Top Banner
O Cruzeiro oficializou nes- ta terça-feira a contratação do técnico Mano Menezes, que não trabalha desde dezem- bro de 2014, quando deixou o Corinthians. O contrato vai até 2017. O novo comandan- te acompanhará a equipe na partida contra a Ponte Preta, nesta quarta-feira, às 19h30, no Moisés Lucarelli, em Cam- pinas, mas o time ainda será orientado por Deivid, ex-au- xiliar de Vanderlei Luxem- burgo. A estreia de Mano ocorrerá em casa, contra o Figueirense, domingo, às 11h, no Mineirão. O senador Antonio Anas- tasia (PSDB/MG), em seis meses de mandato, já entrou na lista dos “Cabeças do Con- gresso”. A lista divulgada pelo Departamento Intersindi- cal de Assessoria Parlamentar (DIAP) coloca o senador mi- neiro como destacado ‘formu- lador’ e ‘articulador’. Os Ca- beças do Congresso Nacional são, na definição do DIAP, aqueles parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais pelo protagonismo no processo legislativo, capacida- de de conduzir debates, nego- ciações, votações, articulações e formulações. “É o parlamen- tar que, isoladamente ou em conjunto com outras forças, é capaz de criar seu papel e o contexto para desempenhá- lo”, explica o DIAP. O grupo gaúcho Cachor- ro Grande, que em 2012 le- vou uma multidão ao Ga- rajão para um explosivo e histórico show, volta a se apresentar no espaço cultural no próximo sábado (5), a par- tir das 20:00h. Com a expe- riência de quem acumula 15 anos de estrada e sete álbuns de estúdio, a banda conquis- tou uma legião de fãs no Vale do Aço e região. DIÁRIO POPULAR WWW.DIARIOPOPULARMG.COM.BR Região Metropolitana do Vale do Aço - Ano IX - Número 2.229 - Quarta-feira - 2/09/2015 - R$ 1,00 TRAGÉDIA EM BO ESTREIA DESTAQUE NEGÓCIOS VACINAÇÃO ROCK VOLUNTARIADO OBRAS O empresário Newton Paiva, 56 anos, que matou seis pessoas num acidente de trânsito no povoado Vila Go- mes, em Belo Oriente, em janeiro deste ano, foi captu- rado e já está preso em Açu- cena. Newton estava em Jua- zeiro, na Bahia, trabalhando numa empresa de exploração mineral e foi detido ao ten- tar mudar a carteira de habi- litação de Minas Gerais para Bahia. Após a prisão, Newton Paiva disse que tentava ultra- passar uma carreta que estava em sua frente quando se de- parou com outra que vinha no sentido contrário. O mo- torista disse que desviou do veículo e depois não se lem- bra de mais nada. “Eu não me recordo de ter atingido as vítimas. Fiquei com muito medo de ser linchado e fugi. Fiquei ferido e pedi ajuda na estrada”, contou. Começa nesta quarta-feira (2), em Ipatinga, a VI edição do Fomenta Minas, iniciati- va do Serviço de Apoio às Mi- cro e Pequenas Empresas (Se- brae/MG) em parceria com a Prefeitura de Ipatinga. A aber- tura oficial do evento aconte- ce a partir das 19h, no auditó- rio da Fiemg (antigo CDP da Usiminas), no bairro Horto, e terá a palestra “Comunicação Eficaz e Perspectivas de Negó- cios”, ministrada pelo especia- lista Guto Abranches. Paral e- lamente, o Tribunal de Contas do Estado realiza a segunda rodada do Encontro Técni- co TCEMG e os Municípios 2015. Desta vez, o tema será Gestão Orçamentária e Res- ponsabilidade Fiscal. A campanha de vacinação contra a pólio em Coronel Fa- briciano já atingiu a meta pre- conizada pelo Ministério da Saúde, que é de 95% do pú- blico-alvo. Na cidade já foram vacinados 95,7%, o que cor- responde a 6.200 crianças en- tre seis meses e cinco anos in- completos. Em Ipatinga, mais de 13 mil crianças entre seis meses e cinco anos incomple- tos já estão protegidas contra a paralisia infantil (poliomie- lite) em Ipatinga. O número representa 91% do público- alvo no município, estimado em 14,3 mil. Apesar de próxi- mo de atingir a meta estipula- da pelo Ministério da Saúde, a Secretaria de Saúde de Ipa- tinga decidiu pela prorroga- ção da campanha até o dia 10 de setembro. A prefeita Cecília Ferra- menta visitou ontem às obras de construção do Complexo Esportivo e Centro de Convi- vência do Morro do Sossego. Acompanhada de vereado- res, secretários e comunidade, a prefeita inspecionou o can- teiro de obras que começou a funcionar há 20 dias, após a conclusão do processo licita- tório realizado pela Prefeitura. O projeto está orçado em R$ 549 mil e conta com recursos economizados pela Câmara, do total repassado anualmen- te pelo Executivo para cobrir gastos do Legislativo. Cecí- lia também assinou a Ordem de Serviço para o início das obras da quadra coberta da Escola Municipal Jaime Mo- rais Quintão, no bairro Jar- dim Panorama. Página 5 Página 3 Página 7 Página 4 Página 7 Página 3 Página 8 Página 7 Newton estava na Bahia A prefeita Cecília Ferramenta e comitiva durante visita às obras no Morro do Sossego A banda Cachorro Grande conquistou uma legião de fãs na região Motorista que matou seis pessoas disse que fugiu temendo ser linchado Cecília visita obra no Morro do Sossego e assina OS em escola Fomenta Minas começa hoje no auditório da Fiemg Fabriciano atinge meta contra Pólio; Ipatinga vacina até dia 10 Arquivo DP Secom PMI Mano Menezes assume lugar de Luxa no Cruzeiro Anastasia é um dos “Cabeças do Congresso” Cachorro Grande Volta a Ipatinga Dia V completa 15 anos ATLÉTICO Josué vive expectativa de enfrentar Atlético-PR Página 8
8

Ediçao 2229

Jul 23, 2016

Download

Documents

 
Welcome message from author
This document is posted to help you gain knowledge. Please leave a comment to let me know what you think about it! Share it to your friends and learn new things together.
Transcript
  • O Cruzeiro oficializou nes-ta tera-feira a contratao do tcnico Mano Menezes, que no trabalha desde dezem-bro de 2014, quando deixou o Corinthians. O contrato vai at 2017. O novo comandan-te acompanhar a equipe na partida contra a Ponte Preta, nesta quarta-feira, s 19h30, no Moiss Lucarelli, em Cam-pinas, mas o time ainda ser orientado por Deivid, ex-au-xiliar de Vanderlei Luxem-burgo. A estreia de Mano ocorrer em casa, contra o Figueirense, domingo, s 11h, no Mineiro.

    O senador Antonio Anas-tasia (PSDB/MG), em seis meses de mandato, j entrou na lista dos Cabeas do Con-gresso. A lista divulgada pelo Departamento Intersindi-cal de Assessoria Parlamentar (DIAP) coloca o senador mi-neiro como destacado formu-lador e articulador. Os Ca-beas do Congresso Nacional so, na definio do DIAP, aqueles parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais pelo protagonismo no processo legislativo, capacida-de de conduzir debates, nego-ciaes, votaes, articulaes e formulaes. o parlamen-tar que, isoladamente ou em conjunto com outras foras, capaz de criar seu papel e o contexto para desempenh-lo, explica o DIAP.

    O grupo gacho Cachor-ro Grande, que em 2012 le-vou uma multido ao Ga-rajo para um explosivo e histrico show, volta a se apresentar no espao cultural no prximo sbado (5), a par-tir das 20:00h. Com a expe-rincia de quem acumula 15 anos de estrada e sete lbuns de estdio, a banda conquis-tou uma legio de fs no Vale do Ao e regio.

    DIRIOPOPULARWWW.DIARIOPOPULARMG.COM.BR

    Regio Metropolitana do Vale do Ao - Ano IX - Nmero 2.229 - Quarta-feira - 2/09/2015 - R$ 1,00

    T R A G D I A E M B O E S T R E I A

    D E S T A Q U E

    N E G C I O S

    V A C I N A O R O C K

    V O L U N T A R I A D O

    O B R A SO empresrio Newton Paiva, 56 anos, que matou seis pessoas num acidente de trnsito no povoado Vila Go-mes, em Belo Oriente, em janeiro deste ano, foi captu-rado e j est preso em Au-cena. Newton estava em Jua-zeiro, na Bahia, trabalhando numa empresa de explorao mineral e foi detido ao ten-tar mudar a carteira de habi-litao de Minas Gerais para Bahia. Aps a priso, Newton Paiva disse que tentava ultra-passar uma carreta que estava em sua frente quando se de-parou com outra que vinha no sentido contrrio. O mo-torista disse que desviou do veculo e depois no se lem-

    bra de mais nada. Eu no me recordo de ter atingido as vtimas. Fiquei com muito medo de ser linchado e fugi. Fiquei ferido e pedi ajuda na estrada, contou.

    Comea nesta quarta-feira (2), em Ipatinga, a VI edio do Fomenta Minas, iniciati-va do Servio de Apoio s Mi-cro e Pequenas Empresas (Se-brae/MG) em parceria com a Prefeitura de Ipatinga. A aber-tura oficial do evento aconte-ce a partir das 19h, no audit-rio da Fiemg (antigo CDP da Usiminas), no bairro Horto, e

    ter a palestra Comunicao Eficaz e Perspectivas de Neg-cios, ministrada pelo especia-lista Guto Abranches. Parale-lamente, o Tribunal de Contas do Estado realiza a segunda rodada do Encontro Tcni-co TCEMG e os Municpios 2015. Desta vez, o tema ser Gesto Oramentria e Res-ponsabilidade Fiscal.

    A campanha de vacinao contra a plio em Coronel Fa-briciano j atingiu a meta pre-conizada pelo Ministrio da Sade, que de 95% do p-blico-alvo. Na cidade j foram vacinados 95,7%, o que cor-responde a 6.200 crianas en-tre seis meses e cinco anos in-completos. Em Ipatinga, mais de 13 mil crianas entre seis meses e cinco anos incomple-

    tos j esto protegidas contra a paralisia infantil (poliomie-lite) em Ipatinga. O nmero representa 91% do pblico-alvo no municpio, estimado em 14,3 mil. Apesar de prxi-mo de atingir a meta estipula-da pelo Ministrio da Sade, a Secretaria de Sade de Ipa-tinga decidiu pela prorroga-o da campanha at o dia 10 de setembro.

    A prefeita Ceclia Ferra-menta visitou ontem s obras de construo do Complexo Esportivo e Centro de Convi-vncia do Morro do Sossego. Acompanhada de vereado-res, secretrios e comunidade, a prefeita inspecionou o can-

    teiro de obras que comeou a funcionar h 20 dias, aps a concluso do processo licita-trio realizado pela Prefeitura. O projeto est orado em R$ 549 mil e conta com recursos economizados pela Cmara, do total repassado anualmen-

    te pelo Executivo para cobrir gastos do Legislativo. Cec-lia tambm assinou a Ordem de Servio para o incio das obras da quadra coberta da Escola Municipal Jaime Mo-rais Quinto, no bairro Jar-dim Panorama.

    Pgina 5

    Pgina 3

    Pgina 7 Pgina 4 Pgina 7

    Pgina 3

    Pgina 8

    Pgina 7

    Newton estava na Bahia

    A prefeita Ceclia Ferramenta e comitiva durante visita s obras no Morro do Sossego

    A banda Cachorro Grande conquistou uma legio de fs na regio

    Motorista que matou seis pessoas disse que fugiu temendo ser linchado

    Ceclia visita obra no Morro doSossego e assina OS em escola

    Fomenta Minas comeahoje no auditrio da Fiemg

    Fabriciano atinge meta contra Plio; Ipatinga vacina at dia 10

    Arquivo DP

    Secom PMI

    Mano Menezes assume lugar de Luxa no Cruzeiro

    Anastasia um dos Cabeas do Congresso

    Cachorro GrandeVolta a Ipatinga

    Dia V completa 15 anos

    A T L T I C O

    Josu vive expectativa de enfrentarAtltico-PR

    Pgina 8

  • Dirio Popular Quarta-feira, 2 de setembro de 2015 OPINIO2

    DIRETOR RESPONSVELFernando Benedito Jr.

    O DIRIO POPULAR uma publicao de A Gazeta Metropolitana Editora e Gr ca LTDA.CNPJ 07.366.171/0001-88FALE CONOSCOTelefone: 3827-0369.diariopopular.redacao@gmail.com ADMINISTRAO E REDAOAvenida JK, 1290, bairro Jardim Panorama, IpatingaCEP 35.164-245OFICINARua Xingus, 615, Iguau, Ipatinga

    www.diariopopularmg.com.br

    FRASESS dedura

    quem tem o que dedurar.

    Do presidente da construtora Odebrecht, Marcelo

    Odebrecht, preso desde junho na Operao Lava Jato

    Conheo bem os condiciona-lismos que

    conduziram a essa deciso.

    Sei que se trata de um drama existencial e

    moral,Do papa Francisco pedindo

    aos padres que durante o Jubileu da Misericrdia,

    perdoem o aborto.

    A grave situao das contas

    pblicas federais, estaduais e

    municipais s ser superada com reformas

    urgentes, focadas na

    solidariedade federativa.

    Da senadora Ana Amlia (PP-RS) a rmando que, ao prever

    um d cit de R$ 30 bilhes em 2016, a proposta do Oramento

    da Unio para o ano que vem re ete a incompetncia do

    governo.

    E S P A O P B L I C O

    Drio de Freitas se apresenta na Happy Hour do Shopping

    Desemprego em alta: para onde nos

    leva o ajuste scal?

    TEMPO

    ARTIGO

    A m de preservar as conquistas dos anos 2003 a 2014 e continuar avanando na melhoria dos ndices do mercado de trabalho - do qual depende a grande maioria dos brasileiros - necessrio que o Estado retome seu papel de indutor de inves-timentos o mais rpido possvel

    O Instituto Brasileiro de Geogra a e Estatstica (IBGE) anun-ciou que a taxa de desocupao do segundo trimestre de 2015 foi de 8,3% (medida de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domiclio Trimestral), a maior desde 2012, quando o levantamento comeou a ser realizado.

    O desemprego no segundo trimestre do presente ano foi maior que no trimestre anterior (7,9%) e maior que no segun-do semestre de 2014 (6,8%). Os dados tambm mostram que a renda mdia real caiu 0,5% em relao ao trimestre anterior, apesar de ainda acumular alta de 1,4% em relao ao mesmo trimestre no ano passado.

    Considerando as regies do pas, no segundo trimestre de 2015, em relao ao segundo semestre de 2014, a taxa de de-socupao cresceu em todas elas: Norte (de 7,2% para 8,5%), Nordeste (de 8,8% para 10,3%), Sudeste (de 6,9% para 8,3%), Sul (de 4,1% para 5,5%) e Centro-Oeste (de 5,6% para 7,4%).

    Se para o geral da populao a taxa foi estimada em 8,3%, para os homens foi de 7,1% e para as mulheres de 9,8%. Entre os jovens de 18 a 24 anos de idade, a taxa foi de 18,6%. Quanto a nveis de escolaridade, para pessoas com ensino mdio in-completo, a taxa foi de 13,8%; para nvel superior incompleto de 9,7% e para nvel superior completo foi de 4,1%.

    Essa estrati cao das taxas de desocupao de acordo com gnero, idade e escolaridade so uma pequena amostra das desigualdades que se reproduzem no mercado de trabalho brasileiro. Tais desigualdades no mercado de trabalho, por sua vez, so uma pequena mostra das desigualdades sociais exis-tentes na nossa sociedade.

    As desigualdades no mercado de trabalho brasileiro se expressam em uma informalidade estrutural, altas taxas de desemprego, baixo rendimento mdio, altssima rotatividade, entre outras caractersticas que fazem com que, na prtica, o trabalhador tenha poucos direitos trabalhistas garantidos e que toda a economia sofra com a baixa produtividade.

    No entanto, os anos 2000, mais precisamente de 2003 a 2014, tinham sido considerados por analistas como um per-odo de estruturao do mercado de trabalho brasileiro, com a queda consistente do desemprego, crescimento da forma-lizao, combinado ao crescimento da renda mdia. Parecia que nalmente diversos problemas estruturais do mercado de trabalho brasileiro estavam sendo resolvidos.

    A economia, porm, comeou a desacelerar j no ano de 2014. Ainda, a mudana da poltica econmica a partir de 2015, com a adoo de uma poltica pr-cclica, corte de gas-tos e diminuio de investimentos, agravou o cenrio de de-sacelerao, com rebatimentos muito diretos no mercado de trabalho, que se traduzem neste aumento do desemprego e queda (ainda que pequena) da renda, como mostram os da-dos do IBGE: se em 2014 no se podia falar em crise no mer-cado de trabalho, os indicadores de 2015 no apontam um horizonte muito otimista.

    Entende-se que a poltica de ajuste scal do governo federal, como adotada at aqui, tender a agravar ainda mais a situao do crescimento econmico e do mercado de trabalho, podendo tambm levar a agravar os descontentamentos da populao.

    De fato, alguns diagnsticos talvez at partilhados por parte da equipe econmica atual apregoam que seria neces-srio que a renda real caia e o desemprego aumente para que haja retomada do crescimento, como se os ganhos dos tra-balhadores dos ltimos anos (considerados por outros como avanos civilizatrios) fossem empecilhos.

    No entanto, at agora, apesar dos inmeros cortes realiza-dos, o governo vem revendo a cada vez a meta de supervit s-cal para o ano de 2015, justamente porque o corte afetou no s as despesas, mas tambm as receitas do governo: o ajuste tem agravado a tendncia recessiva.

    A m de preservar as conquistas dos anos 2000 e continuar avanando na melhoria dos ndices do mercado de trabalho do qual depende a grande maioria dos brasileiros necess-rio que o Estado retome seu papel de indutor de investimentos o mais rpido possvel.

    Isso ou os anos 2000 vo parecer uma iluso de tica den-tro da desigualdade estrutural brasileira: logo as melhorias que tinham sido alcanadas s sero lembranas.

    Parcialmente nublado a claro

    MXIMA: 33 CMNIMA: 16 CUMIDADE MXIMA: 90%UMIDADE MNIMA: 40%

    VALE DO AO Quarta-feira

    2 de setembro

    Hoje para cuidar da Terra como nos sugeriu deta-lhadamente o Papa Francisco em sua encclica Cuidado da Casa Comum exige-se uma converso ecolgica global, mudanas profundas nos estilos de vida, nos modelos de produo e de consumo, nas estruturas consolidadas de poder(n.5). Esse propsito jamais ser alcanado seno amarmos efetivamente a Terra como nossa Me e soubermos renunciar e at sofrer para ga-rantir sua vitalidade para ns e para toda a comunidade de vida (n.223). A Me Terra a base que tudo sustenta e alimenta. Ns no podemos viver sem ela. A sistemtica agresso que sofreu nos ltimos sculos tiraram-lhe o equilbrio necessrio. Eventualmente, poder continuar pelos sculos afora, mas sem ns.

    No dia 13 de agosto deste ano ocorreu o Dia da So-brecarga da Terra (The Overshoot Day), dia em que se constatou a ultrapassagem da biocapacidade da Terra em atender as demandas humanas. Precisa-se de 1,6 pla-neta para atend-las. Em outras palavras. Isso demonstra que o nosso estilo de vida insustentvel. Nesse clculo no esto incluidas as demandas da inteira comunidade de vida. Isso torna mais urgente a nossa responsabilidade pelo futuro da Terra, de nossos companheiros de cami-nhada terrenal e de nosso projeto planetrio.

    Como cuidar da Terra? Em primeiro lugar h que considerar a Terra como um Todo vivo, sistmico no qual todas as partes se encontram interdependentes e interrelacionadas. A Terra-Gaia fundamentalmente constituda pelo conjunto de seus ecossistemas e com a imensa biosdiversdade que neles existe e com todos os seres animados e inertes que coexistem e sempre se interrelacionam como no se cansa de a rmar o texto papal, bem na linha do novo paradigma ecolgico.

    Cuidar da Terra como um todo orgnico manter as condies pr-existentes h milhes e milhes de anos que propiciam a continuidade da Terra, um super Ente vivo, Gaia. Cuidar de cada ecosistema compre-ender as singularidades de cada um, sua resilincia, sua capacidade de reproduo e de manter as relaes de colaborao e mutualidade com todos os demais j que tudo relacionado e includente. Compreender o ecosistema dar-se conta dos desequilbrios que po-dem ocorrer por interferncias irresponsveis de nossa cultura, voraz de bens e servios.

    Cuidar da Terra principalmente cuidar de sua in-tegridade e vitalidade. no permitir que biomas intei-ros ou toda uma vasta regio seja desmatada e assim se degrade, alterando o regime das chuvas. Importante assegurar a integridade de toda a sua biocapacida-de. Isso vale no apenas para os seres orgnicos vivos e visveis, mas principalmente para os microorganis-mos. Na verdade, so eles os ignotos trabalhadores que sustentam a vida do Planeta. Diz-nos o eminente bilogo Edward Wilson que num s grama de terra, ou seja, menos de um punhado de cho, vivem cerca de 10 bilhes de bactrias, pertencentes a at 6 mil espcies

    diferentes(A criao, 2008,p.26). Por a se demonstra, empiricamente, que a Terra est viva e realmente Gaia, superorganismo vivente e ns, a poro cons-ciente e inteligente dela.

    Cuidar da Terra cuidar dos commons, quer dizer, dos bens e servios comuns que ela gratuitamente ofe-rece a todos os seres vivos como gua, nutrientes, ar, sementes, bras, climas etc. Estes bens comuns, exata-mente por serem comuns, no podem ser privatizados e entrar como mercadorias no sistema de negcios como est ocorrendo velozmente em todas as partes. A Avaliao Ecosistmica do Milnio, inventrio pedi-do pela ONU de uns anos atrs, no qual participaram 1.360 especialistas de 95 pases e revisados por outros 800 cientistas trouxeram resultados amedrontadores. Entre os 24 servios ambientais, essenciais para a vida, como gua, ar limpo, climas regulados, sementes, ali-mentos, energia, solos, nutrientes e outros, 15 estavam altamente degradados. Isto sinaliza claramente que as bases que sustentama vida esto ameaadas.

    De ano para ano, todos os ndices esto piorando. No sabemos quando esse processo destrutivo vai pa-rar ou se transformar numa catstrofe. Havendo uma in exo decisiva como o temido aquecimento abrup-to, que faria o clima subir entre 4-6 graus Celsius, como advertiu a comunidade cient ca norte-americana, conheceramos dizimaes apocalpticas afetando milhes de pessoas. Temos con ana de que iremos ainda despertar. Mais que tudo cremos que Deus o Senhor soberano amante da vida(Sb 11,26) e no dei-xar acontecer semelhante Armagedom.

    Cuidar da Terra cuidar de sua beleza, de suas paisagens, do esplendor de suas orestas, do encanto de suas ores, da diversidade exuberante de seres vivos da fauna e ora.

    Cuidar da Terra cuidar de sua melhor produo que somos ns seres humanos, homens e mulheres especialmente os mais vulnerveis. Cuidar da Terra cuidar daquilo que ela atravs de nosso gnio produziu em culturas to diversas, em lnguas to numerosas, em arte, em cincia, em religio, em bens culturais es-pecialmente em espiritualidade e religiosiadade pelas quais nos damos conta da presena da Suprema Reali-dade que subjaz a todos os seres e nos carrega na pal-ma de sua mo.

    Cuidar da Terra cuidar dos sonhos que ela suscita em ns, de cujo material nascem os santos, os sbios, os artistas, as pessoas que se orientam pela luz e tudo o que de sagrado e amoroso emergiu na histria.

    Cuidar da Terra , nalmente, cuidar do Sagrado que arde em ns e que nos convence de que melhor abraar o outro do que rejeit-lo e que a vida vale mais que todas as riquezas deste mundo. Ento ela ser de fato a Casa Comum do Ser.

    Como cuidar de nossa Casa ComumARTIGO

    FIEMG RVA

    O msico Drio de Feitas se apresenta nes-ta quarta (2), na Happy Hour do Shopping do Vale, a partir das 18:30h, na Praa de Alimen-tao e Lazer. Drio de Freitas um grande defensor da Msica Popular Brasileira e de seus inmeros talentos, muitos esquecidos e at desconhecidos do grande pblico. Por isso, Drio criou o projeto Tons do Brasil com o ob-jetivo de valorizar a MPB atravs de releituras de canes que nem sempre esto no setlist de emissoras de rdio ou grandes intrpretes. Ao lado de Drio, se apresenta o multiinstru-mentista Z Russo. Ambos pesquisam o rico acervo musical do pas procura de novas can-es para compor sua j bem variada relao de msicas. Segundo Drio, que tambm radialista, o pblico vai se deliciar com can-es de Z Ramalho, Tadeu Franco, Bubuska, Oswaldo Montenegro, Ednardo, Caetano Ve-loso, entre outros.

    (*) Leonardo Bo

    (*) Ana Luza Matos de Oliveira

    (*) Ana Luza Matos de Oliveira economista (UFMG), mestra e doutoranda em Desenvolvimento Econmico

    (Unicamp). Colaboradora do site Brasil Debate, onde este artigo foi originalmente publicado.(*) Leonardo Bo telogo e escritor.

  • Dirio Popular Quarta-feira, 2 de setembro de 2015 OPINIO2

    DIRETOR RESPONSVELFernando Benedito Jr.

    O DIRIO POPULAR uma publicao de A Gazeta Metropolitana Editora e Gr ca LTDA.CNPJ 07.366.171/0001-88FALE CONOSCOTelefone: 3827-0369.diariopopular.redacao@gmail.com ADMINISTRAO E REDAOAvenida JK, 1290, bairro Jardim Panorama, IpatingaCEP 35.164-245OFICINARua Xingus, 615, Iguau, Ipatinga

    www.diariopopularmg.com.br

    FRASESS dedura

    quem tem o que dedurar.

    Do presidente da construtora Odebrecht, Marcelo

    Odebrecht, preso desde junho na Operao Lava Jato

    Conheo bem os condiciona-lismos que

    conduziram a essa deciso.

    Sei que se trata de um drama existencial e

    moral,Do papa Francisco pedindo

    aos padres que durante o Jubileu da Misericrdia,

    perdoem o aborto.

    A grave situao das contas

    pblicas federais, estaduais e

    municipais s ser superada com reformas

    urgentes, focadas na

    solidariedade federativa.

    Da senadora Ana Amlia (PP-RS) a rmando que, ao prever

    um d cit de R$ 30 bilhes em 2016, a proposta do Oramento

    da Unio para o ano que vem re ete a incompetncia do

    governo.

    E S P A O P B L I C O

    Drio de Freitas se apresenta na Happy Hour do Shopping

    Desemprego em alta: para onde nos

    leva o ajuste scal?

    TEMPO

    ARTIGO

    A m de preservar as conquistas dos anos 2003 a 2014 e continuar avanando na melhoria dos ndices do mercado de trabalho - do qual depende a grande maioria dos brasileiros - necessrio que o Estado retome seu papel de indutor de inves-timentos o mais rpido possvel

    O Instituto Brasileiro de Geogra a e Estatstica (IBGE) anun-ciou que a taxa de desocupao do segundo trimestre de 2015 foi de 8,3% (medida de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domiclio Trimestral), a maior desde 2012, quando o levantamento comeou a ser realizado.

    O desemprego no segundo trimestre do presente ano foi maior que no trimestre anterior (7,9%) e maior que no segun-do semestre de 2014 (6,8%). Os dados tambm mostram que a renda mdia real caiu 0,5% em relao ao trimestre anterior, apesar de ainda acumular alta de 1,4% em relao ao mesmo trimestre no ano passado.

    Considerando as regies do pas, no segundo trimestre de 2015, em relao ao segundo semestre de 2014, a taxa de de-socupao cresceu em todas elas: Norte (de 7,2% para 8,5%), Nordeste (de 8,8% para 10,3%), Sudeste (de 6,9% para 8,3%), Sul (de 4,1% para 5,5%) e Centro-Oeste (de 5,6% para 7,4%).

    Se para o geral da populao a taxa foi estimada em 8,3%, para os homens foi de 7,1% e para as mulheres de 9,8%. Entre os jovens de 18 a 24 anos de idade, a taxa foi de 18,6%. Quanto a nveis de escolaridade, para pessoas com ensino mdio in-completo, a taxa foi de 13,8%; para nvel superior incompleto de 9,7% e para nvel superior completo foi de 4,1%.

    Essa estrati cao das taxas de desocupao de acordo com gnero, idade e escolaridade so uma pequena amostra das desigualdades que se reproduzem no mercado de trabalho brasileiro. Tais desigualdades no mercado de trabalho, por sua vez, so uma pequena mostra das desigualdades sociais exis-tentes na nossa sociedade.

    As desigualdades no mercado de trabalho brasileiro se expressam em uma informalidade estrutural, altas taxas de desemprego, baixo rendimento mdio, altssima rotatividade, entre outras caractersticas que fazem com que, na prtica, o trabalhador tenha poucos direitos trabalhistas garantidos e que toda a economia sofra com a baixa produtividade.

    No entanto, os anos 2000, mais precisamente de 2003 a 2014, tinham sido considerados por analistas como um per-odo de estruturao do mercado de trabalho brasileiro, com a queda consistente do desemprego, crescimento da forma-lizao, combinado ao crescimento da renda mdia. Parecia que nalmente diversos problemas estruturais do mercado de trabalho brasileiro estavam sendo resolvidos.

    A economia, porm, comeou a desacelerar j no ano de 2014. Ainda, a mudana da poltica econmica a partir de 2015, com a adoo de uma poltica pr-cclica, corte de gas-tos e diminuio de investimentos, agravou o cenrio de de-sacelerao, com rebatimentos muito diretos no mercado de trabalho, que se traduzem neste aumento do desemprego e queda (ainda que pequena) da renda, como mostram os da-dos do IBGE: se em 2014 no se podia falar em crise no mer-cado de trabalho, os indicadores de 2015 no apontam um horizonte muito otimista.

    Entende-se que a poltica de ajuste scal do governo federal, como adotada at aqui, tender a agravar ainda mais a situao do crescimento econmico e do mercado de trabalho, podendo tambm levar a agravar os descontentamentos da populao.

    De fato, alguns diagnsticos talvez at partilhados por parte da equipe econmica atual apregoam que seria neces-srio que a renda real caia e o desemprego aumente para que haja retomada do crescimento, como se os ganhos dos tra-balhadores dos ltimos anos (considerados por outros como avanos civilizatrios) fossem empecilhos.

    No entanto, at agora, apesar dos inmeros cortes realiza-dos, o governo vem revendo a cada vez a meta de supervit s-cal para o ano de 2015, justamente porque o corte afetou no s as despesas, mas tambm as receitas do governo: o ajuste tem agravado a tendncia recessiva.

    A m de preservar as conquistas dos anos 2000 e continuar avanando na melhoria dos ndices do mercado de trabalho do qual depende a grande maioria dos brasileiros necess-rio que o Estado retome seu papel de indutor de investimentos o mais rpido possvel.

    Isso ou os anos 2000 vo parecer uma iluso de tica den-tro da desigualdade estrutural brasileira: logo as melhorias que tinham sido alcanadas s sero lembranas.

    Parcialmente nublado a claro

    MXIMA: 33 CMNIMA: 16 CUMIDADE MXIMA: 90%UMIDADE MNIMA: 40%

    VALE DO AO Quarta-feira

    2 de setembro

    Hoje para cuidar da Terra como nos sugeriu deta-lhadamente o Papa Francisco em sua encclica Cuidado da Casa Comum exige-se uma converso ecolgica global, mudanas profundas nos estilos de vida, nos modelos de produo e de consumo, nas estruturas consolidadas de poder(n.5). Esse propsito jamais ser alcanado seno amarmos efetivamente a Terra como nossa Me e soubermos renunciar e at sofrer para ga-rantir sua vitalidade para ns e para toda a comunidade de vida (n.223). A Me Terra a base que tudo sustenta e alimenta. Ns no podemos viver sem ela. A sistemtica agresso que sofreu nos ltimos sculos tiraram-lhe o equilbrio necessrio. Eventualmente, poder continuar pelos sculos afora, mas sem ns.

    No dia 13 de agosto deste ano ocorreu o Dia da So-brecarga da Terra (The Overshoot Day), dia em que se constatou a ultrapassagem da biocapacidade da Terra em atender as demandas humanas. Precisa-se de 1,6 pla-neta para atend-las. Em outras palavras. Isso demonstra que o nosso estilo de vida insustentvel. Nesse clculo no esto incluidas as demandas da inteira comunidade de vida. Isso torna mais urgente a nossa responsabilidade pelo futuro da Terra, de nossos companheiros de cami-nhada terrenal e de nosso projeto planetrio.

    Como cuidar da Terra? Em primeiro lugar h que considerar a Terra como um Todo vivo, sistmico no qual todas as partes se encontram interdependentes e interrelacionadas. A Terra-Gaia fundamentalmente constituda pelo conjunto de seus ecossistemas e com a imensa biosdiversdade que neles existe e com todos os seres animados e inertes que coexistem e sempre se interrelacionam como no se cansa de a rmar o texto papal, bem na linha do novo paradigma ecolgico.

    Cuidar da Terra como um todo orgnico manter as condies pr-existentes h milhes e milhes de anos que propiciam a continuidade da Terra, um super Ente vivo, Gaia. Cuidar de cada ecosistema compre-ender as singularidades de cada um, sua resilincia, sua capacidade de reproduo e de manter as relaes de colaborao e mutualidade com todos os demais j que tudo relacionado e includente. Compreender o ecosistema dar-se conta dos desequilbrios que po-dem ocorrer por interferncias irresponsveis de nossa cultura, voraz de bens e servios.

    Cuidar da Terra principalmente cuidar de sua in-tegridade e vitalidade. no permitir que biomas intei-ros ou toda uma vasta regio seja desmatada e assim se degrade, alterando o regime das chuvas. Importante assegurar a integridade de toda a sua biocapacida-de. Isso vale no apenas para os seres orgnicos vivos e visveis, mas principalmente para os microorganis-mos. Na verdade, so eles os ignotos trabalhadores que sustentam a vida do Planeta. Diz-nos o eminente bilogo Edward Wilson que num s grama de terra, ou seja, menos de um punhado de cho, vivem cerca de 10 bilhes de bactrias, pertencentes a at 6 mil espcies

    diferentes(A criao, 2008,p.26). Por a se demonstra, empiricamente, que a Terra est viva e realmente Gaia, superorganismo vivente e ns, a poro cons-ciente e inteligente dela.

    Cuidar da Terra cuidar dos commons, quer dizer, dos bens e servios comuns que ela gratuitamente ofe-rece a todos os seres vivos como gua, nutrientes, ar, sementes, bras, climas etc. Estes bens comuns, exata-mente por serem comuns, no podem ser privatizados e entrar como mercadorias no sistema de negcios como est ocorrendo velozmente em todas as partes. A Avaliao Ecosistmica do Milnio, inventrio pedi-do pela ONU de uns anos atrs, no qual participaram 1.360 especialistas de 95 pases e revisados por outros 800 cientistas trouxeram resultados amedrontadores. Entre os 24 servios ambientais, essenciais para a vida, como gua, ar limpo, climas regulados, sementes, ali-mentos, energia, solos, nutrientes e outros, 15 estavam altamente degradados. Isto sinaliza claramente que as bases que sustentama vida esto ameaadas.

    De ano para ano, todos os ndices esto piorando. No sabemos quando esse processo destrutivo vai pa-rar ou se transformar numa catstrofe. Havendo uma in exo decisiva como o temido aquecimento abrup-to, que faria o clima subir entre 4-6 graus Celsius, como advertiu a comunidade cient ca norte-americana, conheceramos dizimaes apocalpticas afetando milhes de pessoas. Temos con ana de que iremos ainda despertar. Mais que tudo cremos que Deus o Senhor soberano amante da vida(Sb 11,26) e no dei-xar acontecer semelhante Armagedom.

    Cuidar da Terra cuidar de sua beleza, de suas paisagens, do esplendor de suas orestas, do encanto de suas ores, da diversidade exuberante de seres vivos da fauna e ora.

    Cuidar da Terra cuidar de sua melhor produo que somos ns seres humanos, homens e mulheres especialmente os mais vulnerveis. Cuidar da Terra cuidar daquilo que ela atravs de nosso gnio produziu em culturas to diversas, em lnguas to numerosas, em arte, em cincia, em religio, em bens culturais es-pecialmente em espiritualidade e religiosiadade pelas quais nos damos conta da presena da Suprema Reali-dade que subjaz a todos os seres e nos carrega na pal-ma de sua mo.

    Cuidar da Terra cuidar dos sonhos que ela suscita em ns, de cujo material nascem os santos, os sbios, os artistas, as pessoas que se orientam pela luz e tudo o que de sagrado e amoroso emergiu na histria.

    Cuidar da Terra , nalmente, cuidar do Sagrado que arde em ns e que nos convence de que melhor abraar o outro do que rejeit-lo e que a vida vale mais que todas as riquezas deste mundo. Ento ela ser de fato a Casa Comum do Ser.

    Como cuidar de nossa Casa ComumARTIGO

    FIEMG RVA

    O msico Drio de Feitas se apresenta nes-ta quarta (2), na Happy Hour do Shopping do Vale, a partir das 18:30h, na Praa de Alimen-tao e Lazer. Drio de Freitas um grande defensor da Msica Popular Brasileira e de seus inmeros talentos, muitos esquecidos e at desconhecidos do grande pblico. Por isso, Drio criou o projeto Tons do Brasil com o ob-jetivo de valorizar a MPB atravs de releituras de canes que nem sempre esto no setlist de emissoras de rdio ou grandes intrpretes. Ao lado de Drio, se apresenta o multiinstru-mentista Z Russo. Ambos pesquisam o rico acervo musical do pas procura de novas can-es para compor sua j bem variada relao de msicas. Segundo Drio, que tambm radialista, o pblico vai se deliciar com can-es de Z Ramalho, Tadeu Franco, Bubuska, Oswaldo Montenegro, Ednardo, Caetano Ve-loso, entre outros.

    (*) Leonardo Bo

    (*) Ana Luza Matos de Oliveira

    (*) Ana Luza Matos de Oliveira economista (UFMG), mestra e doutoranda em Desenvolvimento Econmico

    (Unicamp). Colaboradora do site Brasil Debate, onde este artigo foi originalmente publicado.(*) Leonardo Bo telogo e escritor.

    Dirio Popular

    Quarta-feira, 2 de setembro de 2015 CIDADES 3O B R A S

    C R E D E N C I A M E N T O

    E C O N O M I A

    MORRO DO SOSSEGO GANHACENTRO DE CONVIVNCIA

    IPATINGA - A prefeita Ce-clia Ferramenta, juntamente com o presidente da Cmara, vereador Sebastio Guedes, os vereadores Saulo Manoel e Lene Teixeira, secretrios mu-nicipais e moradores fizeram uma visita s obras de cons-truo do Complexo Esporti-vo e Centro de Convivncia do Morro do Sossego, na tar-de desta tera-feira (1). Essa uma obra h muito tempo de-sejada pela comunidade, que estamos fazendo em parce-ria com a Cmara para garan-tir mais qualidade de vida aos moradores do Morro do Sos-sego, afirmou a prefeita.

    O canteiro de obras co-meou a funcionar h cerca de 20 dias, aps a concluso do processo licitatrio realiza-do pela Prefeitura. O projeto est orado em R$ 549 mil e conta com recursos economi-zados pela Cmara, do total repassado anualmente pelo Executivo para cobrir gastos do Legislativo. Estamos fa-

    zendo a nossa parte para con-tribuir com melhorias que atendam a comunidade, dis-se o presidente da Cmara. muita felicidade acompa-nhar a realizao de um so-nho, graas coragem da pre-feita e ao compromisso dos vereadores, agradeceu o pre-sidente da Associao de Mo-

    radores dos Bairros Morro do Sossego e Veneza II, Adilson Prudncio de Silva, 42 anos.

    O projeto desenvolvido pela Secretaria Municipal de Obras Pblicas (Semop) pre-v a construo de um quios-que, sala de reunies, um miniauditrio e banheiros, quadra poliesportiva, praa

    e mesa de jogos, miniacade-mia de ginstica e parquinho. O centro de convivncia est sendo construdo numa rea de 1,3 mil metros quadrados, localizada na Rua Tancredo Neves, e vai contar tambm com um mirante, de onde ser possvel apreciar uma bela paisagem da cidade.

    TIMTEO - Os idosos in-teressados obter a carteirinha para estacionamento de ve-culos devem fazer o credencia-mento junto ao Departamen-to de Trnsito e Transportes da Prefeitura de Timteo (rua Gardnia, 41, bairro Primave-ra). A carteirinha do idoso uma licena concedida pelo rgo de trnsito do domic-

    lio da pessoa a ser credencia-da, tendo validade em todo o territrio nacional.

    Os veculos estacionados nas vagas destinadas ao idoso devem exibir de forma visvel a credencial no painel do vecu-lo, com a frente voltada para cima. At o ms de agosto deste ano, o Municpio de Timteo confeccionou cerca de 500 cre-

    denciais, que permite em mbi-to municipal, alm da garantia vaga destinada ao idoso, a gra-tuidade no estacionamento.

    DOCUMENTOSPara ter direito a creden-

    cial os interessados devem ter 60 anos ou mais. Para con-feco da credencial os inte-ressados devem levar junto

    ao Departamento de Trnsi-to de Timteo os seguintes documentos: cpia Habilita-o ou Carteira de Identida-de (quando for apenas pas-sageiro); cpia comprovante de residncia; e 1 foto . O Departamento de Trnsito e Transportes funciona de se-gunda a sexta-feira, no hor-rio de 12h s 18h.

    IPATINGA - Comea nes-ta quarta-feira (2), em Ipatin-ga, a VI edio do Fomenta Minas, iniciativa do Servio de Apoio s Micro e Peque-nas Empresas (Sebrae/MG) em parceria com a Prefeitu-ra de Ipatinga. A abertura ofi-cial do evento acontece a par-tir das 19h, no auditrio da Fiemg (antigo CDP da Usi-minas), no bairro Horto, e ter a palestra Comunicao Eficaz e Perspectivas de Neg-cios, ministrada pelo espe-cialista Guto Abranches.

    Dividido em oficinas de ca-pacitao, encontro de opor-tunidades e painis temticos onde o pblico poder interagir com os palestrantes, o Fomen-ta Minas se estende at quin-ta-feira (3), com programao no Ipaminas, no bairro Cidade Nobre. O pblico-alvo so os compradores, fornecedores, in-tegrantes do poder pblico em geral e instituies parceiras.

    A iniciativa tem como objetivo orientar micro e pe-quenas empresas sobre os procedimentos de compras governamentais e aproxim-las de potenciais comprado-ras, ressalta o secretrio mu-nicipal de Desenvolvimento Econmico e Turismo, Ama-

    rildo Jos de Assis.

    NOVIDADEA novidade para VI Edi-

    o do Fomenta Minas, em Ipatinga, ser a realizao de preges presenciais do tipo menor preo pelas prefeituras de Ipatinga, Santana do Para-so, Belo Oriente e Coronel Fabriciano. Um consultor do Sebrae ficar disposio do pblico para esclarecer dvi-das sobre o processo de con-corrncia pblica. Sediaram o evento, em edies anterio-res, as cidades de Ouro Preto, Uberlndia, Juiz de Fora, Var-ginha e Montes Claros.

    Durante o Fomenta Mi-nas em Ipatinga, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) far mais uma rodada de en-contro tcnico com os munic-pios. A iniciativa visa debater questes como a importncia dos Consrcios Intermunici-pais, os efeitos tributrios da Lei Geral e a subcontratao nas compras pblicas.

    INFORMAESPara participar e conhecer

    a programao completa aces-se o site www.fomentaminas.com.br. Informaes tambm pelo telefone (31) 3829.8202.

    A prefeita Ceclia Ferramenta, vereadores e comunidade integraram a comitiva de visita s obras

    Secom PMI

    VI edio do Fomenta Minas comea nesta 4 em Ipatinga

    Carteirinha do idoso facilita estacionamento

    Ao som de fogos de artifcio, a comuni-dade escolar do bairro Jardim Panorama co-memorou o incio das obras de construo de uma quadra coberta com vestirio na Escola Municipal Jaime Morais Quinto. A prefeita Ceclia Ferramenta, assinou na segunda-feira a ordem de servio da obra, que comea nes-ta semana e ser executada por meio de uma parceria com o Fundo Nacional de Desenvol-vimento da Educao (FNDE).

    Representantes da comunidade escolar, da empreiteira responsvel pela obra, conse-lheiros municipais, alm dos vereadores Jua-rez Pires, Saulo Manoel, e Lene Teixeira marca-ram presena na solenidade. Apesar de tantas di culdades, nosso governo tm trazido con-quistas importantes para a cidade, destacou o presidente da Cmara Municipal, Sebastio Guedes, tambm presente no evento.

    A diretora da Escola Jaime Morais Quin-to, Ana Maria dos Santos, no escondeu a sua emoo ao ver um antigo desejo da comunidade se tornar realidade. Estamos vencendo uma batalha de quase 20 anos com o incio dessa obra. Ver o sonho dos professores e desta comunidade se realizar

    motivo de festa para ns, declarou.O investimento para a execuo da obra

    da ordem de R$ 695 mil, dos quais R$ 500

    mil foram captados junto ao governo federal e a contrapartida de R$ 195 mil vir de recur-sos prprios do municpio.

    No Panorama, as obras da quadra coberta realizam um sonho de mais de 20 anos

    Secom PMI

    Prefeita assina Ordem de Servio de quadraTCE debate em Ipatinga responsabilidade scal

    BH - O Tribunal de Contas (TCEMG) volta a percorrer o Estado

    realizando a segunda rodada do Encontro Tcnico TCEMG e os Mu-nicpios 2015. Desta vez, o tema ser Gesto Oramentria e Respon-sabilidade Fiscal. A primeira cidade a ser visitada Ipatinga, no Vale do Ao. O evento acontecer hoje (2) e amanh (3) e ser realizado conjuntamente com o evento Fomenta Minas. As inscries so gra-tuitas, j esto abertas, e devem ser feitas no site da Escola de Contas e Capacitao Professor Pedro Aleixo.

    O objetivo dos Encontros contribuir para a efetividade da gesto pblica por meio da capacitao de agentes pblicos que atuam nos 853 municpios mineiros. De acordo com o Coordenador de Capaci-tao da Escola de Contas, Gustavo Terra Elias, esses assuntos foram escolhidos por serem do interesse de todos que atuam com gesto pblica. Especialmente em tempos de crise econmica, completou.

  • IPATINGA Uma das maiores bandas brasileiras de rocknroll est de volta a Ipa-tinga. O grupo gacho Ca-chorro Grande, que em 2012 levou uma multido ao Gara-jo para um explosivo e hist-rico show, volta a se apresentar no espao cultural no prximo sbado (5), a partir das 20h. Com a experincia de quem acumula 15 anos de estrada e sete lbuns de estdio, a ban-da formada por Beto Bruno (vocal), Marcelo Gross (guitar-ra), Rodolfo Krieger (baixo), Pedro Pelotas (teclados) e Ga-briel Azambuja (bateria) con-quistou uma legio de fs no Vale do Ao e regio.

    O pblico do Garajo rei-vindicava h meses uma nova apresentao do Cachorro Grande. Diante da deman-da entramos em contato com a banda, que lembrou o quo magnfico foi o ltimo show, e facilitou as negociaes para uma nova apresentao. No temos dvida de que mais uma vez ser transcendental, afirma Nilmar Lage, responsvel pela contratao das bandas que se apresentam no espao cultural.

    COSTA DO MARFIMEm 2014 o Cachorro Gran-

    de lanou um novo disco inti-tulado Costa do Marfim. O lbum traz uma mistura da re-volucionria psicodelia sessen-tista aliada aos encantos do som ingls importado de Man-chester e que tomou o mundo de assalto nos anos 90. A ban-da mantm o seu o rocknroll inventivo e ousado, sem tirar os ps das suas amadas e cultuadas

    razes. No show de 2012, o Ca-chorro Grande estava lanando o lbum Baixa Augusta e, ago-ra, alm do repertrio com os grandes clssicos, vem apresen-tar galera da regio seu novo disco Costa do Marfim. A at-mosfera est bem semelhante com h de trs anos atrs, o que nos leva a no ter dvidas de que mais uma vez a banda vai deixar os roqueiros da regio ex-tasiados, prev Nilmar Lage.

    IPATINGA - O ator e pro-dutor Guilherme Oliveira en-cena o monlogo Homem Tudo Igual. Ser? Com texto de Carla Duque e direo de Eri Johnson, a pea uma di-vertida comdia sobre os eter-nos embates do relacionamen-to entre homem e mulher.

    Tecnologia, comportamen-to, igualdade de direitos, infor-mao, arte, tudo no mundo evolui e se transforma rapida-mente, mas quando o assunto o relacionamento entre o ho-mem e a mulher parece que a DR iniciada por Ado e Eva no acabou at hoje. Os te-mas que sempre permearam o amor e a incompreenso entre os sexos ganham novas cores no texto de Carla Duque, que passa longe do politicamente correto para expor o que vai na cabea de homens e mu-lheres quando os conflitos fa-lam mais alto.

    Apresentado no formato de palestra, o monlogo Ho-mem Tudo Igual. Ser? traz Guilherme Oliveira na pele de Carlos Eduardo, um terapeuta

    machista que quer pacificar os relacionamentos com con-selhos pr l de controvertidos. Ao longo de sua exposio, po-rm, vai ficando claro que os conceitos defendidos por Car-los Eduardo talvez no sejam assim to fceis de se aplicar.

    O espetculo marca a es-treia de Guilherme Oliveira em monlogos. Ator de com-dia, reconhecido por seus tra-balhos em espetculos como

    Lisbela e o Prisioneiro (que esteve recentemente em cartaz), Aqui se Faz, Aqui se Casa, Foi Bom, meu Bem? e Alfre-do Virou a Mo, entre outros, ele considera ter atingido a ma-turidade para subir ao palco so-zinho. H anos eu venho pen-sando em fazer um monlogo, que um desafio especial para qualquer ator. No tem esca-da, no tem deixa, descanso ou apoio para aliviar. A troca

    direta com a plateia e isso exi-ge muita concentrao e em-penho. D um frio na barriga, mas estou pronto para enfren-tar esse desafio, diz.

    O desafio no menor para Carla Duque, que tambm est dando os primeiros passos na dramaturgia. Eu quis fazer um texto leve e bem-humora-do, brincando com os estere-tipos sobre os relacionamentos e sobre como homens e mulhe-res veem a si prprios e ao ou-tro. Por mais que a gente tenha evoludo, o senso comum ain-da est carregado de vises tra-dicionais sobre o papel do ho-mem e da mulher. Se h mais liberdade, de um lado, de ou-tro os velhos conceitos ainda prevalecem, conta a autora.

    Dirio Popular Quarta-feira, 2 de setembro de 2015 CULTURA4

    A banda gacha tem 15 anos de estrada e sete lbuns de estdio

    Guilherme Oliveira vive Carlos Eduardo, um terapeuta que d conselhos sobre relacionamento em monlogo dirigido por Eri Johnson

    Divulgao

    Divulgao

    M S I C A I D I O M A

    C O M D I A

    CACHORRO GRANDE FAZ NOVO SHOW EM IPATINGA

    AVISO DE LICITAO - TOMADA DE PREOS N 013/2015 - O Municpio de Timteo, atravs da Comisso Permanente de Licitaes, nos termos da legislao vigente, Lei Federal n. 8.666, de 21/06/93 e alteraes, torna pblico que no dia 23 de setembro de 2015, s 14:00 horas, na sua sede, far realizar licitao, na modalidade Tomada de Preos n. 013/2015, PRO-CESSO ADMINISTRATIVO N. 243/2015, que tem por objeto a contratao de empresa de engenharia, pelo regime de emprei-tada por preo unitrio, tipo MENOR PREO GLOBAL, para execuo de obras de reforma do Salo Comunitrio Vicentino do Bairro So Cristvo, com fornecimento de materiais, con-forme convnio SETOP n 118/2014. O edital e seus Anexos es-taro disposio dos interessados na Prefeitura Municipal de Timteo/Departamento de Compras e Licitaes, situada Ave-nida Acesita, n. 3.230, Bairro So Jos, Timteo/MG, onde po-der ser adquirido pelo valor de R$20,00 (vinte reais). Timteo, 31 de agosto de 2015. Grace Aparecida Nunes - Presidente.

    PREFEITURA MUNICIPAL DE TIMTEO Av. Acesita, n 3230, Bairro So Jos, Timteo/MG CEP: 35182-901 - Telefax: (31) 3847-4701 / 3849-1734

    PREFEITURA DE SANTANA DO PARASO. AVISO Prego n 048/2015 Aquisio de microscpio, turbidmetro e clormetro. Abertura dia 16/09/2015 s 13 horas. Retirada do edital no www.santanadoparaso.mg.gov.br, informaes 31 3251 5448 de 12 s 18 horas. Helenice Ribeiro, Pregoeira, em 01/09/2015.

    PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DO PARASO

    PREFEITURA DE SANTANA DO PARASO. RESULTADO Prego n 046/2015 servios de sioterapia, fonoaudiologia pelo mtodo bobath e terapia ocupacional sensorial. O mes-mo correu deserto e ca remarcado para o dia 17/09/2015 s 13:00 hs. Helenice Ribeiro, Pregoeira, em 01/09/2015.

    PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DO PARASO

    S E R V I OA abertura do show ca por

    conta da banda Calibre 12, de Coronel Fabriciano. Os ingres-sos antecipados para o rock deste sbado no Garajo esto venda nas lojas Kim & Kris e Tenda, no Centro, na Chilli Beans (Shopping do Vale) e nos bares Confraria Brasileira (Horto) e Sucata (Cariru), em Ipatinga. Em Coronel Fabriciano podem ser adquiridos na Kahuna Tatoo e Body Piercing (Centro).

    Guilherme Oliveira estria monlogo bem humorado

    S E R V I OEspetculo: Homem tudo igual. Ser?Quando: 5/9/2015Onde: Centro Cultural UsiminasHorrio: 20:30Informaes: 3822- 3031Preo: R$ 40,00 inteira/R$20,00 meia entradaPreo promocional: R$20,00 at uma hora antes do espetculo

    Cultura Inglesa inscreve para exames de Cambridge

    IPATINGA - A Cultura In-glesa est com inscries aber-tas para os Exames de Cambrid-ge, que avaliam oficialmente a proficincia em ingls.

    H mais de 70 anos, a esco-la o centro aberto autorizado no Brasil pela Universidade de Cambridge para aplicao das provas e preparao dos candi-datos. Os exames testam habi-

    lidades de fala, escuta, leitura e escrita em situaes reais do idioma, e abrangem vrias fai-xas etrias, nveis de conheci-mento e diferentes propsitos. Alm de facilitar o acesso edu-cao internacional, a certifica-o um diferencial no merca-do de trabalho, j que inmeras empresas exigem comprovao do domnio da lngua inglesa.

  • Dirio Popular

    Quarta-feira, 2 de setembro de 2015 CIDADES 5T R A G D I A E M B O S I N I S T R O

    T R N S I T O

    A S S A L T O

    O P E R A O B A R A J A S

    Acusado de atropelar e matar seis pessoas j est preso em Aucena

    Carro pega fogo em Timteo e professoras escapam ilesas

    Design de acessrios morre em acidente de motocicleta

    Bandidos estouram caixa eletrnico e fazem refns

    Coiote preso em Ipatinga por imigrao ilegal para a Espanha

    AUCENA J se encon-tra no Presdio de Aucena o empresrio e ex-secretrio de Obras de Belo Oriente, Newton Paiva da Silva, de 56 anos, acusado de atropelar e matar seis pessoas na MG-758, no povoado Vila Gomes, em Belo Oriente. O mltiplo atropelamento aconteceu em janeiro deste ano, e desde en-to ele estava foragido.

    No dia 21 do ms passado, ele foi preso em Juazeiro, no Norte da Bahia. Newton esta-va trabalhando em uma em-presa de extrao mineral e foi detido ao tentar mudar a car-teira de habilitao de Minas Gerais para Bahia.

    VERSO No ltimo fim de semana,

    investigadores da Polcia Civil de Belo Oriente foram at o Estado baiano para recambiar o motorista ao Vale do Ao. Nesta tera-feira (1) ele foi apresentado imprensa e ten-tou explicar o ocorrido.

    Newton Paiva disse que ten-tava ultrapassar uma carreta

    que estava em sua frente quan-do se deparou com outra que vinha no sentido contrrio. O motorista disse que desviou do veculo e depois no se lembra de mais nada. Eu no me re-cordo de ter atingido as vtimas. Fiquei com muito medo de ser linchando e fugi. Fiquei ferido e pedi ajuda na estrada, contou.

    ACIDENTEO motorista conduzia o

    Ford Fusion placa OXA-1959,

    e ao tentar a manobra acabou atingindo pelo menos doze pes-soas, sendo que seis delas morre-ram: Eni Aparecida de Assis, de 46 anos; Maria Gomes Roque, de 67 anos; Ronaldo Ferreira, de 33 anos; Maria Piedade Assis, de 65 anos; Irani Simes Bitten-court, de 39 anos; e Ana Letcia Simes Ferreira, de 16 anos.

    A velocidade permitida no local onde ocorreu a tragdia de 40 km/h. Testemunhas disseram no inqurito policial

    que Newton estava em uma ve-locidade de aproximadamente 150km/h. Os resultados da pe-rcia no foram divulgados.

    De acordo com o delega-do Thiago Alves, que presidiu toda a investigao, Newton Paiva foi indiciado por embria-guez ao volante, homicdio culposo, leso corporal e por-te ilegal de munio, j que no dia dos fatos dentro do carro dele a polcia encontrou 20 cpsulas de calibre 38.

    TIMTEO Trs professo-ras escaparam ilesas de um in-cndio no incio da noite des-ta tera-feira (1) na BR-381, no trecho conhecido como tre-vo da Sinterizao. De acor-do com o Corpo de Bombei-ros, elas estavam em um Fiat 147 voltando de uma escola do distrito de Cachoeira do Vale

    quando pararam no semforo.As ocupantes disseram que

    ouviram um estouro, saram correndo e logo em seguida o carro comeou a pegar fogo. O Corpo de Bombeiros este-ve no local e apagou as chamas em poucos minutos. O trnsi-to ficou um pouco congestio-nado, mas ningum se feriu.

    TIMTEO O design de acessrios Jos Henrique Fer-reira, 26 anos, morreu em um trgico acidente na tarde desta tera-feira (1), no bairro Ale-gre, em Timteo. Segundo o Corpo de Bombeiros, o rapaz estava em uma moto trafegan-do pela avenida dos Rodovi-rios quando foi atingido por um caminho.

    A percia da Polcia Civil constatou marcas das rodas dos pneus no corpo da vtima que morreu na hora. As reais causas do acidente ainda sero apuradas e o laudo ser expe-

    dido em 30 dias.

    MARCAJos Jorge conhecido no

    Vale do Ao pela fabricao exclusiva de acessrios femini-nos e masculinos. H pouco tempo acabara de criar uma marca Jose Jorge Jewelry De-sign e segundo os amigos ele j estava expandindo o neg-cio para outras regies.

    Na pgina do Facebook de Jos Jorge, familiares e pa-rentes, ainda incrdulos com o ocorrido, deixaram mensa-gens de pesar e despedida.

    JAGUARAU Uma ao frustrada de exploso a um cai-xa eletrnico no Centro de Jaguarau deixou rastros de destruio e terror. Quatro ho-mens fizeram cinco refns e de-tonaram o equipamento na ma-drugada desta tera-feira (1). Os bandidos no conseguiram levar nenhuma quantia em di-nheiro e ningum se feriu.

    Uma das vtimas disse que por volta de 1h30 um homem chegou em sua borracharia e o chamou. Ao atender foi surpre-endido por quatro indivduos e roubaram um micro-nibus que estava estacionado no lo-cal. O borracheiro e a esposa dele foram colocados no vecu-lo e levados at Jaguarau.

    O ATAQUEDe acordo com a polcia,

    ao chegar no Centro da cida-de o grupo parou o micro-ni-bus em frente a agncia banc-ria, por volta das 3h da manh. Ainda conforme o relato da PM, os bandidos foram at ou-tro veculo, que tambm esta-va estacionado, e pegaram os equipamentos que foram utili-zados para explodir o caixa.

    Ainda conforme a PM, o grupo percebeu que prximo da agncia havia trs pessoas que esperavam um transporte p-blico para Belo Horizonte para tratamento de sade, e que tam-bm foram colocadas dentro do micro-nibus como refns.

    Uma das vtimas disse para a polcia que os bandidos que-braram a porta da agncia bancria e entraram no esta-belecimento e em seguida ex-plodiram o caixa, porm, no conseguiram acesso gaveta de dinheiro. Aps o crime, os bandidos fugiram em direo a localidade do Japo onde deixaram os refns e abando-naram o micro-nibus.

    ESTRAGOS

    Com a exploso, as por-tas de vidro da agncia se que-braram e parte da estrutura do caixa ficou danificada, mas o local com dinheiro ficou in-tacto. No local onde o micro-nibus foi abandonado foi en-contrado um maarico, uma marreta, uma alavanca e um capacete preto. Foi feito cerco e bloqueio, mas nenhum sus-peito foi encontrado.

    DA REDAO - A Po-lcia Federal em Minas Ge-rais deflagrou nesta tera-fei-ra (1) a Operao Barajas com o fim de desarticular uma quadrilha que praticava estelionatos contra brasilei-ros impedidos de entrarem na Espanha. Uma pessoa em Ipatinga acabou presa.

    As vtimas recebiam liga-es da estelionatria que, fa-zendo-se passar por funcion-rios do consulado brasileiro, solicitava transferncias de valo-res para que fosse providencia-do o desembarao migratrio e o ingresso no pas estrangeiro.

    Segundo a Polcia Fede-ral, o crime vem ocorrendo

    desde 2012 e, at o momen-to, foram identificadas 14 v-timas do golpe. Foram cum-pridos mandados de priso, busca e apreenso em Vila Velha/ES e em Ipatinga.

    Os envolvidos foram indi-ciados pelos crimes de estelio-nato e constituio de organi-zao criminosa, cujas penas mximas somadas atingem 13 anos de recluso. A asses-soria de comunicao da Po-lcia Federal informou que a pessoa presa em Ipatinga foi ouvida e levada para a Dele-gacia da Polcia Federal, em Belo Horizonte. Sobre os de-talhes da priso, a PF de BH no quis informar.

    Em atropelamento, Newton foi indiciado por quatro crimes

    Jos Jorge era conhecido na regio e estava expandindo seus negcios

    O veculo Fiat 147 explodiu e pegou fogo, mas ningum se feriu

    Arquivo DP

    Vander Andrade

  • BRASLIA - Os senadores comearam ontem a exami-nar proposta de reforma po-ltica da Cmara dos Deputa-dos que passou por mudanas em comisso temporria for-mada por senadores. O PLC 75/2015 modifica trs leis. Uma delas o Cdigo Eleito-ral (Lei 4.737/1965). O objeti-vo, nesse caso, fortalecer os partidos, cortar os custos das campanhas e disciplinar as do-aes e o repasse do dinheiro do Fundo Partidrio.

    O PLC 75/2015 estabele-ce que tanto empresas quanto as pessoas podem doar s cam-panhas eleitorais. As pessoas jurdicas, porm, esto autori-zadas a repassar recursos ape-nas aos partidos polticos. O valor doado limitado a 2% da receita do ano anterior transferncia do dinheiro at o mximo de R$ 10 milhes. Cada agremiao pode rece-ber 0,5% do total.

    Ao texto foram apresenta-dos nove emendas de Plen-rio, que so sugestes de modi-ficaes no texto. Pelo menos duas delas probem a doao

    de pessoas jurdicas s campa-nhas polticas.

    DOAESAo comentar sobre reforma

    poltica, o senador Jorge Viana (PT-AC) reiterou em Plenrio nesta tera-feira (1) que as doa-es empresariais a candidatos e a partidos devem ser proibi-das. Ele tambm pediu apoio da Casa sua emenda que tor-

    na crime a prtica de caixa dois na poltica. O senador, que pre-sidiu a comisso temporria de reforma poltica, apresentou emenda de Plenrio ao PLC 75/2015, que est em votao e altera regras eleitorais.

    Jorge Viana considera que o fim das contribuies de em-presas contribuir para a mora-lizao das eleies, desde que seja estabelecido tambm um

    teto para doaes de pessoas f-sicas. O senador admite que a reforma poltica envolve um de-bate difcil, mas necessrio.

    - Os milionrios, os dos es-quemas, vo ter dificuldade, e aqueles que fazem a luta partid-ria por ideal, por ideologia, por compromisso com movimentos sociais, por compromissos par-tidrios, vo ter uma condio de apresentar suas propostas.

    BRASLIA - O presiden-te da Cmara, deputado Edu-ardo Cunha (PMDB-RJ), reu-niu-se ontem (1) tarde com a presidenta Dilma Rousseff no Palcio do Planalto, onde conversaram sobre a situao econmica, a proposta ora-mentria enviada ontem (31) ao Congresso e a situao ge-ral do Brasil.

    Foi uma conversa institu-cional. Ela me convidou para ir ao Palcio e aceitei normalmen-te, como farei sempre que for necessrio, disse Cunha. Esse foi o primeiro encontro entre os dois aps Cunha anunciar, em 17 de julho, o rompimento poltico com o governo.

    Eduardo Cunha informou que a presidenta detalhou a proposta oramentria e que eles debateram a matria, en-caminhada ontem ao Con-gresso com previso de dfi-cit de cerca de R$ 30 bilhes. Debatemos a pea oramen-tria e a situao conjuntural do pas. Tenho minha viso sobre o processo econmico que, s vezes, destoa um pou-

    co da viso colocada pela equi-pe econmica.

    Segundo o presidente da Cmara, a conversa com a pre-sidenta Dilma Rousseff foi institucional e apenas sobre o momento vivido pelo Brasil.

    A presidenta no me pe-diu nada. Foi uma conversa institucional e deixou o dilo-go em aberto. Foi uma conver-sa sincera sobre a situao do pas. Ela no me fez propria-

    mente um pedido. Debateu a situao e me pediu apoio para que medidas possam ser tomadas, a fim de que possa-mos ter uma soluo estrutu-ral para o processo. De acor-do com Cunha, a presidenta no falou nem pediu apoio para medidas que gerem au-mento de impostos.

    Segundo o deputado, a presidenta afirmou que 93% do Oramento esto vincu-

    lados e no h como se cor-tar. Disse presidenta que o maior problema que a arre-cadao caiu muito mais que a retrao do Produto Inter-no Bruto [PIB], o que ocor-reu pela perda de confiana na economia como um todo. Disse tambm que preciso buscar medidas que ajudem a retomar a confiana, de modo que a arrecadao pare de cair e volte a crescer.

    Dirio Popular Quarta-feira, 2 de setembro de 2015 BRASIL6

    Sesso do Senado que iniciou os debates sobre a reforma poltica

    O presidente da Cmara Eduardo Cunha disse que foi uma conversa institucional

    Agncia Senado

    Agncia Brasil

    2 E T A P A I N Q U R I T O

    T E I M O S I A

    L A V A J A T O

    C O N J U N T U R A

    SENADORES COMEAM A VOTAR REFORMA POLTICA

    Cunha e Dilma discutem situao econmica do Pas

    Advogado que ameaou Dilma vai ser investigado

    Gilmar Mendes insiste em investigar Presidenta

    PF indicia 14 investigados

    BRASLIA - O ministro da Justia, Jos Eduardo Car-dozo, determinou ontem (1) que a Polcia Federal abra in-qurito para apurar as decla-raes do advogado Matheus Sathler, que em vdeo divulga-do pela internet no dia 25 de agosto, disse que, caso a pre-sidenta da Repblica, Dilma Rousseff, no deixe o cargo, ir arrancar sua cabea.

    Assuma seu papel, tenha humildade para sair do nosso pas, porque, caso contrrio, o sangue vai rolar, e no de ino-centes. [] Com a foice e com o martelo, vamos arrancar sua cabea e pregar, e fazer um me-morial para voc, diz Sathler no vdeo. Ele pede ainda para que Dilma deixe o cargo antes do feriado da Independncia, porque, caso contrrio, ir tir-la do poder. Ele ainda sugere que a petista se suicide.

    Dilma Rousseff, renun-cie, fuja do Brasil ou se sui-

    cide at o dia 6 de setembro. Caso contrrio, dia 7 de se-tembro no vamos pacifica-mente para as ruas. Vamos juntamente com [sic] as for-as armadas populares do Brasil defender o povo brasi-leiro e te tirar do poder.

    De acordo com a nota do ministrio, a determinao de Cardozo foi encaminha-da para o diretor-geral da PF. O ministro da Justia, Jos Eduardo Cardozo, determi-nou a abertura de inqurito pela Polcia Federal para apu-rar as ameaas proferidas con-tra a presidenta Dilma Rous-seff pelo advogado Matheus Sathler Garcia [] A deciso do ministro foi encaminhada ao diretor-geral da Polcia Fe-deral. As medidas legais sero aplicadas ao caso para que, re-alizada a investigao policial, possam ser tomadas as san-es penais cabveis, diz um trecho da nota.

    BRASLIA - O ministro Gilmar Mendes, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), criti-cou ontem (1) o procurador-geral da Repblica, Rodrigo Ja-not, por ter arquivado pedido de investigao de uma grfica que prestou servios campa-nha eleitoral da presidenta Dil-ma Rousseff em 2014. Segun-do Mendes, Janot se negou a cumprir seu papel funcional. Diante do arquivamento, o ministro remeteu o pedido ou-tra vez ao procurador.

    Na semana passada, Janot arquivou um pedido de inves-

    tigao encaminhado por Men-des para apurar indcios de irre-gularidades na contratao da grfica VTPB Servios Grficos pela campanha da presidenta.

    No despacho, alm de en-tender que no h indcios m-nimos para o prosseguimento da investigao, Janot infor-mou que a Justia Eleitoral e o Ministrio Pblico Eleitoral esto atuando como protago-nistas exagerados do espetcu-lo da democracia, quando a Constituio definiu que os atores principais so os candi-datos e os eleitores.

    BRASLIA - A Polcia Fe-deral (PF) indiciou nesta tera-feira (1) o ex-ministro da Casa Civil Jos Dirceu e mais 13 in-vestigados na 17 fase da Ope-rao Lava Jato. Os acusados vo responder pelos crimes de corrupo, lavagem de dinhei-ro e formao de quadrilha.

    Com o indiciamento, ca-ber ao Ministrio Pblico Fe-deral (MPF) decidir se denun-cia os acusados Justia. Com base nas afirmaes feitas pelo empresrio Milton Pascovicth

    em depoimentos de delao premiada, a PF concluiu hoje o inqurito com as acusaes contra Dirceu, o ex-tesourei-ro do PT Joo Vaccari Neto, o ex-diretor de Servios da Petro-bras Renato Duque, o ex-exe-cutivo da empreiteira Engevix Gerson Almada e outros acu-sados. De acordo com as in-vestigaes da PF, ficou com-provado o recebimento de vantagens ilcitas pelo grupo, que, segundo a investigao, era comandado por Dirceu.

  • IPATINGA - O Dia do Vo-luntariado, ou Dia V popular-mente conhecido, completou 15 anos no ltimo domingo, no parque Ipanema, no me-lhor estilo debutante. Valsa, bolo e a instituio do Dia do Voluntariado marcaram as co-memoraes do movimen-to que cresce a cada ano tan-to em nmero de voluntrios, quanto em nmero de aes.

    Tivemos a ideia de colo-car o Dia do Voluntariado no Calendrio Oficial de Even-tos do Municpio de Ipatin-ga com o objetivo de reconhe-cer o trabalho dos voluntrios e militantes nas propostas de transformao social. Alm de valorizar as empresas que in-vestem em responsabilidade social, garantindo um aumen-to do capital humano e contri-buindo para o desenvolvimen-to social em Ipatinga, explica o vereador Ademir Cludio.

    Para o presidente da FIE-MG Regional Vale do Ao, Luciano Arajo, gratifican-te o reconhecimento. Agra-

    deo Cmara de Vereado-res por ter aprovado essa lei, que vem coroar o Dia V, isso demonstra o quanto o poder pblico reconhece o trabalho que todos ns fazemos e a im-portncia de estarmos juntos melhorando a nossa socieda-de. Agradeo tambm ao ve-reador Ademir pela moo de aplausos, que no perten-ce apenas a mim, mas a todos que trabalham na FIEMG e do o melhor de si todos os dias para que as coisas funcio-nem bem e em sintonia.

    Roberto Maia, diretor da Usiminas, destacou a impor-tncia do trabalho volunt-rio na regio e parabenizou a FIEMG pela iniciativa. O vo-luntariado uma caractersti-ca marcante nos pases desen-volvidos. Aqui na regio vemos uma mobilizao impulsiona-da pela FIEMG que vem geran-do resultados positivos, ntida a formao de grupos bem de-finidos e atuantes. Samos da-qui um pouco melhor em aju-dar ao prximo, pontuou.

    TIMTEO - Os vereado-res de Timteo aprovaram na tarde desta tera-feira (1), o projeto de lei n 3874, que torna obrigatrio o compare-cimento dos pais de alunos s reunies das escolas pbli-cas municipais. O Estatuto da Criana e do Adolescente

    (ECA) prev que os pais de-vem ir s reunies, no meu projeto eles so obrigados. E tem as penalidades previstas. Teve uma escola que estava em reunio com os pais de uma sala de 20 alunos. Apenas dois pais compareceram, ressaltou o autor do projeto, vereador

    Elci Michael Jackson.De acordo com o PL,

    aprovado por unanimidade em primeira votao, o dire-tor da escola dever informar ao Ministrio Pblico e ao Conselho Tutelar o no com-parecimento injustificado s reunies, por duas vezes, con-

    secutivas ou no, dos pais. O contedo do projeto similar a do PLS 189/2012, de auto-ria do senador Cristvam Bu-arque que est em tramitao desde 2012 e aguarda aprova-o da Comisso de Consti-tuio, Justia e Cidadania no Senado Federal.

    BRASLIA - Na metade de seu primeiro ano de man-dato no Congresso Nacional, o senador Antonio Anastasia (PSDB/MG) j entrou na lista dos Cabeas do Congresso. A lista divulgada pelo Depar-tamento Intersindical de As-sessoria Parlamentar (DIAP) coloca o senador mineiro como destacado formulador e articulador. Os Cabeas do Congresso Nacional so, na definio do DIAP, aqueles parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais pelo protagonismo no processo le-gislativo, capacidade de con-duzir debates, negociaes, votaes, articulaes e formu-laes. o parlamentar que, isoladamente ou em conjun-to com outras foras, capaz de criar seu papel e o contex-to para desempenh-lo, expli-ca o DIAP.

    Desde sua chegada ao Con-gresso Nacional, em fevereiro,

    Anastasia tem se destacado no trabalho nas Comisses do Se-nado Federal e no Plenrio da Casa. Com pouco mais de 6 meses de atuao parlamentar, tem se envolvido na condu-o de matrias importantes, como no caso da rediscusso do Pacto Federativo, em cuja comisso especial um dos co-ordenadores. At agora j apre-sentou 7 Propostas de Emen-da Constituio (PECs), e 9 Projetos de Lei (PLS), em as-suntos que envolvem, princi-palmente, a garantia de maior transparncia e de menor bu-rocracia no servio pblico e a descentralizao de recursos e competncias para que Esta-dos e Municpios possam pres-tar servios de melhor quali-dade. Alm disso, relator de importantes matrias em anda-mento na Casa, diversas delas j aprovadas em Plenrio, e au-tor de emendas a outros proje-tos em tramitao.

    FABRICIANO A Secreta-ria de Sade da Prefeitura de Coronel Fabriciano divulgou, nesta tera-feira (1), o balan-o final da Campanha de Va-cinao contra Poliomielite, encerrada na ltima segunda-feira (31). Conforme o levan-tamento, 95,7% do pblico alvo, correspondente a 6.200 crianas entre seis meses e cin-co anos incompletos, recebeu a imunizao contra a parali-sia infantil, superando a meta nacional.

    A meta mnima exigida pelo Ministrio da Sade era de 95%. Segundo a chefe de seo de Vigilncia Epidemio-lgica, Jesuna Mendes, todas as salas de vacina das Unida-des de Sade disponibilizaram

    as doses contra poliomielite durante o perodo da campa-nha. Ficamos muito felizes

    com esse resultado. Tambm aproveitamos para atualizar os cartes de vacinas das crianas

    que ainda no tinham recebi-do imunizao contra outras doenas, ressalta.

    Dirio Popular

    Quarta-feira, 2 de setembro de 2015 CIDADES 7P R E V E N O V O L U N T A R I A D O

    T I M T E O

    D I A P

    FABRICIANO SUPERA META DE VACINAO CONTRA POLIO

    A meta de vacinao estabelecida pelo Ministrio da Sade de 95% do pblico-alvo

    Luciano Arajo na celebrao dos 15 anos do Dia V, que reuniu lideranas comunitrias, empresariais e de clubes de servio

    Secom PMI

    Wlmer Ezequiel

    Dia V faz 15 anos e entra para calendrio de eventos

    Lei obriga pais a participarem de reunies escolares

    Anastasia j entra na lista dos Cabeas do Congresso

    IPATINGA - Mais de 13 mil crianas entre seis meses e cinco anos incompletos j esto protegidas contra a parali-sia infantil (poliomielite) em Ipatinga. O nmero representa 91% do pblico-alvo no municpio, estimado em 14,3 mil. Apesar de prximo de atingir a meta estipulada pelo Minis-trio da Sade imunizar no mnimo 95% das crianas nes-ta faixa etria , a Secretaria de Sade de Ipatinga decidiu pela prorrogao da campanha at o dia 10 de setembro. At o nal da ltima semana, a cobertura vacinal no Brasil e Estado de Minas Gerais estavam em 55,07% e 57,37%, res-pectivamente.

    Todas as crianas nessa faixa etria devem ser imuniza-das, mesmo que j tenham completado o esquema vacinal contra a plio. Neste caso, a dose servir como reforo na proteo. A poliomielite uma doena infectocontagiosa grave, com contaminao por via oral e que, na maioria dos casos, prejudica o sistema nervoso e provoca paralisia irre-versvel, principalmente nos membros inferiores.

    CAMPANHAEm Ipatinga, so 17 postos de vacinao nas Unidades

    Bsicas de Sade disposio da comunidade. A Secreta-ria Municipal de Sade tambm faz a ao para atualizar o carto de vacinao infantil. importante os pais apre-sentarem tambm a caderneta da criana ao pro ssional de sade para avaliar a necessidade de outras vacinas. As doses, que por ventura estiverem em atraso, podero ser aplicadas na mesma hora ou agendar para outro dia, com-pleta Fabiana Beserra, coordenadora da Ateno Bsica da Prefeitura de Ipatinga.

    Durante a campanha, sero disponibilizadas vacinas contra tuberculose, rotavrus, sarampo, rubola, coquelu-che, caxumba, varicela, meningites, febre amarela, hepati-tes, difteria e ttano, entre outras.

    Ipatinga j imunizou 91%

    Sessenta garrafas pets foram arrecadadas atravs da campanha lacre solidrio, iniciativa do Leo Clube Ipatinga Liberdade Renovao/Lions Clube Ipatinga em parceria com a FIEMG Regional Vale do Ao.

    Segundo a idealizadora da ao Emanuelle Moreira da Costa a ideia a partir da arrecadao de lacres adquirirem cadeiras de ro-das para pessoas necessitadas previamente cadastradas no Lions Clube Ipatinga. Para cada cadeira de rodas necessrio 140 garra-fas pets de 2 litros cheias de lacres. De lacre em lacre se faz uma cadeira de rodas, assim a natureza agradece, a conscientizao sobre o meio ambiente aumenta, a interatividade com as pessoas sobre o bem social cresce e as pessoas que necessitam de cadeiras de rodas bene ciadas, declarou.

    A campanha continua. Os interessados em participar da ao po-dem entregar os lacres na sede do Lions Clube Ipatinga Rua Palmei-ras, 504, Horto. Mais informaes: 31 9140-5599 ou 31 9242-8001

    Campanha Lacre Solidrio continua

    BRASLIA - Os senadores comearam ontem a exami-nar proposta de reforma po-ltica da Cmara dos Deputa-dos que passou por mudanas em comisso temporria for-mada por senadores. O PLC 75/2015 modifica trs leis. Uma delas o Cdigo Eleito-ral (Lei 4.737/1965). O objeti-vo, nesse caso, fortalecer os partidos, cortar os custos das campanhas e disciplinar as do-aes e o repasse do dinheiro do Fundo Partidrio.

    O PLC 75/2015 estabele-ce que tanto empresas quanto as pessoas podem doar s cam-panhas eleitorais. As pessoas jurdicas, porm, esto autori-zadas a repassar recursos ape-nas aos partidos polticos. O valor doado limitado a 2% da receita do ano anterior transferncia do dinheiro at o mximo de R$ 10 milhes. Cada agremiao pode rece-ber 0,5% do total.

    Ao texto foram apresenta-dos nove emendas de Plen-rio, que so sugestes de modi-ficaes no texto. Pelo menos duas delas probem a doao

    de pessoas jurdicas s campa-nhas polticas.

    DOAESAo comentar sobre reforma

    poltica, o senador Jorge Viana (PT-AC) reiterou em Plenrio nesta tera-feira (1) que as doa-es empresariais a candidatos e a partidos devem ser proibi-das. Ele tambm pediu apoio da Casa sua emenda que tor-

    na crime a prtica de caixa dois na poltica. O senador, que pre-sidiu a comisso temporria de reforma poltica, apresentou emenda de Plenrio ao PLC 75/2015, que est em votao e altera regras eleitorais.

    Jorge Viana considera que o fim das contribuies de em-presas contribuir para a mora-lizao das eleies, desde que seja estabelecido tambm um

    teto para doaes de pessoas f-sicas. O senador admite que a reforma poltica envolve um de-bate difcil, mas necessrio.

    - Os milionrios, os dos es-quemas, vo ter dificuldade, e aqueles que fazem a luta partid-ria por ideal, por ideologia, por compromisso com movimentos sociais, por compromissos par-tidrios, vo ter uma condio de apresentar suas propostas.

    BRASLIA - O presiden-te da Cmara, deputado Edu-ardo Cunha (PMDB-RJ), reu-niu-se ontem (1) tarde com a presidenta Dilma Rousseff no Palcio do Planalto, onde conversaram sobre a situao econmica, a proposta ora-mentria enviada ontem (31) ao Congresso e a situao ge-ral do Brasil.

    Foi uma conversa institu-cional. Ela me convidou para ir ao Palcio e aceitei normalmen-te, como farei sempre que for necessrio, disse Cunha. Esse foi o primeiro encontro entre os dois aps Cunha anunciar, em 17 de julho, o rompimento poltico com o governo.

    Eduardo Cunha informou que a presidenta detalhou a proposta oramentria e que eles debateram a matria, en-caminhada ontem ao Con-gresso com previso de dfi-cit de cerca de R$ 30 bilhes. Debatemos a pea oramen-tria e a situao conjuntural do pas. Tenho minha viso sobre o processo econmico que, s vezes, destoa um pou-

    co da viso colocada pela equi-pe econmica.

    Segundo o presidente da Cmara, a conversa com a pre-sidenta Dilma Rousseff foi institucional e apenas sobre o momento vivido pelo Brasil.

    A presidenta no me pe-diu nada. Foi uma conversa institucional e deixou o dilo-go em aberto. Foi uma conver-sa sincera sobre a situao do pas. Ela no me fez propria-

    mente um pedido. Debateu a situao e me pediu apoio para que medidas possam ser tomadas, a fim de que possa-mos ter uma soluo estrutu-ral para o processo. De acor-do com Cunha, a presidenta no falou nem pediu apoio para medidas que gerem au-mento de impostos.

    Segundo o deputado, a presidenta afirmou que 93% do Oramento esto vincu-

    lados e no h como se cor-tar. Disse presidenta que o maior problema que a arre-cadao caiu muito mais que a retrao do Produto Inter-no Bruto [PIB], o que ocor-reu pela perda de confiana na economia como um todo. Disse tambm que preciso buscar medidas que ajudem a retomar a confiana, de modo que a arrecadao pare de cair e volte a crescer.

    Dirio Popular Quarta-feira, 2 de setembro de 2015 BRASIL6

    Sesso do Senado que iniciou os debates sobre a reforma poltica

    O presidente da Cmara Eduardo Cunha disse que foi uma conversa institucional

    Agncia Senado

    Agncia Brasil

    2 E T A P A I N Q U R I T O

    T E I M O S I A

    L A V A J A T O

    C O N J U N T U R A

    SENADORES COMEAM A VOTAR REFORMA POLTICA

    Cunha e Dilma discutem situao econmica do Pas

    Advogado que ameaou Dilma vai ser investigado

    Gilmar Mendes insiste em investigar Presidenta

    PF indicia 14 investigados

    BRASLIA - O ministro da Justia, Jos Eduardo Car-dozo, determinou ontem (1) que a Polcia Federal abra in-qurito para apurar as decla-raes do advogado Matheus Sathler, que em vdeo divulga-do pela internet no dia 25 de agosto, disse que, caso a pre-sidenta da Repblica, Dilma Rousseff, no deixe o cargo, ir arrancar sua cabea.

    Assuma seu papel, tenha humildade para sair do nosso pas, porque, caso contrrio, o sangue vai rolar, e no de ino-centes. [] Com a foice e com o martelo, vamos arrancar sua cabea e pregar, e fazer um me-morial para voc, diz Sathler no vdeo. Ele pede ainda para que Dilma deixe o cargo antes do feriado da Independncia, porque, caso contrrio, ir tir-la do poder. Ele ainda sugere que a petista se suicide.

    Dilma Rousseff, renun-cie, fuja do Brasil ou se sui-

    cide at o dia 6 de setembro. Caso contrrio, dia 7 de se-tembro no vamos pacifica-mente para as ruas. Vamos juntamente com [sic] as for-as armadas populares do Brasil defender o povo brasi-leiro e te tirar do poder.

    De acordo com a nota do ministrio, a determinao de Cardozo foi encaminha-da para o diretor-geral da PF. O ministro da Justia, Jos Eduardo Cardozo, determi-nou a abertura de inqurito pela Polcia Federal para apu-rar as ameaas proferidas con-tra a presidenta Dilma Rous-seff pelo advogado Matheus Sathler Garcia [] A deciso do ministro foi encaminhada ao diretor-geral da Polcia Fe-deral. As medidas legais sero aplicadas ao caso para que, re-alizada a investigao policial, possam ser tomadas as san-es penais cabveis, diz um trecho da nota.

    BRASLIA - O ministro Gilmar Mendes, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), criti-cou ontem (1) o procurador-geral da Repblica, Rodrigo Ja-not, por ter arquivado pedido de investigao de uma grfica que prestou servios campa-nha eleitoral da presidenta Dil-ma Rousseff em 2014. Segun-do Mendes, Janot se negou a cumprir seu papel funcional. Diante do arquivamento, o ministro remeteu o pedido ou-tra vez ao procurador.

    Na semana passada, Janot arquivou um pedido de inves-

    tigao encaminhado por Men-des para apurar indcios de irre-gularidades na contratao da grfica VTPB Servios Grficos pela campanha da presidenta.

    No despacho, alm de en-tender que no h indcios m-nimos para o prosseguimento da investigao, Janot infor-mou que a Justia Eleitoral e o Ministrio Pblico Eleitoral esto atuando como protago-nistas exagerados do espetcu-lo da democracia, quando a Constituio definiu que os atores principais so os candi-datos e os eleitores.

    BRASLIA - A Polcia Fe-deral (PF) indiciou nesta tera-feira (1) o ex-ministro da Casa Civil Jos Dirceu e mais 13 in-vestigados na 17 fase da Ope-rao Lava Jato. Os acusados vo responder pelos crimes de corrupo, lavagem de dinhei-ro e formao de quadrilha.

    Com o indiciamento, ca-ber ao Ministrio Pblico Fe-deral (MPF) decidir se denun-cia os acusados Justia. Com base nas afirmaes feitas pelo empresrio Milton Pascovicth

    em depoimentos de delao premiada, a PF concluiu hoje o inqurito com as acusaes contra Dirceu, o ex-tesourei-ro do PT Joo Vaccari Neto, o ex-diretor de Servios da Petro-bras Renato Duque, o ex-exe-cutivo da empreiteira Engevix Gerson Almada e outros acu-sados. De acordo com as in-vestigaes da PF, ficou com-provado o recebimento de vantagens ilcitas pelo grupo, que, segundo a investigao, era comandado por Dirceu.

  • BH - O Cruzeiro oficiali-zou nesta tera-feira a contrata-o do tcnico Mano Menezes, que no trabalha desde dezem-bro de 2014, quando deixou o Corinthians. O contrato vai at 2017. O novo comandante acompanhar a equipe na par-tida contra a Ponte Preta, nesta quarta-feira, s 19h30, no Moi-ss Lucarelli, em Campinas, mas o time ainda ser orien-tado por Deivid, ex-auxiliar de Vanderlei Luxemburgo. A estreia de Mano ocorrer em casa, contra o Figueirense, do-mingo, s 11h, no Mineiro.

    Com Mano Menezes, che-garo Toca da Raposa o au-xiliar Sidnei Lobo e o prepara-

    dor fsico Eduardo Silva.O nome de Mano Mene-

    zes era o preferido de Bruno Vicintin, novo vice de fute-bol do clube, antes mesmo de Luxemburgo assumir, depois da sada de Marcelo Oliveira. Desta vez, porm, Gilvan re-solveu ouvir seus pares e acer-tar com um nome de maior consenso dentro do clube.

    DESAFIOMano Menezes conside-

    rado um dos tcnicos de pon-ta do futebol brasileiro. Entre outros clubes j dirigiu Co-rinthians, Flamengo e Gr-mio, alm da Seleo Brasilei-ra. Curiosamente, ele quase foi

    anunciado pelo Cruzeiro no incio de 2008, quando esta-va no Grmio, mas descartou o clube mineiro para acertar com o Corinthians, que joga-ria a Srie B do Brasileiro. Na ocasio, com a negativa, a Ra-posa fechou com Adlson Batis-ta, que foi bicampeo mineiro e vice da Copa Libertadores.

    O grande desafio de novo comandante melhorar a cam-panha celeste e evitar um in-dito rebaixamento Srie B do Campeonato Brasileiro. A Ra-posa est na 16 posio, com 22 pontos mesma pontuao de Gois e Coritiba, clubes na zona da degola. O aproveita-mento estrelado de 34,9%.

    Dirio Popular Quarta-feira, 2 de setembro de 2015 ESPORTES8

    R A P O S A

    MANO MENEZES ASSUME CRUZEIRO

    Mano Menezes estava desempregado desde que deixou o Corinthians no m da ltima temporada

    Josu torce por um tropeo do Corinthians para o time continuar se dando bem no certame

    Divulgao

    Bruno Cantini

    BH - Diante da ausncia de Rafael Carioca, suspenso pelo terceiro carto amarelo, o vo-lante Josu vive a expectativa de enfrentar o Atltico-PR na partida desta quarta-feira, pela 22 rodada do Brasileiro. O jogo ser realizado s 21h, na Arena Independncia. sem-pre bom poder ajudar de uma forma direta. Todos ns quere-mos sempre estar em campo, mostrando o nosso trabalho e tentando ajudar o Atltico a conseguir as vitrias. E, comi-go, no seria diferente, a von-tade de estar em campo e aju-dar a equipe sempre muito grande. Tem a ausncia do Ra-fael Carioca e o Levir no pas-sou nada, ele tem algumas pos-sibilidades para utilizar e estou

    disposio, com muita von-tade de jogar, mas respeitando os outros colegas, que tambm possuem totais condies de jogar, disse o meio-campista.

    Josu falou da briga atleti-cana pela liderana da compe-tio. A gente conseguiu uma boa recuperao depois de ter ficado fora da Copa do Bra-sil. O time voltou a jogar bem, contra uma equipe que vem bem no campeonato, era um jogo de seis pontos, fizemos um grande jogo, vencemos fora de casa e o resultado nos manteve vivos na briga pela li-derana. Ento, continuar fazendo o nosso papel, conse-guindo sempre os trs pontos, e torcendo por um tropeo do Corinthians, disse.

    A T L T I C O

    Josu na expectativa de enfrentar o Atltico-PR

    VEM A O FOMENTA MINAS.TUDO QUE VOC PRECISA SABER PARA AMPLIAR A PARTICIPAO DA SUA EMPRESA NAS CONTRATAES PBLICAS.

    twitter.com/sebrae_mg|fb.com/sebraemg | sebraemgcomvoce.com.brBLOG

    twitter.com/sebrae_mg|fb.com/sebraemg | sebraemgcomvoce.com.brBLOG

    twitter.com/sebrae_mg|fb.com/sebraemg | sebraemgcomvoce.com.brBLOG

    twitter.com/sebrae_mg|fb.com/sebraemg | sebraemgcomvoce.com.brBLOG

    twitter.com/sebrae_mg|fb.com/sebraemg | sebraemgcomvoce.com.brBLOG

    twitter.com/sebrae_mg|fb.com/sebraemg | sebraemgcomvoce.com.brBLOG

    0800 570 0800 | www.sebrae.com.br/minasgerais

    PALESTRA COM GUTO ABRANCHES Comunicao Ecaz e Perspectivas de Negcios

    Dia 2 de setembro | FIEMG | Av. Pedro Linhares Gomes, 5.431 - Horto - Ipatinga/MG

    CAPACITAESDia 3 de setembro | IPAMINAS | R. Gonalves Dias, 575 - Cidade Nobre - Ipatinga/MG

    INSCRIES GRATUITASpelo site fomentaminas.com.br - Informaes: (31) 3656 4884

    Parceria:

    Se voc tem uma micro ou pequena empresa e quer se aproximar do setor pblico, este o seu lugar. Voc vai receber orientaes atravs de palestras e painis temticos, seminrios e ocinas. E tambm vai participar de importantes encontros de negcios relacionados s compras governamentais. No perca. o Sebrae trabalhando para o crescimento da sua empresa e do nosso estado.

    Realizao: