Top Banner
CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS NORMAS TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO UNINILTON LINS MANAUS, 2005 CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS UNINILTON LINS REITORA Gisélle Lins VICE-REITORA E PRÓ-REITORA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Karla Lílian Magalhães Pedrosa PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Francinete Andreocci PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO Isabel Cristina Ferreira PRO-REITORIA DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO José Luiz Torres Motta PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Vitangelo Plantamura
49

Norm as Nilton Lins

Jul 31, 2015

Download

Documents

Welcome message from author
This document is posted to help you gain knowledge. Please leave a comment to let me know what you think about it! Share it to your friends and learn new things together.
Transcript

CENTRO UNIVERSITRIO NILTON LINS

CENTRO UNIVERSITRIO NILTON LINS

UNINILTON LINS

REITORA Gislle Lins VICE-REITORA E PR-REITORA DE ENSINO DE GRADUAO Karla Llian Magalhes Pedrosa PR-REITORIA DE ADMINISTRAO E FINANAS Francinete Andreocci PR-REITORIA DE EXTENSO Isabel Cristina Ferreira

NORMAS TCNICAS PARA ELABORAO DE TRABALHOS DE GRADUAO E PS-GRADUAO

UNINILTON LINS MANAUS, 2005

PRO-REITORIA DE PLANEJAMENTO E AVALIAO Jos Luiz Torres Motta PR-REITORIA DE PESQUISA E PS-GRADUAO Vitangelo Plantamura

COORDENAO EDITORIAL ____________________________ EQUIPE COORDENADORA Clara Balbina Costa de Carvalho Loana Uchoa de Pinho Portela

APRESENTAO Este Guia de orientaes para elaborao de trabalhos cientficos para graduao e ps-graduao surgiu em funo da necessidade e anseios dos professores e alunos da UNINILTON LINS para orientao metodolgica e elaborao de trabalhos cientficos coerentes com a poltica deste Centro Universitrio. A dinmica de atualizao das normas da Associao Brasileira de Normas Tcnicas (ABNT), como tambm os diversos manuais e guias de orientao sobre Metodologia Cientfica, justifica a publicao deste guia de orientaes, visto a necessidade de padronizao dos trabalhos acadmicos e considerando que, entre os autores mais conhecidos no h um padro comum quanto s orientaes de como elaborar trabalhos cientficos, apesar de todos fazerem referencia as Normas da ABNT em seus livros. Por isso, neste guia foram citados os aspectos mais comuns das obras consultadas, com o objetivo de auxiliar os professores na orientao e assessoramento referente metodologia e os alunos na elaborao e correo de seus trabalhos acadmicos. Este trabalho no tem a pretenso de substituir os manuais e guias publicados, mas subsidiar na padronizao de trabalhos cientficos os cursos de graduao e ps-graduao da UNINILTON LINS para que os trabalhos acadmicos estejam em consonncia com os padres adotados em mbito nacional e Institucional. Este Guia de Orientaes no definitivo e outras edies atualizadas surgiro quando comprovada a necessidade e as alteraes que o justifiquem por consenso dos professores e pelas Normas da ABNT.

________________________________ EDITORAO ELETRNICA ________________________ CAPA ___________________________ Catalogao na Fonte: SIBib Sistema Integrado de Bibliotecas Nilton LinsCentro Universitrio Nilton Lins. Sistema Integrado de Bibliotecas Normas tcnicas para elaborao de trabalhos de graduao e psgraduao. / Centro Universitrio Nilton Lins, Sistema Integrado de Bibliotecas SIBib. Manaus : Ed. Nilton Lins, 2004. 000 p. : il. ; 00 cm. ISBN 85-0000-000-0 1. Normalizao bibliogrfica. 2. Documentos Normas. 3. Trabalhos acadmicos Normas. I. Ttulo. II. UNINIL-TON LINS Centro Universitrio Nilton Lins. CDU _____________________

ISBN 85-0000-000-0 Editora NILTON LINSAv. Prof. Nilton Lins, 3259 Parque das Laranjeiras CEP 69.058-040 Manaus Amazonas Tel. (92) 643-2000

2

SUMRIO 1 PESQUISA .......................................................................................4 1.1 Tipos de pesquisa ........................................................................4 1.2 Mtodos Cientficos ....................................................................5 1.3 Instrumentos de coleta de dados: .................................................5 1.4 Roteiro para elaborao de uma de pesquisa ................................6 1.4.1 Escolha do tema e elaborao do projeto .............................6 1.4.2 Coleta de material ................................................................7 1.4.3 Seleo e organizao do material coletado .........................7 1.4.4 Redao final e divulgao...................................................7 2. ELABORAO DE TRABALHOS ACADMICOS...................7 2.1 Projeto de Pesquisa......................................................................7 2.2 Relatrio de Pesquisa ou Tcnico-Cientfico.............................. 11 2.3 Projeto de Ao, Produto e Servio ........................................... 12 2.4 Resumo Textual ........................................................................ 13 2.5 Resumo Cientfico..................................................................... 13 2.6 Resenha..................................................................................... 14 2.7 Artigo Cientfico ....................................................................... 14 2.8 Paper ......................................................................................... 17 2.9 Painel ........................................................................................ 19 3. TRABALHOS DE CONCLUSO DE CURSO........................... 19 3.1 Monografia............................................................................... 19 3.2 Dissertao................................................................................ 26 3.3 Apresentao Grfica do Trabalho............................................. 32 4. REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS ......................................... 34 5 CITAO ...................................................................................... 41 5.1 Citao direta ........................................................................ 41 5.1.1 Tamanho da citao ....................................................... 41 5.1.2 Pginas, tomo, captulo e volume ................................... 42 5.1.3 Entrada includa no texto ............................................... 42 5.1.4 Entrada excluda do texto ............................................... 43 5.2 Citao indireta ..................................................................... 43 5.2.1 Entrada includa no texto ............................................... 43 5.2.2 Entrada excluda do texto ............................................... 44 5.2.3 Citao de citao.......................................................... 44 5.2.4 Citao de Documentos On-Line .................................... 44 6. NOTA DE RODAP.................................................................... 46 6.1 Nota explicativa ........................................................................ 46 6.2 Nota de referncia ..................................................................... 47 7. COMIT DE TICA EM PESQUISA ........................................ 48 8. OBRAS CONSULTADAS ............................................................ 48

3

1 PESQUISA A Constituio do Brasil (1988), estabelece em seu Art. 207. que as Instituies de Ensino gozam de autonomia didticocientfica, devendo observar o princpio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extenso para a promoo da educao universitria e os benefcios gerados decorrentes destas atividades. A implementao de investigaes no perodo acadmico tem como premissa estimular alunos em atividades cientficas, necessrias para desenvolver seu potencial, aumentar a produo acadmica e cientfica contribuindo para uma formao mais completa. Proporcionando conhecimentos tcnicocientficos de temas ainda pouco investigado em nossa regio. Portanto, este captulo tem como objetivo nortear o acadmico nas etapas necessrias para elaborao da pesquisa. Tem como contedo tipos de pesquisa, mtodos cientficos, roteiro para elaborao de uma pesquisa e exemplo de pesquisa. 1.1 Tipos de pesquisa A classificao da pesquisa de acordo com os objetivos a serem alcanados, a forma de estudo ou o objeto a ser explorado.Tipo de pesquisa Classificao Pesquisa Terica Pesquisa Emprica Quanto aos objetivos Pesquisa Prtica ou Pesquisa-Ao Caractersticas Direcionada a estudar teorias Destina-se a codificar o lado mensurvel da realidade Caracteriza-se por intervir na realidade social.

Pesquisa Exploratria

Pesquisa Descritiva

Pesquisa Explicativa

Quanto ao objeto

Pesquisa Bibliogrfica

Pesquisa Experimental Pesquisa NoExperimental

Acontece na fase preliminar Fornece o conhecimento sobre o assunto a ser investigado Facilita a delimitao do tema Contribui para a definio dos objetivos e hipteses Define critrios, mtodos e tcnicas mais adequados. O pesquisador direciona sua observao aos fenmenos do mundo fsico e humano sem intervir nos mesmos, por meio de fatos os quais so observados, registrados, analisandos, classificados e interpretados. Exemplo: pesquisa de opinio, levantamentos socioeconmicos e psicossociais. De acordo com dados encontrados, procura identificar fatores determinantes que justifiquem a interpretao e concluso dos fenmenos em estudo. Utilizar informaes provenientes de material sob suporte grfico, iconogrfico, cartogrfico, sonoro ou informatizado para resolver um problema ou adquirir conhecimentos sobre determinado tema. Possui a finalidade de observar e interpretar as reaes e as modificaes ocorridas no objeto de pesquisa. Utiliza informaes obtidas de questionrios, entrevistas, protocolos verbais, observaes, dentre outras formas de investigao.

Fonte: Prestes, M Luci de Mesquita. A pesquisa e a construo do conhecimento cientfico: do planejamento aos textos, da escola academia.

4

1.2 Mtodos Cientficos Mtodo: escolha de procedimentos sistemticos descrio e explicao dos fenmenos. Os mtodos podem ser: Quantitativos (contexto da verificao) Qualitativos (contexto da descoberta) para a

Junto com o questionrio deve-se enviar uma nota ou carta explicando a natureza da pesquisa, sua importncia e a necessidade de obter respostas tentando despertar o interesse do recebedor para que ele preencha e devolva o questionrio dentro de um prazo razovel. Todo questionrio deve ter a natureza impessoal para assegurar a uniformidade na avaliao de uma situao para outra. necessrio que se estabelea, com critrio, quais as questes mais importantes a serem propostas e que interessam ser conhecidas, de acordo com o objetivo. Devem ser propostas perguntas que conduzam facilmente s respostas de forma a no insinuarem outras colocaes. Se o questionrio for respondido na ausncia do investigador, dever ser acompanhado de instrues minuciosas e especficas. O uso de perguntas abertas permite obter respostas livres. Exemplo: Do que voc gosta mais na cidade? As perguntas fechadas permitem obter respostas mais precisas. Exemplo: Seu nvel de escolaridade de: ( ) 1 grau ( ) 2 grau ( ) graduao ( ) ps-graduao As perguntas fechadas so padronizadas, de fcil aplicao, fceis de codificar e analisar. As perguntas abertas, destinadas obteno de respostas livre, embora possibilitem recolher dados ou informaes mais ricas e variadas, so codificadas e analisadas com mais dificuldades.

Mtodo quantitativo: emprega tcnicas estatsticas na coleta e tratamento das informaes. Exemplo: percentual, mdia, desviopadro, coeficiente de correlao, anlise de regresso, etc. Mtodo qualitativo: tem origem nas pesquisas etnogrficas (que descrevem a cultura de um povo, em especial seus usos e costumes). Envolve a descrio dos fenmenos (situaes, eventos, pessoas, interaes e comportamentos) So denominadas pesquisas qualitativas: Pesquisa bibliogrfica Estudo de caso Pesquisa-ao Pesquisa participante Histria de vida Estudo Transversal 1.3 Instrumentos de coleta de dados: Questionrio Questionrio um instrumento de coleta de dados constitudo por uma srie ordenada de perguntas, contendo um conjunto de questes, todas logicamente relacionadas com um problema central e que devem ser respondidas por escrito e sem a presena do entrevistador. Em geral, o pesquisador envia o questionrio ao informante, pelo correio ou por um portador; depois de preenchido, o pesquisador devolve-o do mesmo modo.

5

-

Observao participante: uma estratgia de campo que combina simultaneamente a anlise documental, a entrevista de respondentes e informantes, a participao e a observao direta e a introspeco; h um grande envolvimento do pesquisador, compromisso poltico e tica; o perodo de observao depende do tipo de problema que est sendo estudado; o propsito de estudo deriva de um quadro terico geral; deve manter o foco da investigao e no perder a viso da totalidade; a observao deve contemplar a descrio e a reflexo; o registro deve ser realizado com acuidade, organizadamente e o mais prximo possvel do momento da observao; os dados devem ser fidedignos. Leitura documental: documentos so quaisquer materiais escritos que possam ser usados como fonte de informao; busca identificar informaes; pode se constituir numa tcnica valiosa de abordagem de dados qualitativos, seja complementando as informaes obtidas por outras tcnicas, seja desvelando aspectos novos de um tema ou problema; fonte estvel e rica; h necessidade de consenso sobre o contedo; acesso aos documentos; a anlise um processo criativo que exige grande rigor intelectual e muita dedicao.

-

-

-

Entrevista: uma das principais tcnicas de trabalho para coleta de dados ou para ajudar no diagnstico ou no tratamento de um problema; averigua fatos, determina opinies e sentimentos sobre os fatos, descobre planos de aes e condutas atuais ou do passado e motivos para condutas; pode ser estruturada, semi-estruturada ou no estruturada; requer habilidade e sensibilidade, uma postura atenta e respeitosa; o contato inicial deve prever a conversao amistosa, explicando a finalidade da pesquisa e a importncia da participao; as perguntas devem ser formuladas com clareza, uma de cada vez e primeiramente as que no tenham probabilidade de serem recusadas; o registro das respostas deve ser fiel; a entrevista deve terminar em clima de cordialidade; as respostas devem ser vlidas, verdadeiras, relevantes para a pesquisa, claras e especficas, profundas e amplas.

-

1.4 Roteiro para elaborao de uma de pesquisa 1.4.1 Escolha do tema e elaborao do projeto Nesta etapa fundamental um estudo exploratrio sobre o assunto a ser pesquisado, para que se possa delimitar com clareza o tema que satisfaa tanto o interesse do orientador como do orientando e definir que caminhos a seguir para execuo do Projeto

-

6

1.4.2 Coleta de material o momento de procurar instrumentos necessrios para a consecuo da pesquisa, sendo a primeira busca nas bibliografias existentes sobre o assunto. As principais fontes bibliogrficas so livros, revistas especializadas, jornais, internet dentre outros trabalhos acadmicos, as quais devem ser selecionadas de acordo com o interesse do pesquisador. O material a ser investigado deve ser de acordo com os objetivos da pesquisa. 1.4.3 Seleo e organizao do material coletado Neste momento, de posse do material coletado, deve-se analisar, selecionar e dividir em tpicos o assunto escolhido de acordo com as partes que constituiro o trabalho. Recomenda-se que somente nesta etapa, os pesquisadores iniciem a elaborao do plano definitivo de trabalho. 1.4.4 Redao final e divulgao Todo trabalho desenvolvido deve ser divulgado para a comunidade cientfica e para a populao em geral, como forma de ampliar o conhecimento sobre o assunto estudado. Orientaes bsicas para redao final: Observar o tipo de linguagem a ser utilizada; Seguir as recomendaes relativas formatao e apresentao de trabalhos cientficos. A forma de divulgao depender do interesse dos autores. Os meios mais utilizados para divulgao de trabalhos cientficos so, congressos, revistas especializadas, encontros cientficos dentre outros eventos.

Trabalhos utilizados como instrumentos para avaliao de disciplinas, muitas vezes restringe-se apresentao em sala de aula. Trabalhos de concluso de curso, dissertaes e teses podem fazer parte do acervo bibliogrfico bem como resultar em um livro.

2. ELABORAO DE TRABALHOS ACADMICOS 2.1 Projeto de Pesquisa O projeto de pesquisa um documento que antecede o trabalho que se vai realizar e visa explicitar as aes a serem desenvolvidas ao longo da pesquisa. um processo sistematizado que apresenta, atravs de sua estrutura, os elementos necessrios a uma determinada investigao, conferindo mesma maior eficincia. Sua extenso depende das exigncias especficas de cada nvel de estudo e de cada instituio. Estrutura do Projeto de Pesquisa A estrutura do projeto de pesquisa obedece a normativas prprias relacionadas a cada nvel de ensino e a cada rea do conhecimento. No caso das Cincias Humanas e Cincias Sociais Aplicadas o roteiro que segue aceito, mesmo com as nuances tpicas de cada instituio. Titulo do projeto O titulo deve sintetizar o contedo da pesquisa, comunicando com clareza a idia que ser desenvolvida. s vezes necessrio precisar a temtica abordada atravs de um subttulo. Faz-se necessrio ainda,

7

delimitar o tema que ser trabalhado a fim de mostrar claramente a rea especfica e sua idia de trabalho. Formulao do problema Ser explorado a partir da delimitao do tema. O problema situa-se num quadro terico e norteia toda a pesquisa. a pergunta a ser respondida ao final da pesquisa e indica especificamente qual a dificuldade que se pretende resolver. Consiste em um enunciado explicitado de forma clara, compreensvel e operacional. O enunciado do problema inicia o processo de investigao, orienta a coleta de dados e determina os resultados da pesquisa. o recorte mais especfico, mais preciso do tema escolhido. Recomendaes para construo do problema:

Problema: Qual a relao entre as tendncias educacionais e o processo de formao superior dos professores das sries iniciais do ensino fundamental? Hipteses As hipteses so respostas provisrias problemtica levantada, de partida que devem ser confrontadas com os dados. Por isso a sua formulao deve indicar o tipo de observao a recolher bem como as relaes a verificar entre estas observaes. A formulao de hipteses, sobretudo na pesquisa quantitativa, exige conhecimentos amplos de estatstica. Nem todos os projetos demandam a presena desse das hipteses. Objetivos Os objetivos tornam explicito o problema. Eles indicam o que se quer alcanar com o desenvolvimento da pesquisa e as contribuies que ela pode trazer. Delimitam com maior clareza o que pretende fazer. Os objetivos orientam a estrutura do trabalho, o roteiro do referencial terico e a metodologia. Estabelecem direcionamentos, limites e opes que condicionam a pesquisa. Esclarecem o que se pretende, quais os resultados que se deseja obter. Por ordem de abrangncia podem ser divididos em dois tipos: Geral Mostra as intenes globais da investigao, propsito central do trabalho: O que pretendido com a pesquisa? Que resultados sero alcanados ao trmino da investigao? Especficos - Expressam direcionamentos mais limitados: que metas so pretendidas ao longo do trabalho? Qual a relao dessas metas com a inteno principal do projeto?). So

Deve ser formulado como pergunta. Ex: Qual a relao entre as tendncias educacionais e o processo de formao superior dos professores das sries iniciais do ensino fundamental ? Deve ser claro e preciso, passvel de investigao, delimitado. Dever restringir-se a um determinado contexto: grupo de sujeitos, numa localidade especfica, num tempo determinado. Deve ser contextualizado dentro de um determinado cenrio. A partir do que surge? Como se origina?

Exemplo: Ttulo: Formao de professores Sub-ttulo ; As tendncias educacionais e o processo de formao superior dos professores das sries iniciais do ensino fundamental

8

elaborados atravs de frases que comeam com o verbo no infinitivo. Exemplos de uso de verbos: analisar, interpretar, avaliar, apresentar, evidenciar, refletir, compreender, perceber, classificar, elaborar, avaliar, identificar, obter. importante que os objetivos especficos sejam explicitaes e convergncias do objetivo geral e que denotem os diversos nveis da observao, problematizao e interveno. Justificativa Consiste na apresentao das razes de ordem terica e/ou prtica que justificam a realizao da pesquisa. O pesquisador deve demonstrar a relevncia do assunto no contexto educacional e justificar a delimitao do assunto quanto extenso, tipo de enfoque e o perodo histrico escolhido. Explica os motivos da viabilidade tcnica, financeira e poltica de execuo da pesquisa e delimita a pretenso do alcance da investigao. A viabilidade deve apontar com clareza se o projeto tem condies reais de ser desenvolvido, considerando ainda, os itens custo e tempo. Algumas questes que podem nortear a justificativa: razes terico-prticas que motivaram a investigao: por que desejo realizar esse estudo? que leituras, que estudos preliminares delinearam meu interesse por esse assunto? relevncia do estudo no contexto educacional/social; qual a contribuio desse estudo para a compreenso, interveno ou soluo do problema? Qual a relao entre relevncia intelectual e prtica do problema investigado e a minha experincia na rea pesquisada?

Fundamentao terica ou reviso de literatura Trata-se da apresentao do embasamento terico sobre o qual se fundamentar o trabalho. Consiste no resultado da leitura, documentao, organizao de idias e sntese de autores e conceitos que melhor explicam o problema da pesquisa. Reflete a opo do pesquisador, dentro do universo ideolgico e terico, direcionando para as abordagens de seu campo de especializao. Relaciona-se com todos os objetivos e o problema e aprofundado atravs de marcos encontrados nos fundamentos da rea pesquisada. Metodologia Deve estabelecer de que maneira se proceder para coletar os dados. Isto implica em indicar o tipo de pesquisa que se pretende realizar (pesquisa bibliogrfica, descritiva, experimental, pesquisa ao etc.), assim como os mtodos, os sujeitos da pesquisa e as tcnicas que sero utilizadas na coleta de dados, detalhando suas aplicaes. Cronograma Toda e qualquer pesquisa se estende por um certo perodo de tempo que dever ser dividido, fazendo-se a previso do tempo necessrio a cada etapa do trabalho. Algumas etapas podem ser executadas simultaneamente pelos membros da equipe de pesquisa, mas existem outras que dependem das anteriores. O cronograma elaborado sob forma de tabela. Oramento a apresentao do plano oramentrio previsto para a pesquisa, os gastos necessrios e previstos que devem ser agrupados em duas categorias: recursos humanos e recursos materiais (permanentes e de consumo). Exemplos: Passagens, dirias, excurses, material de expediente, material de consumo, servios de terceiros, pessoa fsica e pessoa jurdica.

9

Referncias Bibliogrficas a identificao de toda publicao relevante e coerente com o tema, que foi mencionada na pesquisa, devendo ser registrada em ordem crescente, alfabtica e cronolgica. Todos os autores citados no trabalho devero aparecer neste item e vice-versa. Nas referncias devese considerar a atualidade das obras, a diversidade das fontes e os autores clssicos. As referncias constituem-se de publicaes como: livros, folhetos, monografias de concluso de curso, anais de congressos, dissertaes, teses, publicaes de conferncias, encontros e outros eventos cientficos, manuais, guias, catlogos, enciclopdias, dicionrios, artigos, resenhas. Outros tipos de referncias: entrevistas, relatos, palestras, debates, conferncias, tanto orais quanto impressas; programas de rdio e televiso, gravaes em fitas VHS, cassetes, CD e discos e Internet. Quando o projeto de pesquisa abordado pelas Cincias Exatas, Agrrias, Engenharias, Biolgicas e da Sade, ocorre um roteiro diferente que obedece ao seguinte esquema bsico:

Modelo: 3 cm

8cm (desde a borda)PROJETO DE PESQUISA(centralizado, negrito)

(trs espaos duplos)Ttulo:(Espao Duplo)

Poltica Pblica Do Trabalho E Projeto Cultural Neoliberal(Espao Duplo)

3 cm

Problema: Qual a possibilidade de uma poltica de emprego com os crescentes avanos do neoliberalismo? (dentro do texto espao 1,5) Hipteses: Objetivo Geral: Objetivos Especficos: Justificativa: Fundamentao Terica: Metodologia: Cronograma de Execuo: Oramento RefernciasObs: os ttulos devem estar em seqncia. No se introduz nova pgina

2 cm

2 cm

10

2.2 Relatrio de Pesquisa ou Tcnico-Cientfico O relatrio final o resultado da relao entre coleta de dados, problematizao e referencial terico das atividades desenvolvidas nas disciplinas que exigem a aplicao de projetos de pesquisa e/ou de ao em seu programa. O relatrio a exposio pormenorizada sobre atividades, pesquisas, investigaes, servios, fatos observados e reflexo pessoal fundamentada. Deve ser escrito em linguagem clara e precisa. A extenso dos elementos textuais deve ter um mnimo de 10 e um mximo de 15 laudas (referentes apenas ao desenvolvimento do relatrio), seguindo todas as normas de um trabalho cientfico segundo a ABNT. Estrutura do Relatrio de Pesquisa ou Tcnico-Cientfico Capa Contendo cabealho com o nome da instituio, curso e perodo; nome do(a) autor(a); a denominao Relatrio Final de...; data e ttulo. Folha de rosto Opcionais ( dedicatria, agradecimento, epgrafe) Sumrio - a enumerao de todo o contedo do trabalho em suas divises internas (captulos, sees ou partes), na ordem em que aparecem, indicando a folha em que se iniciam. Introduo - pormenoriza em captulos e sub-captulos os dados e reflexes sobre o assunto pesquisado seguindo os tpicos abaixo: Caracterizao do local de realizao do estgio e do ambiente; aes objeto da interveno, sujeitos envolvidos e a contribuio significativa da parceria com a escola (articulao teoria-prtica). Anlise das oportunidades para o desenvolvimento das aes (limites e possibilidades de forma sucinta). Objetivos (Apresent-los e relatar se foram ou no alcanados). Justificativa (Apresentar a viabilidade do trabalho, sua importncia para a comunidade escolar, para voc estagiria(o), elaborando comentrios justificando as alteraes do Plano de Ao proposto e o realizado.

Metodologia - Relatar quais foram os instrumentos de coletas de dados utilizados para o estabelecimento das aes desenvolvidas na escola, assim como, os mtodos e as tcnicas operacionalizadas, fazendo comentrios sobre as etapas previstas (cronograma), se foram cumpridas ou no e as alteraes sofridas no decorrer do trabalho. Anlise - Descrever as aes realizadas, relacionando-as com o referencial terico a partir de uma reflexo crtica acerca da experincia vivida. Concluses - Enfatizar a importncia e a validade do trabalho desenvolvido para o estagirio e a comunidade escolar. Referncias Bibliogrficas desenvolvimento do trabalho. Material citado para o

11

Anexos - Comprovao concreta das aes executadas: documentos solicitados de comprovao do estgio, fotos, textos utilizados, entrevistas, formulrios, produo construda, registros diversos, vdeos, dentre outros. 2.3 Projeto de Ao, Produto e Servio O projeto de ao se estrutura em um conjunto de atividades que sero desenvolvidas atravs de uma prtica em campo, com a finalidade de orientar a busca de um determinado conhecimento e/ou de uma interveno concreta. Sua extenso varia de acordo com o tema que ser abordado e pode apresentar de 5 a 15 pginas. O roteiro proposto poder sofrer modificaes em consonncia com a tipicidade de reas de conhecimento, a exemplo do projeto de pesquisa. Estrutura Ttulo - A escolha do ttulo deve ser revestida de especial ateno por constituir-se a primeira chamada para o assunto ou tema do projeto Justificativa o diagnstico da situao inicial cujas informaes justificam iniciar uma ao planejada de melhoria. Justificar mostrar de que forma os resultados obtidos podero contribuir para a soluo, ou melhor, compreenso das necessidades detectadas, e pode ser pautada nos seguintes fatores: sociais, polticos, econmicos, culturais e educacionais. Na justificativa tambm se colocam os motivos que levaram o acadmico a desenvolver o projeto.

Objetivos Definir objetivo geral, especficos e/ou por linha de ao. Os objetivos informam as solues que se pretende atingir vista de questes ou problemas levantados. Devem ser redigidos de forma clara e sucinta. Para sua maior operacionalidade, os objetivos costumam ser traduzidos em metas que se pretende atingir em longo, mdio ou curto prazo. As metas apontam as prioridades, demonstrando as aes que se pretende levar a efeito, num determinado espao de tempo, para atingir seus objetivos. Beneficirios Identificar pessoas/grupos/organizaes serem beneficiadas pelo projeto. a

Referencial Terico formado pelo conjunto da literatura utilizada para embasar o projeto de ao. Cronograma Definir programao das atividades substantivas e adjetivas. Metodologia Consiste na definio de mtodos, tcnicas e/ou procedimentos a serem utilizados para a realizao das aes planejadas. A partir do levantamento de necessidades e do estudo do referencial terico chega-se proposta de trabalho que considerada, por muitos, como idia central do projeto. Ao definirmos a metodologia estamos definindo o encaminhamento da nossa ao, a poltica de ao pela qual optamos, portanto, atravs dela deixamos transparecer a nossa concepo de Homem, sociedade, conhecimento, ensino e aprendizagem. Se assim o fizermos, estaremos caminhando para uma metodologia dinmica, viva, capaz de propiciar a articulao da prtica com a realidade social.

12

Recursos podem ser materiais, financeiros, humanos e didticos e devero ser utilizados na execuo das aes. Gerenciamento Definir estrutura organizacional, administrativa ou gerencial que implementar as atividades. Oramento Definir recursos financeiros, humanos, materiais, tecnolgicos, etc. Acompanhamento Definir mtodo de acompanhamento ou monitorao/avaliao. Diversos Outros elementos necessrios para esclarecer ou implementar o projeto: anexos, referncias, etc. 2.4 Resumo Textual O resumo textual tem por objetivo apresentar com fidelidade idias ou fatos essenciais contidos num texto dando ao leitor a compreenso do contedo do documento analisado, com os dados bibliogrficos contidos no mesmo, bem como as principais informaes que o levem a compreender de forma global o assunto em questo. Deve se limitar ao contedo do trabalho, sem qualquer julgamento de valor. Em qualquer tipo de resumo, dois cuidados so indispensveis: buscar a essncia do texto e manter-se fiel s idias do autor. Alguns passos para se realizar um bom resumo: 1. Ler e reler todo o texto para conhecer bem seu assunto, e sublinhar as idias que forem parecendo significativas. 2. Perceber as idias principais e secundrias. 3. Aps ler, fazer o resumo de cada pargrafo, pois cada um traz uma idia diferente.

4. Respeitar a ordem das idias e fatos trazidos no texto. 5. No tecer nenhum comentrio s idias do autor. 6. Ler o resumo dos pargrafos e observar se a apresentao das idias est coerente e se contm, de maneira sucinta, o assunto da obra. 7. Utilizar linguagem clara e objetiva. 8. Evitar copiar frases do texto original. 9. Apresentar as concluses do autor. 10. Redigir o texto definitivo aps a leitura das anotaes iniciais. 2.5 Resumo Cientfico A ABNT define resumo como apresentao concisa dos pontos relevantes de um texto. O resumo objetiva fornecer elementos que favoream a deciso de consultar ou no o texto completo. A norma recomenda as seguintes extenses: at 250 palavras, ou 1.680 caracteres com espaos, para monografias e artigos; at 500 palavras, ou 3.360 caracteres com espaos, para relatrios e teses. Quanto ao estilo, devem ser seguidas as seguintes indicaes: Ser composto de uma seqncia corrente de frases concisas e no de uma enumerao de tpicos. A primeira frase dever ser significativa, explicando o tema principal e seu objetivo. Deve expor seqencialmente introduo, metodologia, resultados e concluses em linguagem objetiva. H eventos cientficos (ex. SBPC) que exigem que esses elementos (Introduo, Metodologia, Resultados e Concluses) apaream no texto do resumo como elementos divisrios.

13

redigido com espaamento simples, contendo de 2 a 5 palavras-chave. Dar preferncia ao uso da terceira pessoa do singular e do verbo na voz ativa. Evitar a repetio de frases inteiras do trabalho; o uso de pargrafos no meio do resumo; juzo crtico; citaes; smbolos e contraes que no sejam de uso corrente; frmulas, equaes, diagramas etc., que no sejam absolutamente necessrias.

Local da Publicao; Editora; Data; Edio; Tamanho; Autoria da resenha; Resumo (resenha propriamente dita); Tipo de Livro; Bibliografia; Apreciao.

2.6 Resenha A resenha um tipo de resumo crtico, contudo mais abrangente: permite comentrios e opinies, inclui julgamento de valor, comparao com outras obras da mesma rea e avaliao da relevncia da obra em relao s outras do mesmo gnero. Segundo Andrade (1997), resenha um relato minucioso das propriedades de um objeto, ou de suas partes constitutivas; um tipo de redao tcnica que inclui variadas modalidades de textos: descrio, narrao e dissertao. Estruturalmente, descreve as propriedades da obra (descrio fsica da obra), relata as credenciais do autor, resume a obra, apresenta suas concluses e metodologia empregada. Estrutura A resenha deve ser escrita em terceira pessoa, implicando em certa neutralidade, o que limitado, porque na seleo e organizao do texto j ocorre inteno de quem escreve. Uma resenha deve conter os seguintes elementos:

2.7 Artigo Cientfico O artigo cientfico visa publicar resultados de estudos originais e pesquisas. Embora tenha formato padro reduzido (variando em mdias de 5 a 15 pginas), sempre um trabalho completo, um texto integral. geralmente utilizado como publicao em revistas especializadas, seja para divulgar conhecimentos, seja para comunicar resultados ou novidades a respeito de um assunto, como ainda, para contestar, refutar ou apresentar outras solues de uma situao controvertida. semelhana das monografias, deve conter uma introduo, um corpo (com subttulos, porm no com captulos) e uma concluso. O artigo cientfico, por ser completo, permite ao leitor, mediante a descrio da metodologia empregada, do procedimento utilizado e resultados obtidos, repetir a experincia. Os critrios de apresentao, extenso e normas podem diferenciar de uma revista especializada para outra, cabe ao autor do artigo obedecer s regras estabelecidas pela revista que escolheu para publicar seu trabalho.

Autor da obra; Ttulo;

14

Estrutura A estrutura do artigo cientfico, bem como as normas, devem obedecer aos critrios especficos de cada curso e/ou da revista ou peridico em que ser publicado. Segue abaixo um modelo de estrutura de artigo, que poder sofrer as mudanas prprias das reas de conhecimento (ver o caso do projeto de pesquisa). Ttulo (subttulo); Deve demonstrar o objetivo e o contedo do trabalho, podendo completar-se com subttulo; Autor(es); Credenciais do autor; Com formao, endereo, e-mail, etc. em nota de rodap; Sinopse ou resumo do texto;Com at cinco palavras-chave que mais se destacaram no texto; Deve conter de 100 a 150 palavras; Usa-se a terceira pessoa do singular e o verbo na voz ativa; Evita-se citaes e juzos de valor. Introduo; Expressa a viso geral do tema desenvolvido de modo que o leitor possa fazer uma prvia avaliao do texto; Deve dar ao leitor as informaes necessrias para entender de que assunto trata o artigo. Desta forma procure contemplar respostas para as seguintes questes: Por que fiz? Para que fiz? O que fiz? Com quem fiz? Como fiz? Com o que fiz? Quando fiz? Onde fiz?, evidenciando os instrumentos de coleta e anlise de dados, bem como a organizao do artigo, ou seja, de qu se trata;

Desenvolvimento (ou Discusso e Resultados nas Cincias Biolgicas, da Sade, Exatas e Engenharias): dando seqncia aos questionamentos feitos anteriormente, evidenciar, a partir do referencial terico, as etapas (aes, procedimentos, recursos, espaos) ressaltando, a partir de uma anlise crtico-reflexiva s resultados obtidos e a repercusso na comunidade e na instituio; Poder vir com subttulos, porm no com captulos; o contato que o leitor estabelece com o autor atravs de sua exposio, explicando, discutindo, descrevendo e definindo; Concluso; neste item (fechamento do desenvolvimento) deve figurar, clara e ordenadamente, as dedues tiradas dos resultados do trabalho, ou seja da implementao do projeto, os objetivos que foram atingidos ou no e o que contribui para tal;Inclui o ponto de vista do autor fazendo um balano, uma avaliao das informaes e/ou resultados da pesquisa, indicando procedimentos de trabalho; No utiliza citaes; Referncias (o elenco dos materiais escritos utilizados como fontes de informao na confeco do texto, apresentados conforme normas da ABNT _ ateno para a atualidade das normas). Anexos; So elementos complementares citados no texto mas colocados fora dele; So identificados consecutivamente na ordem em que aparecem mencionados no texto (Anexo A, B,...).

15

MODELO: 3 cm 3 cm

Concluso ou outro ttulo (em negrito) TTULO Subttulo (uma linha em branco de 1,5) 1Nome do autor (Credenciais do(a) autor(a) em nota de rodap) (2 espaos de 1,5) Resumo (O texto do resumo deve indicar o tema, os objetivos visados, as referncias tericas, as aes, as concluses/resultados. O pargrafo justificado, fonte 10, espao simples, de 100 a 150 palavras). (1 linha em branco de 1,5) Palavras-chave: (at cinco palavras que representem o contedo abordado, separadas por hfen) (2 espaos duplos) Introduo ou outro ttulo que corresponda ao contedo (em negrito) (uma linha em branco) Ttulo que corresponda ao desenvolvimento do trabalho (em negrito) (uma linha em branco) Subttulos (se houver) (uma linha em branco) (uma linha em branco) Consideraes finais ( ttulo obrigatrio - em negrito) (uma linha em branco) Referncias (uma linha em branco)

3 cm

2 cm

3 cm

ANEXOS (em outra folha, centralizado) Uma folha com a palavra anexos digitada com letras garrafais. Somente considerar como anexos o que citado ao longo do texto e essencial a sua

2 cm

compreenso. A identificao de cada anexo feita por NUMERAIS, em ordem crescente, colocadas aps a palavra ANEXO, CONFORME A ORDEM CITADA NO TEXTO. Exemplo: ANEXO 1. FOLHA EM BRANCO AO FINAL DO ARTIGO

2 cm

2 cm

16

2.8 Paper Para a ABNT paper um pequeno artigo cientfico, elaborado sobre determinado tema ou resultados de um projeto de pesquisa para comunicaes em congressos e reunies cientficas, sujeitos sua aceitao por julgamento. Os propsitos de um paper so quase sempre os de formar um problema, estud-lo, adequar hipteses, cotejar dados, prover uma metodologia prpria e, finalmente, concluir ou eventualmente recomendar. O paper contm, em mdia, 2 a 4 pginas, quando apresentado na graduao, estruturadas no modelo do artigo cientfico, porm, com uma estrutura mais simplificada. Pode ser utilizado para posterior publicao em atas e anais de eventos em que foram apresentados em forma de comunicao oral em cursos, congressos, simpsios, reunies cientficas, etc. Podem aparecer publicados na ntegra ou em forma de resumos e sinopses. Embora contenha a mesma estrutura intelectual dos artigos (Introduo, corpo e concluso) no apresenta resumo nem subdivises, um texto nico. Apresenta uma avaliao ou interpretao de fatos e informaes que foram colhidas por quem o escreve, espera-se, assim, o desenvolvimento de um ponto de vista acerca de um tema, uma tomada de posio definida e a expresso dos pensamentos de forma original, baseada em reflexes pessoaisO paper tem a mesma estrutura orgnica exigida para trabalhos cientficos, a saber:

Corpo do trabalho (introduo, desenvolvimento e concluso); Poder vir com subttulos, porm no com captulos; o contato que o leitor estabelece com o autor atravs de sua exposio, explicando, discutindo, descrevendo e definindo; Referncias (o elenco dos materiais escritos utilizados como fontes de informao na confeco do texto, apresentados conforme normas da ABNT _ ateno para a atualidade das normas). Uma folha em branco anexada ao final do trabalho. Um paper, enquanto resultado de uma pesquisa, dever apresentar entre 15 a 20 pginas, obedecendo a todas as normas tcnicas do trabalho cientfico e seguinte estrutura que ser acrescentada ao modelo abaixo:

Ttulo (subttulo); Deve demonstrar o objetivo e o contedo do trabalho, podendo completar-se com subttulo. Autor(es); Credenciais do autor; Com formao, endereo, e-mail, etc. em nota de rodap;

Ttulo; Nome completo do(s) autor(es), com credenciais em nota de rodap; Resumo e/ou Abstract; Introduo; Reviso da Literatura; Metodologia; Resultados; Discusso dos Resultados; Concluso; Referncias Anexos e /ou Apndice

17

MODELO: 3 cm

Normativa gerais para a elaborao de trabalhos cientficos Espaamento entre ttulo e nome: Uma linha em branco. Aps o nome, inserir nota de rodap e escrever as credenciais: Acadmico(a) do ........ perodo do Curso de .................do Centro Universitrio Nilton Lins; Os ttulos de sees e subsees devem ser digitados com a mesma fonte do corpo do trabalho; Recomenda-se tamanho 12 para o corpo do texto e 10 para as citaes longas, resumo e notas de rodap, usando fonte Time New Roman ou Arial; As margens devero obedecer o seguinte padro: superior e esquerda 3cm, inferior e direita 2cm; Os ttulos das diversas sees devem estar separados do texto que vem antes e depois por uma linha em branco; O ttulo das sees escrito com inicial maiscula e em negrito Entre nome e resumo: Dois espaos duplos; O espaamento entre linhas de 1,5. Nas referncias bibliogrficas utiliza-se espaamento simples na mesma referncia e dois simples entre as referncias. Para iniciar pargrafos: Deixam-se cinco espaos e o texto iniciado a partir do sexto espao; Entre resumo e palavra-chave: Uma linha em branco; Utilizar at cinco palavras-chave; Entre palavras-chave e incio de texto: Deixar dois espaos duplos; No resumo usa-se pargrafo nico, espaamento simples, justificado. Devem ser usadas de 100 a 150 palavras, apresentando uma viso geral, clara e objetiva do contedo, metodologia e das concluses a que se chegou; O texto do artigo coeso. No necessariamente figuram palavras como introduo, desenvolvimento e concluso,

TTULO Subttulo (uma linha em branco de 1,5) 1Nome do autor (Credenciais do(a) autor(a) em nota de rodap) (2 espaos de 1,5) Corpo do Paper Poder vir com subttulos, porm no com captulos; o contato que o leitor estabelece com o autor atravs de sua exposio, explicando, discutindo, descrevendo e definindo. Contm a idia de introduo, desenvolvimento e concluso. (1 linha em branco de 1,5) Referncias

3 cm

2 cm

FOLHA EM BRANCO AO FINAL DO PAPER

Nilton Lins. Obs: a nota de rodap com as credenciais do(a) autor(a) constam apenas na primeira folha e seu contedo pode

______________________________ 1 Acadmico(a) do ...perodo curso... do Centro Universitrio

2 cm

18

embora estes itens constem, podendo ser identificados por subttulos opcionais; As pginas so numeradas seqencialmente e aparecem impressas em todas as folhas (com exceo da folha inicial que contm cabealho e resumo); O artigo e o paper no possuem capa como a monografia e outros trabalhos acadmicos. 2.9 Painel O painel (ou pster) uma modalidade de apresentao de trabalhos em eventos cientficos, tendo como caractersticas bsicas a disposio dos elementos dos trabalhos sobre painel/pster dentro de medidas padronizadas. O autor permanece junto ao painel durante o horrio programado pela Comisso Organizadora para esclarecer os visitantes acerca do contedo do painel. Entre as vantagens encontram-se as seguintes: maior integrao entre os cursos e entre os perodos do mesmo curso, possibilidade de participao da comunidade. Normalizao a) O painel ter as dimenses de 0,90m x 1,20m e a cor do papel de fundo deve ser neutra. Outras dimenses podem ser especificadas por normas especficas de eventos cientficos. b) Sugere-se um tamanho de letra de no mnimo 14 e mximo 22 (no Word); c) Tipo de letra Arial; d) No trabalho devem constar, obrigatoriamente, tpicos distribudos de maneira uniforme, conforme, conforme modelo apresentado como sugesto, contanto que no extrapole o espao disponvel; Estrutura 1. Ttulo centralizado

2. Autores e demais dados de identificao, deslocados para a margem direita 3. Introduo ( no caso das Cincias Biolgicas, da Sade, Agrrias, Exatas e Engenharias pode conter objetivos, hipteses, referencial terico) 4. Objetivos e/ou hipteses 5. Metodologia 6. Referencial terico 7. Resultados 8. Referncias principais Quadros, tabelas e fotos (quando o trabalho exigir). 3. TRABALHOS DE CONCLUSO DE CURSO 3.1 Monografia a exposio de um problema ou assunto especfico, investigado cientificamente. As monografias so sempre resultado de pesquisas realizadas em diferentes nveis de profundidade e de extenso, dependendo do objeto de estudo, e, para isso, existem vrios tipos de pesquisas que se enquadram de acordo com o tema pesquisado. O trabalho de pesquisa podeser denominado monografia quando apresentado como requisito parcial para a obteno do ttulo de especialista, ou pode ser denominado trabalho de concluso de curso, quando apresentado como requisito parcial para concluso de curso de graduao. A monografia pode ser defendida em pblico ou no, de acordo com o previsto no Projeto Pedaggico de cada curso ou em regulamentaes prprias de trabalhos de concluso de curso. Aps a defesa, o acadmico dever entregar as cpias determinadas pela instituio, que sero encaminhadas Biblioteca para representao de memria acadmica.

Estrutura e Forma de Apresentao

19

A monografia dever ser encadernada em capa dura, na cor preta ou azul marinho, com as letras de identificao do trabalho na cor dourada, com a identificao de lombada de baixo para cima. Capa (Nome da Instituio a 5,5cm da borda superior, em letras versais, centralizado e em negrito; nome do curso logo abaixo, centralizado, em negrito e versais; Ttulo do projeto centralizado, a 11 cm da borda superior, em versais e negrito; Local a 25,5cm da borda superior, Manaus - AM, ano a 26,5 cm da borda superior). 1. Elementos pr-textuais: antecedem o corpo do trabalho ( na monografia).Dependendo da complexidade do trabalho apresentam-se ainda como elementos pr-textuais os seguintes elementos : Folha de rosto (Nome do autor centralizado, em versais, negrito, a 5,5cm da borda superior; ttulo, centralizado, em versais, negrito a 11cm da borda superior; Natureza: alinhado direita, a 17,5cm da borda superior, caixa baixa, Trabalho de monografia apresentado por (nome do(a) aluno(a)) como exigncia para a disciplina TCCI sob a orientao dos professores (nome do professor da disciplina e do professor orientador); Local: Manaus - AM, centralizado, a 25,5cm da borda superior).

Agradecimentos: ser simples e breve, pode ser para pessoas e/ou instituies que de uma forma ou de outra contriburam na pesquisa e um destaque especial ao orientador do trabalho. Epgrafe - apresenta-se como um elemento opcional; a citao direta de um pensamento relacionado diretamente com o contedo trabalhado. Resumo - elemento obrigatrio, constitudo de uma seqncia de frases concisas e objetivas e no de uma simples enumerao de tpicos, no ultrapassando 500 palavras, seguido, logo abaixo, das palavras representativas do contedo do trabalho, isto , palavras-chave e/ou descritores, conforme a NBR 6028. Abstract Resumo traduzido para outro idioma, diferente do utilizado na redao do trabalho (Ingls ou Espanhol). Sumrio: deve proporcionar ao leitor uma viso geral do estudo realizado, inclui todos os ttulos principais e suas subdivises facilitando a localizao dos assuntos. Lista de Abreviaturas e Siglas pode ser confeccionada de acordo com a necessidade e apresenta as siglas e abreviaturas utilizadas ao longo do trabalho, sendo desnecessria se a quantidade for reduzida. 2. Elementos textuais: o corpo do trabalho dividido em trs partes fundamentais: introduo, desenvolvimento e concluso, escrito em fonte tamanho 12, Arial ou Times New Roman, espaamento 1,5 entre as linhas e duplo entre os pargrafos. Introduo a introduo a apresentao sucinta e objetiva do trabalho, que fornece informaes sobre sua natureza, sua

Ficha catalogrfica: deve constar no verso da folha de rosto, esquerda ou inserida aps a mesma, e recomenda-se que consulte um bibliotecrio. Folha de aprovao: espao destinado para assinatura dos examinadores, segundo a ordem de argio com a indicao do orientador. Dedicatria: uma homenagem a uma pessoa ou a pessoas, mas deve-se ter o cuidado para que esse grupo de pessoas no seja muito extenso pois a homenagem pode diluir. Essa homenagem tambm pode conter alguma frase ou pensamento conciso, com a indicao do autor.

20

importncia e sobre como foi elaborado: objetivo, mtodos e procedimentos seguidos. Em outras palavras, a parte inicial do texto, onde devem constar a delimitao do assunto tratado, objetivos da pesquisa e outros elementos necessrios para situar o tema do trabalho. Lendo a introduo, o leitor deve sentir-se esclarecido a respeito do tema do trabalho como do raciocnio a ser desenvolvido. Desenvolvimento constitudo pelos captulos que se subdividem de acordo com o contedo do trabalho. Em monografias, os captulos (sees) podem ser agrupados em apenas trs captulos contendo respectivamente: a reviso bibliogrfica, a apresentao e discusso dos dados coletados na pesquisa e as concluses; Captulo 1 - Reviso da Literatura faz uma ligao entre a literatura pesquisada e a problemtica (temtica) que est sendo estudada, destacando os principais trabalhos desenvolvidos na rea de estudo.Deve vir antecedido de um ttulo que enfatize o eixo principal do trabalho realizado. Captulo 2 - Metodologia apresentao da metodologia utilizada no desenvolvimento do trabalho, detalhando as tcnicas utilizadas para conduzir a pesquisa. Captulo 3 Resultados e Discusso apresentao dos resultados obtidos no trabalho e seu confronto com os referenciais estudados. Concluses parte da anlise dos dados coletados na pesquisa, descreve a sntese final do trabalho, na qual, o autor acrescenta seu ponto de vista aos resultados obtidos, podendo ainda sugerir propostas de trabalho para o tema em questo.

Obs: cada captulo abre uma nova pgina do trabalho. 3. Elementos ps-textuais: complementam o trabalho e aparecem aps o corpo do trabalho: Referncias Bibliogrficas a listagem, em ordem alfabtica, da literatura citada ao longo do texto, permitindo ao leitor a identificao do referencial utilizado na elaborao do trabalho. Anexos - So elementos complementares citados no texto que esclarecem ou comprovam seu contedo, mas, colocados fora dele; So identificados consecutivamente na ordem em que aparecem mencionados no texto (Anexo A, B,...). Podem ser: fotos, textos utilizados, entrevistas, formulrios, produo construda, registros diversos, vdeos, leis,decretos, etc. Apndice constitudo por materiais complementares que tenham a finalidade de documentar ou esclarecer detalhes importantes do trabalho. Difere-se dos anexos por ser elaborado pelo autor, como por exemplo, questionrios, tabelas, grficos, etc. Tabelas, quadros, figuras Tabelas (palavras e nmeros), quadros (apenas palavras) e figuras / ilustraes (fotos, grficos, desenhos, etc.), devem ser pertinentes ao texto e aparecer to perto quanto possvel do lugar em que so mencionados no texto. O ttulo deve estar localizado acima do corpo da tabela, quadro ou figura e na parte de baixo deve constar a fonte (indicao da entidade / autor responsvel pelos dados ou imagens inseridas, no caso de usar fontes de outros autores). No caso de vrias tabelas, quadros, etc., deve-se numer-las consecutivamente.

21

3 cm MODELO DE CAPA DE MONOGRAFIA

3 cm MODELO DE FOLHA DE ROSTO PARA MONOGRAFIA

CENTRO UNIVERSITRIO NILTON LINS (5,5cm) CURSO DE PEDAGOGIA

(nome do autor) VITOR DA SILVA PASCAL (5,5cm)

3 cm

11 cm da borda superior, caixa alta, fonte Arial ou times New Roman, fonte tamanho 14.AS MULTIPLAS APRENDIZAGENS (11cm)

2 cm

3 cm Texto fonte 14AS MULTIPLAS APRENDIZAGENS (11cm)

2 cm

(Todas as medidas so distncias da borda superior)

Texto fonte 12 Monografia apresentada como exigncia parcial para obteno do ttulo (grau pretendido) ao Centro Universitrio Nilton Lins sob orientao do(a) professor(a) (nome do orientador)

(fonte 12)

Manaus - AM (25,5cm) 2005

fonte 12 Manaus - AM (25,5cm) 2005

2 cm

2 cm

22

3 FOLHA DE APROVAO MODELO DEcm

3 cm MODELO DE FOLHA DE DEDICATRIA

(Fonte 12, espaamento simples) Monografia defendida e aprovada em (dia, ms e ano) pela banca examinadora constituda pelos professores:

3 cm

2 cm

3 cm

2 cm

_________________________ Nome do professor orientador _________________________ Nome do professor examinador _________________________ Nome do professor examinador

Fonte 14

DEDICATRIA

2 cm

2 cm

23

MODELO DE cm 3 FOLHA DE AGRADECIMENTO

MODELO DE FOLHA DE EPGRAFE 3 cm

3 cm

2 cm

3 cm

2 cm

EPGRAFEFonte 14 Fonte 12

AGRADECIMENTO

Pode ser um pequeno texto, uma frase, enfim, algo relacionado com o tema do trabalho

2 cm

2 cm

24

MODELO DE RESUMO PARA MONOGRAFIA 3 cm

MODELO DE FOLHA DE RESUMO EM LNGUA ESTRANGEIRA 3 cm

8cm da borda superior RESUMO (centralizado, negrito) (trs espaos duplos)

3 cmO resumo deve ser digitado com tamanho de fonte 10 e em espao simples, num pargrafo nico, justificado. Palavras-chave

2 cm

3 cm

ABSTRACT Pode ser feito em ingls ou espanhol, dependendo da finalidade do trabalho. Em geral, feito em ingls. Segue as mesmas normas do resumo. Key-words:

2 cm

2 cm

2 cm

25

MODELO DE SUMRIO PARA MONOGRAFIA 3 cm

3.2 Dissertao Dissertao consiste na elaborao escrita de um trabalho de pesquisa em que autor apresenta as informaes disponveis com o intuito de fornecer uma idia sobre a situao atual dos conhecimentos sobre um determinado tema especfico, incluindose tambm tpicos controvertidos juntamente com discusses e sugestes. Alm disso, poder conter uma pesquisa de campo que no obrigatria. A Dissertao um dos requisitos para a obteno do ttulo de Mestre. A Dissertao visa tambm demonstrar a capacidade do candidato em tornar-se pesquisador, isto , ter capacidade de definir um tema, objeto de seu estudo, de definir um problema, justifica-lo e apresentar o estado da arte sobre aquele objeto a partir de um determinado mtodo de anlise. Estrutura da DissertaoELEMENTOS PR-TEXTUAIS: Capa (obrigatrio) Folha de Rosto (obrigatrio) Ficha Catalogrfica (obrigatrio) Errata (opcional) Dedicatria (opcional) Agradecimentos (opcional) Resumo (obrigatrio) Abstract (obrigatrio) Sumrio (obrigatrio) Lista de ilustraes (opcional) Lista de tabelas (opcional) Lista de abreviaturas e siglas (opcional)

8 cm da borda superior SUMRIO (3 espaos duplos)3 cm INTRODUO............................................................... P (espao duplo) NOME DO PRIMEIRO CAPTULO ............................. P (espao simples) Nome dos sub-captulos ou sees secundrias .............. P (espao duplo) NOME DO SEGUNDO CAPTULO ............................. P (espao simples) Nome dos sub-captulos .................................................. P (espao duplo) CONCLUSES /CONSIDERAES FINAIS.............. P (espao duplo) REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS....................... P (espao duplo) ANEXOS ........................................................................ P APNDICE ..................................................................... P (espao duplo)

2 cm

2 cm

26

ELEMENTOS TEXTUAIS: Introduo Desenvolvimento Concluso ELEMENTOS PS-TEXTUAIS: Referncias (obrigatrio) Anexo (s) (opcional)CAPA

Folha De Rosto Na folha de rosto devem conter os dados: a) Nome da Instituio b) Ttulo da dissertao em letras maisculas, centralizado na folha c) Nome completo do autor (em maisculas, menores que a do ttulo, justificado direita) d) Tipo do trabalho/ curso/ instituio/ rea de concentrao e) Nome do Orientador e/ou Co-orientador f) Cidade e ano, na parte inferior da pgina

O exemplar da Dissertao dever ser confeccionado em capa dura, na cor azul-marinho ou preta. A capa dever ser composta de elementos que permitam a identificao do trabalho e deve conter as seguintes informaes: Nome da Instituio Ttulo da dissertao em letras maisculas, centralizado na folha Nome completo do autor (em maisculas, menores que a do ttulo, justificado direita) Cidade e ano, na parte inferior da pgina(3cm) NOME DA INSTITUIO (instituio, letra 14 a 16, em negrito) Espaamento livre A EXTRAO DE LEOS VEGETAIS DA AMAZNIA PARA A FABRICAO DE COSMTICOS: UM ALERTA (ttulo, letra 18 a 22, em negrito) (3cm) (2cm) DURAN DA COSTA (nome do autor, letra 14 a 16, em negrito) Espaamento livre Manaus 2004 (cidade e ano, letra 14 a 16, em negrito) (2cm)

(3cm) NOME DA INSTITUIO (instituio, letra 14 a 16, em negrito) A EXTRAO DE LEOS VEGETAIS DA AMAZNIA PARA A FABRICAO DE COSMTICOS: UM ALERTA (ttulo, letra 18 a 22, em negrito) Espaamento livre DURAN DA COSTA (nome do autor, letra 14 a 16, em negrito) Espaamento livre Manaus 2004 (cidade e ano, letra 14 a 16, em negrito) (2cm) Dissertao apresentada Pr-reitoria de_____, da Instituio _____, como parte dos requisitos para obteno do ttulo de Mestre, no Programa de Psgraduao em __________. rea de Concentrao: ___________ Orientador: ____________________

(3cm)

27

Folha de Aprovao

Ficha Catalogrfica (Verso da Folha De Rosto) No verso da pgina de rosto dever constar a Ficha Catalogrfica do trabalho, conforme modelo a seguir:

(3cm)

Nome do AutorDissertao (Tese) submetida ao corpo docente da Instituio ____ , como parte dos requisitos necessrios obteno do grau de Mestre.

7,5cm

12,5cm

Nome da Dissertao

Costa, Duran de A Extrao de leos Vegetais da Amaznia para a Fabricao de cosmticos: Um Alerta/ Costa, Duran de Manaus, 2004. 81 f. : il. Monografia (Graduao); Orientador: Paulo de Tarso Lopes de Magalhes Curso de Biologia, Centro de Universitrio Nilton Lins. 1. Biodiversidade Extrao. 2. Biopirataria Preservao. I. Ttulo. II. UNINILTON LINS Centro de Ensino Superior Nilton Lins. CDU 615.8:616.831-005.1

Data de Aprovao: _____________________Banca Examinadora: Prof. Dr.......................................................... (orientador) Prof. Dr. .......................................................... (membro) Prof. Dr. .......................................................... (membro)

Observao: a ficha de catalogao deve ser elaborada por um bibliotecrio.

28

Errata Consiste em uma lista que discorre folhas e linhas que apresentam erros, seguida das devidas correes. Apresenta-se em folha solta, encartada ao trabalho depois de impresso, logo aps a folha de rosto. Exemplo: Errata se Folha Linha 5 Onde se l pesquiza Leia-

Agradecimentos (Pgina de Crditos do Autor)

Pgina ou pginas de manifestao de agradecimento a pessoas e Instituies que, de alguma forma, colaboraram para a execuo do trabalho. Devem ser mencionados auxlios financeiros para pesquisa ou bolsa de estudo. Devem ser dirigidos queles que realmente contriburam de maneira relevante na elaborao do trabalho, restringindo-se ao mnimo necessrio. Exemplo: AGRADECIMENTOS Ao Prof. Dr. Jos Silva, pela habilidade com que orientou nosso trabalho. Aos colegas do curso de Ps-graduao, pelo companheirismo. bibliotecria Clara, pela normalizao tcnica. A todos aqueles que, direta ou indiretamente, possibilitaram a realizao deste trabalho.

19 pesquisa

DedicatriaPgina (s) opcional (ais), em que o autor pode prestar homenagem ou dedicar seu trabalho. Exemplo:

ResumoDedico este trabalho aos meus pais e irmos. O resumo consiste na apresentao concisa do contedo do trabalho e tem a finalidade especfica de passar ao leitor uma idia completa do teor do documento analisado, fornecendo, alm de dados bibliogrficos do documento, todas as informaes necessrias para que o leitor/pesquisador possa fazer uma primeira avaliao do texto analisado e dar-se conta de suas eventuais contribuies, justificando a consulta do texto integral.

minha esposa Camila e aos meus filhos Ricardo e Lia.

29

O resumo ser redigido em portugus, em texto corrido, sem pargrafos, espaos simples, em itlico, ocupando a terceira pessoa do singular e verbo na voz ativa. Deve ter entre 200 e 500 palavras (NBR6028) distribudas em aproximadamente 1400 a 1700 caracteres, constituindo cerca de 20 linhas. Dever trazer informaes que respondam s seguintes indagaes: a) Qual a natureza do trabalho? (pesquisa emprica, terica, histrica, levantamento histrico, etc.); b) Qual o objeto pesquisado/estudado?; c) O que se pretendeu demonstrar/constatar?; d) Quais as referncias tericas para o desenvolvimento do raciocnio?; e) Quais os procedimentos metodolgicos?; f) Quais os resultados obtidos de acordo com os objetivos propostos? O resumo no deve conter: a) aspectos do trabalho no descritos no texto; b) tabelas, figuras e frmulas; c) referncias a outros autores; d)opinies ou observaes avaliativas; e) desdobramentos explicativos. Seguindo-se ao resumo, esto as palavras-chave (ou descritores); ou seja, os cinco unitermos temticos mais significativos do texto.

Exemplo:

SUMRIORESUMO....................................................................................................... 20 ABSTRACT.................................................................................................... 21 LISTA DE TABELAS...................................................................................... 22 INTRODUO............................................................................................... 25 DESENVOLVIMENTO (CAPTULOS)............................................................31 CONCLUSO.................................................................................................120 REFERNCIAS..............................................................................................128 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA..................................................................... 130 ANEXOS........................................................................................................ 132

SOBRE AS LISTAS:

AbstractAbstract a verso em lngua inglesa do resumo, acrescido do ttulo do trabalho tambm em ingls, assim como das palavras-chave (Key-words).

Correspondem a um rol de elementos ilustrativos ou explicativos, podendo ser includas as seguintes listas: tabelas, quadros, grficos, frmulas, lminas, figuras (desenhos, gravuras, mapas, fotografias) na mesma ordem em que so citados na dissertao, com indicao da pgina em que esto localizados. Exemplos: Ilustrao 1 - 83 Ilustrao 2 - 105 Ilustrao 3 - 121 Ilustrao 4 - 166 Lista de Ilustraes

SumrioO Sumrio a indicao do contedo do documento, refletindo suas divises e/ou sees, na mesma ordem e grafia em que aparecem no texto. Usa-se o termo sumrio (e no a palavra ndice ou lista) para designar esta parte.

Lista de Tabelas Tabela 1: Diviso em faixas etrias dos grupos estudados 40 Tabela 2: Exames clnicos realizados em grupos de risco 53 Tabela 3: Indivduos que apresentaram um ou mais sintomas 66

30

Lista de Abreviaturas e Siglas BIRD = Banco Internacional para a Reconstruo e o Desenvolvimento CAPES = Coordenao de Aperfeioamento de Pessoal de Ensino Superior CEPAL = Comisso Econmica para a Amrica Latina Introduo Esse captulo deve representar a essncia do pensamento do autor em relao ao assunto que pretende estudar. Na medida do possvel, deve ser abrangente sem ser prolongado. Constitui, em verdade, um discurso de abertura em que o pesquisador oferece ao leitor uma sntese dos conceitos da literatura, expressa sua prpria opinio, estabelece a relevncia e as razes de ser de seu trabalho; sumariando, apropriadamente, comeo, meio e fim de sua proposta de estudo. Portanto, a introduo a parte do texto em que devem constar a formulao e a delimitao do assunto tratado, bem como os objetivos da pesquisa. Tem por finalidade fornecer ao leitor os antecedentes que justificam o trabalho, assim como enfocar o assunto a ser abordado. A introduo pode incluir informaes sobre a natureza e a importncia do problema, sua relao com outros estudos sobre o mesmo assunto, suas limitaes e seus objetivos. Organizao do texto:

Desenvolvimento

O texto propriamente dito deve estar divido em captulos, cada qual organizado em sees e subsees. Os captulos devem ser numerados com algarismos arbicos, assim como suas sees e subsees, sendo que tais algarismos destas devem ser separados apenas por ponto. Os ttulos das sees e subsees devem ser separados de sua respectiva numerao por um hfen colocado entre espaos. Os ttulos dos captulos, sees e subsees podem ser destacados utilizando-se recursos como, por exemplo, negrito ou caixa alta. Se houver necessidade de mais de trs subsees, estas devem ser colocadas como alneas, iniciadas em letras minsculas seguidas de parnteses e espao e subalneas comeadas por hfen colocado sob a primeira letra da alnea.Ex: 1 CAPTULO (Seo primria) 1.1 Seo secundria 1.1.1 Seo terciria 1.1.1.1 Seo quaternria 1.1.1.1.1 Seo quinria a) Alnea; b) Alnea; - Subalnea, - Subalnea, - Subalnea, c) Alnea. 2 CAPTULO (Seo primria) 2.1 Seo secundria 2.2 Seo secundria

31

Concluso ou Concluses A Concluso (ou Concluses) constitui o eplogo do corpo do trabalho. Deve ter por base o texto e expressar com lgica e simplicidade o demonstrado ou deduzido com a pesquisa. fundamental que se entenda no existir no captulo de Concluso (es) espao para ilaes subentendidas no texto, dele devendo constar apenas os fatos definitivamente demonstrados ou claramente deduzidos e seguramente embasados pelo trabalho como um todo. Deve responder proposio. Referncias Bibliogrficas o conjunto de elementos destinados identificao, no todo ou em parte, de documentos impressos ou registrados em diversos tipos de material. Os parmetros para a elaborao da referncia bibliogrfica, aqui apresentados, retomam as normas do Projeto de Normas Brasileiras (NBR-6023, 2002), que especifica os elementos a serem includos nas referncias destinadas a registrar a documentao de fontes de informao. Importante: em hiptese alguma devem ser listados nas referncias bibliogrficas documentos que no estejam explicitamente citados no texto. As referncias bibliogrficas devero ser ordenadas alfabeticamente por autor e numeradas consecutivamente. OBS: Caso seja importante citar ou recomendar alguma bibliografia complementar, abrir captulo Bibliografia Consultada.

Bibliografia Consultada So outras publicaes que foram consultadas e no mencionadas no texto. Este item opcional e deve figurar aps o captulo de Referncias. Anexo (s) constitudo de documentos paralelos destinados a embasar, elucidar ou ilustrar aspectos importantes compreenso do texto. A identificao dos anexos no texto deve ser feita em letra maiscula (ANEXO A, ANEXO B...) ou em algarismos arbicos (ANEXO 1, ANEXO 2...).

3.3 Apresentao Grfica do TrabalhoDigitao

Julga-se que o aluno ir utilizar em seu computador o programa Word para elaborar seu trabalho. Desta forma, necessrio que configure a pgina de seu documento, ou seja, deixe-a adequada para o desenvolvimento grfico de seu trabalho, de acordo com as normas vigentes. Margens: superior = 3cm; inferior = 2cm; esquerda = 3cm; direita = 2cm; margem de pargrafo = 2cm, a partir da esquerda Formato: papel branco, formato A-4 de dimenses 21 x 29cm, indicado pela ABNT para trabalhos de teor didticocientfico, devendo ser utilizado apenas um lado e tinta preta. Fonte: recomenda-se utilizar as fontes: Times New Roman ou Arial, nos tamanhos 12 (para texto) e 10 (para citaes longas e notas de rodap).

32

Espaos: recomenda-se utilizar espaamento entre as linhas do texto: 1,5 ou duplo. Paginao: as pginas devem ser contadas a partir da folha de rosto, em algarismos arbicos. A numerao deve vir no alto da pgina, direita. No se enumeram as pginas do prtexto e as primeiras de cada captulo. Numerao dos Captulos Os captulos devem ser numerados em algarismos arbicos, desde o primeiro captulo (Introduo), at o ltimo (Concluses). Listas, Resumo, Abstract, Anexos e Apndice no constituem captulos. Assim, embora constem do Sumrio, no sero numerados. Caso haja subdivises em um ou mais dos captulos, dever ser adotada numerao progressiva. Por exemplo, o captulo de Material e Mtodos, que geralmente recebe o nmero 4, se for separado em partes distintas, uma para Material e outra para Mtodos, ficar: 4.1. Material e 4.2. Mtodos. Reproduo dos Originais Na impresso do original devem ser usadas impressoras do tipo jato de tinta (inkjet) ou do tipo laser. Trabalhos em impressoras matriciais e mquinas de escrever (mesmo que eltricas ou eletrnicas) no sero aceitos. Com vistas a obter alinhamento junto margem lateral direita do texto no devem ser utilizados barras ou quaisquer outros sinais. As dissertaes devero ser impressas sobre papel branco de alta opacidade (gramatura mnima 400 ideal: gramatura 500 comercialmente Chamex 500, so os mais fceis de encontrar nas papelarias).

A encadernao dos volumes poder ser feita, antes da defesa para prvia avaliao do orientador, na forma de espiral ou grampeada, quando da apresentao inicial do trabalho. Aps a avaliao e a respectiva correo pela Banca Examinadora, ocorrer a reimpresso do trabalho. O acabamento, ento, ser obrigatoriamente na forma de capa dura e com a capa impressa nas cores j deteminadas anteriormente, no se aceitando, nessa fase, qualquer outra forma de acabamento. A critrio do autor, poder ser acrescentada uma pgina final, permitindo o uso e a reproduo do trabalho para fins acadmicos. Exemplo:

Est autorizada cpia total ou parcial desta obra, apenas para fins de estudo e pesquisa, sendo expressamente vedada qualquer tipo de reproduo com fins comerciais sem prvia autorizao especfica do autor. Nome do autor Bauru Ms e ano da impresso

33

4. REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS Trata-se da representao dos documentos efetivamente citados ao longo do trabalho. uma lista que contm os elementos que facilitam a identificao (parcial ou total) de documentos impressos ou registrados em vrios tipos de material, a qual deve estar organizada rigorosamente em ordem alfabtica, sem apresentar qualquer numerao seqencial, aparecendo ao final do trabalho, aps o texto propriamente dito e antes de eventuais apndices e anexos. De acordo com a atual definio que a NBR-6023 da ABNT d ao termo referncia "conjunto padronizado de elementos descritivos, retirados de um documento, que permite sua identificao individual" recomenda-se utilizar o termo "Referncias Bibliogrficas" quando os documentos citados no trabalho estiverem restritos aos documentos convencionais, (no eletrnicos). Em trabalhos que foram utilizadas fontes oriundas de materiais eletrnicos, recomenda-se empregar simplesmente o termo "Referncias". Este item aparece no sumrio, porm no vem precedido de nenhum nmero. A seguir so apresentadas algumas recomendaes para a redao da lista de referncias bibliogrficas, especficas para cada situao possvel de fonte de consulta. Modelos de RefernciasLIVROS E FOLHETOS

Ex.: GARCIA, O. M. Comunicao em prosa moderna. 4. ed. Rio de Janeiro: Fundao Getlio Vargas, 1960. 502 p. (Biblioteca de Administrao Pblica, 14).

Obra com dois autoresSOBRENOME, Nome; SOBRENOME, Nome. Ttulo da obra: subttulo (se houver). 2. ed. Local: Editora, ano. n. de pginas. (Srie).

Ex.: SARAIVA, A. L.; LOPES, O. Histria da literatura portuguesa. So Paulo: Saraiva, 1969. 885 p.

Obra com trs autoresSOBRENOME, Nome; SOBRENOME, Nome; SOBRENOME, Nome. Ttulo da obra: subttulo (se houver). 2. ed. Local: Editora, ano. n. de pginas. (Srie).

Ex.: ZAZZO, R.; GILLY, M.; VERBA-RAD, M. Nueva escola mtrica de la inteligncia: test de desarollo mental para nios de 3 a 14 aos. Traduo de Maria Clia Eguibar. Buenos Aires: Kapelusz, 1970. 2 v. (Biblioteca de Psicologia Contempornea).

Obra com mais de trs autoresSOBRENOME, Nome et al. Ttulo da obra: subttulo (se houver). 2. ed. Local: Editora, ano. n. de pginas. (Srie).

Ex.: REESE, H. W. et al. Experimental child psychology. New York: Academic Press, 1973. 782 p.

Obra sem autoria (a entrada pelo TTULO da obra) Ex.: LENDAS e contos orientais. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1965. 50 p.TTULO da obra. 2. ed. Local: Editora, ano. n. de pginas. (Srie)

Obras de nico autor SOBRENOME, Nome. Ttulo da obra: subttulo (se houver). 2. ed. Local: Editora, ano. n. de pginas. (Srie).

34

Partes do livro do mesmo autorSOBRENOME, Nome. Ttulo do captulo. In:______.Ttulo da obra. 2. ed. Local: Editora, ano. n. de pginas iniciais e finas do captulo.

Artigos no assinados de peridicosTTULO do artigo. Ttulo do peridico (abreviado ou no), Local, volume, nmero, pginas iniciais e finais, ms ano.

Ex.: FERNANDES, F. Anlise demogrfica e anlise morfolgica. In:______. Mudanas sociais no Brasil. So Paulo: Difuso Europia do Livro, 1966. p. 305-329.

Ex.: BICHOS de seda indgenas. Chcaras e Quintal, v. 23, n. 3, p. 219-220, 1921. Jornal como um todoTTULO DO JORNAL. Local, dia ms ano.

Partes do livro com autor diferente (o autor do captulo diferente do autor do livro)SOBRENOME, Nome. Ttulo do captulo. In: SOBRENOME, Nome. Ttulo da obra. 2. ed. Local: Editora, ano. n. de pginas iniciais e finas do captulo.

Ex.: JORNAL DO BRASIL. Rio de Janeiro, 18 out. 1973.

Artigo e/ou matria de jornalSOBRENOME, Nome. Ttulo do artigo. Ttulo do jornal, Local, dia, ms, ano. Seo, caderno ou parte do jornal,pginas iniciais e finais.

Ex.: AZEVEDO, F. A escola e a literatura. In: COUTINHO, A. A literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Sul-Americana, 1955. p. 129-153.

Ex.: NAVES, P. Lagos andinos do banho de beleza. Folha de So Paulo, So Paulo, 28 jun. 1999. Folha Turismo, Caderno 8, p. 13.

PERIDICOS Revista como um todo (fascculo)TTULO DA REVISTA. Local: Editora, volume, nmero, ms e ano. n. de pginas do fascculo.Ex.: REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS PEDAGGICOS. Rio de Janeiro: INEP, v. 60, n. 120, jan. 1974. 135 p.

ENCICLOPDIAS, DICIONRIOS E ATLASTTULO DA PUBLICAO. Local: Editora, ano. n. da pgina consultada.

Artigos de peridicoSOBRENOME, Nome. Ttulo do artigo. Ttulo do peridico (abreviado ou no), Local, volume, nmero, pginas iniciais e finais, ms ano.

Ex.: GURGEL, C. Reforma do Estado e segurana pblica. Poltica a Administrao, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 15-21, set. 1997.

Ex.: WEBSTERS third new international dictionary. Chicago: Encyclopaedia Britannica, 1996. v. 2. p. 1269. KOOGAN, A.; HOUAISS, A. (Ed.). Enciclopdia e dicionrio digital 98. Direo geral de Andr Koogan Breikmam. So Paulo: Delta: Estado, 1998. 5 CD-ROM. Produzida por Videolar Multimdia. ATLAS Mirador Internacional. Rio de Janeiro: Enciclopdia Britnica do Brasil, 1981. p. 256.

35

Verbetes de dicionriosVERBETE. In: TTULO do dicionrio. Local: Editora, ano.

LEIS E DECRETOS Leis publicadas em peridicosLOCAL (pas, estado ou cidade). Lei n........, data. Ttulo do peridico, Local, volume, nmero, pginas iniciais e finais, ms ano.

Ex.: POLTICA. In: DICIONRIO da lngua portuguesa. Lisboa: Priberam Informtica, 1998.

CONGRESSOS, ENCONTROS

SIMPSIOS,

CONFERNCIAS

E

Ex.: BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Lei n. 4024, de 20 de dezembro de 1961. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. 58, n. 125. p. 210, abr. 1972. ENTIDADE COLETIVA COM DENOMINAO GENRICA

Resumo de trabalho apresentado em congressoSOBRENOME, Nome. Ttulo do trabalho apresentado: Subttulo (se houver). In: TTULO DO CONGRESSO, n., ano, Local. Resumos... Local: Editora, data. Pginas iniciais e finais.

Ex.: MARTIN NETO, L.; BAYER, C.; MIELNICZUK, J. Alteraes qualitativas da matria orgnica e os fatores determinantes de sua estabilidade num solo podzlico vermelho escuro em diferentes sistemas de

LOCAL (pas, estado ou cidade). Nome do rgo. Nome do departamento. Ttulo da obra. Local, ano. n. de pginas.

Ex.: BRASIL. Ministrio da Educao e Cultura. Departamento de Assuntos Pedaggicos. Salrio educao: legislao. Braslia, 1980. 325 p.

manejo. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CINCIA DO SOLO, 26., 1997, Rio de Janeiro. Resumos... Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Cincia do Solo, 1997. p. 443.

ENTIDADE COLETIVA COM DENOMINAO ESPECFICA NOME DA ENTIDADE. Ttulo da obra. Local, ano. n. de pginas.

Trabalho publicado em anais de congressoSOBRENOME, Nome. Ttulo do trabalho apresentado: Subttulo (se houver). In: TTULO DO CONGRESSO, n., ano, Local. Anais... Local: Editora, data. Pginas iniciais e finais.Ex.: BRAYNER, A. R. A.; MEDEIROS, C. B. Incorporao do tempo em SGBD orientado a objetos. In: SIMPSIO BRASILEIRO DE BANCO DE DADOS, 9., 1994, So Paulo. Anais... So Paulo: USP, 1994, p. 16-29.

Ex.: ASSOCIAO BRASILEIRA DE METAIS. Siderurgia. So Paulo, 1980. 150 p.

DISSERTAES, TESES E MONOGRAFIASSOBRENOME, Nome. Ttulo da dissertao ou tese. Data. Total de folhas. Tese ou Dissertao (rea) Faculdade, Universidade, cidade.

36

Ex.: BARCELOS, M. F. P. Ensaio tecnolgico, bioqumico e sensorial de soja e guandu enlatados no estgio verde e maturao de colheita. 1988. 160 f. Tese (Doutorado em Nutrio) Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. APOSTILAS E NOTAS DE AULASSOBRENOME, Nome. Ttulo da apostila. Local: Editora, ano. n. de pginas. Tipo de publicao.

MODELOS DE REFERNCIAS ELETRNICOS (INTERNET):

DE

DOCUMENTOS

Ex.: DAREZZO, F. et al. Clculo numrico. Bauru, SP: USC, 1980. 65 p. Apostila.

Definio "... fontes de informaes eletrnicas so publicaes ou documentos gerados, mantidos, disseminados e recuperados atravs de recursos computacionais ou eletrnicos. (...) As bases de dados, os arquivos, as mensagens eletrnicas disponveis de forma on-line, em CD-ROM, em fitas magnticas, em disquetes e em outras formas de armazenamento eletrnico de dados, so documentos eletrnicos." (ZANOTTO, [1998?]) MONOGRAFIA (livros, folhetos, etc.) Monografia no todoAUTOR. Ttulo. Local: Editora, ano. Disponvel em: < endereo completo>. Acesso em: dia ms (abreviado at a 3. letra) ano.

FILMES E DOCUMENTRIOSTTULO: subttulo (se houver). Crditos (diretor, produtor, realizador, roteirista e outros). Elenco relevante. Local: Produtora, data. Especificao do suporte em unidades fsicas e durao.Ex.: CENTRAL do Brasil. Direo: Walter Salles Jnior. Produo: Martire de ClemontTonnerre e Arthur Cohn. Roteiro: Marcos Bernstein, Joo Emanuel Carneiro e Walter Salles Jnior. Intrpretes: Fernanda Montenegro; Marlia Pera; Vincius de Oliveira, Snia Lira; Othon Bastos; Matheus Nachtergaele e outros. [S.1.]: Le Studio Canal; Riofilme; MACT Productions, 1998. 1 filme (106min).

Ex.: STRUNK, W. Elements of style. New York: Columbia University, 1996. Disponvel em: < http://www.columbia.edu/acis/bartleby/strunk >. Acesso em: 14 set. 1998.

OS PERIGOS do uso de txicos. Produo de Jorge Ramos de Andrade. Coordenao de Maria Izabel Azevedo. So Paulo: CERAVI, 1983. 1 fita de vdeo (30min). ENTREVISTA GRAVADAENTREVISTADO. Ttulo da entrevista. Entrevistadores. Local: Editor, ano. Especificao do suporte, durao (tempo). Notas importantes.Ex.: SILVA, L. I. L. da. Luiz Incio Lula da Silva: depoimento [abr. 1991]. Entrevistadores: V. Tramel e M. Garcia. So Paulo: SENAI-SP, 1991. 2 fitas cassete (120min.). Entrevista concedida ao Projeto Memria do SENAI-SP.

Monografia em parte (captulos, trechos, etc.)AUTOR. Ttulo da matria. Ttulo da revista. Local, n., ms ano. Seo (se houver). Disponvel em: < endereo completo >. Acesso em: dia ms (abreviado at a 3. letra) ano.

Ex.: YANDEL, E.; LOUGHBOROUGH, J. The litte blue butterfly. In:______. Three girl in a flat. Pittsburg: Carnegie Mellon Univ., 1997. Disponvel em: < http://wwwcs.cmu.edu/afs/cs/cmu/eduuser/mmbt >. Acesso em: 16 ago. 1998.

37

ARTIGO DE REVISTA COM AUTORAUTOR. Ttulo da matria. Ttulo da revista, Local, n., ms ano. Seo (se houver). Disponvel em: < endereo completo >. Acesso em: dia ms (abreviado at a 3. letra) ano.

MATRIA DE JORNAL SEM AUTORTTULO da matria. Ttulo do jornal, Local, dia ms ano. Disponvel em: < endereo completo >. Acesso em: dia ms (abreviado at a 3. letra) ano.

Ex.: SILVA, M. M. L. Crimes da era digital. Net, Rio de Janeiro, nov. 1998. Seo Ponto de Vista. Disponvel em: < http://www.brazilnet.com.br/contexts/brasilrevistas.htm >. Acesso em: 28 nov. 1998. RIBEIRO, P. S. G. Adoo brasileira: uma anlise sciojurdica. Datavenia, So Paulo, ano 3, n. 18, 18 ago. 1998. Disponvel em: < http://www.datavenia.inf.br/framearting.htm >. Acesso em: 10 set. 1998.

Ex.: ARRANJO tributrio. Dirio do Nordeste Online, Fortaleza, 27 nov. 1998. Disponvel em: < http://www.diariodonordeste.com.br >. Acesso em: 27 nov. 1998. ARTIGO DE JORNAL (PERIDICO) CIENTFICO

AUTOR. Ttulo do artigo. Ttulo do jornal, Local, n., ms ano. Disponvel em: < endereo completo >. Acesso em: dia ms (abreviado at a 3. letra) ano.

ARTIGO DE REVISTA SEM AUTORTTULO da matria. Ttulo da revista, Local, n., ms ano. Disponvel em: < endereo completo >. Acesso em: dia ms (abreviado at a 3. letra) ano.

Ex.: WINDOWS 98: o melhor caminho para atualizao. PC World, So Paulo, n. 75. set. 1998. Disponvel em: < http://www.idg.com.br/abre.htm >. Acesso em: 10 set. 1998.

Ex.: CARLEY, K. M.; PRIETULA, M. J.; LIN, Z. Design versus cognition: the interaction of agent cognition and organization design on organizational perfomance. Journal of Artificial Societies and Social Simulation, Srrey, n. 2, mar. 1998. Disponvel em: . Acesso em: 12 jul. 1998. CONGRESSO CIENTFICO

MATRIA DE JORNAL COM AUTORAUTOR. Ttulo da matria. Ttulo do Jornal. Local, dia ms ano. Seo (se houver). Disponvel em: < endereo completo >. Acesso em: dia ms (abreviado at a 3. letra) ano.

NOME DO CONGRESSO, nmero, ano, Local. Anais eletrnicos... Local: Editor, ano. Disponvel em: < endereo completo >. Acesso em: dia ms (abreviado at a 3. letra) ano.

TRABALHO APRESENTADO EM CONGRESSOAUTOR. Ttulo do trabalho. In: TTULO DO CONGRESSO, nmero, ano. Resumos ou Anais eletrnicos... Local: Editor, ano. Disponvel em: < endereo completo >. Acesso em: dia ms (abreviado at a 3. letra) ano.

Ex.: SILVA, I. G. Pena de morte para o nascituro. O Estado de So Paulo, So Paulo, 19 set. 1998. Disponvel em: . Acesso em: 19 set. 1998.

38

Ex.: MAFFEIS, A. R.; SILVEIRA, R. L. V.; BRITO, J. O. Efeito do dobro na produo de folhas e rendimentos de leo essencial de eucalyptus citriodora cultivado em soluo nutritiva. In: SIMPSIO DE INICIAO

Softwares/ProgramasFormato: AUTOR(es). Ttulo, nmero da verso (exceto a primeira). Cidade de publicao : Publicador, ano. Descrio fsica. Exemplos: SAS Institute. System for Information, verso 6.11. Cary, 1996. 1 Disquete 3.5". MICROSOFT Project for Windows 95, version 4.1 : project planning software. [S.l.]: Microsoft Corporation, 1995. Conjunto de programas. 1 CD-ROM.

Quando o aluno optar pela transcrio literal dever respeitar as seguintes regras: a) indicar sua fonteb) coloc-la entre aspas c) substituir possveis aspas internas por aspas simples. Ex.: Os ndices

se encontram s avessas, apesar do esforo dos ministros. CIENTFICA DA UNIVERSIDADE DE SO PAULO, 4, 1996. Resumos eletrnicos... So Paulo: USP, 1996. Disponvel em: < http://143.107.253.37:4500/aleph/por/USP/FULL/0912328/ >. Acesso em: 14 set. 1998.

LEGISLAO (LEIS, DECRETOS...) PAS (ESTADO OU CIDADE). Lei n., data. Ementa. Dados da publicao, Local, dia ms ano. Disponvel em: < endereo completo >. Acesso em: dia ms (abreviado at a 3. letra) ano.

Ex.: BRASIL. Lei n. 9.887, de 7 de dezembro de 1999. Altera a legislao tributria federal. Dirio Oficial [da] Repblica Federativa do Brasil, Braslia, DF, 8 dez. 1999. Disponvel em: < http://www.in.gov.br/mp_leis/leis_texto.asp/Id=LEI%209887 >. Acesso em: 22 dez. 1999.

Arquivo em disqueteFormato: AUTOR(es). Nome.extenso do arquivo. Cidade, data. Especificao do material. Programa utilizado. Exemplo: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Biblioteca da Faculdade de Agronomia. Normas.doc: normas para elaborao de referncias bibliogrficas. Porto Alegre, 31 out. 2000. 1 Disquete 3 pol. Word for Windows 7.0. O formato da referncia de acordo com o tipo de material localizado.

LISTA DE DISCUSSONOME da lista. Indicao de responsabilidade. Disponvel em: < endereo completo >. Acesso em: dia ms (abreviado at a 3. letra) ano.

Ex.: BIOLINE Discussion List. List maintained by the Bases de Dados Tropical, BDT in Brasil. Disponvel em: < lisserv@bdt.org.br >. Acesso em: 25 nov. 1998.

39

Documentos/informaes obtidas via CD-ROMExemplos: Monografia em CD-ROM FUNDAO CARGILL. Biblioteca Virtual de Publicaes Tcnicas. So Paulo: Cargill, 1998. v.1. 1 CD-ROM. Produzido por Prosoma Informtica. LORENZI, H., SOUZA, H. M. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbceas e trepadeiras. Nova Odessa: Plantarum, 1996. 1 CD-ROM Trabalho Apresentado em Evento Publicado em CD-ROM SOUZA, J. C. de et al. Tendncia gentica do peso ao desmame de bezerros da raa nelore. In: REUNIO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 35., 1998, Botucatu. Anais ... Botucatu: UNESP, 1998. MEL-002. 1 CD-ROM. Resumo obtido via base de dados em CD-ROM GUILALARD, K. et al. Nitrogen utilization of seleced cropping systems in the U.S. northeast: soil profile nitrate distribution and accumulation. Agronomy Journal, Madison, v.87, n.2, p.199-207, 1995. 1 CD-ROM. Resumo obtido via base de dados Agrcola. CUSHMAN, K. E.; TIBBITTS, T.W. The role of ethylene in the development of constant-light injury of potato and tomato. Journal of the American Society for Horticultural Science, v. 123, n.2, p. 239-245, 1998. 1 CD-ROM. Resumo obtido via base de dados CAB ABSTRACTS.

Informaes obtidas via wwwExemplos: Artigo de peridico MEURER, E.J., ROSSO, J.I. Cintica de liberao de potssio em solos do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Cincia do Solo, Viosa, v.21, n.4, 1997. Disponvel em: . Acesso em: 17 abr. 1999. HINZ, Christoph. Description of sorption data with isotherm equations. Geoderma, Amsterdam, v. 99, n. 3/4, p. 225-243, 2001. Disponvel em: . Acesso em: 18 jan. 2001. Resumo de artigo de peridico obtido via base de dados online BERED, F., SERENO, M.J.C.D., CARVALHO, F.I.F. de. Plant regeneration from embryogenic and organogenic calli in oat. Pesquisa Agropecuria Brasileira, Braslia, v.33, n.11, p.1827-1833, 1998. Disponvel em . Acesso em: 22 jun. 1998. Resumo obtido via base de dados Web of Science. Home-page institucional IAPAR. Londrina, Instituto Agronmico do Paran, 1996-2000. Contm informaes institucionais, tcnicas, notcias, projetos, publicaes e servios. Disponvel em: . Acesso em: 18 jan. 2001.

40

Formato: AUTOR da mensagem. Assunto da mensagem [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em (dia ms ano).

Informaes obtidas via e-mail (correio eletrnico)

Tipos de citao 5.1 Citao direta Citao direta uma transcrio literal da fonte consultada; consiste na reproduo fiel de partes da fonte, respeitando rigorosamente a redao, a pontuao e a grafia. Indica que a citao foi extrada de uma fonte qual se teve acesso direto. Parte da citao transcrita pode ser omitida, fazendo-se uso de reticncia entre colchetes, no comeo, no meio ou no final da citao. Exemplo: Segundo Prunes (2000, p. 647) "A inconformidade dos demandantes sustentado no laudo pericial tcnico [...]

Exemplo: SILVA, Jonas da. Correo de referncias bibliogrficas [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 10 jun. 2000. OBSERVAO Mensagens trocadas por e-mail tm carter informal, interpessoal e efmero, no sendo recomendvel seu uso como fonte cientfica ou tcnica de pesquisa. Devem ser referenciadas somente quando no se dispuser de nenhuma outra fonte para abordar o assunto em discusso.

5 CITAO Meno de uma informao extrada em outra fonte. (NBR 10520/2002). A citao tem o propsito de esclarecer, complementar e/ou fundamentar idias do autor. A fonte de onde foi extrada a informao deve ser citada, obrigatoriamente, em respeito aos direitos autorais.

5.1.1 Tamanho da citao At trs linhas Citao direta de at trs linhas deve ser includa no texto e estar necessariamente entre aspas. Se o texto a ser reproduzido j possuir palavras entre aspas, elas devem ser modificadas para aspas simples.

41

Exemplo: Concordando com Richardson (1999, p. 15) A investigao um produto humano e seus produtores so falveis isto algo importante que o principiante deve ter em mente: fazer pesquisa no privilgio de alguns poucos gnios.

5.1.2 Pginas, tomo, captulo e volume Na citao direta necessrio especificar no texto, pgina(s), tomo(s), captulo(s) e volume(s) da fonte consultada; se houver, esta(s) dever(o) seguir o ano de publicao, separada(s) por vrgula e precedida(s) pelo(s) designativo(s) que a(s) caracteriza(m) de forma abreviada (p. t. v. cap. etc.). Exemplo: Segundo Prunes (2000, v. 2, p. 647-648) a inconformidade dos demandantes, sustentado laudo pericial tcnico [...]

Mais de trs linhas

A citao direta com mais de trs linhas deve figurar abaixo do texto com recuo de 4 cm da margem esquerda com letra menor que a utilizada no texto, terminando na margem direita do trabalho. No usar aspas. Exemplo:

5.1.3 Entrada includa no texto Na citao direta, quando o(s) sobrenome(s) do(s) autor(es), instituio(es) responsvel(eis), ou ttulo citado(s) for(em) includo(s) na sentena, apenas o ano de publicao e pgina(s), tomo(s), captulo(s) e volume(s) so includos entre parnteses.

Esta perspectiva confirmada tambm por esta opinio:O desenvolvimento sustentvel, projeto poltico que incorpora a razo do trabalho humano como servio e criao, no pode presidir da perspectiva lidada de lutas de resistncia e de conquistas de polticas pblicas de transio para a plenitude da sustentabilidade.