Top Banner
1 FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA Manual para elaboração do TCC de Pedagogia Modalidade a Distância
21

Manual para elaboração do TCC de Pedagogia · Manual para elaboração do TCC de Pedagogia ... o acadêmico, a aprofundar e sistematizar os conhecimentos sobre determinado tema

Jan 14, 2019

Download

Documents

vandang
Welcome message from author
This document is posted to help you gain knowledge. Please leave a comment to let me know what you think about it! Share it to your friends and learn new things together.
Transcript

1FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

Manual para elaborao do

TCC de PedagogiaModalidade a Distncia

2FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

Sumrio1 Introduo ................................................................................................................................................................ 3

2 Regulamentao do Trabalho de Concluso de Curso .............................................................................................. 3

2.1 Das disposies gerais ..............................................................................................................................................3

3 Organizao dos grupos ...........................................................................................................................................4

4 Projeto de pesquisa ................................................................................................................................................. 4

4.1 Linhas de Pesquisa ................................................................................................................................................... 4

5 EstruturadoTCCArtigoCientfico ........................................................................................................................ 6

6 FormataodoTCC-ArtigoCientfico ......................................................................................................................8

6.1 Papel, Formato e Impresso ..................................................................................................................................... 8

6.2 Margens ................................................................................................................................................................... 8

6.3 Paginao ................................................................................................................................................................. 8

6.4 Espaamento ............................................................................................................................................................8

6.5 Diviso do texto .......................................................................................................................................................8

6.6 Ilustraes e Tabelas ................................................................................................................................................. 9

6.7 Citaes .................................................................................................................................................................... 9

6.8 Notas de Rodap .................................................................................................................................................... 10

6.9 Referncias ............................................................................................................................................................. 10

7 TrabalhosCientficos em geral................................................................................................................................. 10

7.1 PartesdeMonografias(Captulos,Trechos,Fragmentos,Volumes) ..................................................................... 11

7.2 Publicaes peridicas ...........................................................................................................................................12

7.3 Multimeios ............................................................................................................................................................. 12

7.4 Documentoseletrnicosdisponveisnainternet .................................................................................................. 13

7.5 Documentoseletrnicosdisponveisemcd-rom .................................................................................................... 14

7.6 PartesdeMonografias(Captulos,Trechos,Fragmentos,Volumes) .....................................................................15

77.7 Publicaes peridicas ........................................................................................................................................... 16

7.8 Multimeios ............................................................................................................................................................. 16

7.9 Documentoseletrnicosdisponveisnainternet .................................................................................................... 17

7.10 Documentoseletrnicosdisponveisemcd-rom .................................................................................................... 18

8 Apresentao de Apndices e Anexos ......................................................................................................................... 18

8.1 Apndice ................................................................................................................................................................18

8.2 Anexo ..................................................................................................................................................................... 18

9 Avaliao ................................................................................................................................................................. 18

9.1 Critrios de avaliao do TCC .................................................................................................................................. 19

9.2 Cuidados com a escrita ...........................................................................................................................................19

10 ApresentaodoTCCArtigoCientfico ................................................................................................................20

10.1 Logsticadeapresentao ...................................................................................................................................... 20

11 Referncias ............................................................................................................................................................. 20

ANEXO ............................................................................................................................................................................. 21

3FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

Este manual tem por finalidade orientar a elaborao e apresentao do trabalho de concluso de curso TCC, como requisito parcial para concluso do Curso de Pedagogia, desta instituio de ensino, na modalidade de Ensino a Distncia, devidamente normalizado pela Associao Brasileira de Normas Tcnicas (ABNT).

O Trabalho de Concluso de Curso caracteriza-se como um trabalho de iniciao cientfica, levando o acadmico, a aprofundar e sistematizar os conhecimentos sobre determinado tema de seu interesse, consoante a profisso ou o curso de graduao.

A NBR 6023; 2002 assim define esse tipo de trabalho acadmico:

documento que representa o resultado de estudo, devendo expressar conhecimento do assunto escolhido, que deve ser obrigatoriamente emanado da disciplina, mdulo, curso, programa. Deve ser feito sob a coordenao de um orientador.

Sendo assim, a realizao do TCC representa a possibilidade de articulao da atividade de pesquisa cientfica prtica pedaggica: reflexo e produo do conhecimento, permitindo ao aluno a anlise de temas da sua rea de conhecimento, bem como, desenvolvimento de seu discurso cientfico, embasado em pesquisa bibliogrfica e metodolgica, sob a orientao de professores (orientadores/avaliadores), tutores presenciais e tutores a distncia (webtutores).

1 IntroduoO Trabalho de Concluso de Curso TCC uma disciplina obrigatria realizada no final do Curso de

Licenciatura em Pedagogia da FAEL, e como tal, representa um requisito necessrio para concluso do mesmo.

Trata-se de um trabalho de iniciao pesquisa, elaborado em grupo de 1 (um) a 3 (trs) componentes, em que o acadmico realiza um estudo com aprofundamento terico e com dados fundamentados e analisados cientificamente sobre algum tema da respectiva rea do curso, que possua relevncia cientfica e social; o qual constituir uma produo cientfica e acadmica, por meio da produo de um artigo cientfico. No qual a definio do tema dever atender as linhas de pesquisa do Curso de Licenciatura em Pedagogia, de acordo com o Projeto Pedaggico do referido curso.

Este manual tem por finalidade disciplinar a elaborao e apresentao do Trabalho de Concluso de Curso (TCC) Artigo Cientfico. Por meio de um padro pr-definido, e apresentado em captulos, visa contribuir para elucidao de sua estruturao, no sentido de acrescentar valor e melhoria a apresentao da produo escrita, bem como ao contedo a ser desenvolvido. Salienta-se que o contedo deste material ser trabalhado nas teleaulas e estar disponvel aos acadmicos, via acesso ao Portal Educacional da FAEL, com login e senha.

2 Regulamentao do Trabalho de Concluso de Curso2.1 Das disposies gerais

O Trabalho de Concluso de Curso (TCC) do Curso de Licenciatura em Pedagogia uma disciplina que culmina na produo de um trabalho acadmico de natureza tcnico-cientfica, obrigatrio, sob a forma de Artigo Cientfico, a ser elaborado em grupo de 1 (um) a 3 (trs) componentes, como requisito parcial para concluso do referido curso, o qual tem como objetivos:

Desenvolver habilidades para a realizao de pesquisa na rea de Pedagogia/Licenciatura;

Aprimorar as habilidades na utilizao dos instrumentos da pesquisa cientfica;

Aprofundar os conhecimentos no mbito pedaggico;

Analisar criticamente e expor com clareza o assunto escolhido.

4FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

O mesmo deve estar relacionado com os temas de pesquisa e com as reflexes relacionadas com o conhecimento trabalhado em diversas unidades componentes do programa curricular, desenvolvidas sobre as diferentes linhas de pesquisa, a serem definidas pelo Colegiado do Curso e que comporo, posteriormente, este manual.

O TCC Artigo Cientfico deve dar oportunidade aos acadmicos de desenvolver procedimentos metodolgicos, que visam sistematizar a atividade de pesquisa e efetivar na prtica os conceitos tericos adquiridos. Assim, este trabalho representa uma pesquisa orientada e visa propiciar a efetivao da produo cientfica do acadmico.

Com este propsito, o referido trabalho cientfico (Projeto de Pesquisa e Artigo Cientfico) ser orientado por um professor do Curso de Licenciatura em Pedagogia, desta Instituio de Ensino Superior, com habilitao na linha de pesquisa abordada pelo acadmico, cuja elaborao deve compreender as seguintes etapas:

PERODOETAPA A SER CUMPRIDA

ACOMPANhAMENTO AVALIAO

6 PERODOElaborao do

Projeto de PesquisaProfessor Orientador

de Projeto

Construo e entrega do projeto, refere-se a Trabalho de Concluso de Curso - Projeto de Pesquisa.

7 PERODO

Produo, organi- zao e entrega do

Artigo CientficoProfessor Orientador

Construo e entrega do TCC, Artigo Cientfico, refere-se avaliao da disciplina Trabalho de Concluso de Curso.

8 PERODO

Apresentao do Trabalho de

Concluso de Curso *

Banca avaliadora

Entrega e avaliao da verso final do Artigo cientfico e apresentao deste banca avaliadora. Refere-se Avaliao do Trabalho de Concluso de Curso

*Entrega da Verso definitiva do Artigo Cientfico, aprovada pelo orientador, que apresentada perante a banca examinadora, com suas devidas correes.

3 Organizao dos gruposOs acadmicos do curso de Pedagogia da FAEL, devidamente matriculados na disciplina referente ao

Projeto de Pesquisa, do 6 perodo e, posteriormente, nas disciplinas referentes a elaborao e apresentao do TCC Artigo Cientfico, do 7 e 8 perodo, consecutivamente, devem realizar o trabalho em grupo de 1 (um) a 3 (trs) componentes. O grupo dever optar por uma das temticas dispostas nas linhas de pesquisas do Trabalho de Concluso de Curso.

4 Projeto de pesquisaO Acadmico elaborar seu Projeto de Pesquisa de acordo com este regulamento, atentando para as Linhas

de Pesquisa ofertadas pela FAEL, determinadas pelo Colegiado do Curso.

4.1 Linhas de Pesquisa

As linhas de pesquisa, ofertadas pela FAEL para o Curso de Pedagogia, versam sobre a Teoria e a Prtica Pedaggica, considerando a importncia de cada uma delas, bem como a integrao destas para a formao de um profissional em consonncia com os novos tempos.

Desta forma, o acadmico pode escolher seu tema para a elaborao de projeto pesquisa e posterior artigo cientfico, em assuntos de gesto e docncia, envolvendo tanto a teoria quanto a prtica pedaggica, bem como suas relaes, tendo por objetivo alm da reflexo sobre a realidade educacional das escolas

5FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

brasileiras, propostas de aperfeioamento para a educao de nosso pas.

Para isso, consideram-se as anlises especificas sobre o ensino e a aprendizagem, a gesto escolar, o uso de tecnologias como elementos necessrios a educao contempornea, a formao dos professores e as relaes presentes no cotidiano escolar. Ao disponibilizar as linhas de pesquisa, a FAEL espera que os acadmicos possam desenvolver trabalhos que colaborem com a qualidade da educao brasileira, proporcionando aos partcipes da escola uma reflexo crtica sobre a prtica pedaggica e sobre os espaos e atores que dela participam.

O Projeto de Pesquisa e o Trabalho de Concluso de Curso (TCC) sero definidos a partir das seguintes linhas de pesquisa:

Linha de Pesquisa 1 Ao didtico-pedaggica.

Investiga as questes relacionadas ao cotidiano escolar no que se refere ao processo de ensino e aprendizagem, envolvendo as diferentes prticas inerentes ao processo pedaggico nos anos iniciais do Ensino Fundamental e na Educao Infantil, incluindo-se prticas inclusivas e as referentes Educao de Jovens e Adultos, fase I (alfabetizao e anos iniciais do Ensino Fundamental)

Sub-reas:

Avaliao escolar e da aprendizagem discente;

Formao e prtica docente;

Atuao do pedagogo nos anos iniciais do Ensino Fundamental e na Educao Infantil;

Prtica, metodologias e outras.

Linha de pesquisa 2 Currculo das reas de conhecimento.

Analisa e aprofunda o trabalho pedaggico nas diferentes reas do conhecimento, buscando salientar as especificidades da rea em questo. Estuda as relaes entre currculo, trabalho, conhecimento, cultura e comunicao.

Sub-reas:

Fundamentos metodolgicos e prticas em Lngua Portuguesa;

Fundamentos metodolgicos e prticas em Alfabetizao;

Fundamentos metodolgicos e prticas em Matemtica;

Fundamentos metodolgicos e prticas em Histria;

Fundamentos metodolgicos e prticas em Geografia;

Fundamentos metodolgicos e prticas em Cincias;

Fundamentos metodolgicos e prticas em Educao Fsica;

Fundamentos metodolgicos e prticas em Educao Ambiental;

Fundamentos metodolgicos e prticas em Artes;

Fundamentos metodolgicos e prticas inclusivas.

Linha de pesquisa 3 Organizao e Gesto.

Analisa processos educacionais em ambientes escolares e no escolares (empresas ONGs, movimentos sociais, hospitais, empresas), relacionando a atuao do pedagogo nos processos de gesto.

Sub-reas:

Sistema Educacional e Escolar;

6FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

Projetos e Experincias Educativas no escolares;

Gesto escolar;

Projeto Poltico Pedaggico;

Planejamento e gesto do trabalho pedaggico;

Polticas Educacionais;

rgos Colegiados de Gesto.

Observao: a mudana do tema da pesquisa e/ou no observncia s linhas de pesquisa ante- riormente discriminadas acarretar na necessidade de apresentao de novo projeto, que ser avaliado pela Coordenao do Curso, com o devido aceite do professor avaliador.

5 Estrutura do TCC Artigo CientficoO artigo cientfico relata resultados de investigaes ou estudos realizados a respeito de uma questo.

Trata-se de uma apresentao sinttica, em forma de relatrio escrito, referente a uma pesquisa de maneira clara e concisa.

O objetivo fundamental de um artigo ser um meio rpido e sucinto de divulgar e tornar conhecidos, atravs de sua publicao em peridicos especializados, a dvida investigada, o referencial terico utilizado, a metodologia empregada, os resultados alcanados, no caso da realizao de pesquisa de campo e as principais dificuldades encontradas no processo de investigao ou na anlise da questo.

O artigo deve possuir em sua estrutura os seguintes elementos: Ttulo, Nome (s) do (s) autor (es), Resumo, Palavras-chave, Introduo, Desenvolvimento Textual, Concluso e Referncias.

Ttulo: deve compreender os conceitos-chave que o tema encerra, ou seja, deve levar a reflexo do tema principal do artigo.

Nome (s) do (s) autor (es): deve ser indicado de forma clara e sistemtica, do centro para a margem direita. Em caso de mais de um autor, os mesmos devero ser apresentados em ordem alfabtica.

Nome do orientador: deve ser indicado de forma clara e sistemtica, do centro para a margem direita.

Mini-currculo dos autores do trabalho e orientador: deve ser inserido como nota de rodap. Seguindo as normas da ABNT.

Resumo: tem a finalidade de descrever, sequencialmente, os sucessivos componentes para a cons-truo do texto cientfico. Deve constituir a sntese dos pontos relevantes do trabalho, tais como: tema, problema de pesquisa, justificativa, objetivo(s), contedo, se for o caso, coleta de dados e os resultados alcanados. O resumo um texto de pargrafo nico, que dever conter aproximadamente 250 pala-vras. Assim, deve-se resumir de maneira precisa os tpicos principais do artigo e as concluses obtidas atravs da pesquisa.

Palavras-chave: so palavras caractersticas do tema que servem para indexar o artigo.

Procure escolher at 6 (seis) palavras-chave abrangentes, mas que ao mesmo tempo identifiquem o(s) assunto(s) de que trata o artigo.

Introduo: apresenta a evoluo natural de sua pesquisa. Tem por objetivo situar o leitor no contexto do tema pesquisa, oferecendo uma viso global do estudo realizado, esclarecendo as delimitaes estabelecidas na abordagem do assunto, os objetivos e as justificativas que levaram o autor a tal investi-gao para, em seguida, apontar as questes de pesquisa para as quais buscar as respostas. Deve-se, ainda, destacar a Metodologia utilizada no trabalho.

Desenvolvimento e demonstrao dos resultados: nesta parte do artigo, o autor deve fazer uma exposio e uma discusso das teorias que foram utilizadas para entender e esclarecer o problema,

7FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

apresentando-as e relacionando-as com a dvida investigada. Descreve-se o tipo de estudo/delineamento; a populao alvo do estudo, delimitando o universo que pesquisado. Consiste em explicitar o que foi pesquisado: pessoas, fenmenos, enumerando suas caractersticas comuns, como por exemplo, sexo, faixa etria, organizao a que pertencem, comunidade onde vivem, etc.; a amostra utilizada(s) quando a pesquisa no abrange a totalidade do universo pesquisado, surgindo a necessidade de se investigar apenas uma parte dessa populao; as variveis estudadas, os procedimentos adotados e as tcnicas utili-zadas. Essas ltimas correspondem prtica de coleta de dados e anlise dos dados (observao, entre-vista, questionrio). Os procedimentos metodolgicos empregados para o levantamento de dados e sua utilizao no processo de anlise, devem estar claros no artigo.

Esses procedimentos devem estar adequados ao problema a ser investigado e aos objetivos definidos pelo autor.Apresentam-se as demonstraes dos argumentos tericos e/ ou de resultados que as sustentam com base dos dados coletados.

Ressaltando que a Reviso de Literatura objetiva desenvolver a respeito das contribuies tericas a respeito do assunto abordado. O corpo do artigo pode ser dividido em itens necessrios que possam desenvolver a pesquisa. importante expor os argumentos de forma explicativa ou demonstrativa, atravs de propo-sies desenvolvidas na pesquisa, em que o autor demonstra, assim, ter conhecimento da literatura bsica, do assunto, onde necessrio analisar as informaes publicadas sobre o tema at o momento da redao final do trabalho; demonstrando teoricamente o objeto de seu estudo e a necessidade ou oportunidade da pesquisa que realizou.

Quando o artigo inclui a pesquisa de campo torna-se imprescindvel a apresentao dos resultados obtidos por meio da coleta dos dados entrevistas, observaes, questionrios, entre outras tcnicas. Na apresentao dos resultados, deve-se realizar a descrio panormica dos dados levantados para propi-ciar ao leitor a percepo adequada e completa dos resultados obtidos de forma clara e precisa, sem interpretaes pessoais. Quando pertinente, deve-se incluir ilustraes como quadros, tabelas e figuras (grficos, mapas, fotos, etc.). A apresentao de tabelas/quadros com os dados obtidos aparecem nesse item, no entanto, os comentrios devem ser guardados para a seo Discusso. Se possvel, utilize figuras, grficos, e outras representaes diagramticas atrativas para ilustrar claramente os dados. Grficos e tabelas devem sempre ter legendas, dizendo exatamente o que representam. Tabelas devem ser includas quando se deseja apresentar um nmero pequeno de dados. A seo Resultados deve ser apenas longa o suficiente para apresentar as evidncias do estudo.

Consideraes finais: Aps a anlise e discusses dos resultados, so apresentadas as consideraes finais e as descobertas do texto, evidenciando com clareza e objetividade as dedues extradas dos resul-tados obtidos ou apontadas ao longo da discusso do assunto. Deve fornecer evidncias da soluo de seu problema atravs dos resultados obtidos atravs do trabalho.

Cada objetivo deve ser analisado e confrontado com os achados da pesquisa. Indicando assim, se o problema e os objetivos foram atingidos. No desenvolvimento das Consideraes Finais so rela-cionadas s diversas ideias desenvolvidas ao longo do trabalho, num processo de sntese dos prin-cipais resultados, com os comentrios do autor e as contribuies trazidas pela pesquisa. Cabe, ainda, lembrar que as consideraes finais apresentam um fechamento do trabalho estudado, respondendo s hipteses enunciadas e aos objetivos do estudo, apresentados na Introduo, em que no se permite que nesta seo sejam includos dados novos, que j no tenham sido apresen- tados anteriormente.

Apresente argumentos convincentes e adequados. Resumir, apontar e reforar as ideias priNcipais e as contribuies proporcionadas pelo trabalho faz parte da discusso/consideraes. A finalizao do artigo pode dizer o que foi aprendido atravs do seu estudo. As Consideraes Finais devem ser anal-ticas, interpretativas, e incluir argumentos explicativos. Deve-se ainda comentar sobre os planos para um trabalho futuro com relao ao mesmo problema, ou modificaes a serem feitas e/ou limitaes do mtodo utilizado que podero ou no serem superadas.

8FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

Referncias: so um conjunto de elementos que permitem a identificao, no todo ou em parte, de documentos impressos ou registrados em diferentes tipos de materiais. As publicaes devem ter sido mencionadas no texto do trabalho e devem obedecer as Normas da ABNT. Trata-se de uma listagem dos livros, artigos e outros elementos de autores efetivamente utilizados e referenciados ao longo do Artigo. (Ver item 6.9)

6 Formatao do TCC - Artigo Cientfico6.1 Papel, Formato e Impresso

De acordo com a ABNT o projeto grfico de responsabilidade do autor do trabalho. (ABNT, 2002, p. 5,).

O Artigo deve ser impresso, utilizando-se papel sulfite, formato A4 (210 x 297mm), e impresso na cor preta, com exceo das ilustraes.

Utiliza-se a fonte tamanho 12 para o texto; e menor (10) para as citaes longas, notas de rodap, paginao e legendas das ilustraes e tabelas. No se deve usar, para efeito de alinhamento, barras ou outros sinais, na margem lateral do texto.

6.2 Margens

As margens so formadas pela distribuio do prprio texto, no modo justificado, dentro dos limites padronizados, de modo que a margem direita fique reta no sentido vertical, com as seguintes medidas:

Superior: 3,0 cm, da borda superior da folha

Esquerda: 3,0 cm, da borda esquerda da folha.

Direita: 2,0 cm, da borda direita da folha;

Inferior: 2,0 cm, da borda inferior da folha.

6.3 Paginao

A numerao deve ser colocada no canto superior direito, a 2 cm. da borda do papel com alga rismos arbicos e tamanho da fonte menor, sendo que na primeira pgina no leva nmero, mas contada.

Havendo apndice e anexo, as suas folhas devem ser numeradas de maneira contnua e sua paginao deve dar seguimento do texto principal.

6.4 Espaamento

O espaamento entre as linhas de 1,5 cm.

As notas de rodap, o resumo, as referncias, as legendas de ilustraes e tabelas, as citaes textuais de mais de trs linhas devem ser digitadas em espao simples de entrelinhas.

As referncias listadas no final do trabalho devem ser separadas entre si por um espao duplo. Contudo, a nota explicativa apresentada na folha de rosto, na folha de aprovao, sobre a natureza, o objetivo, nome da instituio a que submetido e a rea de concentrao do trabalho deve ser alinhada do meio da margem para a direita.

6.5 Diviso do texto

Na numerao das sees devem ser utilizados algarismos arbicos. O indicativo de uma seo secundria constitudo pelo indicativo da seo primria a que pertence, seguido do nmero que lhe foi atribudo na sequncia do assunto, com um ponto de separao: 1.1; 1.2...

9FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

Aos Ttulos das sees primrias recomenda-se:

a) seus ttulos sejam grafados, em caixa alta, com fonte 12, precedido do indicativo numrico correspondente;

b) nas sees secundrias, os ttulos sejam grafados em caixa alta e em negrito, com fonte 12, precedidos do indicativo numrico correspondente;

c) nas sees tercirias e quaternrias, utilizar somente a inicial maiscula do ttulo, com fonte

d) 12, precedido do indicativo numrico correspondente.

Recomenda-se, pois que todos os ttulos destas sees sejam destacados em NEGRITO.

importante lembrar que necessrio limitar-se o nmero de seo ou captulo em, no mximo at cinco vezes; se houver necessidade de mais subdivises, estas devem ser feitas por meio de alneas.

Os termos em outros idiomas devem constar em itlico, sem aspas. Exemplos: a priori, on-line, savoir-faires, know-how, apud, et alii, idem, ibidem, op. cit. Para dar destaque a termos ou expresses deve ser utilizado o itlico. Evitar o uso excessivo de aspas que poluem visualmente o texto;

A numerao deve ser colocada no canto superior direito, a 2 cm. da borda do papel com algarismos arbicos e tamanho da fonte menor, sendo que na primeira pgina no leva nmero, mas contada.

6.6 Ilustraes e Tabelas

As ilustraes compreendem quadros, grficos, desenhos, mapas e fotografias, lminas, quadros, plantas, retratos, organogramas, fluxogramas, esquemas ou outros elementos autnomos e demonstrativos de sntese necessrias complementao e melhor visualizao do texto. Devem aparecer sempre que possvel na prpria folha onde est inserido o texto, porm, caso no seja possvel, apre- sentar a ilustrao na prpria pgina.

Quanto s tabelas, elas constituem uma forma adequada para apresentar dados numricos, principalmente quando compreendem valores comparativos.

Consequentemente, devem ser preparadas de maneira que o leitor possa entend-las sem que seja necessria a recorrncia no texto, da mesma forma que o texto deve prescindir das tabelas para sua compreenso.

6.7 Citaes

As citaes podem ser feitas na forma direta ou na indireta.

6. 7. 1 Citao Direta

Na forma direta, devem ser transcritas entre aspas, quando ocuparem at trs linhas impressas, onde devem constar o autor, a data e a pgina, conforme o exemplo: A cincia, enquanto contedo de conhecimentos, s se processa como resultado da articulao do lgico com o real, da teoria com a realidade. (SEVERINO, 2002, p. 30).

As citaes de mais de um autor sero feitas com a indicao do sobrenome dos dois autores separados pelo smbolo &, conforme o exemplo: Siqueland & Delucia (1990, p. 30) afirmam que o mtodo da soluo dos problemas na avaliao ensino- aprendizagem apontam para um desenvolvi- mento cognitivo na criana.

Quando a citao ultrapassar trs linhas, deve ser separada com um recuo de pargrafo de 4,0 cm, em espao simples no texto, com fonte menor: Severino (2002, p. 185) entende que:

A argumentao, ou seja, a operao com argumentos, apresentados com objetivo de comprovar uma tese, funda-se na evidncia racional e na evidncia dos fatos. A evidncia racional, por sua vez, justifica-se pelos princpios da lgica. No se podem buscar funda- mentos mais primitivos. A evidncia a certeza manifesta imposta pela fora dos modos de atuao da prpria razo.

No caso da citao direta, deve-se comentar o texto do autor citado, e nunca concluir uma parte do texto com uma citao.

10FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

No momento da citao, transcreve-se fielmente o texto tal como ele se apresenta, e quando for usado o negrito para uma palavra ou frase para chamar ateno na parte citada usar a expresso em entre parnteses (grifo nosso). Caso o destaque j faa parte do texto citado usar a expresso entre parnteses: (grifo do autor).

6.7.2 Citao Indireta

A citao indireta, denominada de conceitual, reproduz ideias da fonte consultada, sem, no entanto, transcrever o texto. uma transcrio livre do texto do autor consultado (ABNT, 2000, p. 2). Esse tipo de citao pode ser apresentado por meio de parfrase quando algum expressa a idia de um dado autor ou de uma determinada fonte A parfrase, quando fiel fonte, geral- mente prefervel a uma longa citao textual, mas deve, porm, ser feita de forma que fique bem clara a autoria.

6.7.3 Citao de citao

A citao de citao deve ser indicada pelo sobrenome do autor seguido da expresso latina apud (junto a) e do sobrenome da obra consultada, em minsculas, conforme o exemplo Freire apud Saviani (1998, p. 30).

6.8 Notas de Rodap

As notas de rodap destinam-se a prestar esclarecimentos, tecer consideraes, que no devem ser includas no texto, para no interromper a sequncia lgica da leitura. Referem-se aos comentrios e/ou observaes pessoais do autor e so utilizadas para indicar dados relativos comunicao pessoal.

As notas so reduzidas ao mnimo e situar em local to prximo quanto possvel ao texto. Para fazer a chamada das notas de rodap, usam-se os algarismos arbicos, na entrelinha superior sem parnteses, com numerao progressiva nas folhas. So digitadas em espao simples em tamanho 10. Exemplo de uma nota explicativa: a hiptese, tambm, no deve se basear em valores morais. Algumas hipteses lanam adjetivos duvidosos, como bom, mau, prejudicial, maior, menor, os quais no sustentam sua base cientfica.

6.9 Referncias

Ao se elaborar um trabalho imprescindvel a meno dos documentos que serviram de base para sua produo. Para que esses documentos possam ser identificados, necessrio que os elementos que permitam sua identificao sejam reconhecidos, e isto s acontecer atravs das referncias bibliogrficas. A Associao Brasileira de Normas Tcnicas (ABNT) define padres para apresentao de trabalhos, sem esses padres fica difcil localizar e identificar as fontes utilizadas no trabalho cientfico.

Cada uma das classes de documento tem suas caractersticas e, assim, aqueles elementos tambm podem aparecer de maneira diversificada quanto localizao, na prpria Referncia.

7 Trabalhos Cientficos em gerala) Livro

BEVILACQUA, F. ; BENSOUSSAN, E. ; JANSEN, J. M. et al. Manual do exame clnico. 11. ed. rev. atual. Rio de Janeiro: Cultura Mdica, 1997. 476 p. il. ISBN 85-7006-202-8.

b) Folheto

WAGNER, G. R. Actividades de deteccin y vigilancia para los trabajadores expuestos a polvos minerales. Ginebra: Organizacin Mundial de la Salud, 1998. 67 p. ISBN 924354 4985.

c) Monografias

CARNEIRO, H. G. A infncia perdida: desnutrio e excluso social. 1996. 48 f. Monografia (Especializao em Educao e Sade) - Faculdade de Medicina de Campos, Campos dos Goytacazes, 1996.

11FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

VERGUEIRO, M. G. A desnutrio infantil em Campos dos Goytacazes. 1998. 38 f. Trabalho de Concluso de Curso (Graduao em Medicina) - Faculdade de Medicina de Campos, Campos dos Goytacazes, 1996.

d) Dissertao

DIAS, E. P. A forma da papila renal e sua importncia na avaliao de cicatrizes corticais: estudo em moldes do sistema pielocalicial. 1987. 69 p. Dissertao (Mestrado em Anatomia Patolgica) - Universidade Federal Fluminense, Niteri, 1987.

e) Tese

MELO, P. A. Estudos da atividade miotxica de venenos crotaldeos e de substncias anta- gonistas. 1992. Tese (Doutorado em Cincias) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1992.

f) Separata de monografia

MUHOZ AMATO, P. Planejamento. Rio de Janeiro: FGV, 1955. 55 p. Separata de Introduccin a la administracin pblica . Mxico: Fondo de Cultura Econmica, 1955. Cap. 3.

g) Relatrio oficial

A entrada feita pelo nome da instituio e no pelo nome do autor do relatrio. S includa a editora quando diferente do autor. UNIVERSIDADE DE SO PAULO. Relatrio 1995. So Paulo, 1995. 65 p. 14

h) Biografias e obras crticas

RIBEIRO, G. Manoel de Abreu. So Paulo: Fundo Editorial Byk, 1989. 180 p. il. 22 cm.

i) Enciclopdias e dicionrios

ENCICLOPDIA Mirador Internacional. So Paulo: Encyclopdia Britannica do Brasil, 1975.

7. 1 Partes de Monografias (Captulos, Trechos, Fragmentos, Volumes)

7.1.1 Sem autoria especial

a) Livros

GUYTON, A. C. Fisiologia humana. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988. Cap. 7, p. 78-95 : Anatomia funcional e contrao do msculo.

b) Verbetes de dicionrios e enciclopdias sem indicao de autoria

OMOPLATA. In: FORTES, H. ; PACHECO, G. Dicionrio mdico. Rio de Janeiro: Fbio de Mello, 1968. p. 806.

7. 1. 2 Com autoria prpria

a) Livros

SILVA, C. M. Cefalia e enxaqueca. In: LEO, E.; CORRA, E. J.; VIANA, M. B. et al. Pediatria ambulatorial. 2. ed. Belo Horizonte: Cooperativa Editora e de Cultura Mdica, 1989. p. 135-137. il. b)

Separatas

As separatas de monografias so referenciadas como monografias consideradas em parte, substituindo-se a expresso In por Separata de MANISSADYIAN, A. K.; OKAY, Y. Patologia do aparelho urinrio em Pediatria. Separata de MARCONDES, E. Pediatria bsica. So Paulo: SARVIER, 1978. p. 1411- 1570

12FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

c) Eventos

MAGNA, L. A. Algumas consideraes sobre a avaliao da formao mdica. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAO MDICA, 29., FORUM NACIONAL DE AVALIAO DO ENSINO MDICO, 1., 1991, Campinas. Anais... So Paulo: Associao Brasileira de Educao Mdica, 1991. p. 17-19.

d) Verbetes de dicionrio e enciclopdias com indicao de autoria

FREIRE, J. G. Pater familias. In: ENCICLOPDIA Luso-Brasileria de Cultura Verbo. Lisboa: Editorial Verbo. 1971. p. 237.

7.2 Publicaes peridicas

Publicao peridica a constituda de fascculos, nmeros ou partes, editados a intervalos prefi- xados, por tempo indeterminado, com a colaborao de diversas pessoas, sob a direo de uma ou vrias, em conjunto ou sucessivamente, tratando de assuntos diversos, segundo um plano definido.

7.2.1 Artigos em revistas

a) Com indicao de autoria: CUNHA, F. Melanomas. Oncologia atual, So Paulo, v. 7, n. 4, p. 199-211, maio 1997.

b) Mais de trs autores, com destaque para os trs primeiros: AMARANTE, A. ; AMARANTE NETO, F. P. ; TELES JUNIOR, J. et al. Zumbido - sintoma ou doena? Revista de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 27-42, 1997.

c) Sem indicao de autoria (a entrada feita pelo ttulo): MLTIPLA personalidade: patologia que intriga psiquiatras. Dilogo mdico, Rio de Janeiro, v. 22, n. 5, p. 52- 55, nov./dez. 1996.

7.2.2 Artigos em jornais

a) Com indicao de autoria: AZEVEDO, T. Pronto - socorro da Aids. Jornal O Dia, Rio de Janeiro, 14 abr. 1998. Cincia e sade, p. 16.

b) Sem indicao de autoria (a entrada feita pelo ttulo): DESCOBERTA ligao entre vacina MMR e autismo. O Globo, Rio de Janeiro, 28 fev. 1998. Cincia e Vida, p. 36.

c) Artigo em suplemento de jornal: SODR, M. A seduo pelo sequestro. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 20 maio 1990. Ideias, ensaios, p. 9.

7.2.3 Referncia Legislativa

BRASIL. Constituio (1988). Constituio [da] Repblica Federativa do Brasil. Braslia, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei n 2481, de 3 de outubro de 1988. Dispe sobre o registro provisrio para o estrangeiro em situ-ao ilegal em territrio nacional. Dirio Oficial [da] Repblica Federativa do Brasil, Braslia, DF, v. 126, n. 190, p. 19291-19292, 4 out. 1988. Seo 1, pt. 1.

7.3 Multimeios

So considerados multimeios os suportes de informao diferentes do livro, tais como: fitas cassete, slides, filmes cinematogrficos, gravaes de vdeo, materiais iconogrficos, materiais cartogrficos, gravaes de som, microformas, msica impressa

a) Gravao de vdeo

VILLA-LOBOS: o ndio de casaca. Rio de Janeiro: Manchete Vdeo, 1987. 1 videocassete (120 min): VHS, son., color. b)

13FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

b) Fita cassete

FAGNER, R. Revelao. Rio de Janeiro : CBS, 1988. 1 cassete sonoro (60 min): 3 3/4, pps, estreo.

c) Slide (Diapositivo)

PEROTA, C. Corte estratigrfico do stio arqueolgico Guar I. 1989. 1 slide : color.

d) Fotografia

FORMANDOS de Biblioteconomia, turma 1968/ Universidade Federal do Paran. Curitiba, 1968. 1 fot. : p&b.

e) Atlas

PEREYRA, E. A. G. ; GUERRA, D. M. M. ; FOCCHI, J. et al. Atlas de colposcopia. So Paulo: Fundao Byk, 1995. 1 atlas (44 p.) : il. color. : 21 x 30 cm.

f) Filme

O AMIGO do povo. So Paulo: ECA, 1969. 1 bobina cinematogr. (10 min) : son., p&b, 16 mm. ou

O AMIGO do povo. Entidade produtora Escola de Comunicao e Artes da Universidade de So Paulo. Direo e produo de Jean Koudela. So Paulo : ECA, 1969. 1 bobina cinematogr. (10 mm) : son., p&b ; 16 mm.

7.4 Documentos eletrnicos disponveis na internet

a) Trabalho individual com indicao de autoria

WALKER, J. R. MLA-style citations of eletronic sources. Disponvel em: . Acesso em: 4 set. 2008.

b) Trabalho individual sem indicao de autoria

PREFACE to representative poetry. Disponvel em: . Acesso em: 17 jan. 2007.

c) Autor corporativo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPRITO SANTO. Ncleo de Processamento de Dados. Cursos-NPD/UFES [online]. 1997. Disponvel em: . Acesso em: 01 mar. 1997.

d) Parte de um trabalho

SILVA, R.N. ; OLIVEIRA, R. Os limites pedaggicos do paradigma da qualidade total na educao. In: CONGRESSO DE INICIAO CIENTFICA DA UFPE, 4., 1996, Recife. Anais eletrnicos ... Recife, 1996. Disponvel em: . Acesso em: 21 jan. 1997.

e) Artigo de jornal com indicao de autoria

DAUCH, K. Alta qualificao credencia brasileiras ao sucesso. O Estado de S. Paulo, So Paulo, 3 mar. 1997. Mulher. Disponvel em: . Acesso em: 03 mar. 1997.

f) Sem indicao de autoria

AS MULHERES de 12 anos. O Estado de S. Paulo, So Paulo, 26 maio 1996. Espao Aberto. Disponvel em: . Acesso em: 27 maio 1996.

g) Artigo de revista com indicao de autoria

TAVARES, J. F. Procuradoria da infncia e da juventude Dataveni@, Joo Pessoa, n. 4, p. 1-3, fev. 1997. Disponvel em: http://www.cqnet.com.br/dataveni@tavares.html>. Acesso em: 3 mar. 1997.

14FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

h) Sem indicao de autoria

MULTIMIDIA para iniciantes. PC World, So Paulo, fev. 1997. Disponvel em: . Acesso em: 2 mar. 1997.

i) Mensagem pessoal (E-mail)

MORAFF, S. Re: Jongg. Fichas de pesquisa. [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por mtmendes@uol.com.br em 8 jan. 1997.

j) Mensagem em lista de discusso

A Lista de discusso sobre moda. Disponvel em: mailto:. Acesso em:28 fev. 1997.

7.5 Documentos eletrnicos disponveis em cd-rom

a) Trabalho individual

JORGE Amado : vida e obra Rio de Janeiro : MI -Montreal Informtica, 1994. 1 CD-ROM.

b) Parte de um trabalho

BRASIL colnia. In: HISTRIA do Brasil ATR. Rio de Janeiro : ART Multimedia, 1995. 1 CD-ROM.

a) Livro

BEVILACQUA, F. ; BENSOUSSAN, E. ; JANSEN, J. M. et al. Manual do exame clnico. 11. ed. rev. atual. Rio de Janeiro: Cultura Mdica, 1997. 476 p. il. ISBN 85-7006-202-8.

b) Folheto

WAGNER, G. R. Actividades de deteccin y vigilancia para los trabajadores expuestos a polvos minerales. Ginebra: Organizacin Mundial de la Salud, 1998. 67 p. ISBN 924 354 4985.

c) Monografias

CARNEIRO, H. G. A infncia perdida: desnutrio e excluso social. 1996. 48 f. Monografia (Especializao em Educao e Sade) - Faculdade de Medicina de Campos, Campos dos Goytacazes, 1996.

VERGUEIRO, M. G. A desnutrio infantil em Campos dos Goytacazes. 1998. 38 f. Trabalho de Concluso de Curso (Graduao em Medicina) - Faculdade de Medicina de Campos, Campos dos Goytacazes, 1996.

d) Dissertao

DIAS, E. P. A forma da papila renal e sua importncia na avaliao de cicatrizes corticais: estudo em moldes do sistema pielocalicial. 1987. 69 p. Dissertao (Mestrado em Anatomia Patolgica) - Universidade Federal Fluminense, Niteri, 1987.

e) Tese

MELO, P. A. Estudos da atividade miotxica de venenos crotaldeos e de substncias antagonistas. 1992. Tese (Doutorado em Cincias) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1992.

f) Separata de monografia

MUHOZ AMATO, P. Planejamento. Rio de Janeiro: FGV, 1955. 55 p. Separata de Introduccin a la administra-cin pblica . Mxico: Fondo de Cultura Econmica, 1955. Cap. 3.

15FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

g) Relatrio oficial

A entrada feita pelo nome da instituio e no pelo nome do autor do relatrio. S includa a editora quando diferente do autor.

UNIVERSIDADE DE SO PAULO. Relatrio 1995. So Paulo, 1995. 65 p. 14

h) Biografias e obras crticas

RIBEIRO, G. Manoel de Abreu. So Paulo: Fundo Editorial Byk, 1989. 180 p. il. 22 cm.

i) Enciclopdias e dicionrios

ENCICLOPDIA Mirador Internacional. So Paulo: Encyclopdia Britannica do Brasil, 1975.

7. 6 Partes de Monografias (Captulos, Trechos, Fragmentos, Volumes)

7.6.1 Sem autoria especial

a) Livros

GUYTON, A. C. Fisiologia humana. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988. Cap. 7, p. 78-95 : Anatomia funcional e contrao do msculo.

b) Verbetes de dicionrios e enciclopdias sem indicao de autoria

OMOPLATA. In: FORTES, H. ; PACHECO, G. Dicionrio mdico. Rio de Janeiro: Fbio de Mello, 1968. p. 806.

7.6.2 Com autoria prpria

a) Livros

SILVA, C. M. Cefalia e enxaqueca. In: LEO, E.; CORRA, E. J.; VIANA, M. B. et al. Pediatria ambulatorial. 2. ed. Belo Horizonte: Cooperativa Editora e de Cultura Mdica, 1989. p. 135-137. il.

b) Separatas

As separatas de monografias so referenciadas como monografias consideradas em parte, substituindo-se a expresso In por Separata de MANISSADYIAN, A. K.; OKAY, Y. Patologia do aparelho urinrio em Pediatria. Separata de MARCONDES, E. Pediatria bsica. So Paulo: SARVIER, 1978. p. 1411- 1570

c) Eventos

MAGNA, L. A. Algumas consideraes sobre a avaliao da formao mdica. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAO MDICA, 29., FORUM NACIONAL DE AVALIAO DO ENSINO MDICO, 1., 1991, Campinas. Anais... So Paulo: Associao Brasileira de Educao Mdica, 1991. p. 17-19.

d) Verbetes de dicionrio e enciclopdias com indicao de autoria

FREIRE, J. G. Pater familias. In: ENCICLOPDIA Luso-Brasileria de Cultura Verbo. Lisboa: Editorial Verbo. 1971. p. 237.

7.7 Publicaes peridicas

Publicao peridica a constituda de fascculos, nmeros ou partes, editados a intervalos prefi- xados, por tempo indeterminado, com a colaborao de diversas pessoas, sob a direo de uma ou vrias, em conjunto ou sucessivamente, tratando de assuntos diversos, segundo um plano definido.

16FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

7.7.1 Artigos em revistas

a Com indicao de autoria

CUNHA, F. Melanomas. Oncologia atual, So Paulo, v. 7, n. 4, p. 199-211, maio 1997.

b) Mais de trs autores, com destaque para os trs primeiros

AMARANTE, A. ; AMARANTE NETO, F. P. ; TELES JUNIOR, J. et al. Zumbido - sintoma ou doena? Revista de Medicina e Cirurgia, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 27-42, 1997.

c) Sem indicao de autoria (a entrada feita pelo ttulo)

MLTIPLA personalidade: patologia que intriga psiquiatras. Dilogo mdico, Rio de Janeiro, v. 22, n. 5, p. 52- 55, nov./dez. 1996.

7.7.2 Artigos em jornais

a) Com indicao de autoria

AZEVEDO, T. Pronto - socorro da Aids. Jornal O Dia, Rio de Janeiro, 14 abr. 1998. Cincia e sade, p. 16.

b) Sem indicao de autoria (a entrada feita pelo ttulo)

DESCOBERTA ligao entre vacina MMR e autismo. O Globo, Rio de Janeiro, 28 fev. 1998. Cincia e Vida, p. 36.

c) Artigo em suplemento de jornal

SODR, M. A seduo pelo sequestro. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 20 maio 1990. Ideias, ensaios, p. 9.

7.7.3 Referncia Legislativa

BRASIL. Constituio (1988). Constituio [da] Repblica Federativa do Brasil. Braslia, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei n 2481, de 3 de outubro de 1988. Dispe sobre o registro provisrio para o estrangeiro em situao ilegal em territrio nacional. Dirio Oficial [da] Repblica Federativa do Brasil, Braslia, DF, v. 126, n. 190, p. 19291-19292, 4 out. 1988. Seo 1, pt. 1.

7.8 Multimeios

So considerados multimeios os suportes de informao diferentes do livro, tais como: fitas cassete, slides, filmes cinematogrficos, gravaes de vdeo, materiais iconogrficos, materiais cartogrficos, gravaes de som, microformas, msica impressa

a) Gravao de vdeo

VILLA-LOBOS: o ndio de casaca. Rio de Janeiro: Manchete Vdeo, 1987. 1 videocassete (120 min) : VHS, son., color.

b) Fita cassete

FAGNER, R. Revelao. Rio de Janeiro : CBS, 1988. 1 cassete sonoro (60 min) : 3 3/4, pps, estreo.

c) Slide (Diapositivo)

PEROTA, C. Corte estratigrfico do stio arqueolgico Guar I. 1989. 1 slide : color.

d) Fotografia

FORMANDOS de Biblioteconomia, turma 1968/ Universidade Federal do Paran. Curitiba, 1968. 1 fot. : p&b.

17FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

e) Atlas

PEREYRA, E. A. G. ; GUERRA, D. M. M. ; FOCCHI, J. et al. Atlas de colposcopia. So Paulo: Fundao Byk, 1995. 1 atlas (44 p.) : il. color. : 21 x 30 cm.

f) Filme

O AMIGO do povo. So Paulo: ECA, 1969. 1 bobina cinematogr. (10 min): son., p&b, 16 mm.

ou O AMIGO do povo. Entidade produtora Escola de Comunicao e Artes da Universidade de So Paulo. Direo e produo de Jean Koudela. So Paulo : ECA, 1969. 1 bobina cinema- togr. (10 mm) : son., p&b ; 16 mm.

7.9 Documentos eletrnicos disponveis na internet

a) Trabalho individual com indicao de autoria

WALKER, J. R. MLA-style citations of eletronic sources. Disponvel em: . Acesso em: 4 set. 2008.

b) Trabalho individual sem indicao de autoria

PREFACE to representative poetry. Disponvel em: . Acesso em: 17 jan. 2007.

c) Autor corporativo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPRITO SANTO. Ncleo de Processamento de Dados. Cursos-NPD/UFES [online]. 1997. Disponvel em: . Acesso em: 01 mar. 1997.

d) Parte de um trabalho

SILVA, R.N. ; OLIVEIRA, R. Os limites pedaggicos do paradigma da qualidade total na educao. In: CONGRESSO DE INICIAO CIENTFICA DA UFPE, 4., 1996, Recife. Anais eletrnicos ... Recife, 1996. Disponvel em: . Acesso em: 21 jan. 1997.

e) Artigo de jornal com indicao de autoria

DAUCH, K. Alta qualificao credencia brasileiras ao sucesso. O Estado de S. Paulo, So Paulo, 3 mar. 1997. Mulher. Disponvel em: . Acesso em: 03 mar. 1997.

f) Sem indicao de autoria

AS MULHERES de 12 anos. O Estado de S. Paulo, So Paulo, 26 maio 1996. Espao Aberto. Disponvel em: . Acesso em: 27 maio 1996.

g) Artigo de revista com indicao de autoria

TAVARES, J. F. Procuradoria da infncia e da juventude Dataveni@, Joo Pessoa, n. 4, p. 1-3, fev. 1997. Disponvel em: http://www.cqnet.com.br/dataveni@tavares.html>. Acesso em: 3 mar. 1997.

h) Sem indicao de autoria

MULTIMIDIA para iniciantes. PC World, So Paulo, fev. 1997. Disponvel em: . Acesso em: 2 mar. 1997.

i) Mensagem pessoal (E-mail)

MORAFF, S. Re: Jongg. Fichas de pesquisa. [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por mtmendes@uol.com.br em 8 jan. 1997.

18FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

j) Mensagem em lista de discusso

MODA. Lista de discusso sobre moda. Disponvel em: mailto:. Acesso em: 28 fev. 1997.

7.10 Documentos eletrnicos disponveis em cd-rom

a) Trabalho individual

JORGE Amado: vida e obra Rio de Janeiro : MI -Montreal Informtica, 1994. 1 CD-ROM.

b) Parte de um trabalho

BRASIL colnia. In: HISTRIA do Brasil ATR. Rio de Janeiro : ART Multimedia, 1995. 1 CD-ROM.

8 Apresentao de Apndices e AnexosParte do artigo que complementa o raciocnio do autor, constituda por tabelas, quadros e figuras (grficos,

ilustraes), questionrios ou outras informaes que, embora sendo teis, devem aparecer ao final do texto para no along-lo e no interromper a sequncia lgica da sua exposio.

Os anexos e/ou apndices devem ser citados no texto entre parnteses, quando vierem no final da frase. Se inserido na redao, o termo ANEXO e/ou APNDICE vem livre dos parnteses.

8.1 Apndice

O apndice um elemento opcional, que consiste em texto ou documento elaborado pelo autor, a fim de complementar sua argumentao, sem prejuzo da unidade nuclear do trabalho. Os apndices so identificados pela palavra APNDICE e por letras maisculas consecutivas, travesso e pelos respectivos ttulos.

8.2 Anexo

O anexo um elemento opcional, que consiste em um texto ou documento no elaborado pelo autor, que serve de fundamentao, comprovao e ilustrao. Os anexos so identificados pela palavra ANEXO e por letras maisculas consecutivas, travesso e pelos respectivos ttulos.

9 AvaliaoA avaliao do TCC Artigo Cientfico ocorrer ao longo do seu desenvolvimento, considerando a

elaborao do Projeto de Pesquisa, bem como a avaliao textual das sees que constituem o Artigo: Resumo; Introduo; Desenvolvimento e Consideraes Finais. Dever ser atentado: a ortografia, pontuao e concordncia gramatical; orientaes de citaes e referncias, conforme normas do curso postadas no portal e anteriormente mencionadas neste material; adequao aos procedimentos metodolgicos conforme orientaes delineadas em teleaula, material- impresso/apostila, tutoriais, comunicados e informativos postadas no portal portal e anteriormente mencio-nadas neste material; apresentao de informaes em quantidade e qualidade suficientes para a fundamentao terica compatvel ao tema e explorao com qualidade e suficincia da biblio- grafia citada.

O Artigo Cientfico - Trabalho de Concluso de Curso (TCC) dever ser entregue no stimo perodo. Este dever ser acompanhado durante o processo de elaborao do projeto e da produo cientfica. O mesmo ser entregue e corrigido por uma equipe de professores avaliadores, conforme linhas de pesquisa definidas pelo Colegiado de Curso.

A dinmica e a processualizao do referido artigo no que tange a elaborao de projeto, produo do mencionado e sua respectiva apresentao ser definida por Colegiado do Curso e disponibilizada e divulgada ao aluno via teleaula - ao vivo; material impresso apostila, tutoriais, comunicados, informativos em portal do curso alm de orientaes via webtutoria.

19FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

9.1 Critrios de avaliao do TCC

A seguir, so apresentadas as rubricas consideradas para avaliao final do TCC Artigo Cientfico.

RUBRICA PARA AVALIAO DE PRODUO ESCRITA DO TCC PONTUAO

RESUMO E PALAVRAS-ChAVE At 1,0

O texto apresenta o objetivo do artigo? Apresenta a metodologia utilizada para o levantamento de dados?Quando trabalho de campo, indicou o local onde se realizou a pesquisa bem como delimitou a populao atingida? O trabalho apresenta os resultados obtidos? So apresentadas de trs a cinco palavras-chave que caracterizam o tema e servem para indexar o artigo?

INTRODUO At 2,0

O texto apresenta sinteticamente os dados sobre a temtica, o problema e pergunta de pesquisa, os objetivos e metodologia utilizada?

DESENVOLVIMENTO At 4,0

O texto apresenta o referencial terico relativo linha de pesquisa, fundAmentado segundo os crit-rios cientficos com base nas normas de citao? Apresenta os objetivos geral e especficos? Apresenta uma sequncia lgica de ideias e pensamentos deixando explcito o tema de pesquisa?

CONSIDERAES FINAIS At 2,0

O texto salienta a concluso, indicando se atendeu ao problema levantado e se conseguiu atingir os objetivos propostos? Salienta as limitaes do trabalho e as sugestes para outros estudos na rea temtica?

REFERNCIAS At 1,0

A lista apresenta a totalidade das fontes de informao que foram utilizadas no trabalho, ou seja, livros, revistas, fitas de vdeo, sites, artigos disponveis na internet, CD-ROM, Constituies (Federal, Estadual e do Municpio), Leis, etc. de acordo com normas da Associao Brasileira de Normas Tcnicas (ABNT)?

9.2 Cuidados com a escrita

a) Impessoalidade evite referncias como nosso trabalho, nosso estudo, nossa pesquisa, utilize colocaes como o presente trabalho, a presente pesquisa. No utilize pronomes pessoais como o ns, no os utilize no texto, nem quando se tratar da apresentao de resultados obtidos como: somos da opinio que, julgamos que, chegamos concluso que, deduzimos que etc.

b) Objetividade evite comentrios prolixos, seja direto e claro na questo da escrita.

c) Imparcialidade no se deve deixar levar por vieses e/ou por ideias preconcebidas.

d) Preciso e Clareza definies exatas, preferencialmente apoiadas em referncias ou dados comprovados. A informao deve ser compreendida pelo leitor, no devendo conter ambiguidades;

e) Modstia e cortesia resultados de estudos ou pesquisas anteriores, quando houver, no devem ser apon-tados de forma a insultar ou desfazer dos resultados alcanados. A cortesia importante ao se referenciar a discordncia dos resultados de pesquisas anteriores.

f) Simplicidade deve estar presente em qualquer explicao ou afirmao redigida textualmente de modo a ser facilmente assimilada pelo leitor.

g) Coerncia refere-se ao uso de nomes, de nmeros, grafia de palavras, no emprego de termos. Alm disso, o autor deve estar atento para no afirmar o que negou e vice-versa.

h) Ordem lgica ateno na apresentao das ideias deve ser organizada e dentro de uma sequncia lgica.

20FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

i) Direitos autorais A Lei n 9.610 de 19 de fevereiro de 1998, garante ao autor os direitos morais e patri-

moniais sobre a obra que criou. Traz em seu bojo o que permitido e proibido a ttulo de reproduo

e quais as sanes civis a serem aplicadas aos infratores. Outra legislao que protege o autor do texto

a Lei n 10.695/2003 que altera e acresce pargrafo ao art. 184 e d nova redao ao art. 186

do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 Cdigo Penal. Desta forma, no sero aceitos

quaisquer indcios de violao de direitos autorais. Textos com esta prtica ou vcio sero automatica-

mente desconsiderados e reprovados.

10 Apresentao do TCC Artigo Cientfico10.1 Logstica de apresentao

A Logstica de Apresentao visa proceder aos encaminhados necessrios para a organizao e

agendamentos das apresentaes dos Trabalhos de Concluso de Curso Artigo Cientfico, sendo assim,

seguem-se os procedimentos pertinentes a tal ao:

1. O sistema gera a lista de alunos aptos para a defesa em banca ( alunos que j tem o artigo verso final pontuado).;

2. So gerados os editais de convocao para defesa, e enviados para os parceiros e alunos atravs de

e-mail. Os editais contm todos os dados necessrios sobre a defesa.

3. Retorno dos Polos Presenciais com relao as apresentaes de trabalhos. imprescindvel que os

polos encaminhem para o e-mail: Douglas.rodrigues@fael.edu.br, / audrei.rissi@fael.edu.br / mirian.

pimentel@fael.edu.br ou endereos de MSN que sero utilizados nas defesas em bancas;

4. Verificao, nos Polos Presenciais, dos equipamentos para defesa (Web Cam e demais equipamentos de

multimdia).

5. Convocao dos Professores/orientadores/avaliadores;

6. Realizao das Apresentaes.

11 RefernciasASSOCIAO BRASILEIRA DE NORMAS E TCNICAS. ABNT, Rio de Janeiro. Normas ABNT sobre documentao.

Rio de Janeiro, Ago 2000. (Coletnea de normas)

ASSOCIAO BRASILEIRA DE NORMAS E TCNICAS. NBR 6023. Informao e documentao Referncias

Elaborao. Rio de Janeiro, Ago 2002.

DECRETO Lei n 2.848, de 7 de dezembro de 1940 Cdigo Penal.

FACHIN, Odlia. Fundamentos de metodologia. 4 ed. So Paulo: Saraiva, 2003. LEI n 9.610 de 19 de fevereiro de

1998.

MARCONI, M. de A., LAKATOS, E. M. Tcnicas de pesquisa. 4.ed. So Paulo: Atlas, 2001. 231 p. MEDEIROS, A

Redao cientfica. So Paulo: Atlas, 2002.

SEVERINO, Antnio Joaquim. Metodologia do trabalho cientfico. 22. ed. So Paulo: Cortez, 2002.

21FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA

ANEXOANEXO I Roteiro Bsico de Elaborao do Projeto

CAPA

FOLHA DE ROSTO

TEMA DA PESQUISA

Tema o assunto, aquilo que trata a pesquisa, o estudo, que se pretende redigir. Deve estar adequado a uma das linhas de pesquisa do curso.

Qual o enfoque (uma parte do todo - do tema), em que espao (geogrfico) e tempo (histrico) ser delimitado?

DEFINIO DE PROBLEMA

Qual o problema? (elaborar em forma de pergunta)

Nenhum tema pode ser tratado se no for um problema.

JUSTIFICATIVA

Por que vou pesquisar este assunto? Qual a relevncia social? Qual a contribuio?

Citar as razes que tornam importante a realizao da pesquisa proposta, do ponto de vista da sua contribuio pessoal para a cincia e para a sociedade.

OBJETIVOS DA PESQUISA

Para que pesquisar? Quais os propsitos do estudo?

Objetivo Geral: (onde voc quer chegar?)

Objetivos especficos: (como chegar - passos para chegar l!)

Os objetivos num curso de graduao situam-se no mbito de estudar,

conhecer e compreender.

Inicia-se a redao pelo verbo de ao, no infinitivo e cada objetivo s pode conter um nico verbo de ao.

REVISO DE LITERATURA

texto indicando as primeiras aproximaes com o tema que ser pesquisado e os principais autores que sero utilizados.

METODOLOGIA

Neste item dever ser indicado como obter e como trabalhar com as informaes.

Onde fazer? Como? Com qu? Quanto? Quando?

REFERNCIAS

Listagem de todos os autores e obras utilizadas na elaborao do projeto de pesquisa.