundo. Alguns impressio-nam pelos detalhes da arquitetura, outros pelos dispendiosos afrescos em ouro e pedras preciosas e outros, ainda, pela in-crvel capacidade de evocar em seus adep-tos o esprito de devoo e sacralidade. Todos eles foram erigidos com o propsito de tentar promover o encontro entre o ado-rador e a divindade.

    Se voc visitar a ndia, conhecer dezenas deles, como por exemplo, o templo do Sol de Konarak, erigido no sculo 13, um dos mais famosos do pas. Sua construo, toda em granito preto, demorou doze anos para ser formada e cerca de 12 mil artesos trabalharam no local para criar esta obra prima do perodo medieval.prima do perodo medieval.

    Outro templo fascinante o mosteiro budista Ninho do Tigre, construdo em 1692

  • MEU CORPO - UM SANTURIO

    1 Fonte: Laissez-faire uma expresso francesa que significa literalmente deixai fazer. usada nos crculos polticos e econmicos como smbolo e sinnimo de liberalismo.

  • MEU CORPO - UM SANTURIO

    2 Oximoro, ou paradoxismo, uma figura de linguagem que harmoniza dois conceitos opostos numa s expresso, formando assim um terceiro conceito que depender da interpretao do leitor.

  • MEU CORPO - UM SANTURIO

  • CORTE AQUI

    CORTE AQUI

    QUESTIONRIOS

  • CAPA_1CAPA_2CAPA_3CAPA_4Pg__01 --APRESENTAO-TCNICAPg__02 -- SUMRIOPg__03 -- INTRODUOPg__04 -- INTRODUOPg__05 -- INTRODUOPg__06 -- INTRODUOPg__07 -- Lio 01Pg__08 -- Lio 01Pg__09 -- Lio 01Pg__10 -- Lio 01Pg__11 -- Lio 01Pg__12 -- Lio 02Pg__13 -- Lio 02Pg__14 -- Lio 02Pg__15 -- Lio 02Pg__16 -- Lio 02Pg__17 -- Lio 02Pg__18 -- Lio 03Pg__19 -- Lio 03Pg__20 -- Lio 03Pg__21 -- Lio 03Pg__22 -- Lio 03Pg__23 -- Lio 04Pg__24 -- Lio 04Pg__25 -- Lio 04Pg__26 -- Lio 04Pg__27 -- Lio 04Pg__28 -- Lio 05Pg__29 -- Lio 05Pg__30 -- Lio 05Pg__31 -- Lio 05Pg__32 -- Lio 05Pg__33 -- Lio 06Pg__34 -- Lio 06Pg__35 -- Lio 06Pg__36 -- Lio 06Pg__37 -- Lio 06Pg__38 -- Lio 07Pg__39 -- Lio 07Pg__40 -- Lio 07Pg__41 -- Lio 07Pg__42 -- Lio 07Pg__43 -- Lio 08Pg__44 -- Lio 08Pg__45 -- Lio 08Pg__46 -- Lio 08Pg__47 -- Lio 08Pg__48 -- Lio 09Pg__49 -- Lio 09Pg__50 -- Lio 09Pg__51 -- Lio 09Pg__52 -- Lio 09Pg__53 -- Lio 09Pg__54 -- Lio 10Pg__55 -- Lio 10Pg__56 -- Lio 10Pg__57 -- Lio 10Pg__58 -- Lio 10Pg__59 -- Lio 10Pg__60 -- Lio 11Pg__61 -- Lio 11Pg__62 -- Lio 11Pg__63 -- Lio 11Pg__64 -- Lio 11Pg__65 -- Lio 12Pg__66 -- Lio 12Pg__67 -- Lio 12Pg__68 -- Lio 12Pg__69 -- Lio 12Pg__70 -- Lio 13Pg__71 -- Lio 13Pg__72 -- Lio 13Pg__73 -- Lio 13Pg__74 -- Lio 13Pg__75 -- Lio 14Pg__76 -- Lio 14Pg__77 -- Lio 14Pg__78 -- Lio 14Pg__79 -- Lio 14Pg__80 -- Lio 15Pg__81 -- Lio 15Pg__82 -- Lio 15Pg__83 -- Lio 15Pg__84 -- Lio 16Pg__85 -- Lio 16Pg__86 -- Lio 16Pg__87 -- Lio 16Pg__88 -- Lio 16Pg__89 -- QUIESTIONRIOSPg__90 -- QUIESTIONRIOSPg__91 -- QUIESTIONRIOSPg__92 -- QUIESTIONRIOSPg__93 -- QUIESTIONRIOSPg__94 -- QUIESTIONRIOSPg__95 -- QUIESTIONRIOSPg__96 -- QUIESTIONRIOS