Top Banner

Click here to load reader

a poesia militante de Nilton Rosa da Silva, um brasileiro ... · PDF file2 A morte de Nilton da Silva foi e não foi acidental: por um lado, é praticamente certo que ele não....

Dec 15, 2018

ReportDownload

Documents

doanh

ESTUDIOS HISTRICOS CDHRPyB- Ao VII - Julio 2015 - N 14 ISSN: 1688 5317. Uruguay

Hoy soy pueblo:

a poesia militante de Nilton Rosa da Silva, um brasileiro exilado no

Chile de Salvador Allende

Maurcio Marques Brum1

Resumo: Este trabalho busca analisar aspectos da trajetria militante de Nilton Rosa da Silva, estudante

brasileiro que se exilou no Chile durante o governo de Salvador Allende, onde passou a militar no

Movimiento de Izquierda Revolucionaria (MIR), vindo a ser morto em junho de 1973 por grupos de

ultradireita que buscavam o golpe de Estado. O estudo est centrado no livro de poesias Hombre Amrica

(1972), publicado a mimeografo por Nilton da Silva em Santiago e at hoje indito no Brasil. Atravs de

uma anlise de seus poemas, busca-se demonstrar de que forma e at que ponto a retrica do MIR

influenciou o pensamento poltico do jovem brasileiro, dentro daquilo que pode ser concludo a partir de

seus textos. Tambm possvel perceber a preocupao do estudante exilado com a situao em seu pas

natal, em frequentes menes ditadura brasileira e a luta para derroc-la.

Palavras-chave: Ditadura civil-militar brasileira; Hombre Amrica (livro); Movimiento de Izquierda

Revolucionaria (Chile); Nilton Rosa da Silva; Poesia militante.

Resumen: Este trabajo busca analizar aspectos de la trayectoria militante de Nilton Rosa da Silva,

estudiante brasileo que se exili en el Chile durante el Gobierno de Salvador Allende, donde pas a

militar en el Movimiento de Izquierda Revolucionaria (MIR), acabando por ser muerto en junio de 1973

por grupos de ultraderecha que buscaban el golpe de Estado. El estudio est centrado en el libro de

poesas Hombre Amrica (1972), publicado a mimegrafo por Nilton da Silva en Santiago y hasta el da

de hoy indito en Brasil. A travs de un anlisis de sus poemas, se busca demostrar de que manera y

hasta qu punto la retrica del MIR ha influido en el pensamiento poltico del joven brasileo, dentro de

lo que puede concluirse a partir de sus textos. Tambin es posible percibir la preocupacin del estudiante

exiliado con la situacin en su pas natal, en frecuentes alusiones a la dictadura brasilea y a la lucha para

derrocarla.

Palabras clave: Dictadura civil-militar brasilea; Hombre Amrica (libro); Movimiento de Izquierda

Revolucionaria (Chile); Nilton Rosa da Silva; Poesa militante.

Introduo

O brasileiro Nilton Rosa da Silva morreu no Chile, em junho de 1973, cerca de

trs meses antes do golpe militar que derrubaria o governo do socialista Salvador

Allende, dando incio aos dezessete anos da ditadura encabeada pelo general Augusto

Pinochet. Em meio crise final da administrao allendista, Nilton caiu assassinado

num momento de especial tenso, quando a ameaa de golpe j era percebida em muitos

crculos de esquerda e as manifestaes opositoras ao governo vinham crescendo: de

fato, sua morte se deu durante uma passeata contra Allende, quando grupos

conservadores e esquerdistas entraram em choque nas ruas de Santiago, nas

proximidades do palcio presidencial de La Moneda.

1 Mestrando no Programa de Ps-Graduao em Histria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

(UFRGS). Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientfico e Tecnolgico (CNPq).

Bacharel em Comunicao Social Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

2

A morte de Nilton da Silva foi e no foi acidental: por um lado, praticamente

certo que ele no era buscado em particular como vtima premeditada da violncia; por

outro, seu assassinato no era mera casualidade, pois se integrava a um quadro de

tenses evidentes vividas naquele momento, com grupos armados de ultradireita e de

extrema-esquerda frequentemente entrando em conflitos similares ao que vitimou

Nilton, quando ocorriam passeatas fossem elas a favor ou contra o governo. Nilton da

Silva pertencia a uma dessas organizaes muitas vezes colocadas numa das

extremidades do espectro poltico do Chile em 1973: era militante do Movimiento de

Izquierda Revolucionaria (MIR), faco poltica considerada esquerda da prpria

coalizo governista (a Unidade Popular UP , encabeada pelos partidos comunista e

socialista), e que manteve at o fim o discurso da luta armada como nica alternativa

para alcanar uma Revoluo no pas. Esse posicionamento estava em desacordo com o

tom mais ameno defendido publicamente por Allende, e especialmente pelos

comunistas, que propunham a via chilena ao socialismo uma transio sem pegar

em armas e respeitando a legalidade pr-existente vitria eleitoral registrada em

setembro de 1970.

Sem ser casual, a morte de Nilton foi, de certo modo, excepcional: no era um

caso indito, mas ainda assim era suficientemente raro, que um militante casse por suas

convices polticas, em um conflito de armas na mo, num pas que afinal ainda

estava sob um regime democrtico. Tal condio faria com que seu assassinato passasse

por tentativas de apropriao num discurso poltico mais amplo, convertendo-se

temporariamente num mrtir do MIR (logo seria superado, dentro da narrativa do

movimento, pelas centenas de vtimas da ditadura), e seu funeral multitudinrio

reunindo militantes no apenas ligados ao mirismo, mas tambm aos partidos da UP,

mesmo aqueles que eram crticos ao MIR pode ser considerado uma manifestao da

tentativa final da esquerda chilena de encontrar uma unio para se articular na defesa do

governo ou na eventual resistncia a um golpe2.

Neste trabalho, entretanto, eu gostaria de analisar outro aspecto, relacionado no

morte, mas vida de Nilton Rosa da Silva, com um olhar particularizado sobre uma

srie de poemas escritos durante seu perodo no Chile. Exilado no pas desde 1971, o

estudante brasileiro ingressou no curso de Castelhano do Instituto Pedaggico da

2 Uma anlise aprofundada desta situao compe o problema central da dissertao de mestrado que

desenvolvo atualmente.

3

Universidade do Chile3 e, pouco tempo depois, passou a integrar as fileiras do MIR.

Interessado em literatura, gostava de escrever poesia, ajudou a fundar uma revista

literria no curso e chegou a publicar um curto livro em meados de 1972: Hombre

Amrica, edio mimeografada que circulou somente entre amigos e colegas, sem

jamais ter chegado ao Brasil, a qual pudemos localizar, permitindo este estudo4. Atravs

da anlise dos vestgios da trajetria militante de Nilton, assim como de documentos

oficiais e discursos das lideranas do MIR, este artigo prope uma discusso sobre de

que modo e at que ponto a poesia do estudante brasileiro esteve influenciada por

essa retrica revolucionria que pregava a luta armada mesmo em tempos de um

governo socialista eleito democraticamente.

Algumas consideraes sobre o uso da biografia na histria

Conhecendo o final de sua vida e o funeral que reuniu milhares de pessoas nas

ruas de Santiago, o primeiro poema includo por Nilton Rosa da Silva no volume soa

surpreendentemente proftico:

Mi nombre no es ms mi nombre,

porque yo no soy, siquiera yo,

porque soy hombre, hermano, combatiente,

porque hoy soy arma, polvo, agua y sangre.

Hoy soy amrica dormida que despierta,

soy los explotados del mundo

que se rebelan,

soy los fusiles que empuan

los pueblos en lucha.

Hoy soy pueblo5

De certo modo, pode-se dizer que, ao encontrar a morte numa esquina chuvosa

de Santiago em 15 de junho de 1973, Nilton deixou de ser ele mesmo e passou a ser

no discurso do mirismo aquilo que fizeram dele, as apropriaes e construes que se

3 Desmembrado da Universidade do Chile durante o processo de reorganizao e privatizao do ensino

superior levado a cabo por Pinochet na dcada de 1980, o Instituto Pedaggico tornou-se uma instituio

independente e atualmente conhecido como a Universidade Metropolitana de Cincias da Educao

(UMCE). 4 Agradeo ao esforo investigativo de Raul Ellwanger, membro do Comit Gacho da Verdade,

Memria e Justia Carlos de R, tambm estudante do Instituto Pedaggico poca dos acontecimentos.

Ellwanger obteve, junto a ex-colegas chilenos, uma verso do livro, cujas cpias fac-similares me foram

gentilmente cedidas para esta pesquisa. 5 Poema I. Silva (1972, s.p.).

4

efetuaram naquele contexto de crise. Hoy soy pueblo, um verso to poderoso, parece

encaixar-se perfeitamente com as cenas registradas em seu funeral, dois dias depois,

quando milhares de militantes dos mais diversos partidos da esquerda acompanharam o

cortejo fnebre at o Cemitrio Geral da comuna da Recoleta. evidente, contudo, que

nenhuma premonio pode ser encontrada nas linhas escritas por Nilton. No

improvvel que ele tenha, mais de uma vez, considerado a hiptese de morrer por suas

convices polticas tendo sado do Brasil em pleno governo de Emlio Garrastazu

Mdici e militando num movimento que defendia o uso das armas para criar o poder

popular , e isso pode ser percebido em outras passagens de seu texto. Mas a

invoca