Top Banner
2.SUMÁRIO PÁGINA 1.Resumo...................................................... .............................................................. ................2 2..Sumário.................................................... .............................................................. ................3 3.Introdução.................................................. .............................................................. ...............4 4.Comportamento do comsumidor.................................................... ......................................4 5.Custos...................................................... .............................................................. ..................5 6. A economia de Rio Claro e região........................................................ ...............................6 1
27

ATPS ECONOMIA CONCLUIDO

Sep 24, 2015

Download

Documents

sabrinadem

Anhanguera
Welcome message from author
This document is posted to help you gain knowledge. Please leave a comment to let me know what you think about it! Share it to your friends and learn new things together.
Transcript

2.SUMRIO PGINA1.Resumo....................................................................................................................................22..Sumrio..................................................................................................................................33.Introduo...............................................................................................................................4

4.Comportamento do comsumidor..........................................................................................4

5.Custos......................................................................................................................................5

6. A economia de Rio Claro e regio.......................................................................................6

6.1- Cordeirpolis..........................................................................................................66.2- Ipena......................................................................................................................66.3- Santa Gertrudes.....................................................................................................66.4- Piracicaba...............................................................................................................76.5- Araras......................................................................................................................86.6- Limeira....................................................................................................................96.7-Rio Claro................................................................................................................107. Qual o problema econmico e por que o mesmo existe?..............................................117.1- Como eliminar ou amenizar o problema econmico?......................................127.2- Principais problemas econmicos no Brasil......................................................137.3- Desigualdade que prejudica o consumo.............................................................148.Varejo e Inflao..................................................................................................................15

8.1- Varejo- Grfico....................................................................................................15

8.2- Inflao- Grfico..................................................................................................16

9. Influncia da Crise Americana e Europeia sobre o mercado consumidor brasileiro..16

9.1 Influncias da economia chinesa..........................................................................1710. Consideraes finais..........................................................................................................1710. Referencias bibliograficas................................................................................................18RIO CLARO

SETEMBRO-20133. INTRODUOO setor de vesturios no Brasil, sempre foi considerado um segmento forte da economia, que gera empregos formais e possui alto faturamento.

Segundo o SEBRAE, o segmento de vesturio no Brasil est em plena fase de expanso, possui alta demanda e muito diversificado, proporcionando um ambiente de surgimento e crescimento de micro e pequenas empresas.

As perspectivas para o setor txtil e de confeco so positivas no Brasil, com projees da ordem de 6% na indstria de transformao, 4% no setor txtil, 3,7% no de confeco e de gerao de mais de 40 mil novos postos de trabalho em 2013. Somente no ano de 2012, a indstria txtil do Brasil faturou mais de R$ 50 bilhes. A distribuio da produo brasileira aproxima-se do padro chins, que de 65% para o vesturio, 23% para a linha lar e 12% para txteis industriais. (ABIT, 2013)

A cincia econmica est sempre analisando os principais problemas econmicos: o que produzir, quando produzir, em que quantidade produzir e para quem produzir. Cada vez mais, a Economia aplicada a campos que envolvem pessoas em decises sociais, industrial, educao, poltica, sade, instituies sociais, etc.

Diante disso, o presente trabalho ir apresentar uma pesquisa econmica do ramo de vesturio na cidade de Rio Claro, para que se possa compreender com maior exatido o tema em questo.

O objetivo apresentar o setor de vesturio e suas potencialidades na economia local do municpio pesquisado.

Para realizao deste trabalho sero utilizadas pesquisas bibliogrficas, em jornais, revistas, internet e entrevista com profissionais do ramo.

4. COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR.Caracteriza-se o comportamento do consumidor pelas atividades mentais e emocionais realizadas na seleo, compra e uso de produtos/servios para a satisfao de necessidades e desejos, uma vez que o propsito do marketing centra-se em atender e satisfazer s necessidades e aos desejos dos consumidores torna-se fundamental conhecer o seu comportamento de compra. Em pesquisa realizada com 60 mulheres de idades diferentes no bairro Parque das Indstrias em Rio Claro, chegamos a concluso de que mulheres gastam de 20 50% de seus salrios com roupas, mulheres at 30 anos chegam usar at 50% de seus rendimentos, passando a utilizar apenas 20 % entre 31 40 anos e elevam essa porcentagem a 30% acima de 41 anos.5. CUSTOSAnalisamos os custos envolvidos de uma loja local, mesmo bairro onde foi realizada a pesquisa.-Custos fixos: aluguel, salrios de funcionrios. -Custos variveis: matria prima (peas de roupas) e insumos produtivos (gua, energia eltrica), impostos, internet e telefone.

Aluguel1200,00gua52,00

Salrio Funcionrio920,00Energia Eletrica186,00

Telefone e internet90,00

Matria Prima9200,00

ICMS1338,32

Pro Labore3000,00

Total2120,00Total13866,32

Custos fixos R$ Custos variveis R$

PEAC.UN.QTD VENDIDAC.T. PREO DE VENDATOTAL DE VENDAICMSLUCRO

BLUSAS20,0078 ps1560,0035,002730,00218,00952,00

CALAS40,0063 ps2520,0078,004914,00393,122000,88

JAQUETAS40,0038 ps1520,0075,002850,00228,001102,00

VESTIDOS45,0080 ps3600,0078,006240,00499,202141,00

TOTAL9200,0016734,001338,326195.68

Valores de compra e venda dos itens mais vendidos.

Observando a tabela acima, podemos concluir que um ramo lucrativo, ao observar os 4 itens mais vendidos chegamos a uma margem de lucro satisfatria, superando as expectativas. O segredo controlar gastos, pesquisa de mercado, planejamento e promoes.6- A ECONOMIA DE RIO CLARO E REGIO

Pesquisa elaborada nas cidades de Cordeirpolis, Ipena, Santa Gertrudes, Piracicaba, Araras, Limeira e Rio Claro, onde levantamos dados scios econmicos das mesmas.

6.1- CORDEIRPOLISA economia do municpio bem diversificada. Na agricultura destaca-se pelo cultivo da cana-de-acar, algodo. Milho, abacate e laranja. Na pecuria, os principais destaques por ordem so assim definidos: avicultura, suinocultura e bovinos. Na rea industrial, as mais importantes hoje so do ramo cermico, papel e papelo (a mais tradicional), tecelagem, urnas morturias e metalrgicas. O setor de prestao de servios tambm bastante diversificado e os estabelecimentos comerciais so hoje bem estruturados e representam uma das principais fontes de economia do municpio.6.2- IPENAPopulao: 6.016 habitantes e seu PIB 145,24, j o Pib per capita de 24.206,44.A economia de Ipeuna nas empresas:Korin Agropecuria: Alimentao Saudvel com produtos naturais.Edra do Brasil: Fabricante de tanques e tubos em fibra de vidro para diversos segmentos.Edra Equipamentos Especiais: Fabricante de Cabinas de Autoatendimento para bancos e painis de publicidade com recurso de iluminao e de diversas faces.Edra Aeronutica: Empresa do ramo aeronutico especializada na formao de pilotos, fabricao e montagem de aeronaves e helicpteros.Refrata: Cermicos Refratrios.9INJET-Indstria de Injeo de Peas Plsticas: Empresa especializada em injeo de peas plsticas.6.3- SANTA GERTRUDESCom aproximadamente 20 mil habitantes e localizao privilegiada margem da rodovia Washington Lus, Santa Gertrudes tem hoje uma das maiores arrecadaes per capita de ICMS do estado de So Paulo - graas pujana de suas indstrias ceramistas.

O municpio teve sua economia inicialmente baseada na lavoura cafeeira. Na busca de novas opes, os moradores descobriram a boa qualidade e a facilidade de obteno da rica argila existente no subsolo. As primeiras cermicas surgiram nas dcadas de 20 e 30 para a produo de telhas e tijolos. Na poca, a preparao da argila era feita com trao animal e a produo era basicamente manual. Mais tarde, as unidades passaram a produzir pisos.

Hoje, Santa Gertrudes e as cidades de Rio Claro, Limeira, Cordeirpolis, Ipena, Piracicaba e Araras formam o maior plo cermico das Amricas. De acordo com a Associao Paulista das Cermicas de Revestimento (Aspacer), so 48 indstrias responsveis por 13 mil empregos diretos e 195 mil indiretos.*Pib-R$334.066.044 mil*Pib per capita-R$16.242,03

6.4- PIRACICABA

Piracicaba ummunicpiobrasileironointerior doestado deSo Paulo. Pertence MesorregioeMicrorregio de Piracicaba, localizando-se a noroeste dacapita do estado, distando desta cerca de 164 km. Ocupa umarea de1376,913km, sendo que 31,5733 km esto empermetro urbanoe os1345,339km restantes constituem azona rural.Em 2011 sua populao foi estimada peloIBGE em367289habitantes,sendo que em 2010 era o17 mais populoso de So PauloProduto Interno Bruto (PIB) de Piracicaba o maior daMicrorregio de Piracicaba, o12maior do estado de So Paulo e o47 de todo o pas.De acordo com dados do IBGE, relativos a 2009, o PIB do municpio era de R$9601211mil.1343978mil.eram de impostos sobre produtos lquidos de subsdios a preos correntes.OPIBper capitaera de R$26030,62 e em 2000 ondice de Desenvolvimento Humano(IDH) de renda era de 0,795, sendo que o do Brasil naquele ano era de 0,723.A cidade a quinta cidade do estado em valor de exportaes.

De acordo com o IBGE, a cidade possua, no ano de 2010,15055unidades locais e14522empresas e estabelecimentos comerciais atuantes.138654trabalhadores eram classificados como pessoal ocupado total e118295categorizavam-se em pessoal ocupado assalariado.Salrios juntamente com outras remuneraes somavam2925666mil.reais e o salrio mdio mensal de todo municpio era de 3,8salrios mnimos. At a dcada de 1950 a economia da cidade era totalmente dependente da agricultura, e isso, aliado ao grande desenvolvimento daRegio Metropolitana de Campinas (RMC), fez com que a cidade passasse por uma difcil situao financeira, mas a construo de rodovias e os investimentos em agroindstria ajudaram a reverter essa situao. Atualmente a principal fonte econmica est centrada na produo de acar e lcool, alm de Piracicaba ter um dos principais centros industriais da regio e conta com diversas universidades de renome.

6.5-ARARASA 170 quilmetros da capital do Estado, os 114.682 (IBGE/2005) habitantes de Araras desfrutam de uma infra-estrutura moderna, onde a arborizao se faz presente nos quatro cantos da cidade. Alis, h mais de um sculo, foi em Araras a realizao da 1 Festa da rvore no Brasil, considerada o primeiro movimento ecolgico do pas. Usinas, universidades, indstrias nacionais e multinacionais garantem cidade uma economia slida com o progresso transparecendo inclusive em seus espaos pblicos e nos atos de seu povo.EconomiaA economia de Araras baseada na Agroindstria. A mais antiga e maior planta industrial da Nestl Brasil localizada na cidade, onde estabeleceu-se em 1921. O Grupo Usina So Joo S/A, com mais de 60 anos de atividades, tambm compe a base da economia local.

No entanto, a atividade econmica de Araras vem se diversificando ao longo dos anos, e hoje a riqueza produzida no municpio vem de empresas de diversos segmentos e dos setores: agricultura, pecuria, indstria, comrcio e prestao de servios.So fabricantes de alimentos, insumos, laminaes, indstrias moveleiras, metalrgicas, qumicas, tecelagens e promissores empreendimentos no setor ceramista, por exemplo.Todas, a seu modo tanto as genuinamente ararenses, de todos os portes, quanto as que vieram de todas as regies do Pas e at do exterior para aqui fincarem bandeira, vencem obstculos, geram empregos, arrecadao e desenvolvimento para o municpio.Segundo a Agncia Municipal de Cincia, Tecnologia e Desenvolvimento, a cidade contabiliza mais de 4 mil empresas instaladas, nos diversos setores.Os reflexos desses nmeros esto no desempenho do municpio quando se fala em arrecadao de impostos, e no retorno dos tributos para a cidade: Araras est entre as 40 cidades com maior participao no bolo estadual do ICMS (Imposto Sobre Circulao de Mercadorias e Servios).

Pib=R$2.142.147,060 milPib per capita=R$18.849,466.6- LIMEIRA. Suapopulaoregistrada no Censo de 2010 de 276.010 habitantes.Importante polo industrial do interior doestadodeSo Paulo, acidade ,foi grande centro cafeicultor nosculo XIX, tambm foi conhecida porCapital da LaranjaeBero da Citricultura Nacional, dados o pioneirismo e a grande produocitrcola que o municpio desenvolveu. Mais recentemente a economia rural da cidade destaca-se pelo cultivo decana-de-acar e pela produo de mudas ctricas. No ramo da indstria, que possui maior importncia na economia municipal, Limeira se destaca nas reas de metalurgia, metal-mecnica, autopeas, vesturio, alimentos, cermica, papel e celulose, embalagens, mquinas e implementos. Recentemente, a cidade tem se destacado especialmente na rea de joias folheadas, atraindo ateno de pessoas de todo o mundo.A cidade vem crescendo ano aps ano para se tornar mais atrativa para as indstrias, contando com programas de incentivo. Esta poltica adotada pelas ltimas administraes tenta reverter o aumento do desemprego e do trabalho informal na cidade. De acordo com os dados publicados pela Acil, Limeira conta com 96% da populao trabalhando na prpria cidade e devidamente registrado. O comrcio de Limeira evoluiu bastante, chegando competir at mesmo com outras cidades (maiores) e prximas comoCampinase Piracicaba.A expanso do setor de joias na cidade cria uma grande demanda por mo de obra. Essa demanda muitas vezes preenchida de maneira informal, empregando pessoas sem treinamento para cuidar de etapas do processo de folheao que envolvem materiais txicos e perigosos.H tambm indcios de emprego de mo de obra infantil nestas mesmas condiesPib=R$5646 023,310 MIL;Pib pr capita=R$20.252,906.7- RIO CLARO

Rio Claro e as cidades de Santa Gertrudes; Limeira; Cordeirpolis; Ipena; Piracicaba e Araras , formam o maior polo cermico das Amrica. De acordo com a associao Paulista das Cermicas e Revestimentos (Aspacer), so 48 industrias, responsveis por 13 mil empregos direto e 195 mil indiretos.

Destaca-se tambm pela diversidade de produtos industrializados onde os principais so: fibras de vidro, tubos e conexes de PVC, eletrodomsticos da linha branca, produtos qumicos leves, metalrgicas, cabos para indstrias, balas e caramelos, peas de autos, papelo ondulado e pardo compacto, estamparias, agroavcolas, nutrio de animais, artefatos de borrachas especiais.

Situada na regio de Campinas, integra uma microrregio em constante expanso econmica.

As empresas de impacto econmico e social no municpio so do setor tercirio:

_WHIRLPOOL:que atua no Brasil com marcas Brastemp, Consul e Kitchenaid(multinacional).

_TIGRE: atua no setor de tubos e conexes(multinacional).

_RICLAN: atua no setor de balas, pirulitos e chicletes com marcas Freegells, TNT, Gomutcho, Buzzy, Pocket, Energi light. Exportando para Emirados rabes Unidos, Arbia Saudita, Lmen e Catar. Sendo duas unidades localizadas na cidade de Rio Claro.

_BRASCABOS: atua no setor de chicotes e componentes eletrnicos, lder do mercado, tem como principal cliente a WHIRLPOOL, que tambm fornece seus produtos para o setor automobilstico. Conta com duas unidades. Distrito Industrial de Rio Claro e outra em Manaus-AM.

_VELHO BARREIRO: destilaria de cachaa.

O PIB per capita de Rio Claro 21.073Reais

PIB=R$4.522.813mil.

Regio com vrios setores industriais, com o aumento de empregos, por consequncia gera aumento de compras para satisfazer necessidades e satisfao, o comrcio varejista tem apresentado elevadas taxas de crescimento pelos ganhos reais de renda, pela melhora das expectativas proporcionada pela gerao de novos empregos, estabilidade econmica e condies de crdito afetam positivamente o setor. O crescimento do varejo depende diretamente dos nveis de emprego e renda.7. QUAL O PROBLEMA ECONMICO E PORQUE O MESMO EXISTE?O maior problema econmico "Como satisfazemos desejos ilimitados com recursos limitados?" A premissa do modelo do problema econmico que os desejos humanos so constantes e infinitos devido demanda em constante mudana da populao. No entanto, os recursos para satisfazer os desejos humanos so sempre limitados pela quantidade de recursos naturais ou humanos disponveis. O problema econmico, e os mtodos para resolv-lo, giram em torno da ideia da escolha em dar prioridades a que desejos sero satisfeitos.

O problema econmico a existncia de uma escassez, que os recursos finitos disponveis so insuficientes para satisfazer todos os desejos humanos. O problema ento se transforma em como determinar que ser produzido e como os fatores de produo como capital e trabalho, devero ser alocados. A economia gira em torno de mtodos e possibilidades de resolver o problema econmico.

7.1- COMO ELIMINAR OU AMENIZAR O PROBLEMA ECONMICO?Os desejos e as necessidades da sociedade so ILIMITADOS e os recursos para sua produo (de bens e servios) que podem atend-los so LIMITADOS

Por mais rica que seja a sociedade os fatores de produo sero sempre escassos para efetivar a fabricao de todos os bens e servios que essa mesma sociedade deseja

A aceitao de que a escassez deriva de recursos limitados e que as necessidades humanas so ilimitadas nos conduz aos problemas econmicos fundamentais da sociedade. Para encontrar soluo ao problema da escassez a sociedade deve fazer uma escolha de forma a responder a trs questes fundamentais:

Quais bens e servios e em quais quantidades devem ser produzidos com os recursos disponveis?

Como sero produzidos de forma a gerar diferentes tipos de bens e servios?

Para quem ou quem consome os diferentes bens e servios produzidos?

A primeira pergunta, que ilustra o problema fundamental econmico, diz respeito escolha da sociedade em decidir pelo o qu e quanto produzir.

A resposta para esta questo considera as inter-relaes sociais de um modelo econmico simples existente entre a oferta (produtores) e a procura (consumidores), tendo como base os recursos produtivos, embora estes sejam limitados.

Nesse sentido a sociedade tem que escolher quais os bens e servios devem ser produzidos, bem como os consumidores devem escolher entre quais bens deve consumir.

Para que possamos entender melhor temos como exemplo: Um pas que tem como principal produto de exportao o caf (conhecido nas relaes comerciais internacionais como COMODITY) devido o fato dos solos do pas (70% das terras) estarem apropriado somente para o cultivo do caf e os 30% restantes so terras devolutas. Com o passar dos tempos ocorre uma crise mundial no mercado financeiro de produtor de gneros agrcolas, entre os quais os mais afetados foi o caf. Devido a isso as exportaes de caf caram levando junto economia do pas. Nesse momento surgem vrias indagaes sobre o que dever ser feito para superar a crise.

A melhor maneira para comear a pensar em um plano de ao, montar uma estratgia.

Definio: Estratgia a arte de aplicar os meios disponveis ou explicar condies favorveis com vista a objetos.

Logo em seguida os planejamentos: tencionar, projetar, elaborar um plano que dever ser aplicado para superar essa crise ser produzir um novo tipo de produto para exportao, ou seja, aproveitar os meios (recursos escassos utilizar os 30% das terras devolutas) disponveis para gerar uma segunda opo de economia para o pas. Por exemplo, o cultivo de arroz para exportao. O planejamento ter como principal objetivo que o ndice de exportao de arroz no supere as exportaes de caf, pois estaramos sacrificando, deixando de produzir um determinado produto (caf) para poder produzir outro tipo de produto (arroz), na qual esse processo (transformao) na economia conhecido como custo de oportunidade.

7.2- PRINCIPAIS PROBLEMAS ECONMICOS NO BRASILA discusso sobre a questo inflacionaria no Brasil parece um tema distante ou, at mesmo, estranho. Entretanto a economia do nosso pas, ao adentrar os ditames do capitalismo industrial e financeiro, passou a conviver com as contradies de um pas economicamente dependente que deveria encontrar solues para valorizar sua moeda e desenvolver sua economia.

No entanto, promover esse desenvolvimento exigia dos nossos governos a contrao de emprstimos a serem empregados na contratao de funcionrios e no financiamento de obras que , muitas vezes, acabavam deixando nosso pas completamente endividado. Uma soluo usual pelo Estado para sanar este problema era fabricar o dinheiro necessrio para que tivesse condies de honrar uma considervel parte de seus compromissos financeiros.

A circulao de papel-moeda em uma economia que no tem riquezas correspondentes aquele total de dinheiro disponvel acaba desvalorizando a moeda. Consequentemente, o preo das mercadorias sobe e os trabalhadores que tem sua renda fixa, tem seu poder de compra reduzido, o que acaba aumentando o custo de vida.

Podemos perceber que um dos fatores responsveis pela crise inflacionaria est intimamente ligado a contrao de dividas, no Brasil essa contrao de dividas tem longa data e veio se desenhando desde o perodo colonial, quando diverso exploradores requeriam da Coroa Portuguesa emprstimos para financiar suas atividades.

Na dcada de 1980, o problema da recesso acabou transformando a inflao em um companheiro presente na mesa de todos os brasileiros. A desvalorizao da moeda chegou a tal ponto que os produtos do supermercado, por exemplo, eram reajustados mais de uma vez ao dia. Nessa mesma poca, a criao de diferentes moedas era tentada para se conter o caos da inflao e diversos planos econmicos tentavam da sum soluo definitiva para a questo.

No ano de 1994, o Plano Real, props um projeto de reestruturao da economia nacional baseado em uma nova moeda que levava o mesmo nome do plano. A partir de ento, os nveis inflacionrios de nossa economia, executando alguns momentos de crise momentnea, passaram a alcanar nveis suportveis ao desenvolvimento e o custo de vida de uma considervel parcela dos trabalhadores. Desde ento, a economia nacional deu sinais de amadurecimento, a inflao se transformou em uma fera domvel e o Brasil hoje busca condies de nao emergente.

Todos os outros problemas esto atrelados a esses contrastes. Trata-se de questes relacionadas alimentao, educao, sade, saneamento, habitao e transporte, embora o Brasil tenha avanado na rea social nos ltimos anos, ainda persistem muitos problemas que afetam a vida dos brasileiros como, por exemplo: Desemprego, Violncia e Criminalidade e Desigualdades sociais.

7.3- DESIGUALDADES QUE PREJUDICA O CONSUMO

No sistema tributrio os impostos no consumo e nos salrios no so proporcionais renda. Cobrados sobre as mercadorias, os impostos indiretos punem mais as famlias de menor renda porque incidem sobre o preo final dos produtos, sem distinguir a renda do consumidor. Os tributos indiretos so proporcionalmente mais caros para a populao com menos recursos. Influenciando diretamente nas compras de vesturio, ou seja, diminuindo o consumo no ramo.

De acordo com os dados mais recentes da Receita Federal, 33,56% de tudo o que o pas produziu foi revertido para o governo na forma de tributos. Desse total, 7,36% correspondem tributao sobre a renda e as propriedades e 27,08% representaram a tributao sobre os salrios e o consumo. 8. VAREJO E INFLAO.O perodo de Jan-Fev de 2013 teve um desempenho positivo de 2,28% em volume de vendas e positivo de 6,88% em Receita Nominal, ambos em relao ao mesmo perodo do ano anterior. No comparativo entre Fev.13 contra Fev.12 houve queda de 1,00% em volume de vendas e crescimento da Receita Nominal de 3,76%. No comparativo entre Fev.13/Jan.13 o Volume de Vendas caiu de 15,7% e a Receita Nominal apresentaram caiu de 15,27%. 2

A inflao acumulada (IPCA) nos ltimos 12 meses (Mar.13) foi de 6,59% no ndice geral e 6,80%, no vesturio. O IPC mostrou nos ltimos 12 meses (Mar.13) uma inflao de 5,57% no ndice geral e 3,47% em vesturio.8.1- COMRCIO VAREJISTA

8.2- INFLAO

9. INFLUNCIA DA CRISE AMERICANA E EUROPEIA SOBRE O MERCADO BRASILEIRO

A crise econmica afeta vrios pases, principalmente se odlar sobe, por que com isso a inflao vai aumentar e vai causar srios riscos para grandes empresasexportadoras.

Por outro lado para oBrasilisso muito bom, principalmente para as pequenas empresas, porque com o dlar alto produtos fabricados em nosso pas iro aumentar as vendas internas. Por exemplo, lojas de roupas estrangeiras, com o dlar alto os tecidos se tornam mais caros e menos competitivos no mercado brasileiro, pois o custo do tecido se torna alto e as lojas roupas brasileiras tero mais espao.

Com a desacelerao da economia mundial, os produtos internacionais tero uma a grande queda nos preos ajudando o Brasil h combater na inflaobrasileira, criando uma oportunidade para o governo discutir a diminuio dos juros que freia o consumo interno e estabiliza a inflao. Os efeitos da crise mundial, nos mercados dos EUA e da Europa, no iro afetar a gerao de empregos no Brasil o que deve manter o mercado brasileiro aquecido.9.1- INFLUNCIAS DA ECONOMIA CHINESA

A invaso de importados, principalmente da China, tem prejudicado a indstria txtil e de confeces no Brasil, que est perdendo mercado para esses produtos. Apesar do aumento de 3,4% nas vendas do segmento de vesturios em 2012, houve uma queda de 4,5% na produo txtil no pas e 10,5% na de confeces.

A perda de competitividade no setor no um problema novo e causada pela combinao de uma srie de fatores internos e externos, entre eles o real valorizado, que contribuiu para o aumento das importaes, o que, por sua vez, desestimulou a indstria a renovar seu parque fabril.

Outros problemas internos apontados por especialistas so a alta carga tributria do pas (o que encarece o preo final das roupas), a valorizao do real (o que facilita a entrada dos importados), o preo da energia eltrica (uma das mais caras do mundo), a infraestrutura ineficiente do pas (que faz com que o transporte da mercadoria seja muito deficiente), a falta de mo de obra especializada e os encargos sociais elevados.

10. CONSIDERAES FINAIS

A indstria nacional tem capacidade de suprir a demanda nacional, mas, para isso, algumas mudanas fundamentais so necessrias. As medidas para aumentar a competitividade da produo nacional envolvem a qualificao da mo de obra, investimentos em infraestrutura, modernizao do setor e das leis trabalhistas, reduo dos impostos e a queda dos juros.

Muitas vezes o produto tributado duas ou trs vezes durante a cadeia produtiva. Atualmente a carga tributria em torno de 18%. Para a indstria ser competitiva, esse imposto precisava ser de no mximo 10% sobre a receita bruta.

A Abit vem organizando uma srie de aes para fortalecer a indstria nacional. A associao est negociando com o governo uma reforma tributria para o setor. No ano passado, ela encaminhou um pedido de salvaguarda ao Ministrio do Desenvolvimento, Indstria e Comrcio Exterior. A medida visa limitar a importao de 60 produtos de confeco que correspondem a 82% do total do vesturio importado.

No momento, preciso 'estancar' a hemorragia das importaes para que o setor txtil no Brasil no continue a ser empobrecido, enquanto no temos uma reforma tributria. Alm disso, mesmo com uma reforma, preciso enquadrar a produo chinesa nos requisitos mnimos que o mundo adota em termos trabalhistas e de meio ambiente.

10. Referencias bibliogrficas.

Http://meuartigo.brasilescola.com/administracao/problemas-fundamentais-economia.htm Http://www.brasilescola.com/historia/inflacao-no-brasil.htmhttp://g1.globo.com/economia/pme/noticia/2013/09/pequenas-atitudes-podem-ajudar-impulsionar-vendas-de-lojas.htmlHttp://www.valor.com.br

Http://www.fazenda.gov.brHttp://www.fgv.br/ibre/ceconHttp://www.estadao.com.brHttp://www.folha.uol.com.brHttp://www.ipea.gov.br/portalSilva,Cesar roberto leite da Economia e Mercados: introduo economia/

Cesar Roberto Leite da Silva, Sinclayr Luiz-18.ed.reform- So Paulo : Saraiva,2001

VASCONCELOS, Marco AntonioS.; GARCIA, Manuel E. Fundamentos de Economia.4.ed So Paulo: Saraiva, 2012. PLT 7411