Top Banner
9 de março de 2013 Ano 8 – edição 391 Revista semanal distribuída por e- mail aos cadastrados e dedicada aos assuntos de interesse dos iniciados na Arte Real. Criador: Robson Granado Colaboradores permanentes: Ilustração da Jerusalém Celestial Gustave Doré
16

Folha Maçônica 391

Mar 24, 2016

Download

Documents

Robson Granado

Revista de conteúdo de interesse para os iniciados da Arte Real
Welcome message from author
This document is posted to help you gain knowledge. Please leave a comment to let me know what you think about it! Share it to your friends and learn new things together.
Transcript
Page 1: Folha Maçônica 391

9 de março de 2013Ano 8 – edição 391

Revista semanal distribuída por e-mail aos cadastrados e dedicada aos assuntos de interesse dos iniciados na Arte Real.

Criador: Robson Granado

Colaboradores permanentes: Aquilino R. Leal, Francisco Maciel, Gilberto Ferreira Pereira

Ilustração da Jerusalém Celestial

Gustave Doré

Page 2: Folha Maçônica 391

GRANDES INICIADOSLivro destaca a atuação de três importantes maçons negros na luta por igualdade de direitos para negros e brancos

“Maçonaria : os maçons negros na história do Brasil. Ontem e hoje”Helio P. Leite (09.02.2011)

“Novo estudo da historiadora paulista Célia Maria Marinho de Azevedo revela o papel central que maçons negros tiveram nas lutas por cidadania e igualdade de direitos para as 'pessoas de cor', que aconteceram quando o Brasil ainda estava em formação. E, como importantes protagonistas do processo abolicionista, o que fazem, atualmente, os negros vinculados a essa ordem para ajudar a população negra a superar os problemas decorrentes da existência do racismo em nosso país?

“Fortemente influenciada pelo iluminismo, a maçonaria moderna adota o lema Liberdade, Igualdade, Fraternidade, imortalizado pela Revolução Francesa. Em suas lojas, que são seus organismos de base, os 'irmãos' se reúnem regularmente para discutir os mais variados temas e, de alguma forma, tornar-se melhores cidadãos e contribuir para uma sociedade melhor.

“Presente no país desde o período colonial, a maçonaria por longo tempo exerceu forte influência sobre os rumos políticos do país. O que havia de comum entre André Rebouças, José do Patrocínio; João Maurício Wanderley - Barão de Cotegipe, Luiz Gama; Antonio Carlos Gomes, Rui Barbosa de Oliveira, Francisco Glicério, Nilo Peçanha e Castro Alves? Todos eram afrodescendentes e maçons: a presença de muitos homens negros de elite entre os maçons brasileiros do século XIX chamou a atenção da historiadora Célia Maria Marinha de Azevedo, que percebeu a importância de estudar de uma forma articulada as histórias da maçonaria e das 'pessoas de cor' na época da escravidão.

“Desse estudo nasceu o livro Maçonaria, Anti-Racismo e Cidadania, lançado pela editora Annablume. A obra coloca seu foco em três personagens: Francisco Ge Acaiaba Montezuma, o Visconde de Jequitinhonha; Francisco de Paula Brito - tipógrafo, jornalista e editor, fundador da afamada sociedade literária Petalógica; e Joaquim Saldanha Marinho - líder republicano e grão-mestre do Grande Oriente do Brasil. "Foi pesquisando as vidas e os escritos de maçons ilustres que percebi haver uma dimensão antirracista importante em suas lutas pelos direitos de cidadania", diz Célia, acrescentando que para Paula Brito, assim como para muitos outros brasileiros afro- descendentes que viveram entre 1830 e 1870, era fundamental fazer valer os direitos gravados na Constituição de 1824, que não distinguia as 'cores' de seus cidadãos, mas tão somente os 'seus talentos e virtudes'. "É claro que aqui não se incluíam os escravos, ou seja, uma imensa parte da população que não tinha existência naquela constituição monárquica", ressalva a historiadora.

“A luta antirracista daqueles maçons negros de meados do século XIX procurava impedir a reafirmação de uma hierarquia racial pública, herdada dos portugueses. Eles se posicionavam contra a classificação das cores dos cidadãos justamente por temerem que esses fossem impedidos de ocupar cargos, de fazer carreiras administrativas e profissionais. "Na época dos portugueses, além dos regimentos militares segregados (pretos, pardos e brancos), era preciso pedir dispensa de 'defeito de cor' para ocupar determinadas posições públicas e isto, é claro, ainda estava bem fresco na memória daqueles que atuaram nessas primeiras décadas do Brasil independente", informa Célia.”

Fonte:

Folha Maçônica Nº 391, 9 de março de 2013 Página 2

Visonde de Jequitinhonha, Paula Brito e Saldanha Marinho

Page 3: Folha Maçônica 391

http://www.formadoresdeopiniao.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=9648:maconaria--os-macons-negros-na-historia-do-brasil-ontem-e-hoje&catid=66:templo&Itemid=136

SÍMBOLOSDa Maçonaria teísta à Maçonaria deísta (I)

Escrito por Rui Bandeira (repassado pelo Irmão Paulo Cunha)

Definido o que se deve entender por deísmo e por teísmo, estamos então em condições de indagar se existe uma Maçonaria teísta e uma Maçonaria deísta, quais os significados destas expressões e as diferenças entre elas.

Na época da Maçonaria Operativa, não havia discussões na Europa. Era-se cristão ou judeu e ponto final. A religião entrava na vida de cada indivíduo, não através de uma busca racional, mas como uma caraterística essencial. E a religião era o que os responsáveis da Igreja diziam que era. Analisar questões teológicas era encargo de muito poucos de entre os pouquíssimos que sabiam ler e escrever. A grande massa dos Povos tinha a religião do Estado onde se encontrava ou do senhor a quem servia. Não era, sequer, uma questão de escolha. Era de sobrevivência. Literalmente falando. Não se punha, pois, a questão de se ser deísta ou teísta. O conceito de deísmo nem sequer existia. Todos eram teístas, porque todos eram crentes. E quem não fosse, calava e fingia sê-lo, se queria continuar integrado na sociedade, vivo e de boa saúde...

Na Europa de então, opções religiosas havia duas: o cristianismo (primeiro apenas sob a batuta do papa de Roma; depois, com a Reforma, com dois grandes campos de escolha: o catolicismo ou, com diversas variantes, o que se convencionou chamar de protestantismo) e o judaísmo, aquele amplamente maioritário. Todos os maçons eram, por definição, crentes. E cristãos. A Maçonaria Operativa, como instituição eminentemente profissional, não destoava do resto das instituições existentes. E todos eram teístas. Nem se concebia que pudesse ser diferente! O tempo e a evolução social, porém, vieram a alterar esta situação.

A partir de finais do século XVI, inícios do século XVII, gradualmente as Lojas maçónicas operativas começaram a admitir elementos não integrantes da profissão de construtores em pedra. Foram senhores que mandavam construir igrejas e contratavam e pagavam, para esse efeito, os oficiais construtores, exercendo sobre estes manifesta influência económica, que demonstravam interesse em compartilhar dos segredos da Arte Real da construção, foram influentes cavalheiros ou nobres que assumiam o papel de protetores das corporações de maçons, enfim, a pouco e pouco foram sendo Aceites não construtores nas Lojas. E as Lojas passaram a ser locais de congregação de maçons livres e aceites. Maçons livres, os oficiais construtores que não dependiam de senhores, que eram livres de trabalhar e exercer o seu ofício onde quisessem e pudessem. Maçons aceites, aqueles que, não sendo oficiais construtores, tinham sido aceites no seio das Lojas.

Os maçons aceites eram mais letrados do que os maçons livres. Uma vez inteirados dos segredos da arte de construir - particularmente as técnicas ancestrais aplicando princípios geométricos -, tinham a vantagem competitiva da sua maior instrução, do seu mais profundo e alargado conhecimento, da sua maior influência social. A pouco e pouco, os maçons aceites foram-se sobrepondo aos maçons livres, quer em número, quer na condução dos destinos das Lojas, quer na escolha dos trabalhos de Loja, dos ensinamentos a transmitir em Loja. E, ao longo de pouco mais de um século, a Maçonaria transformou-se de Operativa em Especulativa, de simples agremiação de construtores em instituição de discussão livre, de especulação filosófica, de aperfeiçoamento moral e não já de mera aprendizagem profissional.

Paralelamente, vivem-se os tempos do Iluminismo, da emergência do racionalismo, da popularização das ideias de Kant, de Locke, de muitos outros. A Royal Society, sociedade dedicada ao avanço e divulgação das ciências é constituída e muitos dos seus fundadores e elementos impulsionadores são maçons aceites.

Por outro lado, viveram-se e ainda estão bem inseridos na memória coletiva britânica tempos de profundos e dolorosos conflitos políticos e religiosos. Stuarts contra Oranges e depois Hanovers, católicos contra anglicanos, jacobinos contra realistas. Viveram-se na Grã-Bretanha tempos revolucionários, lutas ferozes e sangrentas, prisões e decapitações, que em nada ficaram a dever à mais famosa das Revoluções, a Revolução Francesa. De tudo isto, acabou por resultar o fim do Estado Confessional, a aceitação, primeiro tímida, depois crescentemente consensual, da Liberdade de Religião. O Homem podia já pensar sobre os fundamentos da sua crença. E fê-lo.

A postura de cada um em face do Divino já não dependia exclusivamente da aceitação da Revelação das Escrituras e dos ensinamentos dos profetas e ministros religiosos. Kant indicou o caminho, os acontecimentos romperam o dique e muitos foram progressivamente percorrendo a vereda da descoberta do divino através da Razão. Já não havia apenas o caminho exclusivo da Fé para a Crença. Outro também se abriu, o caminho da Razão. Já não havia só teísmo, também apareceu e autonomizou-se o deísmo.

Através do seu desassossego intelectual, os maçons aceites não se limitaram a "colonizar" a Maçonaria Operativa e a transformá-la em Maçonaria Especulativa. Também na Maçonaria introduziram os princípios e o conceito do deísmo. Sobre uma pré-existente Maçonaria teísta construíram uma Maçonaria deísta. Num dos próximos textos, espero conseguir explicar como.

Folha Maçônica Nº 391, 9 de março de 2013 Página 3

Page 4: Folha Maçônica 391

Fonte:In Blog "A Partir Pedra" - Texto de Rui Bandeira (04.11.2008)A POLÊMICA NA FOLHA

A vulnerabilidade dos grupos da internet (II_II)Será que o(s) moderador(es) do Grupo perceberam a presença do ‘hacker maçônico’?

Relativamente tensos enviamos no mesmo dia, o questionário preenchido ao Moderador do grupo. Dois dias depois a reposta: um e-mail com o seguinte conteúdo (real, porém com outra formatação).

Olá,

O seu pedido para entrar no grupo EmbromationsBraziu não foi aprovado. Os moderadores grupos do Yahoo! podem escolher restringir a associação ao grupo ou não. Os moderadores que optam por grupos estritos também escolhem quem pode ser admitido no grupo.Observe que esta decisão é final e que o Yahoo! Grupos não tem controle sobre a decisão dos proprietários ou moderadores de grupos.Você pode encontrar outros grupos interessantes fazendo buscas, ou navegando pelo diretório de grupos: http://br.groups.yahoo.comSe você quiser criar o seu próprio grupo, visite: http://br.groups.yahoo.com/startObrigado por escolher o Yahoo! Grupos.Saudações,Equipe do Yahoo! GruposO uso que você faz do Yahoo! Grupos está sujeito aoshttp://br.yahoo.com/info/utos.html

Ficamos frustrados! Os moderadores do EMBROMATIONSBRAZIU não engoliram a isca! Finalmente um grupo sério! Mas... Até quanto? Até quando? Não desistimos, voltamos à carga e respondemos com o seguinte conteúdo (novamente foram mantidos os erros de grafia):

Com algum espanto recebi do Yahoo a informação de que minha inscriação no grupo não foi aceita.Sem querer questionar, apenas gostaria de saber os motivos que levaram a Moderação a tal atitude. Não permito acreditar que o Grupo tenha alcançado o limite de associados ou que por ser um recém iniciado (pouco menos de três meses)e, portanto, tenho que aguardar o memomento certo ao tornar-me um Mestre.

No aguardo de vosso pronunciamento deixo registrada a amizade fraternal com o forte TFA

Lucimar

Vejam aqui a única novidade: TFA. O esperto Lucimar já tinha tomado conhecimento dessa formalidade em vários artigos livremente disponíveis em www.revistauniversomaconico.com.br (vide a aba Colaboração dos IIr). Agora restava esperar... Quais seriam os reais motivos que impediam o nosso ‘agente’ entrar no grupo?

Pouco tempo depois recebíamos o seguinte e-mail:

Prezado irmão LucimarVamos verificar....reenvie o seu pedido novamente, mas antes envie ara eteemail, os dados solicitados como abaixo.(talvez pelo fato de nao ter se identificado maçonicamente...talvez....EmbromationsBraziuTFA

m\m\GOB-REAA.http://www..brMens In Corpore Tantum MolemRegit

Boas notícias! Lucimar passou a ser chamado de irmão! O nosso TFA, que aqui o Moderador repetira, aparentemente tinha dado resultado!

Folha Maçônica Nº 391, 9 de março de 2013 Página 4

Page 5: Folha Maçônica 391

Não podíamos ficar na defesa reenviando os dados sem bem que estivessem devidamente guardados para a elaboração de uma crônica, no caso, esta! Tínhamos de partir para o ataque mas com alguma coisa nova capaz de convencer o incauto Moderador. Lucimar fervoroso leitor dos artigos em http://www.palavramaconica.com.br logo encontrou a linha de atuação1, e assim, quatro dias depois, foi respondido o e-mail do moderador:

Não consegui entender... Já fiz isso antes. Não teve validade?Lucimar - A.'. M.'. - MICTMR

No mesmo dia recebíamos a seguinte correspondência:

atolerancia é a maior das virtudesrsrsrsrsrsrseja bem vindo

m\m\GOB-REAA.http://www..brMens In Corpore Tantum MolemRegit

Pronto... Estávamos ‘dentro’! Agora é apenas participar sem alarde e aos poucos ir subtraindo informações vitais que permitam o acesso a grupos mais, digamos, ‘fechados’...Vejam que como verdadeiros ‘hackers maçônicos’ tínhamos todos os dados a nosso dispor, e se o moderador quisesse uma foto nossa totalmente paramentados também estava na mão! Mesmo não sendo maçom! Qualquer ‘pilantra’ tem acesso a tais dados!

De qualquer forma no mínimo uma muita vergonha! Dados maçônicos conflitantes e, no entanto, fomos aceitos e com as devidas boas vindas e em um grupo para apenas maçons, maçons regulares em que nos inscrevemos!

Acompanhem a correspondência de boas vindas:

Olá,

O moderador do grupo EmbromationsBraziu aprovou sua solicitação para entrar no grupo.Aqui vão algumas dicas úteis para você começar a usar o Yahoo! Grupos:* Para saber mais sobre o grupo EmbromationsBraziu, visite: http://br.groups.yahoo.com/group/embromations_braziu * Para enviar uma mensagem para este grupo, envie um e-mail para [email protected]* Para contatar o moderador do grupo, envie um e-mail para [email protected]* Para sair do grupo, envie um e-mail para embromations_braziu [email protected]

Obrigado por escolher o Yahoo! Grupos como o seu serviço de grupos de discussão.Saudações,Equipe do Yahoo! Grupos O uso que você faz do Yahoo! Grupos está sujeito aoshttp://br.yahoo.com/info/utos.html

E do irmão Moderador do grupo recebemos o seguinte:

Seja bem vindo ao grupo de discussão EmbromationsBraziu.

Atenção às regras, você estará recebendo um arquivo de nome REGRAS DO GRUPO EMBROMATIONS-BRAZIU.Para começar a enviar mensagens envie um e-mail para: [email protected]

Fraternalmente,moderador.

O uso que você faz do Yahoo! Grupos está sujeito aos http://br.yahoo.com/info/utos.html

Conclusão: Mostramos que com um pouco de discernimento qualquer um pode entrar nesses ‘seguros’ grupos, para apenas maçons regulares.

E não nos venham com essa de ‘boa fé dos grupos’ ou da ‘boa fé dos Moderadores’! Há de se confiar desconfiando!1 M.I.C.T.M.R. são as iniciais das palavras (em latim) que compõem a expressão Mens In CorporeTantum MolemRegit: A mente rege a grande massa corpórea ou, a mente domina o corpo.

Folha Maçônica Nº 391, 9 de março de 2013 Página 5

Page 6: Folha Maçônica 391

Fazendo eco às observações de muitos irmãos, alguns que conhecemos bem como maçons de escol, cônscios das exigências na lisura pelo bom desempenho de nossa Ordem, reconhecemos a dificuldade ou a incapacidade em não sermos mais rígidos, ou menos complacentes, tanto na escolha de nossos novos membros como também na hora da votação pelas suas aceitações e a inclusão de participantes em muitos desses grupos.

Sentimos que faz mister sim, repetir quantas vezes forem necessárias, que as regras exigidas para tais processos sejam séria e fielmente cumpridas, custe o que custar, caso contrário é melhor nos retirar para não abrir as portas para os problemas que soem advir na maioria das Lojas, grupos, etc. frutos da complacência de Irmãos atraídos por corporativismos internos e externos, interferindo na escolha de nossos futuros membros, em total desleixo pelo que virá depois...

Esta é a eterna luta que travamos em detrimento de nosso lazer, inclusive do nosso próprio bem estar. Por isso esperamos dos Moderadores, Veneráveis, Lojas, Sereníssimos, enfim de todos aqueles que realmente podem ser chamados de irmãos, o reconhecimento de nosso atual esforço, no que almejamos que frutifique pela qualidade e carinho como foi produzido.

“Não importa quantos passos você deu para trás, o importante é quantos passos, agora, você vai dar para frente.” (Ignoramos o Autor)

Coluna assinada pelo M.·. I.·. Aquilino R. Leal, Fundador Honorário da Aug.·. e Resp.·. Loj.·. Maç.·. Stanislas de Guaita 165

MEDITEDa amizadeA Maçonaria é a Sublime Instituição que nos acolheu em seus braços generosos e em cujos seios fartos nos alimentamos; na sua sabedoria nos instruímos.

Fomos iniciados em seus augustos mistérios. Nos seus ensinamentos aprendemos a praticar a fraternidade, o amor ao próximo, a solidariedade, a evolução espiritual. Ascendemos na escada de Jacó.

Ela nos fez Irmãos, mas não nos fez necessariamente amigos. Nem todos os Irmãos são amigos. Mas os amigos são Irmãos.

Observo também que a amizade não é como deveria ser, uma via de mão dupla. Às vezes é mão única. Só vai. Ou só vem.

À medida que vamos vivenciando a prática maçônica com consciência, sentimos o despertar de uma energia que transcende o simples relacionamento fruto da convivência maçônica, social e episódica, proporcionando-nos esse despertar, a oportunidade de aflorar e acordar o sentimento que é inato em todo ser humano: o amor ao Pai Altíssimo e aos nossos próximos e que se constitui na fonte inesgotável de força que passa a alimentar permanentemente o nosso espírito e, em consequência enriquecendo nossas vidas.

As disputas acirradas e conflitantes que se verificam em nossa Ordem são exatamente fruto da falta de ativação desse sentimento. Propugnemos para que a fonte não seque.

Heitor Freire – M.·. M.·.

Folha Maçônica Nº 391, 9 de março de 2013 Página 6

Page 7: Folha Maçônica 391

CONVERSA AO PÉ DO OLVIDO

¿Por qué no te callas?

Foi essa a frase dita pelo rei Juan Carlos de Espanha ao presidente venezuelano Hugo Chávez durante a XVII Conferência Ibero-Americana, realizada na cidade de Santiago do Chile, no final de 2007. O motivo da "exaltação" do rei espanhol foram as constantes interrupções do presidente Hugo Chávez na resposta do então primeiro-ministro espanhol José Luis Rodríguez Zapatero em defesa do ex-primeiro-ministro José María Aznar, a qual Chávez criticou duramente devido ao suposto apoio de Aznar ao fracassado Golpe de Estado contra o presidente venezuelano em 2002. Chávez o chamou de "fascista" e se referiu às ligações de Aznar com a Maçonaria e o convite que ele lhe fez para pertencer à Ordem.

Enquanto Hugo Chávez criticava José María Aznar, o rei espanhol se irritou, dizendo a frase “¿Por qué no te callas?”

Hugo Chávez ficou chatead e disse que cobraria mais impostos das transnacionais espanholas no país. Além disso, congelou as relações com a Espanha.

Folha Maçônica Nº 391, 9 de março de 2013 Página 7

Page 8: Folha Maçônica 391

O presidente da Venezuela respondeu, logo depois do fim da Cúpula, que o monarca não poderia ter tal comportamento. "Exijo respeito, porque eu também sou um chefe de Estado e eleito democraticamente", ressaltou Chávez. "Ele (o rei) é tão chefe de Estado quanto eu, com a diferença de que fui eleito três vezes", disse durante um ato acadêmico em uma universidade particular chilena.

Nos dias seguintes ao episódio, o governo espanhol tentou minimizar o incidente, mas Chávez incrementou as tensões com repetidas declarações acerca do ocorrido. A famosa frase dita pelo rei espanhol virou mania na Internet, com vários vídeos postados no site Youtube. Também virou febre em toques para celulares uma música remix da frase. Também foi usada pelos críticos ao Chávez, já que até então, nenhum chefe de estado e governo, criticado pelo presidente venezuelano, havia reagido.

Há uma versão que Chávez respondeu ao rei, na lata: "Se eu calar a boca, você ouvirá os gritos e pedras de todos os povos latino-americanos que querem se libertar de 500 anos de colonialismo". Talvez essa tenha sido uma daquelas respostas certeiras que a gente descobre uma semana depois.

Na verdade Chávez não se calou. Soltou o verbo. Era um grande orador, um carismático. Algumas de suas frases:

‘"Por enquanto, lamentavelmente, os objetivos que buscávamos não foram atingidos. Novas situações surgirão e o país definitivamente escolherá o caminho certo para um destino melhor" - depois do fracasso de um golpe militar do qual participou, em 1992. "Não sou o diabo.""Cuba não é uma ditadura.""Juro diante do povo, diante desta Constituição moribunda, que promoverei as transformações democráticas necessárias" - na posse, em 1999. "Cristóvão Colombo foi a ponta de lança da maior invasão e genocídio vistos na história da humanidade" - sobre os direitos indígenas, em 2003. "Vamos de conferência de cúpula a conferência de cúpula, e nossos povos vão de abismo a abismo" - sobre as cúpulas presidenciais, em 2005."Ser rico é ruim, é desumano"- em seu programa de TV, o "Alô, Presidente", em 2005. "Ontem o diabo esteve aqui. Bem aqui. E sinto o cheiro de enxofre hoje" - sobre o ex-presidente dos EUA George W. Bush, na ONU, em 2006. "Israel sempre critica Hitler, como nós todos, mas faz coisas muito parecidas com, ou até piores que, aquilo os nazistas fizeram" - sobre Israel, em visita ao Irã, em 2006. "Creio que estejamos sofrendo de impotência política. Precisamos de um Viagra político" - em uma conferência de cúpula sul-americana, em 2006. "O capitalismo é o caminho do diabo e da exploração. Se você deseja realmente olhar as coisas pelos olhos de Jesus Cristo --que creio ter sido o primeiro socialista--, só o socialismo poderá gerar uma sociedade genuína" - sobre o socialismo e o capitalismo, em 2006. "Por Cristo, o maior socialista da história, por todos os feridos, por todo o amor, por todas as esperanças que serão realizadas por essa maravilhosa Constituição, mesmo que custe minha vida. Pátria, socialismo ou morte!" - ao iniciar um novo mandato presidencial, em 2007. "Você é o pai das revoluções neste continente, você é o nosso pai" - a Fidel Castro, em visita a Cuba, em 2007."Masco folhas de coca toda manhã, e olhem para mim!" - sobre folhas de coca, na Assembleia Nacional venezuelana, em 2008. "Se Deus me der vida e saúde, estarei com vocês até 2021. Chávez não partirá" - ao lançar um movimento contra a limitação ao número de mandatos, em 2008. "Achávamos que ele era canibal... tenho minhas dúvidas. Talvez fosse um grande nacionalista, um patriota" - sobre o ex-ditador ugandense Idi Amin Dada, em 2009. "Você é uma fraude, Obama... Vá e pergunte às pessoas da África, que podem ter acreditado em você por causa da cor de sua pele, porque seu pai era africano. Você descende de africanos, mas envergonha a todas essas pessoas" - sobre o presidente dos EUA, Barack Obama, em 2011. "Sempre ouvi dizer, e repito, que não seria estranho que tivesse havido uma civilização em Marte, mas o capitalismo chegou lá primeiro e acabou com o planeta" - sobre o papel do capitalismo na ausência de vida em Marte, em 2011. "Não seria estranho que tivessem desenvolvido a tecnologia para induzir câncer e ninguém soubesse disso até agora" - ao acusar a CIA de espalhar o câncer na América Latina, em 2011. "Bombardear o corajoso povo líbio para salvá-lo? Que brilhante estratégia do império enlouquecido. Onde estão os direitos internacionais? É como se vivêssemos na idade das cavernas" - em apoio ao ditador líbio Muammar Gaddafi, em 2011. "Prometo que ao menos me esforçarei para não me estender demais" - antes de um dos mais longos discursos da história (nove horas e cinco minutos), em 2012. "Uma águia não caça moscas" - criticando um líder oposicionista no mesmo discurso, em 2012. "É mais fácil um asno passar pelo buraco de uma agulha do que a oposição vencer a eleição" - sobre a eleição presidencial de 2012 "Você tem rabo de porco, orelhas de porco, grunhe como porco e é um porco imundo. Você é um porco, não tente esconder" - sobre o candidato oposicionista Henrique Capriles.

Folha Maçônica Nº 391, 9 de março de 2013 Página 8

Page 9: Folha Maçônica 391

"Dê-me sua coroa, Jesus. Dê-me sua cruz e espinhos, para que eu sangre. Mas dê-me a vida, porque tenho mais a fazer por este país e este povo. Não me leve ainda" - chorando na Missa de Páscoa, em 2012. "Os dias não são fáceis, mas combatemos a adversidade... Não posso continuar a ser o mesmo cavalo a galope" - sobre a luta contra o câncer, em 2012.

A Venezuela chora pelo seu “messias”, mas provavelmente não toda a Venezuela. Muitos governos, entre os quais Brasil, Irã, Síria e Cuba, exaltam o líder bolivariano.

“A força criadora de mitos, característica da fantasia popular, em todas as épocas tem provado sua eficácia inventando 'grandes homens'. O exemplo mais notável deste tipo é sem dúvida Simón Bolívar", disse Karl Marx. Talvez isso valha para Chávez.

Há um diálogo famoso na peça “Galileu Galilei”, do marxista Bertolt Brecht. O personagem Andreas entende que a morte de Galileu o fará um herói, o que seria a grande homenagem para um homem como o sábio. E ainda mais, a morte de Galileu poderia levar o povo à rebelião. Percebendo que Galileu não cede aos seus argumentos, Andreas, brada:

- Pobre do povo que não tem herói!

Ao que Galileu responde:

- Não, Andreas! Pobre do povo que precisa de herói.

Hugo Chávez se calou. O rei Juan Carlos I da Espanha enviou um telegrama ao vice-presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, com uma mensagem de condolência à nação venezuelana pela sua morte.

Coluna assinada pelo Ir.·. Francisco Maciel, membro da Aug.·. e Resp.·. Loj.·. Maç.·. D’Artagnan Dias Filho 148 – GLMERJ

COLUNA DO DIREITOO que é garantia estendida?A garantia estendida é uma garantia contratual em forma de seguro, paga pelo consumidor, para manutenção do produto adquirido após o vencimento da garantia legal, ou garantia contratual.

Nessa modalidade, o consumidor deverá ficar atento para os termos da garantia. O produto só estará segurado naquilo que está devidamente descrito na apólice, ou seja, o produto poderá ter cobertura apenas em parte, como por exemplo, somente o câmbio e não o motor do veículo, ou cobertura por roubo e não por furto.

Assim, o consumidor deverá ler atentamente o contrato antes de assiná-lo, verificando se a garantia estendida atenderá as suas necessidades.

Infelizmente nos atendimentos do Procon, verificamos que alguns fornecedores impingem o serviço da garantia estendida ao consumidor, que realiza o pagamento juntamente com o produto sem saber o que está contratando. Este tipo de conduta é ilegal pois infringe diversos artigos do CDC, e para o consumidor não cair nessa armadilha o melhor mesmo é ficar atento principalmente ao valor total pago, ou que será cobrado nas hipóteses de compra a prazo.

Coluna assinada pelo Ir.·. Gilberto F. Pereira, Fundador da Aug.·. e Resp.·. Loj.·. Maç.·. Stanislas de Guaita 165DICA

Livro de Adílio Jorge Marques: “Introdução ao Pensamento de Saint Martin & Jacob Boehme”

Folha Maçônica Nº 391, 9 de março de 2013 Página 9

Page 10: Folha Maçônica 391

DOCUMENTOS E FOTOS ANTIGAS

Placa que homenageia os maçons que se envolveram no processo de independência do Brasil.

Fonte: http://weber-varrasquim.blogspot.com.br/2011/09/sem-maconaria-nao-teria-havido-abolicao.html

EUREKA (TUREKA E NÓSREKA)Contestações, lances, bobagens, respostas, estudos, crendices, variados, ‘nóstícias’fatos, curiosidades, sofismas, perguntas, humor, nostalgia, outros e... nós!

O Maçom é João e Paulo quando...

... Sobe a Escada de Jacó pelas Iniciações da Vida sem ferir os Irmãos neste percurso.

... Realiza o sonho de desbastar pelo pensamento e pelas ações as arestas dos vícios e da insensatez.

... Socorre o Irmão nas dificuldades, chora com ele as suas angústias e sabe comemorara seu lado as suas vitórias.

... Reconhece nas viúvas e nos órfãos a continuidade do Irmão que partiu para o OrienteEterno.

Folha Maçônica Nº 391, 9 de março de 2013 Página 10

Page 11: Folha Maçônica 391

... Vê na filha do Irmão a sua filha e na esposa do Irmão, uma Irmã, Mãe ou Filha.

... Combate o fanatismo e a superstição sem o açoite da guerra mas com a insistência dapalavra sã.

... É modelo da eterna e universal justiça para que todos possam concorrer para a felicidade comum.

... Sabe conservar o bom senso e a calma quando outros o acusam e o caluniam.

... É capaz de apostar na sua coragem para servir aqueles que o ladeiam, mesmo que lhe falte o próprio sustento.

... Sabe falar ao povo com dignidade ou de estar com reis e presidentes em palácios suntuosos e conservar-se o mesmo.

... Sendo religioso e político respeita o direito da religião do outro e da política oposta à sua.

... Permite e facilita o desenvolvimento pleno das concorrências para que todos tenham as mesmas oportunidades.

... Sabe mostrar ao mundo que nossa Ordem não é uma Sociedade de Auxílios Mútuos.

... Dominado pelo princípio maior da tolerância suporta as rivalidades sem participar de guerras.

... Abre-se para si e permite que outros, vendo-o, sigam-no no Caminho do Conhecimento e da Iniciação.

... Conforma-se com suas posses sem depositar inveja nos mais abastados.

... Absorve o sacerdócio do Iniciado pela fé no Criador, pela esperança no melhoramento do homem e pela caridade que se abrirá em cada coração.

... Sente a realidade da vida nos Sagrados Símbolos da Instituição.

... Exalta tudo o que une e repudia tudo o que divide.

... É Obreiro de paz e união, trabalhando com afinco para manter o equilíbrio exato entre a razão e o coração.

... Promove o bem e exercita a beneficência, sem proclamar-se doador.

... Luta pela fraternidade, pratica a tolerância e cultiva-se integrado numa só família, cujos membros estejam envoltos pelo amor.

... Procura inteirar-se da verdade antes de arremeter-se com ferocidade contra aqueles que julga opositores

... Esquiva-se das falsidades inverossímeis, das mentiras grosseiras e das bajulações humanas.

... Propõe-se sempre a ajudar, amar, proteger, defender e ensinar a todos os Irmãos que necessitem, sem procurar inteirar-se do seu Rito, da sua Obediência, da sua Religião ou do seu Partido Político.

... É bom, leal, generoso e feliz, ama a Deus sem temor ao castigo ou por interesse á recompensa.

... Mantem-se humilde no instante da doação e grandioso quando necessitar receber.

... Aprimora-se moralmente e aperfeiçoa o seu espírito para poder unir-se aos seus semelhantes com laços fraternais.

... Sabe ser aluno de uma Escola de Virtudes, de Amor, de Lealdade, de Justiça, de Liberdade e de Tolerância.

... Busca a Verdade onde ela se encontre e por mais dura que possa parecer.

... Permanece livre respeitando os limites que separam a liberdade do outro.

... Sabe usar a Lei na mão esquerda, a Espada na mão direita e o Perdão à frente de ambas.

... Procura amar o próximo, mesmo que ele esteja distante, como se fosse a si mesmo.

Colaboração do MI Aquilino R. Leal, Fundador Honorário da Aug e Resp Loj Maç Stanislas de Guaita 165

Enquete inútil:

Folha Maçônica Nº 391, 9 de março de 2013 Página 11

Page 12: Folha Maçônica 391

Pergunta: Qual planeta leva o nome de um deus romano da guerra? Dica: ele era filho de Zeus e de Hera.

(Envie-nos sua resposta e a publicaremos semana que vem.)

Pergunta de edição anterior: Champollion é:( ) Pseudônimo de Antoine de Saint-Exupéry, autor de Le Petit Prince.( ) Marca de xampu de alta qualidade de procedência francesa.( ) Comida típica baiana à base de champignons.( ) Criador do Rio Francês.( ) Outro.

Obviamente deve-se marcar ‘Outro’ como resposta já que o francês Jean François Champollion (1790-1832) foi o responsável por decifrar por completo os caracteres hieroglíficos da escrita egípcia antiga ao estudar as inscrições de uma pedra – a Pedra de Roseta – encontrada no Egito por um oficial do exército de Napoleão; pelo confronto com o grego foi possível decifrar os hieróglifos. O mais fantástico dessa história é que Champollion começou a trabalhar nisso com 13 anos de idade; para conseguir chegar ao fim, aos 17 anos, já havia aprendido oito línguas entre elas o latim, o árabe e o aramaico.

Estão postados no ponto cultural da Folha Maçônica mais de 13.700 títulos! tem até fotos antigas do Rio de Janeiro e São Paulo... confira! isso sem contar com as fotos antigas da Ordem.

Folha Maçônica Nº 391, 9 de março de 2013 Página 12

Visite nossas páginas online:Blog da Folha Maçônica: http://folhamaconika.blogspot.com/ Este blog será extinto brevemente.

Novo Site para download das edições da Folha Maçônica: http://sdrv.ms/QobWqH

Novo link do ponto cultural da FM onde estão disponibilizados mais de 13 mil títulos sobre a Ordem e afins; como está em fase de conclusão existirão falhas que pedimos serem apontadas para o seu melhoramento, assim como aguardamos comentários no sentido da apresentação e conteúdo.

Blog com desenhos e pinturas do Irmão Robson Granado: http://robsongranado.blogspot.com/