Top Banner

of 100

A C‰LULA VEGETAL E O CICLO CELULAR. A C‰LULA VEGETAL Procariotos e Eucariotos

Apr 18, 2015

ReportDownload

Documents

internet

  • Slide 1
  • A CLULA VEGETAL E O CICLO CELULAR
  • Slide 2
  • A CLULA VEGETAL Procariotos e Eucariotos
  • Slide 3
  • Slide 4
  • PAREDE CELULAR
  • Slide 5
  • Slide 6
  • PAREDES PRIMRIAS E SECUNDRIAS
  • Slide 7
  • LAMELA MDIA E PAREDE CELULAR
  • Slide 8
  • Slide 9
  • Slide 10
  • LIGNINA E ESPESSAMENTO DA MEMBRANA
  • Slide 11
  • CONEXES ENTRE PROTOPLASTOS
  • Slide 12
  • Slide 13
  • Slide 14
  • Slide 15
  • TRANSPORTE TRANSMEMBRANA
  • Slide 16
  • Slide 17
  • Slide 18
  • VACOLO
  • Slide 19
  • INCLUSES CITOPLASMTICAS
  • Slide 20
  • PLASTDEOS
  • Slide 21
  • CLOROPLASTOS
  • Slide 22
  • MICROTBULOS
  • Slide 23
  • RETCULO E GOLGI
  • Slide 24
  • MITOCNDRIAS
  • Slide 25
  • NCLEO
  • Slide 26
  • CICLO CELULAR
  • Slide 27
  • ORGANIZAO INTERNA DO CORPO VEGETAL
  • Slide 28
  • INTRODUO Botnica = observao & comparao Discernir semelhanas e diferenas; Generalizar; Sistematizar. Anatomia Descritiva: exame detalhado (posio no corpo vegetal); Ontogentica: desenvolvimento; Fisiolgica: funo.
  • Slide 29
  • INTRODUO Importncia: Fenmenos (corpo vegetal); Taxonomia; Confirmao de respostas morfogenticas; Estudos base molecular do desenv. Vegetal. Sees: Organizao geral do corpo vegetal; Diferentes tipos de clulas e tecidos; Anatomia dos rgos vegetativos; Anatomia dos rgosreprodutivos.
  • Slide 30
  • INTRODUO Morfologia: Organizao externa do vegetal; Organografia.
  • Slide 31
  • Embriognese formao do embrio Padro apical-basal eixo principal Padro radial arranjo concntrico dos sistemas de tecidos; Embriognese
  • Slide 32
  • A Formao do Embrio 1 diviso do zigoto assimtrica Polaridade Plo superior calazal Plo inferior micropilar Suspensor
  • Slide 33
  • Polaridade uma extremidade diferente da outra O estabelecimento da polaridade a primeira etapa essencial no desenvolvimento de todos os organismos superiores, pois ele fixa o eixo estrutural do corpo vegetativo, a espinha dorsal sobre a qual os apndices laterais estaro dispostos Em algumas angiospermas a polaridade j est estabelecida na oosfera e no zigoto. Embrio propriamente dito X proembrio.
  • Slide 34
  • Meristemas Primrios Protoderme Procmbio Meristema Fundamental
  • Slide 35
  • Estgios do Desenvolvimento Embrionrio Globular Cordiforme Torpedo Meristemas apicais
  • Slide 36
  • Slide 37
  • Mutao e embriognese Quando os fentipos so alterados com sucesso, possvel identificar os genes correspondentes que regulam o desenvolvimento vegetal. Alguns desses genes reguladores afetam o padro apical-basal do embrio e da plntula.
  • Slide 38
  • Embrio e Semente Fluxo de nutrientes Planta-me Tecidos do vulo Endosperma Perisperma Cotildones Pednculo ou funculo vulo Sistema nutricional fechado
  • Slide 39
  • Eixos Embrionrios Epictilo folhas e meristema apical acima dos cotildones Plmula Hipoctilo eixo caulinar abaixo dos cotildones. radcula
  • Slide 40
  • Formao da Semente Requisitos para a formao da semente Sementes dormentes Germinao Raiz primria ou pivotante Razes laterais / Razes adventcias Germinao epgea-Cotildones elevados acima do nvel do solo Germinao hipgea- Cotildones permanecem abaixo do nvel do solo
  • Slide 41
  • O perodo compreendido entre a germinao e o estabelecimento da plntula como um organismo independente constitui a fase mais crucial na histria de vida da planta. Durante esse perodo a planta fica mais vulnervel a danos por um amplo grupo de pragas de insetos e fungos parasticos, e o estresse hdrico pode, muito rapidamente mostrar-se fatal.
  • Slide 42
  • Morfologia e anatomia dos estdios sucessivos do desenv. de mamona (Ricinus communis)
  • Slide 43
  • Cortes de semente de mamona.
  • Slide 44
  • Morfologia e anatomia do desenvolvimento de mamona.
  • Slide 45
  • Floema = 1 Xilema = 2 Medula = 3 Periciclo = 4 Crtex = 5 5 5 5 5
  • Slide 46
  • Slide 47
  • Tecidos vegetais Tecidos permanentes Constitudo por tipos celulares restritos e originados do meristema; Sistema drmico edpiderme, cobertura externa. Sistema vascular formado pelos elementos condutores, xilema e floema. Sistema fundamental ocupa espaos no preenchidos pelos sistemas dermico e fundamental.
  • Slide 48
  • Epiderme Camada de revestimento do corpo primrio, geralmente de uma camada; As funes normais na parte area so: restrio de perda dgua, proteo mecnica, trocas gasosas, reserva de gua e produtos metablicos. Presena de cutcula, revestindo a parede externa da epiderme.
  • Slide 49
  • Epiderme Geralmente a parede externa cutinizada, revestida pela cutcula (substncia graxa/ ceras, leos resinas e sais cristalinos); Tricomas; Estmatos;
  • Slide 50
  • Colnquima um tecido vivo que juntamente com o tecido morto (esclernquima) constitui o principal sistema de suporte das plantas; Esclernquima Apresenta paredes espessas e lignificadas; Clulas: Escleritos e fibras. Esclernquima
  • Slide 51
  • Tecidos condutores Xilema: Responsvel pela conduo de gua e sais; Floema: Responsvel pela conduo de compostos orgnicos
  • Slide 52
  • EPIDERME
  • Slide 53
  • Slide 54
  • Slide 55
  • Slide 56
  • Slide 57
  • PARNQUIMA
  • Slide 58
  • COLNQUIMA
  • Slide 59
  • ESCLERNQUIMA
  • Slide 60
  • AERNQUIMA
  • Slide 61
  • Slide 62
  • ANATOMIA E MORFOLOGIA DOS RGOS VEGETATIVOS
  • Slide 63
  • Raiz Primeira estrtura a emergir da semente em germinao; Funo de absoro, fixao, conduo e armazenemento, sendo algumas delas importantes rgos de armazenamento.
  • Slide 64
  • Raiz Acmulo de reserva em plantas bienais; As razes absorvem: gua, nutrientes minerais, ou ons inorgnicos que so deslocados pelo xilema e deslocado para partes areas das plantas; Produo de produtos do metabolismo secundrio tais como nicotina.
  • Slide 65
  • Raiz Raiz principal Razes nutrio Laterais 15 cm Raiz pivotante penetra mais profundamente no solo Raiz fasciculada agarram partculas do solo com mais superficialidade
  • Slide 66
  • Raiz Normalmente h um balano entre a rea de absoro dos nutrientes e as reas fotossinteticamente ativas de uma planta (se houver um dano ao sistema caulnar, haver uma reduo no crescimento das razes). O crescimento das razes um processo ininterrupto que cessa apenas sob condies adversas e na direo do menor esforo;
  • Slide 67
  • Raiz O pice protegido pela coifa (clula parenquimtica), que produz o mucigel; medida que as clulas da coifa descamam so substitudas pela ao meristemtica; A substncia viscosa produzida pelo complexo de golgi;
  • Slide 68
  • Raiz Organiza do pice da raiz Aberto Fechado A epiderme apresenta uma origem em comum com a coifa
  • Slide 69
  • Raiz Diviso Alongamento Maturao
  • Slide 70
  • Raiz Tricomas radiculares
  • Slide 71
  • Raiz
  • Slide 72
  • Crescimento secundrio: Estrias de Cspari Lignina Suberina Tipos de Raiz Tuberosa: 1 axial; 2 lateral. Suporte Haustrios Modificaes na Raiz Micorrizas Ndulos
  • Slide 73
  • Folha Conceito So apndices laminares do caule, geralmente clorofilados, e apresentam crescimento limitado Quando completa constituda de limbo e pecolo, podendo apresentar, ainda estpulas e bainha
  • Slide 74
  • Folha Partes da folha Limbo - poro laminar, achatada, em que so encontrados os tecidos Pecolo - Haste comunicante entre a folha e o caule Bainha - expanso proximal achatada do pecolo
  • Slide 75
  • Folha Classificao foliar quanto a: Presena de pecolo Folha peciolada: folha com pecolo Folha sssil: folha sem pecolo Face do limbo limbo Face superior: adaxial ou ventral Face inferior: abaxial ou dorsal
  • Slide 76
  • Folha
  • Slide 77
  • Configurao da folha quanto ao limbo Folha simples - quando o limbo no dividido em fololos ou pinas Folha composta - quando o limbo consiste de fololos separados Folha
  • Slide 78
  • Peninrvea ou pinada (uma nica nervura central primria d origem a nervuras de ordem superior); Palmatinrvea ou actindroma (trs ou mais nervuras primrias divergem radialmente de um ponto inicial comum); Paralelinrvea ou paraleldroma (uma ou mais nervuras primrias originam-se lado a lado na base da folha e correm paralel